Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

Foto de capa Podcast.png Ora viva! 👋

A uma semana do Dia dos Namorados, e da nossa Soirée dos Solteiros, regresso ao teu convívio para mais uma conversa amiga entre solteira de Lisboa e solteiros da lusofonia. No podcast desta semana abordo o primeiro encontro, um momento muito desejado por aqueles que se propõem a dar uma oportunidade a si e ao pretendente. Precisamente por ser tão desejado, é também um momento temido, capaz de gerar ansiedade, angústia e insegurança.

Porque o amor está no ar, e esta altura do ano é propensa a que ele aconteça, neste 12º episódio do Ainda Solteiros faço uma listagem das boas práticas para o primeiro encontro, abordando os erros a serem evitados, as questões a esclarecer,  o que não se deve de todo dizer, o número ideal de encontros e as melhores atividades.

Para os homens, sobre quem recai a fatia maior da responsabilidade quando se trata do first date, dedico uma atenção especial, com dicas para garantir que o encontro seja um sucesso e recomendações sobre gaffes a serem evitadas a todo o custo, sob pena de não mais voltarem a por os olhos em cima da crush.

O melhor mesmo é ouvires o episódio Boas práticas para o primeiro encontro, já disponível nas plataformas Spotify, Apple Podcasts e Google Podcasts. Mais uma vez, desafio-te a reagir, seja através de partilha, recomendação, comentário ou resposta ao inquérito.

Caso estejas a pensar aventurar-te num primeiro encontro, espero que este episódio te seja de grande utilidade. Boa sorte e que o amor 💘 esteja contigo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foto de capa Podcast.png
Ora viva! 👋

Como adiantado no post anterior, estou de volta com um novo episódio do meu, do teu, do nosso podcast Ainda Solteiros, aquele que é de solteira para solteiros e que trata de todo o tipo de temas transversais à solteirice, sem tabus nem papas na língua. No programa de hoje, falo das aplicações de encontro, as tais soluções tecnológicas que estão aí para nos facilitar a busca pelo amor, mas que muitas vezes mais atrapalham do que ajudam.

A minha odisseia pelo ciberespaço em busca do amor é sobejamente conhecida por ti e por todos aqueles que consomem os meus conteúdos. As plataformas de encontro - apps de engate, como gosto de chamá-las - são um tema que não se esgota na sua (in)significância e sobre as quais não me canso de escrever, falar, resmungar. Chegou, pois, a vez de "podcastar" sobre elas.

Com umas mais interessadas em relacionamento sério e outras assumidamente focadas em relações casuais, essas aplicações assumem, nos dias de hoje, um papel preponderante no atual panorama das relações amorosas, não só por fomentarem a tão conveniente interatividade, imediata e ininterrupta, como por aumentarem exponencialmente o leque de opções.

Assim, neste décimo primeiro programa faço uma viagem por uma série de aplicações por mim utilizadas e sobre as quais teço considerações pessoais, baseadas tão somente em experiências próprias. Existem aquelas que recomendo vivamente e outras que considero não valerem a pena. O melhor mesmo é ouvires o episódio e decidires por ti mesma quais as que se adequam melhor ao teu perfil. Para acederes ao episódio Apps de encontro para todos os gostos, basta clicares num destes três links: Spotify, Apple Podcasts e Google Podcasts.

Beijos meus 💋 em ti e até sexta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

24
Jan23

Foto de capa Podcast.png
Ora viva! ✌️

Voltei, e comigo trouxe um novo episódio do podcast, inteiramente dedicado ao assunto mais quente deste blog, aquele que há mais de quatros anos mantém-se no pódio dos mais lidos. És capaz de adivinhar a que me refiro? Não? Dou-te uma pista: é doce como o açúcar.

Acredito que já devas ter ouvido falar de sugar daddies e sugar babies. E de sugar mommies? Tens curiosidade em saber mais sobre o assunto? No programa de hoje irás entender tudo sobre o tema best reader do Ainda Solteira, aquele que conta com mais visitas, mais vizualizações, mais leituras, mais comentários e mais reações, desde a sua publicação, em 22 de janeiro de 2018, e que fala precisamente sobre as mulheres que pagam por amor e sexo.

Ao longo de 29 minutos, vais entender porque cada vez mais homens jovens e atraentes procuram relacionar-se com essas mulheres mais experientes e cheias de poder, dispostas a patrocinar um parceiro mais novo em troca de companhia sexual, sentimental, social e lúdica.

O episódio 10 da saga Ainda Solteiros já está disponível, como de costume, no Spotify, na Apple Podcasts e no Google Podcasts. Corre para ouvir, que eu caprichei na abordagem à questão das cotas jovens que bancam garotões, como se diz no Brasil, em troca de prazer.

Agora falando diretamente para os inúmeros boys que, em reação ao citado post, enviaram mensagens a oferecerem os seus préstimos, é bom que retenham isto: se queres ser um sugar baby, é bom que estejas preparado para estar à altura das sugar mommies, pois elas não brincam em serviço, costumam ser ainda mais taxativas e exigentes do que os sugar daddies.

Traduzindo, não te vais safar apenas com uma carinha laroca e um corpinho tonificado; tens que ter tutano, ou seja, possuir formação e informação. Atenção que não estou a dizer que é mandatório que possuas estudos superiores ou que saibas falar mandarim. Nada disso! Tens é que saber entrar, estar, sair, expressar, conversar, fazer boa figura, no fundo. Ouve este episódio para entenderes a mensagem que te quero passar.

Agora que o recado está dado vou à minha vidinha, que hoje é dia de ir ao ginásio 😩. Após mais de sete meses de baldação, estes primeiros dias têm-me custado horrores. Sinto dor em sítios que nem sabia ser possível sentir dor. Reza por mim, estás bem? 😉

Beijo beijo 💋 e até sexta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

17
Jan23

Foto de capa Podcast.png
Ora viva! ✌️

Para deleite meu, eis-me de volta com mais um episódio do podcast. A gravação teve que ser à amadora, ou seja, realizada em casa, com recurso a um único dispositivo: o meu iPhone 8, que já está a pedir um substituto mais moderno, é bom reconhecer. Seja como for, consegui atingir o objetivo a que me propus ontem, motivo pelo qual hoje sinto-me uma mulher realizada. 

Após uma pausa de três semanas, perfeitamente justificável, já que estava absorvida no pré e pós Empodera-te!, eis-me de volta à versão Sara radialista. Passaram-se apenas 11 dias desde a última vez que me exprimi verbalmente para uma audiência, mas a saudade já era muita. E é precisamente sobre o evento do dia 7 de janeiro, em que fui mentora, organizadora e palestrante, que se debruça este novo episódio, o primeiro do ano 2023.

Eu bem que disse que terias que ter paciência comigo, pois estes dias os meus conteúdos girariam à volta de um único tema. Como tal, no nono programa do Ainda Solteiros, faço um apanhado daquele que se revelou um evento épico, repleto de uma energia inspiradora, reveladora, transformadora, avassaladora, para todos os envolvidos. 

Aproveitei o tempo de antena para dar um cheirinho das minhas próximas iniciativas: uma festa dos solteiros para o dia dos namorados e uma segunda edição do Empodera-te! Ah, pois é, vamos à segunda volta e as diligências necessárias à sua efetivação decorrem a todo o vapor.

O episódio 'A magia do Empodera-te!' está disponível nos sítios de costume: Spotify, Apple Podcasts e Google Podcasts. Convido-te a ouvir, partilhar, comentar, recomendar, no fundo a viver a magia deste movimento em nome do empoderamento feminino.

Beijo beijo 💋 e até breve!

Autoria e outros dados (tags, etc)

16
Jan23

8DD78062-1E22-4B06-BDF6-00519A5AA61A.jpeg
Ora viva! ✌️ 

Que tal começarmos a semana em grande estilo, inspirados pela melhor de todas as energias, o amor? Como já deves estar ciente, vem aí o Dia dos Namorados, e com ele dias tensos para quem não tem com quem trocar prendas e juras de amor.

Acredito, e para isso tenho batalhado desde a criação deste blog, já lá vão quase oito anos, que os solteiros merecem celebrar a data tanto ou mais do que os enamorados, uma vez que a situação amorosa jamais deve ser condição sine qua non para ser e estar feliz, muito menos para celebrar o amor. Como tal, quero convidar-te para um evento, que visa dar aos celibatários a oportunidade de desfrutarem da data ao lados de pessoas com o mesmo perfil. Toma nota:

Estás sem par, mas apetece-te celebrar o Dia dos Namorados? Se pensas que mereces celebrar o amor, a amizade e a vida, a Soirée dos Solteiros é a festa certa para ires no dia 14 de fevereiro. O By Milocas, um dos melhores restaurantes de Lisboa, localizado no CCCV - Centro Cultural de Cabo Verde, abrirá as suas portas para acolher os corações solitários que desejam festejar o Dia de São Valentim na companhia daqueles que melhor os entendem: solteiros.

Junta-te a nós e desfruta de um momento agradável, acompanhado de comida, bebida, DJ e boa companhia. A festa, que começa a partir das 19 horas e acaba à meia-noite, tem um custo de 25 euros e dá direito a jantar (1 prato à escolha), 2 bebidas, 1 sobremesa e música para dançares a noite toda.

As inscrições só serão consideradas válidas após transferência por MBWAY para o número 917770812, e posterior envio de comprovativo de pagamento para o e-mail geral@aindasolteira.org. Qualquer dúvida, não hesites em contactar-me, que terei todo o gosto em esclarecê-la.

Tentarei regressar amanhã, com um novo episódio do podcast, sim o Ainda Solteiros, que parece que caiu no esquecimento, mas que permanece bem presente na minha mente. Até lá, beijo 💋 em ti!

Autoria e outros dados (tags, etc)

20
Dez22

Foto de capa Podcast.png
Ora viva! 👋

Voltei, e comigo trouxe um presente que sei que vais adorar: um novo episódio do Ainda Solteiros, o podcast de solteira para solteiros, o qual vem conquistando a atenção e a admiração das pessoas, e olha que nem todas solteiras. 

No outro dia, recebi uma mensagem de uma ouvinte a dar conta de que "apanhou" o namorado a ouvir-me enquanto lavava a louça. Agora diz-me se não tenho motivos para estar orgulhosa e cheia de mim. Têm sido inspiradoras, deveras motivadoras, as reações que me têm chegado ao conhecimento. Bem mais tenho eu para partilhar, expor, debater, desconstruir, no fundo, para "podcastar".

Por ora fico-me pelo assunto que me trouxe aqui hoje, um novo episódio; e o último do ano, parece-me. Para além do facto de ir tirar uma semana de férias, entre o Natal e o Ano Novo, este período é complicado para conseguir arrastar os convidados até um estúdio, sem falar na disponibilidade deste último em agendar gravações. Em ponderação está a hipótese de eu gravar com o telemóvel, mas tenho sérias dúvidas de que o som terá a qualidade que faço questão.

Vamos ver... em último caso, se conseguir inspiração, gravarei um áudio, apenas para te por a par das últimas e desejar-te uma entrada triunfante em 2023. Apesar de, pelo segundo ano consecutivo, não ir passar as festas com a minha família em França, pretendo abraçar fortemente o modo dolce fare niente nos próximos dias. Não só para descansar, mas sobretudo para me preparar para a reta final do Empodera-te!, o tal evento de 7 de janeiro de que te dei conta noutras ocasiões. 

Bem, já estou a dispersar e a distanciar-me do tema deste post. Vamos lá então... neste oitavo episódio do podcast estive à conversa com a Tercia Lima, com quem partilho praticamente tudo. Nascemos no mesmo ano, no mesmo país, fazemos anos com um mês de diferença, andamos no mesmo liceu, viemos para Portugal quase na mesma altura, moramos na mesma rua, frequentamos o mesmo ginásio, nunca nos casámos, nem vivemos juntas, e fazemos o possível - e, às vezes, o impossível - para sermos felizes.

O que nos diferencia é que ela, além de solteira, é mãe, facto que confere uma perspetiva diferente à sua experiência enquanto celibatária na casa dos entas. Convido-te a conhecer melhor esta miúda gira e traquina, que além de minha bestie, é uma das solteiras mais bem-resolvidas e empoderadas que conheço. Sério, quando crescer quero ser como ela.

O episódio já está disponível no Spotify, na Apple Podcasts e no Google Podcasts (para surpresa minha, há dias descobri que sempre esteve aí, já que a ancoragem automática permite tal coisa). 

Beijo💋 em ti e até sexta, altura em que estarei de volta com o último conteúdo do ano, a nova crónica para o Balai Cabo Verde. Hasta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

19
Dez22

julien-l-cjGSSOFflEE-unsplash.jpg
Ora viva! 👋

Acaso és daquelas pessoas que acredita em astrologia, mais especificamente, em como ela influencia - para não dizer determinar - a nossa personalidade, logo o nosso comportamento? Apesar de considerada uma pseudociência, ou seja, não reconhecida pela academia como uma ciência de facto e de direito, ao contrário da astronomia, eu acredito na astrologia. Até porque a revejo-me em praticamente tudo o que ela assume como sendo as caraterísticas do meu signo.

Tudo isto para dizer que existem nativos que, pelo signo pelo qual se regem, são mais propensos à solteirice, até porque sabemos nós bem que trocar a liberdade por uma relação duradoura é um compromisso que nem todas as criaturas estão dispostas a fazer. E muitos sequer têm perfil para tal, tamanha a sua natureza indivualista, ou egoísta, como muitos gostam de vaticinar.

Vamos lá então ver quem são os membros do clube "solteiros com orgulho", de acordo com a revista Máxima:

Capricórnio
Teimosos por natureza, os nascidos entre 22 de dezembro e 20 de janeiro sabem bem o que querem e gostam das coisas feitas à sua maneira. É por isso que procuram relacionar-se com pessoas que partilhem da sua tenacidade, mas se não as encontrarem, preferem ficar apenas com a companhia da sua independência.

Peixes
Os nativos do décimo segundo, e último signo do zodíaco, são pessoas calmas e sensíveis, que adoram passar o serão no sofá na companhia de uma manta, de um livro e de um chá. Ocasionalmente dão o ar da sua graça em eventos sociais, mas sempre com a intenção de regressar às águas livres da sua natureza livre, motivo pelo qual encaram a solteirice como uma benção e não uma maldição.

Escorpião
Os nascidos entre 23 de outubro e 22 de novembro tendem a procurar nos outros qualidades semelhantes às suas. Na sua mente, este é um plano sem falhas no que toca a relações amorosas. No entanto, também são muito protetores da sua privacidade e ficam logo em modo defesa quando alguém tenta derrubar as suas barreiras. 

Caranguejo
Os nascidos entre 21 de junho e 22 de julho são conhecidos por serem sensíveis, carinhosos e de gostarem de cuidar dos outros. Porém, a sua sensibilidade extrema torna-os suscetíveis a oscilações de humor, como uma esponja que absorve as emoções à sua volta, e por isso tornam-se cautelosos com quem deixam entrar no seu círculo interior. Uma boa série de televisão é-lhes muito mais atrativo do que um programas a dois. 

Virgem
Este é um dos signos mais workaholics do Zodíaco. Por serem hiper dependentes e gostarem de gastar o tempo livre com os seus hobbies, sem aborrecimentos externos, não costumam ser vistos como um bom par romântico. Na eventualidade de serem convidados para festas ou convívios, há uma grande probabilidade de priorizarem o trabalho ou o seu sono de beleza.

Sentenças astrológicas à parte, estar numa relação amorosa não é para todos e há mesmo quem prefira o celibato ao emparelhamento. Obviamente que isso não quer dizer que não se relacionam sentimentalmente, menos ainda que não sabem aproveitar o lado bom do romance. Envolvem-se, aventuram-se, divertem-se, ou seja desfrutam de tudo a que têm direito, desde que isso não implique um compromisso duradouro ou definitivo. 

Meu bem, por hoje é tudo. Cá te espero amanhã para mais uma conversa amiga entre mim e uma solteira gira e traquina chamada Tercia Lima. Juntas vamos desconstruir um pouco mais as alegrias, amarguras, frustrações e compensações da solteirice de longa duração.

Beijo 💋 em ti e até amanhã!

Autoria e outros dados (tags, etc)

5DD1BF8B-76FE-402E-A76F-9DC2D6AFFFB3.jpeg
Ora viva! 👋

Há cerca de um mês, no post Solteiros: o poder dos números, dei conta dos dígitos à volta da solteirice, uma tendência cada vez mais incontornável a nível global. Não sendo Portugal alheio a esta realidade, que tal hoje analisarmos o poder dos números dos solteiros em território luso, à luz dos últimos dados demográficos da população?

De acordo com os Censos 2021, cujas principais conclusões foram divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), no passado dia 23 de novembro, existem em Portugal mais solteiros que casados e mais divorciados que viúvos, com o número de divórcios a crescer e de matrimónios a descer. 

Os números revelam que 43,5% das pessoas estão solteiras, com quase 2,3 milhões de homens desemparelhados, número ligeiramente superior ao de mulheres na mesma situação (menos de 2,2 milhões). Em termos geográficos, é na Área Metropolitana de Lisboa que se concentra quase metade da população que assumiu estar solteira, ao contrário do Centro, a região com menos solteiros (39,5%).

Só para teres uma ideia, a população com estado civil "casado" representa atualmente 41%, uma redução em 2,2 pontos percentuais face a 2011. São cerca de 4,2 milhões de portugueses casados, menos que os cerca de 4,5 milhões de solteiros.

Quanto aos descasados, a percentagem é, "pela primeira vez, superior ao valor da população com estado civil viúvo", cerca de 7,5%. É na região de Lisboa que se regista a mais baixa percentagem de casados (35%) e de viúvos (6,7%) e a segunda maior de divorciados (9,2%).

A análise do estado civil por sexo revela "algumas diferenças entre homens e mulheres", com os indivíduos do sexo masculino em número superior entre os solteiros e indivíduos do sexo feminino a estarem mais representados entre os viúvos e divorciados. "A proporção de homens solteiros é de 47%, face a 40,3% de mulheres solteiras", esclarece o INE.

É, meu bem, como pudeste constatar, não há volta a dar a esta questão da solteirice e de pouco adianta ignorar tal facto. O que importa mesmo é que consigamos sacudir a pressão para nos emparelharmos no matter what e que estejamos cada vez mais conscientes de que o emparelhamento só faz sentido se for para nos fazer e fazer o outro feliz.

Aquele abraço amigo de bom fim de semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Dez22

85650D07-2AAE-4146-B14C-48C0A95942C3.jpeg
Ora viva! ✌️ 

Cá estou eu de volta com mais um episódio do meu, do teu, do nosso podcast Ainda Solteiros, em mais uma conversa amiga, a terceira desta primeira temporada e a segunda com uma celibatária. Neste sétimo episódio estive à conversa com a Inês Monteiro, uma descendente de angolanos, que tem muito a dizer sobre a realidade da solteirice no feminino.

Conheci a Inês - Mella, com prefere ser tratada - na inaguração de uma exposição de pintura, da própria mãe, da qual era ela a curadora. A empatia e a simpatia foram de tal forma instantânea e espontânea que, quando soube que estava desemparelhada, e bem resolvida com isso, desafei-a na hora para dar a sua voz no podcast, já que assume uma visão do celibato digna de ser partilhada, e enaltecida.

No programa de hoje, esta solteira gira, na casa dos 30, assume sem hesitação que já não se mete em relações projetos. Relações projetos, o que é isso? Ouve o episódio que ficarás a saber tudo o que esta menina das artes - ela é curadora e fundadora do atelier colaborativo Moela Analógica - tem a dizer sobre várias questões relacionadas com a solteirice, desde aplicações de engate, encontros amorosos e sexo, acabando no amor próprio.

Disponível no Spotify e na Apple Podcasts a partir de agora, só tens que clicar nos links e... voilá, estarás a ouvir-nos a mim e à convidada desta semana. Fico à espera da tua reação, que sabes que é mesmo importante para mim.

Enquanto isso, deixo-te com aquele abraço amigo de sempre!

Autoria e outros dados (tags, etc)

06
Dez22

062047F1-734B-43CE-9058-EECCD34EC0F2.jpeg
Ora viva! ✌️ 

Já está disponível online mais um episódio do nosso podcast Ainda Solteiros. Naquela que é a sexta aventura áudio, estive à conversa com o José Rui Rosário, um dos rostos de O Lado Negro da Força, movimento em cujo direto marquei presença em janeiro de 2021, como dei conhecimento no post Janeiro termina com live, live e... live.

No programa desta semana, tive o prazer de acolher o meu primeiro convidado do sexo oposto, uma conquista há muito desejada, como bem sabes. Numa conversa presencial amiga e aberta, de solteira para solteiro, este celibatário na idade dourada abriu o coração e a mente para partilhar connosco os desafios da solteirice no masculino.

Porque a causa que nos une é a mesma e a vontade de ser e estar feliz alheia a género, idade, raça ou cor da pele, convido-te a ouvir o novo episódio, disponível nas plataformas Spotify e Apple Podcasts. Igualmente convidado estás para te pronunciares a respeito do que ouviste.

Beijo 💋 em ti e até sexta-feira, altura em que estarei de volta com novidades sobre Empodera-te!, o evento que estou a organizar para o início de janeiro, como tenho dado cavaco nas redes sociais, e cujas inscrições abrem amanhã. Hasta! 👋

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D