Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!

19992389_tH5g1.jpeg

Ora viva!

 

No calendário contemporâneo há espaço para Dia do Pai, Dia da Mãe, Dia dos Avós, Dia da Criança, Dia dos Namorados e por aí fora. Portanto, nada mais lógico haver um dia dedicado àquilo que dá origem a tudo isso. Fazes ideia a que me refiro? Ao sexo, ora essa!

 

Única manifestação fisiológica ou biológica – é-me indiferente – capaz de conceber a vida, o sexo (mais do que o poder ou dinheiro) é o que move o ser humano (por mais que nos tentem convencer do contrário), fazendo-se presente em tudo, desde vida quotidiana, a literatura, arte, moda, internet e até a Bíblia.

 

Sexo rima com arte. Sexo rima com felicidade. Sexo rima com humanidade. Sexo rima com divino. Muito mais do mero ato físico, ele rima com prazer, amor, vida.

 

Foram precisamente nestes pressupostos que se baseou uma campanha de marketing da marca de preservativos brasileira Olla, que, em 2008, sugeriu a implementação do Dia Mundial do Sexo a 6 de setembro, data que remete para um trocadilho entre o dia 6 e o mês 9 – 69, a posição sexual mais consensual a nível planetário.

 

Das inúmeras vantagens de ‘sexar’ já eu estou cansada de falar. Portanto, vou apenas frisar a mai flagrante: é bom. Para o corpo (pele, peso e sono), para a mente (autoestima, stress, ansiedade e depressão) e, sobretudo, para a alma (a sensação que tenho é que se renasce a cada orgasmo).

 

Posto isto, que mais te posso dizer que não seja isto: 'sexa'! E muito. Independentemente da tua situação amorosa, o importante é dar tarefa ao corpo. Feliz Dia Mundial do Sexo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

16114712_10155023847974382_1872911324881559330_n.j

Ora viva!
 
Faço uma breve pausa no trabalho – estes dias ando a produzir que é uma maravilha e quando assim é convém não dispersar demasiado, não vá a concentração 'desdar' o ar da sua graça – para partilhar contigo algumas "qualidades" que a escritora australiana mais famosa na área da sexologia e dos relacionamentos, Tracey Cox, associa às mulheres boas na cama.
 
Papel e caneta a postos, olhos fixos no ecrã e concentração na máxima potência, vamos lá então desconstruir as 15 características que fazem da legítima herdeira de Eva uma bomba sexual, capaz de deixar qualquer descendente direto de Adão viciado nela.
 
Ei-las: 
1. Na hora do bem bom, tomam a iniciativa.
2. Não julgam as sugestões do parceiro nem são 'pudicas' (isto é, não se armam em esquisitas).
3. Não têm medo de dizer 'não' quando não estão a fim daquilo ou de realizar qualquer fantasia do parceiro.
4. Conseguem ver o 'lado negro' (vulgo, Grey) do seu parceiro.
5. Gostam de ousar (variar e inovar).
6. Sabem o que querem e não são passivas.
7. Tratam bem os genitais do parceiro.
8. Sabem que o homem não é um robot e que nem sempre tem a mesma performance.
9. Sabem fazer sexo oral e gostam de o receber.
10. Dão feedback de forma delicada.
11. Fazem barulho, mas não exageram.
12. São felizes com o próprio corpo.
13. Gostam de se arranjar e vestir bem.
14. Mostram aos amigos que acham o parceiro sexy, mas não partilham detalhes da intimidade que o podem deixar ficar mal.
15. Não têm por hábito fingir o orgasmo.
 
A primeira ilação que se pode tirar desta lista é que, de facto, confirma-se aquela velha ideia de que os homens querem 'uma lady na mesa, uma louca na cama'. Só que em vez de louca, a especialista prefere usar a definição "uma mulher que é sexualmente confiante, aventureira e que sabe o que quer".
 
Quem sabe a crónica de hoje não nos inspira a … tu sabes. E com esta, volto ao batente, não sem antes desejar-te um excelente fim de semana, de preferência pautado por uma queca de kel bom.

Autoria e outros dados (tags, etc)

01
Jul16

Sexo? Sim, por favor!

por LegoLuna

62e3f3806b149f03_shutterstock_221378908.xxxlarge_2

 

Ainda na senda do post anterior, eis 10 motivos que levam nós mulheres a fazer sexo:

1. Sentirem-se atraídas pela outra pessoa;

2. Quererem ter prazer físico;

3. Só porque lhes sabe bem;

4. Quererem mostrar carinho pela outra pessoa;

5. Quererem expressar o amor que sentem pela outra pessoa;

6. Quererem libertar a tensão;

7. Têm uma vontade inexplicável de fazer sexo;

8. Por ser divertido;

9. Por terem percebido que estavam apaixonadas;

10. Por se terem envolvido no calor do momento.

 

Nota: Este top ten é obra do Daily Star que se baseou numa investigação da Universidade de Otava que descobriu que existem 237 motivações diferentes para as mulheres quererem ter relações sexuais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

509656.jpg

Com que então uma relação em regime duo acarreta muitos mais benefícios do que se pode imaginar à primeira. Além dos da praxe: muito beijo na boca, sexo sempre que quisermos, dignidade social, rolha na boca dos amigos e familiares, companheirismo, programas a dois e por aí adiante, a dona ciência aponta (mais) três benefícios em namorar:

 

1. Recupera-se mais rápido das cirurgias - pessoas apaixonadas são bem mais otimistas quando confrontadas com situações de doenças mais graves. De acordo com uma pesquisa norte-americana, o índice de sobrevivência depois de uma cirurgia entre os casados era três vezes superior ao dos solteiros.

 

2. Morre-se mais tarde - por um motivo óbvio: os apaixonados contam com maior suporte social, ou seja, alguém com quem contar em situações de adversidades. Para os pesquisadores da Universidade de Louisville, os homens solteiros apresentam um risco de morte 32% maior que os casados, enquanto que as solteiras correm um risco 23% maior de morrer. No fim das contas, os solteirões vivem de 7 a 17 anos menos que os comprometidos.

 

3. Aprecia-se melhor a comida - Kurt Gray, psicólogo da Universidade de Maryland, confirmou que quem está numa relação (saudável) gosta mais da comida, uma vez que "a forma como captamos as intenções dos outros muda a nossa perceção física do mundo", explica Gray. Vai ver é por isso, aliás, que os casais engordam depois de um tempo de namoro.

 

Hum... depois disto, o que dizer? Já que contra factos de pouco ou nada adianta argumentar, é perfeitamente possível fintar a coisa assim: já que os solteiros sobrevivem menos a operações e morrem mais cedo, o jeito é caprichar (ainda mais) em estilos de vida saudável: comer bem, dormir bastante, praticar exercício físico com regularidade, rir muito, chorar pouco, trabalhar o suficiente, sexo de qualidade (sempre que possível). Quanto ao terceiro benefício, esse não me faz falta, já que aprecio muito a minha comida e não quero engordar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

509938.jpg

Quem não se lembra daquele frio na barriga que nos assola perante a eminência do primeiro beijo com alguém? Se estamos de quatro por essa pessoa, então... ui, o frio transforma-se numa autêntica avalancha. A propósito disso, o livro 'The Art of Kissing' dá-nos uma série de dicas que podem ajudar a ultrapassar o nervosismo inicial, aproveitar o momento e fazer do beijo uma experiência verdadeiramente transcendental.

 

Quando se decide avançar, quer implique um beijo na boca ou na bochecha, está-se a entrar na "esfera privada" da outra pessoa, daí que convém estarmos seguros de que a sintonia quanto em relação às vontades é real. Poucas situações são tão constrangedoras como vermos rejeitado - ou não correspondido - um beijo nosso. Penso eu de que... pois, felizmente, nunca passei por semelhante provação. Ufa!

 

No caso de não haver certezas, o melhor é ir comendo pelas beiradas, ou seja, começar com pequenas aproximações físicas -  um toque na mão ou no braço, um afago no cabelo, uma carícia na face, por exemplo. Estes pequenos sinais serão suficientes para dar a entender à parte interessada de que se está a "preparar terreno" para uma investida mais íntima.

 

O autor da referida obra, William Cane, questionou vários homens e mulheres sobre quais as caraterísticas que mais gostavam num beijo e, a partir das suas respostas, elaborou duas listas que podem ajudar qualquer um a ter 'o melhor primeiro beijo de sempre'.

 

Atributos que eles associam a um bom beijo:

- Abrir a boca: os homes preferem, sem sombra de dúvida, french kiss, ou seja, "beijos mais molhados, com língua a entrar em ação".

- Mostrar iniciativa: atitude é tudo minha amiga.

- Manter um papel ativo: dar uma de múmia durante o beijo é simplesmente a treva.

 

Atributos que elas associam a um bom beijo:

- Evitar sufocar (a nossa queixa mais frequente): demasiados afoitos/nervosos/ansiosos/excitados, muitos homens simplesmente enfiam-nos a língua pela goela abaixo, dando a sensação que estão a tentar sufocar-nos, em vez de beijar. E o que era para ser uma experiência prazerosa, torna-se uma autêntica luta pela sobrevivência (literalmente falando).

- Deixar respirar: isto é, dar espaço para que a mulher respire, inspire o odor do macho e corresponda languida e entusiasticamente à troca de fluidos salivais.

- 'Ouvir' o beijo: ter a sensibilidade e o bom senso de acompanhar o ritmo dela nesta dança das línguas. Isto é, ir retribuindo consoante os avanços dela. Comandar e ser um bocadinho agressivo não tem nada de mal, mas também convém não asfixiar.

- Ter uma boca beijável: não conheço nenhuma mulher que não apregoe detestar homens desleixados e pouco higiénicos. Mau hálito, dentes encardidos, podres ou com restos de comida são inimigos mortais de um beijo digno desse nome. A ti gajo que segue este meu blog, atenta-te a isto: beijar uma boca elegível (vulgo saborosa) é mais do que meio caminho andado para que o "finalmente" chegue mais cedo, se é que me entendes. Por isso capricha na escovagem, no elixir, na pastilha com sabor a menta e no bicarbonato de sódio.

 

É verdade que, na maior parte das vezes, há sempre um momento de constrangimento na primeira vez que um casal se beija. Uma vez ultrapassada essa fase, e se as partes respeitarem o protocolo acima descrito, a sabura - palavra crioula que classifica tudo que seja bom - da carícia compensará tudo o resto. Pessoalmente, dou mais valor a um bom beijo do que ao ato sexual em si. Um homem que me incendeia com o seu beijo, terá, garantidamente, tarefa facilitada quando partirmos para o in-out-around-oh i'm coming.

 

Solteira minha, recapitulemos: o essencial é estar com o asseio na ponta da língua (literalmente), lembrar-se das dicas, não recear o contato e deixar-se levar pelo embalo do beijo. Epa, agora só me apetece beijar. Alguém aí desse lado?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

geiton_thumb_edit.jpg

 

Um artigo da Ana Areal, autora do Sapato Nº 37, não poderia ser mais esclarecedor em relação aos benefícios do sexo na vida de qualquer ser humano. Dá uma olhadela e depois diz-me se confere ou não com a tua percepção.

 

"Andas mal-humorada e sem vontade de te divertires? Dói-te a cabeça e ainda invejas o corpo tonificado da tua vizinha, achando-te feia?! Então minha cara, o teu problema é falta de sexo. Todos já sabemos que o sexo faz bem à saúde e à mente. Mas queres saber exatamente a que é que o sexo faz mesmo bem? Então lê e começa a praticar.

 

Quilos a mais? Troca as dietas por prazer
Fazer sexo regularmente tonifica todos os músculos do corpo e queima as calorias em excesso acumuladas que vais ingerindo diariamente. Fica mais "boa" do que a tua vizinha.

 

Qual depressão, qual quê? Dorme sobre o assunto
O ato sexual liberta endorfinas no organismo e na corrente sanguínea, produzindo uma sensação de euforia e bem estar. Além disso, o sexo é o tranquilizante mais poderoso de todos. Chega a ser dez vezes mais eficaz do que todos os outros calmantes juntos.

 

Aspirinas para o lixo
Alivia as dores de cabeça com sexo. Fazer amor acaba com as dores de cabeça porque alivia a tensão que aperta os vasos sanguíneos no cérebro. Por isso, aspirinas para o lixo!

 

Sexo puxa sexo

É quase como quem faz desporto regularmente. Quanto mais fazemos mais queremos fazer. Um corpo sexualmente ativo, produz maior quantidade de feromonas, para o caso, uma espécie de perfume natural, que em contato com o sexo oposto deixa-o totalmente excitado.

 

Anti-histamínico natural
O sexo é um autêntico anti-histamínico natural, pois está provado que alivia a asma e a febre do feno.

 

Esquece os problemas de pele
Sabias que se fizeres sexo se reduzem as probabilidades de sofreres de dermatites, manchas ou erupções cutâneas? É que o suor produzido durante o ato sexual limpa os poros da pele, tornando-a muito mais saudável e igualmente muito mais lisa e macia.

 

Queres cabelo mais brilhante e saudável? Faz sexo
Testes científicos descobriram que quando as mulheres fazem sexo produzem o dobro de estrogénio, o que torna os seus cabelos muito mais brilhantes e saudáveis.

 

Convencida?
Consegui convencer-te? Ou preferes continuar com a tua falta de humor, borbulhas, cabelo sem brilho, ataques de asma, depressão e a olhar de lado para a tua vizinha jeitosa do lado, em vez de a fitares com um sorriso na cara?"

 

Outrora, quando a minha vida sexual pautava-se por três (fartas) refeições diárias - uma logo ao acordar, para começar o dia cheia de genica, e duas à noite, o primeiro, aquela base, e o segundo apenas por uma questão de viciadessa de corpo - expressão crioula que significa vício - os meus músculos do abdómen eram visíveis a olho nú (sem nunca ter posto os pés no ginásio, diga-se de passagem), a minha pele era de uma maciez e luminosidade dignas de um anúncio da Shiseido, passava semanas sem sequer lembrar que os anti-histamínicos existiam (sofro de urticária crónica, alergia ao pólen, a certos bichos do mar, ao pelo dos animais e uma data de outras coisas), se me deixassem dormia 15 horas seguidas, nunca tinha dor de cabeça, o meu cabelo era uma coisa só, ria e sorria por tudo e por nada (à toa mesmo), a autoestima e o sex-appeal absolutamente fatais (encantava e conquistava sem fazer por).

 

Hoje em dia, debato-me com manchas na pele (que me custam uma fortuna para tratar); borbulhas assassinas que não me dão tréguas (com toda a certeza em grande parte responsáveis pelos fios de cabelos brancos e rugas de expressão); os abdominais são fruto de árduo trabalho no ginásio e mesmo assim não estão visíveis a olho nu; o Atarax e o Kestine são companhia dia sim, dia não; as horas de sono não ultrapassam as sete (e mesmo assim...); o cabelo está uma miséria; o mau humor insiste em querer boicotar a minha alegria e positividade inatas e a tesão encolhida mudou-se de armas e bagagens cá para a casa (e pelos vistos, sem dia nem hora para ir embora).

 

Tudo isso para dizer que não poderia ser mais verdade que o sexo é o melhor remédio para todo (e mais algum) mal. Assim como é facto empírico que o mal de muito mulherio que anda por aí destilando mau humor, amargura, veneno e frustração é precisamente a ausência dele (ou quiçá a fraca qualidade dele).

 

Despeço-me com um conselho amigo: motivos já tens, portanto se a oportunidade se propiciar, não te acanhes: come, repete, lambuza, lambe os beiços, arrota, faz a digestão e recomeça de novo, quando e quantas vezes quiseres. Para nós que estamos na inatividade ou na clandestinidade, façamos a nós mesmas o favor de providenciarmos logo logo um provedor de orgasmos, que a vida é curta, é bela e com sexo fica melhor ainda.

 

E depois desta, saio daqui direitinha para o Tinder!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D