Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!

girl-1258739_960_720.jpg

Viva!

Um estudo de comportamento apurou que cerca de ¼ da população norte-americana entre os 18 e os 29 anos não teve qualquer relação sexual durante um ano ou mais; uma tendência transversal a várias sociedades ocidentais e que tem vindo a acentuar-se nas últimas três décadas.

Para os especialistas, a explicação para este fastio sexual dos millennials (nome porque é tratada esta geração) parece residir na apetência pelo virtual em detrimento do real. "Há demasiadas solicitações virtuais que exigem respostas e que satisfazem esta geração. O próprio sexo pode ser sem parceiro ativo. O prazer, o desejo ou a atividade sexual já não são uma prioridade", considera um dos envolvidos no estudo.

A propósito disso, Luís Pedro Nunes, numa crónica para a GQ, descreve o estado anémico da vida sexual dos jovens nestes termos: "Li algures uma série de possibilidades que podem estar a contribuir para esta crise de tesão-jovem: alterações na cultura de engate; viver na casa dos pais até tarde; efeitos secundários dos antidepressivos; a explosão do Netflix; aumento do estrogénio devido ao plástico na comida; queda da testosterona; vício no porno digital; viver-se a era de ouro do vibrador; obsessão na carreira; as apps de engate; privação de sono; epidemia da obesidade e mais uma catrefada. Há ainda questões religiosas de jovens que optam por permanecerem virgens até encontrar 'a pessoa certa'". 

Na ótica deste cronista, "o real é cada vez mais um lugar perigoso, onde as regras são pouco claras, cheio de armadilhas e múltiplas interpretações, para além do risco de se ser humilhado pela rejeição – o maior dos medos. E estas apps de engate estão pensadas para que tal humilhação não aconteça, pois há uma troca feita para anular a possibilidade de rejeição. Perante tanto sexo digital, tanta excitação online, tanta emoção de expectativa nas apps, tanta conversa no sexting, o sexo em si – o sexo tradicional, aquilo, tipo, um com uma e nada mais – acaba por parecer dececionante para um jovem".

Se a malta continuar a pinar a este ritmo cada vez mais desacelerado, a humanidade caminha a passo de corrida para a extinção, já que o sexo é a matéria-prima sem a qual a fábrica de bebés dificilmente consegue laborar a pleno vapor. A diminuição do número de cambalhotas é tão flagrante que a maternidade anda em gestão lay-off e as mulheres engravidam cada vez menos e em idade mais avançada.

Just saying, afinal quem avisa amigo é!

Autoria e outros dados (tags, etc)

46430828_2230107023937386_205621529231228928_n.jpg

Viva!

 

Era minha intenção publicar hoje um novo episódio da saga Como arranjar marido, desta feita sobre Como parecer bem na frente dele, assunto de que venho falando nas duas últimas crónicas. A meio da redação, adentra-me pela caixa de correio uma mensagem da Fixando a comunicar-me que aquela nossa parceria do final do ano, intitulada Como começar 2019 em grande, acaba de dar à luz a uma encantadora publicação no blog Inverno Quente. É pois com o coração repleto de orgulho e gratidão que transcrevo o texto deles.

 

Sapo do Ano na categoria 'Sexualidade': Ainda Solteira

 

Não falo muitas vezes de sexualidade aqui no blog, mas falo de mulheres fortes, independentes e que sabem o que querem. A Lego Luna (o moniker usado pela Sara), a autora do Ainda Solteira, é uma dessas mulheres. 41 anos, luso-cabo-verdiana, solteira por escolha própria. Agora, o blog Ainda Solteira! acaba de ganhar um 'Sapo do Ano' na categoria Sexualidade.

 

Aos 41 anos, a sociedade espera-te casada, mãe de filhos, recatada, sem ambições de subir muito mais na carreira. As pessoas perguntam-te o que há de errado contigo, porque não casas, porque é que ainda não és mãe. Relembram-te constantemente que é “agora ou nunca” porque estás a ficar velha, a menopausa está aí à porta (embora ainda te possa faltar mais de uma década...) e, como disse um determinado senhor francês, as mulheres com mais de 50 anos não podem ser sexy. Depois, vêm os julgamentos assim que "descobrem" que solteirice não equivale a celibato.

 

Isto porque não vale a pena ser hipócrita: a nossa sociedade só consegue conceber Marias e Marias Madalenas. As mulheres têm que caber numa dessas duas caixas, sem qualquer ponto intermédio. Nisso, ainda somos as nossas piores inimigas; as primeiras a julgar quem se atreve a não seguir o modelo familiar tradicional. Somos as primeiras a fazer as perguntas que não nos dizem respeito – porque não casaste, porque não és mãe, como é que és capaz de ter uma relação casual.

 

É sobre isso, mas não só, que o Ainda Solteira fala. Sobre as percepções que a nossa sociedade tem de mulheres que rejeitam os moldes familiares e que querem reescrever as regras do jogo. Cada pessoa tem de viver de acordo com as suas escolhas, não a de outra pessoa. Não deixes que nada te pare, ainda que os outros digam que toda a tua vida é uma heresia. O que é importante é que tu te sintas confortável, seja sozinha ou acompanhada. Não é uma corrida contra o tempo. E lembra-te que todas as mulheres podem ser sexy, independentemente da idade ;)

 

Um dia que parecia ter tudo para ser péssimo (por culpa da maldita virose que anda por aí a assombrar a saúde de todos e que conseguiu finalmente passar-me uma rasteira), num clique acaba de transformar-se num dos melhores deste ano, que já leva 16 dias contados. Sou ou não sou uma solteira abençoada?

 

Hasta, que é hora do chá de limão!

Autoria e outros dados (tags, etc)

DwQXSROWkAAsPDo.jpg

Viva!

 

Esta solteira aqui, a caminhar a passos lentos para as bodas de ouro de nascimento, também faz questão de ter uma palavra a dizer sobre toda esta polémica à volta do tal franciú que afirmou que as mulheres de 50 anos são velhas demais para serem amadas. Estejas mais ou menos por dentro do assunto do momento nas redes sociais, faço-te aqui um pequeno apanhado do caso.

 

Inúmeros meios de comunicação social divulgaram ontem que um autor e cronista francês (cujo nome recuso-me a citar para não lhe dar um tempo de antena que ele sequer merece), de 50 anos, confessou à revista Marie Claire que as mulheres com mais de 50 anos são "muito velhas" para amar e "invisíveis" para ele. A razão por detrás desta sua (aparente) "incapacidade" em amar uma mulher da sua idade reside no facto de ele preferir corpos mais jovens, com metade do tempo de vida, para ser mais exata. Segundo ele, "o corpo de uma mulher de 25 anos é extraordinário. O corpo de uma mulher de 50 anos não!"

 

Assim que estas declarações vieram a público, uma avalancha de críticas deslizou em direção ao dito cujo, que, não obstante tais reações, não retirou uma vírgula ao proferido. Aqui assumo que estou com ele e não abro mão. Antes que me bloqueies deixa-me explicar-te a razão por detrás desta minha posição.

 

Um homem considerar que mulheres de 50 anos não são "comestíveis", não faz delas nem mais nem menos mulheres. Lá porque um gajo diz que não se vê a amar uma mulher com essa idade não quer dizer – de todo – que ela seja feia, desinteressante ou unsexy. Significa simplesmente que um desinfeliz qualquer da vida, provavelmente à procura de uma alavanca para promover o seu último livro, disse que não as aprecia. Trata-se tão-somente da opinião dele, para a qual devemos todas cagar (desculpa lá a expressão).

 

Concordemos ou discordemos, ele tem direito a ter (e a dar) a sua opinião. Assim como ele, tu e eu também temos direito à nossa. Todos temos, ou deveríamos ter. É por isso que digo que estou com ele e não abro mão; não porque concorde com o seu ponto de vista, mas porque respeito quem diz o que pensa e mantém esse dizer mesmo quando impiedosamente criticado.

 

Pessoalmente, as declarações dele não me aqueceram nem arrefeceram; motivo pelo qual não consigo atinar com toda esta celeuma à volta do assunto. Alguma vez na vida permitiria que uma pessoa que conheço de lado nenhum abale a minha perceção ao ponto de sentir que tenho que lhe provar alguma coisa, como está a acontecer com dezenas de figuras públicas que andam pela rede a postar fotos e textos no intuito de mostrar o quão absurdas são estas afirmações? Isso seria dar-lhe demasiada importância; uma importância que ele não tem nem deveria ter se analisassem a questão à luz da razão e não da emoção.

 

Quanto mais falarmos dele, quanto mais reações tivermos, mais relevância estamos a dar à sua crença e mais protagonismo estamos a conferir à sua pessoa. A melhor forma de o por no seu devido lugar é ignorá-lo e não ter qualquer tipo de contacto com o que quer que venha dele. Tão simples quanto isso!

 

Aproveitando o embalo do novo ano, desejo, de todo o coração, que neste 2019 sejamos mais tolerantes para com as opiniões alheias, por mais que estas atentem contra as nossas próprias convicções.

 

Au revoir et vive les femmes de 50 ans; elles sont belles, sexy et puissantes!

Autoria e outros dados (tags, etc)

and-the-winner-is.jpg

Viva!

 

Há coisa de uma hora saiu o anúncio oficial com o resultado das votações aos Sapos do Ano. O Ainda Solteira foi considerado blog do ano na categoria Sexualidade, como poderás comprovar pelo comunicado original:

 

O prometido é devido e hoje cá estamos para vos dar os resultados.

Mas antes...

Queremos deixar aqui os nossos sinceros parabéns aos nomeados, aos finalistas e aos vencedores, principalmente àqueles que não recorreram a estratagemas nem inventaram emails para terem mais nomeações/votações. Honestamente, e como já manifestamos anteriormente, não percebemos o que levou alguns bloguistas a isto, dado que o prémio final dos Sapos do Ano é apenas isto: uma indicação no post de hoje e, talvez, mais alguns visitantes durante o dia de hoje. Depois, se não tiverem qualidade os visitantes não vão regressar e vocês ficam exactamente como estavam antes.

Esta foi a única coisa que nos entristeceu nos Sapos do Ano 2018: haver quem tenha deturpado todo o conceito, achando que ia ganhar mundos e fundos, esquecendo-se que se estavam a enganar a eles próprios porque, realmente de valor, é quem ganhou por mérito e não por estratagema.

Dito isto (que não poderia deixar de ser afirmado de novo), queremos também agradecer a todos as palavras de apoio e de incentivo que nos deram. O nosso mundo ficou certamente mais colorido por vossa culpa. Nós fomos, certamente, os grandes vencedores e nunca vos poderemos explicar o quanto foi bom estar deste lado. 

Fica aqui a nossa promessa. Em 2019 cá estaremos de novo. Marquem nas vossas agendas!

Cremos, no entanto, que não foi para isto que nos vieram visitar hoje. Supomos que queiram saber quem foram os vencedores do Sapo do Ano 2018. E por isso, sem mais demoras ou delongas, senhoras e senhores, meninas e meninas, uma salva de palmas para:

Amigos dos Animais - vencedor na categoria Animais

Mamã Paleo - vencedor na categoria Culinária

Geração Benfica - vencedor na categoria Desporto

Educar com Vida - vencedor na categoria Educação

Ser Super Mãe é uma treta - vencedor na categoria Família

Olhar d'Ouro - vencedor na categoria Fotografia

Desabafos da Mula - vencedor na categoria Generalista

Pequeno Caso Sério - vencedor na categoria Humor

Gadget Man - vencedor na categoria Inovação e Tecnologia

Contos da Menina Mulher - vencedor na categoria Lifestyle, Moda e Beleza

Stoneartbooks - vencedor na categoria Livros

Itugga - vencedor na categoria Opinião

Delito de Opinião - vencedor na categoria Política e Economia

Descontos - vencedor na categoria Poupança

Uma Barriga Renovada - vencedor na categoria Saúde

Ainda Solteira - vencedor na categoria Sexualidade

Mais uma vez, parabéns a todos!

 

Faltam-me palavras para descrever o caleidoscópio de emoções que assolam o meu espírito neste momento. Bem que estava a precisar, depois de um fim de semana marcado pelo falecimento da minha querida avó. Acredito, de todo o coração, que ela intercedeu por mim junto do staff celestial.

 

Muito muito, muito mesmo, obrigada a cada um de vós pelo vosso preciso clique. Sou imensamente grata por ter tanta gente que aprecia e valoriza a minha escrita. A vós devo esta distinção. Sois a razão de existir deste blog.

 

Um agradecimento muito sentido à minha tribo de Cabo Verde, que pôs o arquipélago todo a votar; aos meus colegas de trabalho e, especialmente, às minhas amigas do peito, que foram os melhores mandatários que o AS poderia ter. Um abraço especial à Magda e ao David por esta espetacular iniciativa, um selo de qualidade na blogosfera nacional. Obrigada por tudo.

 

A vitória é de todos nós!

Autoria e outros dados (tags, etc)

14
Dez18

Last minute vote

por LegoLuna

46463903_2230107807270641_6730115896297127936_o.jp

Viva!

 

Amanhã é dia 15 de dezembro. Sabes o que isso significa? Significa que é o dia em que termina prazo para as votações nos Sapos do Ano. Neste último dia de campanha eleitoral, apelo ao teu voto de última hora embalada por esses versos do Agostinho da Silva, citado pelo seguidor MM:
Eu não voto por rótulos. (...)
Eu não quero saber das campanhas eleitorais para nada.
Eu quero saber das ideias que as pessoas têm e da maneira como depois as vão defender e praticar.

 

Conto contigo para eleger o AS como blog do ano na categoria Sexualidade. Vota e põe os teus a votar, que cada voto é um passo em direção à vitória. Não te esqueças que sou a primeira opção da última categoria (mesmo mesmo no final da página).

 

Obrigada e até breve!

Autoria e outros dados (tags, etc)

08
Dez18

About last saturday...

por LegoLuna

GalaCB-279.jpg

Viva!

 

Como hoje não me apetece escrever, já que tenho que ir dar tarefa ao corpo no ginásio e à carteira nas compras de Natal, deixo-te com este registo da minha passagem por aquela gala de que te falei no post As 41 velas da Sara.

 

Despeço-me com aquele abraço amigo de sempre e um (novo) pedido para votares no Ainda Solteira para blog do ano na categoria Sexualidade. Na reta final da campanha – falta menos de uma semana para o término da votação – todo o voto é decisivo. Portanto, vota e pede aos teus contactos que votem aqui. Não te esqueças que eu sou a primeira opção da última categoria (bem no final da página).

 

Bom fim de semana e até à próxima!

Autoria e outros dados (tags, etc)

28424903_10215791447286187_5688895341270984887_o.j

Viva!

 

Uma publicação da GQ veio lançar uma nova luz sobre o conceito feminino de sexy quando o assunto é o corpo masculino. Por não me rever minimamente na ordem de importância dessas preferências, daqui para a frente passarei a adotar um discurso na terceira pessoa do plural ("elas"). Comprometo-me a, no final da crónica, partilhar contigo a minha própria versão da tabela classificativa (que ainda não sabes qual é, mas que passarei a explicar tout de suite).

 

Retomando o fio à meada, é facto assente que o chamado "six-pack" é uma parte da anatomia masculina amplamente cobiçada pelas portadoras de estrogénio e descaradamente invejada pelos detentores de testosterona que não desfrutam dessa graça viril. Tanto assim é que muitos homens dão o suor, sangue e lágrimas para obterem um abdómen esculpido. Outros, e são cada vez mais, optam por recorrer a intervenções estéticas como forma de obterem a tão almejada barriga de tanquinho.

 

Independentemente da taxa de esforço indexada a uns abdominais definidos, trata-se de um investimento com retorno nunca abaixo dos 100 porcento. Mudando o discurso para a primeira pessoa do singluar, digo que um "six-pack" é meio caminho andado para o clímax. Se vier acompanhado do tal V (que eu batizei de vale da perdição), é satisfação garantida na certa; se é que me faço entender.

 

Favoritismo pessoal à parte, um estudo recente da revista americana GQ conseguiu que as discípulas de Vénus classificassem, por ordem de preferência, as partes do corpo masculino que mais apreciavam. Eis o resultado:

 

8. Peito
Apenas 2% das inquiridas destacou o peito como a zona que mais atração desperta. Aos humanóides que andam por aí a ostentar orgulhosamente uma espécie de camião TIR da cintura para cima fica o recado: esta é parte da vossa anatomia que reuniu menor preferência. Portanto, deixem-se dos anabolizantes e dessas cenas proteícas e continuem a ler que este artigo ainda tem muito a dizer.

 

7. Pernas
Só 5% das mulheres reconheceram as pernas como a parte mais sexy do corpo de um homem. Isto é um fluorescente cartão vermelho aos caramelos lá do ginásio cujas pernas mais parecem uma pata de bisonte de tão musculadas que são. A não ser que pretendam tornar-se o CR8, foquem as vossas energias noutras partes, que o mulherio agradece.

 

6. Rabo
A crença de que só os homens são chegados nuns glúteos bem definidos é um mito que urge ser relegado ao seu lugar na história. Nós também apreciamos (e como!) um bom derrière. A prova disso é que 7% das mulheres a consideram a parte do corpo deles que mais lhes agrada. Por isso, toca a incluir exercícios específicos para essa zona no vosso plano de treinos. Agacha, agacha, agacha...

 

5. Abdómen
Para meu espanto, os abdominais emparelhados de que eu sou uma adepta fanática só reuniu a preferência de 9% das entrevistadas. Ainda que no modesto 5º lugar, parece-me que investir nessa região inferior do tronco continua a ser uma aposta ganha. Nem que seja por uma questão de saúde, já que a gordura ao redor da cintura está associada a riscos acrescidos de uma série de doenças. Just in case, continuem a dar no duro, que mal não há de fazer.

 

4 . V
O corte V é aquela coisa magnífica, estrategicamente aninhada entre o abdómen e a pélvis, e apenas visível quando se goza de uma excelente forma física. Obter tão distinta certificação exige treinos intensivos, alimentação rigorosa e uma genética de primeira. Pena que só 15% das norte-americanas o tenha achado sexy. Tenho sérias dúvidas de que elas soubessem de facto o que seria um V. Inseridas numa das populações mais obesas do mundo, as coitadas não devem ter tido o previlégio de um encontro imediato de primeiro grau com algum exemplar todo talhado no V.

 

3. Costas
18% das mulheres admitiram não resistir a umas costas largas, considerado-o um atributo físico altamente sensual. Para quem sempre apostou no treino de costas, eis a merecida recompensa. Para quem nunca deu tanta importância à coisa, é hora de remadas, elevações e pesos mortos. Oh se é!

 

2. Ombros
A segunda surpresa do estudo: os ombros conseguiram a medalha de prata. Quase 19% da amostra considerou que estes eram a parte mais sexy no físico deles. Opinião da qual discordo veementemente. Desde quando os ombros são mais sensuais do que o V ou o "six-pack"? Só na América mesmo.

 

1. Bíceps
A parte da anatomia masculina que reuniu maior preferência foram os braços, com uma em cada quatro mulheres (24%) a admitirem não lhes resistir. Apesar de reconhecer o valor de uns bíceps tonificados, volto a protestar contra. Mas estas gajas têm o quê na cabeça, fast-food? Só pode!

 

Agora que já te dei a conhecer a lista deles, eis a minha: 4, 5, 8, 6, 3, 7, 2 e 1. Ilustrando: V, six-pack, peito, rabo, costas, pernas, ombros e bíceps. Como podes contastar a preferência das mulheres este lado do Atlântico – sim, porque fiz questão de levar a cabo o meu próprio estudo, desta vez com uma amostra mais representativa da realidade com a qual me identifico – são completamente diferentes. Enfim...

 

Até e um ótimo fim de semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)

zp_10.jpg

Ora viva!

 

Era minha intenção por-te a par das últimas da minha vida profissional, uma autêntica novela mexicana que poderá acabar na ACT, caso não sejam respeitados todos os meus direitos. A meio da descrição de mais um (lamentável) episódio na minha carreira, eis que recebo uma recomendação para a crónica de hoje.

 

Dado que prefiro mil vezes falar de coisas agradáveis, eis-me aqui a dar-te conhecimento de um estudo recente, que garante que os homens se conquistam, não pelo estômago, mas sim pela braguilha.

 

Atesta a University College London que o cérebro masculino está programado para, perante a escolha entre 'sexar' e comer, dar sempre prioridade à atividade sexual, ficando a comida relegada para o the moment-after. Achas que é à toa que eles ficam com uma fome de leão após o coito?

 

A meu ver, o dado mais curioso desta pesquisa é a constatação de que a mente feminina – cujos neurónios funcionam ao contrário – prefere optar pelo alimento, mandando o sexo para os bastidores. De acordo com Scott Emmons, um dos autores do estudo, isto acontece porque o cérebro masculino possui tipos de neurónios que o feminino não tem, e vice-versa.

 

Aproveito a deixa para sugerir a estes estudiosos que tentem estabelecer uma correlação entre este dado empírico e o excesso de peso nas mulheres. Como podem elas não engordar se, ao invés de queimarem calorias e tonificarem o corpo, preferirem chafurdar-se na comida?

 

Devo ser uma vergonha à classe, pois jamais – nunca de vida, como se diz na minha terra – trocaria um orgasmo por um petisco. A comida, ao fim de um par de horas, desaparece sanita abaixo, enquanto que o orgasmo – dependendo da qualidade e intensidade – é capaz de nos deixar com um sorriso pateta ao fim de horas, dias e até semanas. Nunca vi ninguém com um ar extasiado depois de comer, por melhor que tenha sido o cardápio.

 

Cara mia, esquece a comida e vai mais é pinar, que isso é que faz mesmo bem. A tudo. Vejamos: poupa-se na mercearia, poupa-se no size, poupa-se na dermocosmética, poupa-se no ginásio, poupa-se na terapia, poupa-se no mau-humor, poupa-se no envelhecimento e em muitas outras coisas, como mostra esta imagem.

548552_334529856645116_479832245_n.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

landscape-1468532333-rsz-gettyimages-554598871.jpg

Ora viva!

 

Não querendo que os solteiros que me seguem se sintam órfãos de conversas de gajos, o artigo de hoje é um míssel teleguiado aos habitantes de Marte, planeta que alguns entendidos na matéria associam ao sexo masculino, enquanto que para nós mulheres reservaram Vénus.

 

A bordo deste projétil segue uma mensagem encriptada com a chave para o maior desafio masculino de todos os tempos: o orgasmo (feminino claro, que o vosso não tem que saber). Ainda ontem, o PL assumiu que vocês não passam de criaturas primitivas (sem ofensa).

 

Bom, vamos lá ao assunto desta crónica. Há dias dei de caras com um artigo da Visão sobre as conclusões de um estudo envolvendo três universidades (Chapman, Indiana e Kinsey) que assegura que 86% das mulheres lésbicas chegam ao ponto mais alto e desejado de qualquer relação sexual, ao contrário de apenas 65% das heterossexuais.

 

Uma vez que pertenço ao grupo que ficou mal visto nesta estória – perdão, pesquisa – nada mais previsível que tentasse entender os pressupostos que sustentam tal veredito. Ao que tudo indica, os 52.000 americanos de diferentes géneros e orientações sexuais sobre os quais recaiu a investigação, apontaram a estimulação genital, os beijos profundos e o sexo oral como a chave de três pontas que abre a porta do tão cobiçado OMG (leia-se, oh my god).

 

Para uma das investigadoras, Elisabeth Lloyd, a ideia que "cerca de 30% dos homens têm de que a penetração é a melhor forma de as mulheres chegarem ao orgasmo" é algo que já não faz sentido, uma vez que não corresponde à realidade. Residará aqui a razão para as heterossexuais serem o grupo com menos orgasmos durante o sexo, fazendo assim juz ao mito de que fingimos orgasmos?

 

Seja como for, meu bem, o que realmente importa reter é que a comunicação com a tua parceira sexual é fundamental em todo o processo (antes, durante e, sobretudo, depois). Estar atento ao feedback físico dela e não ter medo de inovar também são coisas nas quais deves apostar.

 

Por experiência própria, recomendo mais altruísmo na hora H, ou seja, que dês mais do que esperas receber. Uma mulher satisfeita é generosa como só ela sabe ser, retribuindo com um entusiasmo redobrado tudo aquilo que recebeu. Vai por mim!

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Abr17

beijo.jpg

Ora viva!

 

Não é que hoje é o dia internacional do beijo? De acordo com o Calendarr, esta data visa comemorar o ato do beijo, comum em várias sociedades, seja como forma de cumprimentar ou saudar alguém ou de demonstrar amor e carinho por outra pessoa, assim como os benefícios da sua prática.

 

Beijar faz bem à saúde, tanto a nível emocional como físico, pelo que só tenho a lamentar por aqueles (eu, por exemplo) que neste dia não poderão dar tarefa aos beiços. Aos que possam desejo muitos, doces, melosos, apaixonados e escaldantes beijos.

 

Despeço-me com o artigo Mais e melhores beijos, sff, aqui publicado em outubro passado, aproveitando para te desejar uma santa e feliz páscoa, bem como um excelente fim de semana prolongado. Vemo-nos na segunda, meu bem. Até lá beija o mais que puderes, por mim e por todos os outros que não o vão fazer.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Blog do Ano




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog