Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

04
Abr22

A cor do desejo

por Sara Sarowsky

woman-ga37a46a94_1920.jpg
Ora viva! ✌️

Hoje trago-te a minha contribuição para o II Volume da Antologia Mulheres & Seus Destinos, uma iniciativa das minhas conterrâneas Lena Marçal e Joana Nogueira e cujas receitas (direitos de autor e venda) revertem-se a favor de uma instituição cabo-verdiana de apoio a crianças com vulnerabilidade especial. 

A cor do desejo

Dentro da suíte, o ambiente era simplesmente explosivo. Em momento algum da sua calejada vida sexual imaginou Ben que pudesse desejar tanto uma mulher. O contraste das suas peles, o modo como os seus corpos se encaixavam na perfeição e a forma como Mia respondia às suas investidas, e ele próprio reagia à sensualidade dela, fê-lo ter a certeza de que tinham nascido um para o outro: ele para amá-la, ela para satisfazê-lo.

Estava embriagado de amor, inebriado de prazer, intoxicado de desejo. Ele da cor de leite condensado, ela da cor de chocolate quente. Ele faminto, ela ávida. Ele ansioso, ela expectante. Ele poderoso, ela soberana. No instante em que sentiu aquela boca carnuda apossar-se do vórtice da sua masculinidade, Ben soube que estava irremediavelmente preso aos seus encantos, para sempre embeiçado por ela...

Tal constatação teve um efeito avassalador na sua libido, arrasador no seu coração. Foi acometido por um medo irracional. Acima de tudo, temia ser correspondido. Se ela sentisse o mesmo, arrependimento nenhum deste mundo os poderia valer. Se se permitisse consumar esse desejo, para todo o sempre estaria a sua felicidade dependente de outra pessoa.

Demasiada intensidade assustava. Tamanha atração confundia. Tanta vulnerabilidade mortificava. Ter consciência de que aquela seria a única oportunidade que dispunha para desfrutar dela - do seu corpo voluptuoso, da sua boca sensual, do seu olhar sedutor, do seu sorriso tentador, do seu espírito encantador e da sua atitude misteriosa - só contribuía para aumentar ainda mais o seu desconforto.

Por mais que quisesse nela enterrar a sua espada de guerreiro do amor, afiada como jamais a sentira em nenhuma outra ocasião, Ben sabia que consumar essa paixão ditaria o fim da vida que conquistara, aquela que escolhera para si e pela qual tanto batalhara. Em nome do seu conforto pessoal, em abono da sua harmonia familiar, no interesse da sua estabilidade patrimonial, conteve-se, a escassos segundos de desferir o golpe fatal.

A excitação que se tinha apoderado do seu corpo era de tal magnitude que a cabeça latejava, a respiração falhava, o coração galopava. Ter aquela deusa de ébano seria simultaneamente a glória e a ruína, o céu e o inferno, o sucesso e o fracasso... Sabendo que se a possuísse não mais voltaria a desejar outra mulher pelo resto da vida, Ben optou por abrir mão dela. Deles. De si próprio...

A garganta seca, as mãos usadas, o olhar alucinado, o coração acelerado, a respiração entrecortada e a majestosa ereção que teimava em consumir-lhe as entranhas eram indícios mais do que evidentes de que, a provar dela, para o resto da sua vida ficaria viciado. Sentia-se a personificação da frustração: libidinosamente potente, emocionalmente impotente, humanamente incompetente.

Ver Mia deixando o quarto, saindo da sua vida, foi tão intenso que por pouco não desabou sobre a cama. Impediu-o a dignidade de se ajoelhar e implorar para ela ficar. Temia o momento em que se abrisse a porta, atrás da qual adivinhava estar a sua esposa, à escuta, à espera, à míngua.

A Ana disse depois que o casamento tinha sido o motivo pelo qual não tinha sido capaz de concretizar a fantasia de ter uma aventura sexual com uma negra. Entendeu ela tal confissão como uma poderosa declaração de amor, pelo que aterrou nos seus braços possuída por um ímpeto há muito relegado à memória dos primeiros meses do namoro, onde a atração sexual era presença assídua e o prazer físico uma necessidade constante.

Amaram-se com loucura, com urgência, com desespero, assolados por uma ânsia primitiva, incontrolável, inconfessável. Cada um por razões distintas. Ele para aliviar o tesãom acumulado e aplacar o desejo insaciado. Ela para recompensá-lo por ter resistido à tentação de ter sexo consentido com aquele orgasmo ambulante chamado Mia.

Soube ele no momento em que penetrou a sua esposa Ana que jamais voltaria a desfrutar do seu corpo sem pensar na misteriosa criatura que por breves instantes tivera nos braços, uma mulher que irrompeu na sua vida feito tempestade tropical, para lhe despertar um desejo selvagem, abrasador, arrasador, que até então ignorava possuir.

Ana, grata, lisonjeada e apaixonada, entregou-se sem qualquer reserva, pudor ou complexo. Entregou-se como nunca antes o tinha feito, sedenta de prazer, faminta de amor. O que jamais lhe passou pela cabeça é que aquela paixão toda não lhe pertencia, nunca lhe pertenceu, jamais lhe pertencerá...

Quanto a Mia... bem isso é assunto para outro conto, disponível em breve num site perto de ti. 😉

Autoria e outros dados (tags, etc)

09
Jun21

Merecemos amar e ser amados

por Sara Sarowsky

couple-560783_1280.jpgViva! ✌️ 

Conforme adiantado no post anterior, cá estou eu para dar-te conhecimento da minha última crónica no Balai Cabo Verde, desta feita dedicada ao amor, tema que nunca se esgota, tamanha a sua importância na nossa vida. Espero que gostes!

Hoje quero falar de amor. Não desse de que se ouve falar por tudo e por nada, instantâneo e efémero, mas daquele maior, verdadeiro o suficiente para durar toda uma vida. Para grande desconsolo meu, tenho que reconhecer que vivemos tempos que promovem relações efémeras, despoletadas num clique, dissolvidas num instante...

Nos dias de hoje, mais fácil do que entrar num relacionamento amoroso é dela sair. Fala-se de amor ao primeiro olhar e vira se lhe as costas ao primeiro desgosto. A culpa - se é que a podemos imputar a algo, ao invés de a alguém - parece residir na infinidade de alternativas disponíveis, em que, por cada parceiro que fica pelo caminho, abre-se uma dezena delas. E as aplicações de encontro, pensadas para solucionar um problema, mas acabando por criar outro ainda mais alarmante, parecem ter um papel incontornável na agudização deste cenário.

Perante a imensidão de opções que elas oferecem, poucos são os dispostos a apostar seriamente no romance. Como tal, esforçar-se para conhecer verdadeiramente alguém, investir numa relação, trabalhar a dinâmica do casal, não desistir à primeira dificuldade, batalhar pela felicidade a dois e aceitar que o amor demanda sacrifícios não é para todos. Daí que considere que esse amor maior que há pouco descrevi seja o novo el dorado da contemporaneidade; dele ouve-se falar o tempo todo e até se acredita que existe, mas somente uns poucos o conhecem realmente.

Ao longo destes seis anos de dedicação à solteirice, em momento algum conheci quem assuma não querer ser amado. Independente da dimensão da nossa veia romântica, estamos todos cientes de que amor faz toda a diferença. Desejo primeiro e último de qualquer humano, é ele que dá sentido à sua existência, que o faz querer ser melhor a cada dia, que dignifica o divino que nele habita. A questão é que nem todos são suficientemente corajosos para enfrentar a sua força, a sua dimensão, a sua grandiosidade. Contudo, quem for capaz de superar a turbulência de emoções que ele acarreta e se permitir ser vulnerável, facilmente chegará à conclusão de que não há sensação mais apaziguadora, mais compensadora, mais libertadora.

Amor verdadeiro é mais do que sexo escaldante, beijos apaixonados ou declarações inflamadas nas redes sociais. É partilhar sonhos, respeitar o outro acima de tudo, fazer da lealdade o maior aliado, abraçar um projeto a dois, ser genuinamente compreendido pelo outro, ter um verdadeiro amigo para conversar e um companheiro para ajudar a enfrentar as provas e as turbulências da vida. Amar e ser amado é a maior aventura da vida.

E todos nós merecemos experienciar um amor assim, nem que seja por uma única vez. Resta saber o que estamos dispostos a fazer por isso. Por estar ciente do enorme desafio que está a ser encontrar esse tipo de amor, coloco à disposição de qualquer pessoa que ainda mantém viva a chama da esperança os meus préstimos de consultora sentimental,. Para tal, basta entrar em contacto comigo, que tudo farei para ajudar. Que o amor esteja connosco e que a esperança esteja com todos os corações solitários.

Autoria e outros dados (tags, etc)

26
Mai21

Vivemos ou vegetamos?

por Sara Sarowsky

abstract-2915769_1920.jpgOra viva! ✌️ 

Contigo partilho hoje a minha última crónica para o Balai Cabo Verde, a qual foi publicada esta manhã, mesmo a tempo do nosso encontro. Boa leitura!

Há muito que estou para escrever sobre o (real) significado da vida, uma questão crucial ao autoconhecimento e à evolução de qualquer humano disposto a fazer bom uso da sua capacidade analítica. Abro aqui um parêntesis para alertar que não é intenção desta crónica dissertar sobre o sentido filosófico da vida, mas antes sobre a forma como cada um de nós a experiencia.

O que é para ti viver, já alguma vez pensaste nisso? Para o dicionário é basicamente existir. Para mim é essencialmente desfrutar desse existir. A meu ver, existe uma linha muito nítida que separa aqueles que "existem" daqueles que "vivem", daí que te desafie a pensar em qual das categorias te enquadras. Claro que para assumires uma posição vais precisar de mais elementos, os quais darei com todo o gosto ao longos dos próximos parágrafos.

Todo aquele que vive existe, correto? Mas será que todo aquele que existe vive? Confusos? A esta altura do raciocínio até eu estou, confesso! A desconstrução deste meu ponto de vista parte de um pressuposto bem simples: os vegetais existem mas não vivem. Concordas que os vegetais existem, certo? Hás de igualmente concordar que eles não vivem. Com os humanos passa-se o mesmo; há os que existem e vivem e os que existem mas não vivem, logo, vegetam.

Vivem aqueles que aproveitam da vida, que tiram vantagem de tudo, que desfrutam da experiência de estar vivo. Vivem aqueles que têm um propósito na vida, que se reinventam a cada dia, que procuram ser mais e melhor, que investem em si e nos outros ao seu redor, que buscam evoluir, que fazem por atingir seus sonhos e suas ambições. Vivem aqueles que contribuem, somam, acrescentam valor. Vivem aqueles que sabem ser gratos pelo que possuem, mas nem por isso se conformam. Vivem aqueles que não têm tudo o que querem mas querem tudo o que têm. Vivem aqueles que reconhecem a vida como uma bênção. Vivem aqueles que apreciam a viagem, independentemente do destino ao qual ela os conduz.

Em contrapartida, vegetam aqueles cuja existência é conduzida em modo automático; aqueles que respiram, comem, dormem, trabalham, pagam contas e por aí fora, sem questionar, contestar, almejar, desafiar, batalhar. Vegetam aqueles que não exercem o seu querer nem a sua vontade própria. Vegetam aqueles que não fazem uso do seu livre arbítrio, da sua capacidade para dizer "não" ou "basta" a tudo que não acrescenta valor. Vegetam aqueles que se regem cegamente pela cartilha da religião, da política, da informação oca e da coscuvilhice. Vegetam aqueles que gratuitamente criticam, julgam, condenam e castram tudo o que não vai de encontro à sua ideologia. Vegetam aqueles que encaram a vida como um fardo. Vegetam aqueles que, só por existirem, tornam o mundo um lugar menos agradável para se viver.

Acima de cada uma delas, identifico outras duas categorias: os sobreviventes (aqueles que ainda não vivem, mas já não vegetam) e os extraviventes (aqueles que cumprem a sua missão de vida, atingindo assim o mais alto patamar da vivência). Mas isso já é assunto para outra crónica...

Aquele abraço amigo e até sexta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

14
Mai21

DE00B3A8-361B-456B-9C52-94922DC8C546.jpegViva! ✌️ 

Para acabar em grande uma semana deveras produtiva, deixo-te com a minha última crónica no portal Balai Cabo Verde, publicada esta quinta-feira, 13 de maio, e que versa sobre o poder de acreditar, esse que me tem impulsionado a conquistar tudo o que sabes e algumas que ainda hei de revelar.

O impacto da entrevista ao programa Cabo Verde Magazine, emitida esta semana no canal televisivo público, leva-me a dedicar esta crónica à pessoa por detrás do Ainda Solteira, o blog pelo qual dá cara, coração e alma. É, pois, hora de descortinar um pouco sobre o seu percurso, com especial enfoque no seu poder de acreditar, esse sim o maior responsável pelo sucesso, a par da perseverança.

Quem só agora começa a familiarizar-se com o nome Sara Sarowsky pode, com toda a legitimidade, questionar de onde surgiu tal figura, que de um momento para o outro parece estar em todo o lado (congresso internacional, página governamental ou televisão estatal). O que provavelmente não sabe é que foi preciso um longo e desafiante caminho para ela chegar aonde chegou. Um caminho feito com paciência, humildade, sabedoria e muita, mas muita, perseverança.

Celibatária por condição e feliz por opção, ela que se assume como uma “desencardidora de mentes”, no que toca à solteirice no feminino, conseguiu alcançar um facto inédito: três distinções consecutivas como melhor blogger de Portugal nas categorias de sexualidade, sexo e diário íntimo. Pelo meio publicou uma prosa numa antologia, vestiu a camisola de cronista de um dos mais prestigiantes jornais portugueses, concorreu a um prémio literário, criou um serviço de cupido profissional, integrou a equipa deste portal, dinamizou um ciclo de lives, deu palestras motivacionais … Na calha tem um livro sobre provérbios cabo-verdianos e um programa de televisão para solteiros da comunidade lusófona. Muito alcançou, mais há de conquistar.

Só aqueles que foram capazes de triunfar a partir do nada – sem nome, renome, cunha, dinheiro ou influência – são capazes de reconhecer que o topo que todos elogiam e tantos cobiçam implica inexoravelmente uma escalada árdua, penosa mesmo, apenas ao alcance dos mais persistentes. Não é à toa que os falantes da língua inglesa acreditam que sem pain não há gain. Ela é disso prova, motivo pelo qual intenta com esta partilha inspirar-te a acreditares em ti, a batalhares por ti e pela tua felicidade (esteja ela onde estiver).

Por experiência própria está ela em condições de garantir que não existe vitória sem esforço, conquista sem dedicação, triunfo sem perseverança, prestígio sem empenho, sucesso sem confiança. Acreditar que se é capaz é a chave que abre todas as portas do sucesso. Quando acreditou em si o mundo passou a acreditar; e toda a exposição mediática acima referida é disso resultado. Quanto mais acredita mais conquista e quanto mais conquista mais acredita. É tudo perfeito? Nem por isso! Já tudo conquistou? Nem de longe! Para tal vai (continuar) a batalhar, e a acreditar, claro!

Com morabeza, Sara Sarowsky.

P.S. - Ainda que seja na minha língua materna, o crioulo, convido-te a ver as duas partes da referida entrevista, uma sobre o blog e outra sobre o livro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

28
Abr21

Teu voto, tua voz

por Sara Sarowsky

black-and-white-4594504_1920.jpgViva! ✌️ 

Hoje quero partilhar contigo a minha terceira crónica para o portal Balai Cabo Verde, publicado esta terça-feira e que versa sobre a importância do voto. Boa leitura.

Agora que a azáfama da campanha eleitoral é memória recente, estou em condições de pronunciar-me sobre o voto, na verdade sobre a ausência dele nestas últimas legislativas. Antes de desenvolver o assunto, sinto-me no dever de escrever, com todas as letras, que não sou do partido A, menos ainda do B, quanto mais do C. O meu partido é CV, sempre foi e sempre será. Talvez por isso tenha demorado tanto para despertar a minha consciência política.

No passado dia 18 de abril, o povo cabo-verdiano foi chamado às urnas, com vista à escolha dos órgãos legislativos. A taxa de abstenção, de 42,5%, e as conversas "captadas", aqui, ali e acolá, despoletaram em mim uma palpitante inquietação. Logo eu que sempre fiz questão de zelar por uma postura alienada, não obstante o meu fascínio pela ciência política, disciplina na qual destaquei-me como uma das melhores alunas do Liceu Domingos Ramos, com muito mérito do professor Domingos Júnior, a quem aproveito para prestar uma mais do que merecida homenagem.

A bem da verdade nunca exerci o direito ao voto na terra que me viu nascer. O ter ido estudar para fora, em ano não eleitoral, e as incoincidências entre as estadias e a agenda eleitoral justificam, em parte, esta realidade. Fiz questão de referir em parte porque a outra razão – aquela que realmente pesa – prende-se com uma arrogante indiferença para com o sistema político, o qual sempre acreditei cumprir o único propósito de conferir poder a uma elite cujo interesse em zelar pelo bem-estar da nação é mais privado do que público. E nem o facto de ter colaborado durante vários anos com a nossa missão diplomática em Portugal abalou essa convicção, tanto que sequer dei-me ao trabalho de recensear, ainda que tenha sido alertada vezes e vezes para o fazer.

O ter sido apanhada - ainda que de forma involuntária - no vórtice das eleições (aterrei no aeroporto internacional Nelson Mandela 10 dias antes da ida às urnas) mudou de forma indelével a minha perceção das coisas. E a tomada de consciência do meu papel, fundamental, nos destinos do meu país instigou-me a escrever esta crónica, na firme expectativa de que através dela os leitores, sobretudo os do sexo feminino, possam aperceber-se do real poder do voto na sua vida e na vida dos seus.

O que despoletou o clique? Ter vivenciado a campanha eleitoral in loco, a par da maturidade cívica e da consciência política de que eu faço a diferença, de que enquanto eleitor tenho voz. Assim, o meu voto é a minha voz, o meio (legal) de que disponho para dizer sim ou não, para querer ou rejeitar, para validar ou censurar, para aplaudir ou vaiar, para aceitar ou repudiar. Estar ciente de que tenho o poder de escolher o rumo que quero para o meu amado Cabo Verde torna ainda mais gritante essa tal indiferença nos meus quase 25 anos de cidadania ativa. Constatar que outras mulheres possam estar envoltas nessa mesma "neblina" política tem um sabor particularmente amargo no meu propósito de "desencardidora" de mentes.

A participação ativa, e efetiva, na vida política, mais do que um direito é um dever, de todos e de cada um. A não comparência às urnas representa um atentado à democracia, uma conquista árdua e sofrida, como bem sabemos. O cidadão que opta por abrir mão do voto, como foi o meu caso durante anos a fio, é acima de tudo um irresponsável, que delega aos outros a missão de conduzir a sua própria cidadania. O que ele esquece, ou talvez não saiba, é que aquilo que com tanta leveza despreza com demasiado esforço foi conquistado por quem se importou. Que aquilo que tanta indiferença lhe causa é o sonho de milhões que tiveram o azar de nascer sob regimes políticos opressores, nos quais não têm voz nem vez. Que aquilo que lhe maça - abrir mão de apenas uma hora entre as 43 800 que perfazem cinco anos – é um privilégio pelo qual tantas personalidades deram sangue, suor, lágrimas e até a própria vida. 

Termino com um sentido apelo ao género feminino para que assuma de uma vez por todas o seu papel na vida política e faça bom uso do seu direito ao voto, já que esse é o meio por excelência de exercer a sua cidadania, a sua liberdade, a sua equidade, no fundo, o seu empoderamento. Não fazê-lo é deixar por conta de outrem o destino da sua vida, da vida dos seus filhos, da vida do seu país. Mulher cabo-verdiana, o teu voto é a tua voz, portanto, faz-te ouvir, em alto e bom som!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Saturday Single Spot (1).jpgViva! ✌️ 

E assim chega ao fim a primeira temporada do 'Saturday Single Spot', o ciclo de lives que venho dinamizando no Instagram, desde o passado dia 30 de janeiro. Ordinariamente aos sábados, a partir das 22 horas 🇵🇹, por ele passaram vários nomes, escudados por temas do interesse da comunidade solteira, mas sobretudo da condição feminina, causa pela qual dou a cara com tanto brio.

A título de informação, recordo os convidados e os temas desses diretos:

Live 1
Tema: Terão as mulheres bem-sucedidas menos sorte no amor?
Convidada: Kátia Marques (psicóloga)

Live 2
Tema: Sexo sem amor ou amor sem sexo
Convidada: Eu mesma (já que não consegui convencer a aventurar-se comigo)

Live 3
Tema: A vida sexual dos solteiros em tempo de pandemia
Convidada: Carmen Filipe (artista plástica)

Live 4
Tema: Amizade colorida: prós e contras
Convidada: Bia Dias (blogger e travel planner)

Live 5
Tema: Como ser bem-sucedido no engate online
Convidada: Carlos Castanheira (utilizador de aplicações de encontro)

Live 6
Tema: O erotismo no feminino
Convidada: Vera Figueiredo (escritora erótica)

Live 7
Tema: A arte de juntar corações solitários
Convidada: Isabel Soares dos Santos (spiritual coach e co-mentora do Love for You Match)

Live 8
Tema: Exercício físico e bem-estar: uma relação para a vida
Convidada: Maria João Liso (personal trainer)

Live 9
Tema: Mulher Criola: de Cabo Verde para o mundo com morabeza!
Convidadas: Manuela Brito (embaixatriz de Cabo Verde em Portugal), Lura (cantora) e Ani Lobo (ativista social)

Live 10
Tema: A felicidade é solteira
Convidada: Raquel Godinho (happiness coach)

Live 11
Tema: A sensualidade pela dança
Convidada: Vanessa Silva (dançarina)

Live 12
Tema: Viagens para solteiros
Convidada: Miguel Moreira (agente de viagens)

Live 13
Tema: Sexual Wellness
Convidada: Christiane Marcello (empresária e educadora sexual)

Live 14
Tema: O meu corpo não me define
Convidada: Nathaly Soares (plus size life lover)

Foi uma temporada fantástica, com episódios impactantes (alguns mais que outros, é certo), mas todos cumpridores da missão de informar, formar, desmistificar, descomplicar e partilhar. A todos os meus convidados reforço a profunda gratidão por terem embarcado nesta aventura. À assistência, fiel, interessada e muito participativa, um agradecimento ainda maior, pois sem ela nada disto teria sentido.

Agora é hora de fazer uma pausa, recarregar a bateria e renovar a inspiração, de modo a poder encetar novos contactos, definir temas inéditos, preparar a agenda. Se a primeira temporada foi o que foi, imagina o que te espera na segunda. 
Em breve, avançarei com novidades; até lá, deixo-te com aquele abraço amigo de sempre! 🌷

Autoria e outros dados (tags, etc)

19
Fev21

Cartaz_Live 4.jpgOra viva!

Hoje é sexta-feira! Antigamente, esta frase seria procedida daquele estrondoso "yeah" que o Boss AC tão bem soube imortalizar. Contudo, nos dias que correm, a sua única particularidade é o facto de assinalar o término da jornada laboral semanal. De resto, é tão igual como os restantes, passado no confinamento domiciliar, essencial para conter esta pandemia, mas castradora do prazer que costumava ser o fim de semana.

Dado que de pouco adianta estar a "chover no molhado", como vaticina a sabedoria popular, vamos ao assunto que me trouxe aqui hoje. Como tem sido habitual ao longo das últimas semanas, este sábado ficará marcado por uma nova live no Instagram, que já não se chama @stillsingleblog, mas sim @sara_sarowsky. Porque mudar é preciso, sobretudo quando é para melhor, alterei o nome de perfil naquela rede social, mais não seja porque o antigo não permitia associar o perfil à persona por detrás das palavras, partilhas, imagens e vídeos.

Pegando num dos pontos mais acesos da live anterior, durante a qual a convidada Carmen Filipe assumiu ser uma adepta convicta deste tipo de relacionamento, e do qual sou opositora ferrenha, como deixou claro a argumentação tensa entre as duas, amanhã irei então analisar a amizade colorida, um tema muito em voga no atual panorama das relações amorosas. A blogger, traveler planner, assistente virtual, empreendedora e solteira Bia Dias será minha convidada, para juntas analisarmos os prós e contras da amizade colorida.

O que se entende por amizade colorida? É recomendável misturar amor com amizade ou sexo com amizade? Quais as vantagens de ter um amigo que também assume o papel de amante? O que acontece à amizade quando acaba o romance? O que é mais importante: a amizade ou o romance? O fim do romance implica necessariamente o fim da amizade? Estes são apenas alguns dos pontos que vamos abordar nesta quarta sessão do ciclo 'Saturday Single Spot'. Não percas, amanhã, no sítio do costume, à hora de sempre (22 horas).

Aquele abraço amigo de até amanhã!

Autoria e outros dados (tags, etc)

29
Nov20

2F9CA00E-9A53-48B5-ADA3-1796A6FAD1CD.jpegViva! ✌️ 

É sabido que domingo é o meu day off, dia de jejum, dia de detox eletrónico, dia em que me desconecto do mundo para dedicar-me exclusivamente à minha pessoa. Hoje, porém, abro uma exceção para te avisar que estarei esta tarde, a partir das 16:30 de Lisboa (15:30 em Cabo Verde), no programa Olhar Feminino da Radio Brockton Fm, a voz da comunidade radicada naquela cidade do estado de Massachussetts, Estados Unidos da América.

Será a minha estreia em terras do Tio Sam, a qual alberga a maior comunidade morabeza do mundo. A gravação decorreu ontem ao final do dia, e, ao que tudo indica, esteve à altura do desafio. Convido-te, pois, a assistir ao programa, através da página do Facebook daquele canal, e depois a comentar sobre a minha prestação. Antes de te manifestares, lembro-te que amanhã é o meu dia de anos, logo que mereço uma prenda amiga. Capice?

Aquele abrraço amigo e até já!

Autoria e outros dados (tags, etc)

21
Fev20

Deixa-te ser Belo!

por Sara Sarowsky

A2ADC3B8-7B89-48BD-B05A-5AA440714492.jpeg

Viva!

Porque é sexta-feira. Porque faz um belo dia. Porque o sol está generoso. Porque eu mereço. Porque tu mereces. Porque sim!

Autoria e outros dados (tags, etc)

18
Fev20

B271DB5E-3DEE-495F-8763-EE2688C409CD.jpeg

Viva!

Estreei-me hoje como cronista do P3, o caderno digital do jornal diário de maior prestígio de Portugal e, estou em crer, da lusofonia, o Público. Sobre a catadupa de emoções que me assaltam o espírito neste momento falarei numa outra oportunidade. Por ora só quero celebrar, assimilar, abençoar e agradecer esta enorme conquista, que agora contigo partilho.

Este país (ainda) não é para solteiras

Escrevo esta crónica na ressaca do Dia dos Namorados, supostamente o mais romântico do ano, no qual as pessoas solteiras, sobretudo as mulheres, mais acusam a falta de um par com quem trocar juras de amor. Escrevo em nome de todas aquelas que, de uma forma ou de outra, se sentiram desmerecidas pelo facto de não terem com quem partilhar a data. Escrevo em nome das portadoras de corações solitários que hipotecam a sua felicidade em nome do amor alheio. Escrevo em nome da dignidade da mulher solteira.

Antes de começar a desenrolar este novelo, desafio-te a citar um estado civil que incomode tanto à sociedade como o celibato. Sabemos bem que o matrimónio celebra-se, o divórcio evita-se e a viuvez lamenta-se. Então e a solteirice? A essa teme-se tanto quando repudia-se. Porque incomoda tanto este estado civil/estatuto amoroso e porque pesa ele toneladas sobre os ombros das discípulas de Vénus é o que vou tentar analisar ao longo dos próximos três parágrafos.

Por experiência própria, e de outrem também, atrevo-me a dizer que o motivo desta aversão declarada há muito que deixou de se prender com a crença de que as solteiras comprometem a sobrevivência da espécie, ou seja, que as mulheres não casadas, por não procriarem (legitimamente), são o desgarante da perpetuação humana. Dados do Eurostat, relativos a 2016, indicam que mais de metade (53%) dos bebés nascem fora do casamento. Então porque continua a sociedade inabalável no seu propósito de emparelhar os indivíduos, em especial as senhoras?

Porque toda e qualquer sociedade assenta em crenças, valores e padrões de comportamento profundamente enraizados na sua essência. Para algumas coisas, ela abraça a mudança a curto prazo, para outras a médio e para umas quantas, como é o caso do celibato feminino, a longo prazo. Serve-nos de prova a história da humanidade que a mudança é uma questão de tempo. Portanto, neste caso concreto, vai-lhe sendo cada vez mais insustentável continuar a ignorar que os tempos evoluíram, os pensamentos mudaram, as prioridades alteraram, as mentalidades individualizaram, as mulheres emanciparam.

A sociedade portuguesa não passa incólume a esta realidade. Pelo contrário! Por aqui ainda é demasiado pujante a pressão e o estigma à volta do assunto. A esperança reside nas actuais pequenas conquistas que se expecta que um dia venham a traduzir-se numa retumbante vitória. Nesse dia, as mulheres deixarão de se sentir acanhadas, para não dizer diminuídas, por não terem um homem na sua vida. Nessa altura, elas serão as únicas responsáveis pelo seu destino, as legítimas proprietárias da sua condição amorosa. Nessa altura, o comando da felicidade será um exclusivo delas. Nessa altura, flagelos sociais como a violência doméstica ficarão relegados a casos pontuais. Nessa altura seremos todos mais felizes. Até lá, convém não esquecermos que este país (ainda) não é para solteiras!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D