Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

18
Jun20

hand-5028815_1920.jpgViva!

Comecei a alinhavar esta crónica andava a pandemia do novo coronavírus a dar os primeiros passos em direção ao estado de emergência. O compasso de espera até avançar com a sua publicação prendeu-se com dois motivos: acompanhar a evolução da situação (a fim de saber se mais benefícios poderiam daí advir) e evitar ferir a suscetibilidade daqueles que recusavam ver a crise sanitária como uma chamada de atenção para melhores práticas humanas, sociais, governamentais, económicas e, acima de tudo, ambientais.

O relatório da situação epidemiológica desta quinta-feira, 18 de junho, indica que Portugal conta com 38.089 casos confirmados de Covid-19; sendo que, desses, 1.524 são óbitos. Feitas as contas, é fácil concluir que a taxa de contágio (para um universo de 10 milhões de habitantes) sequer chega a 0,4%. Ora isso quer dizer que cerca de 99,6% dos residentes em Portugal não acusaram a doença, e que, dos que acusaram, apenas 4% não conseguiu de todo recuperar.
Insisto: somente 0,4% da população portuguesa ficou doente por causa do SARS-CoV-2. Dos tais 0,4% que adoeceu, apenas 4% não conseguiu sobreviver.

A elevadíssima taxa de sobrevivência/recuperação é o primeiro (e, claramente, o mais importante) aspeto positivo desta pandemia, maldita por um lado e bendita por outro. Porque ver o lado B(om) de tudo que nos acontece é uma postura que adotei para a minha vida, passo a enumerar mais uns quantos. Vejamos:
1. Os governantes nunca fizeram tanto pelo cargo que ocupam, bem como pelo salário que auferem,
2. No contexto político, situação e oposição estiveram harmoniosamente sintonizadas,
3. Entidades públicas e privadas falaram a uma só voz,
4. A população esteve mais unida do que nunca,
5. Muitas empresas assumiram uma postura deveras generosa para com os seus colaboradores,
6. As famílias estreitaram os laços,
7. O egoísmo, a indiferença e o descaso deram lugar à solidariedade, à empatia e à afetividade,
8. O dinheiro mostrou a sua desimportância perante o que realmente importa,
9. O culto do individualismo foi posto em cheque,
10. O mundo apercebeu-se que, independentemente da posição social, todos podem contrair o vírus,
11. Não restou margens para dúvida de que a saúde, bem como o sistema que a suporta, é um ativo fundamental,
12. As pessoas despertaram do seu profundo estado de alienação para se manifestaram genuinamente preocupadas com o bem estar de todos.

Lamento profundamente o facto de todas estas conquistas, acabarem por, indubitavelmente, ceder lugar às práticas pré-pandemia. Pelo que tenho visto, ouvido e deduzido, será uma questão de tempo até que a maioria dos mortais volte aos antigos hábitos de vida, consumo e interação - social e cívica. Os ensinamentos que, supostamente, todos nós deveríamos ter apreendido parecem condenados a uma página (negra, é certo) da memória coletiva.

Aquele abraço amigo de sempre! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

young-woman-2194044_1920.jpg

Viva!

Nos últimos tempos, à boleia desta pandemia, a questão da imunidade nunca fez tanto sentido como agora. A comunidade científica, e por tabela a comunicação social, tem-se redobrado em esforços para conseguir estabelecer uma relação direta entre o sistema imunitário e o SARS-CoV-2, sob a inabalável missão de encontrar a cura ou, pelo menos, um travão à sua propagação.

Por acreditar piamente que a melhor defesa contra este novo coronavírus, assim como todos os outros que circulam por aí, reside num sistema imunitário forte, escolhi como tema deste post algumas atitudes que, pela sua elevada eficácia emocional, contribuem ativamente para fortalecer aquele, que neste momento, a par do distanciamento social, é o melhor aliado no combate à Covid-19.

Acredito que seja do teu conhecimento que a ingestão de infusões, chás, sopas, alimentos ricos em vitamina C e suplementos seja uma aposta ganha no fortalecimento do sistema imunitário. O que talvez não saibas é que o cérebro também desempenha um papel essencial na prevenção e no combate a qualquer ameaça ao nosso bem-estar. Tanto assim é que está ao alcance de uma decisão ajudá-lo a reforçar a mais perfeita arma de combate às doenças que o ser humano pode desejar. Como? Cultivando estes cinco comportamentos emocionais, citados por Teresa Marta, mestre em psicoterapia e coach para a coragem:
 
1. Pensa em ti
Toma as decisões em função do teu bem-estar e da tua felicidade, e não daquilo que achas que os outros irão apreciar. Não tenhas problemas em dizer não, as vezes que forem necessárias, sem medo nem culpa.
 
2. Amplia o teu mundo
Faz por conhecer novas pessoas e outras realidades. Se preciso for, muda a rotina, as pessoas do teu convívio e até os locais habituais. Aventura-te para lá da zona de conforto, que é, precisamente, onde a magia acontece.
 
3. Pega leve contigo
Sentimentos de autoavaliação e de perfecionismo não rimam com felicidade e menos ainda com bem-estar. Ao te libertares das exigências de ti para contigo mesma, a tua vida tenderá a ser mais fácil e gratificante.
 
4. Deixa os acontecimentos negativos fluírem
Depois de uma fase má, virá seguramente outra melhor, daí que de pouco te vale estares a sofrer por aquilo que não pode ser desfeito. Tenta perceber qual a lição a tirar e segue adiante, que o caminho é para a frente.
 
5. Leva a vida com mais leveza
Saber ver o lado divertido do que nos acontece, sobretudo das coisas menos boas, é remédio santo para a cura emocional que tanto precisamos. Quem é capaz de brincar com a adversidade é capaz de enfrentar os problemas com leveza, otimismo e presença de espírito.

Em tempos difíceis como estes, em que a qualquer momento podemos ser contagiados, toda a ajuda, por mais insignificante que possa parecer, é bem-vinda. Estas dicas podem ser mais um aliado nesta batalha, cuja vitória pode até tardar, mas chegará com toda a certeza. Cuida de ti e mantém-te saudável.

Aquele abraço amigo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

09
Nov15

ng4695664.jpg

 

Quem nunca amaldiçoou a segunda-feira, o (maldito) primeiro dia últil da semana? Quem nunca sentiu aquele ressentimento gratuito, porém genuíno, para com o dia em a maioria de nós é arrancado impiedosamente do abraço aconchegante do domingo? Quem nunca desejou que esse dia fosse pura e simplesmente banido do calendário laboral?

 

Voltar ao ativo após dois dias isentos de horários e compromissos, não é nada motivante, antes pelo contrário. Só de pensarmos naquele maldito despertador que toca às primeiras horas da matina, altura em que a cama está mais convidativa (nem de propósito!). Só de pensarmos na correria para sairmos de casa a tempo e horas. Só de pensarmos em trânsito congestionado e/ou transportes coletivos apinhados de gente mal humorada (sem falar naquele cheirete de corpos que fedem por falta de higiene). Só de pensarmos em chefias e colegas mal amados, que parecem ter prazer em descarregar nos outros as responsabilidades pelas suas vidas frustradas. Só de pensarmos que são precisos mais cinco dias de puro contrarrelógio até voltarmos novamente ao modo fim-de-semana. Só de pensarmos nisso tudo o humor altera-se, a alegria desvanece-se e o desânimo instala-se.

 

Porque pessoas com alto astral fazem toda a diferença no nosso dia e porque não temos que ser mais um desses mal humorados das segundas-feiras, partilho contigo alguns dos meus truques, inspirados na meditação mindfulness, para obter aquela dose diária recomendada de energia positiva tão necessária, sobretudo no início da semana.

 

Segundo Vasco Gaspar, autor do livro 'Aqui e Agora: Mindfulness', esta técnica de meditação, além de ajudar a lidar com problemas físicos e psicológicos, como ansiedade, depressão, dependências várias, desordens alimentares e tensão arterial alta, quando usada no dia-a-dia ajuda a equilibrar o corpo e a mente. Como? Seguindo estas 20 dicas simples:

  1. Observar a respiração.
  2. Olhar-se ao espelho.
  3. Ouvir música calma.
  4. Ler um livro.
  5. Meditar.
  6. Observar as pessoas à volta.
  7. Desligar os dispositivos móveis (telemóvel, tablets, ipods…).
  8. Fazer um elogio genuíno.
  9. Ajudar alguém.
  10. Soltar-se e rir.
  11. Organizar algo (relacionado com o trabalho ou casa).
  12. Escrever como se fosse para um jornal.
  13. Definir pequenas metas diárias.
  14. Escrever pequenas notas em post-it.
  15. Cozinhar uma refeição.
  16. Saborear cada dentada enquanto comemos.
  17. Criar algo artístico.
  18. Fazer exercício físico.
  19. Dar um passeio.
  20. Tomar um banho longo.

 

De modo a minimizar ao máximo os efeitos nefastos da segunda-feira na minha mente, tento sempre cumprir pelo menos metade desta lista ao longo do dia de domingo.

 

Espero ter ajudado a fazer deste seu início de semana uma experiência mais positiva e infinitamente mais compensadora. Uma feliz semana a todos nós, que bem merecemos!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D