Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

07
Jan19

fantastic-woman-a-2017-001-young-woman-against-tilViva!

Na expectativa de que a tua entrada em 2019 tenha sido infinitamente mais auspiciosa do que a minha, eis-me de volta ao teu convívio, recheada de episódios de drama, trama, mesquinhez, vingança, assédio e tudo de mais sórdido que imaginar possas. Prometo contar tudo mal consiga organizar as ideias e digerir o vendaval que se abateu sobre a minha vida nestas últimas duas semanas.

Por ora permite-me partilhar contigo esta crónica, redigida em plena sala de embarque a caminho de Paris, sobre como sobreviver no panorama atual das relações interpessoais. No rescaldo de mais uma chapada da vida, desta vez pelas mãos de pessoas a quem dediquei afeição, tempo, paciência, respeito e consideração, ocorreu-me que faz aqui precisão um manual de sobrevivência para o trato social, em geral, e para as relações interpessoais, em particular.

No intuito de evitar que passes por aquilo que eu volta e meia passo, deixo-te aqui alguns conselhos sobre como gerir relações, sejam elas sociais, profissionais, familiares, amorosas ou até sexuais.

Dica 1 - Não dês demasiado de ti

À primeira leitura esta recomendação pode parecer ultra antissocial, mas se formos analisar com cuidado veremos que não o é de todo. Quanto mais damos de nós, quantas mais informações pessoais fornecemos aos outros, mais poder de nos ferir os sentimentos lhes conferimos. Uma vez na posse de dados que nós próprios lhes facultamos (ainda que na maior das inocências), muito são aqueles que não demonstram quaisquer escrúpulos em usá-los a nosso desfavor.

Dica 2 - Nas costas dos outros vê as tuas

Nas costas dos outros faz-te a ti própria o favor de ver as tuas. Se conheces quem fale mal dos outros pelas costas e na frente dos mesmos é só sorrisos e mimosices acautela-te que um dia será a tua vez de estar nessa posição. Pessoas assim são mais falsas que notas de 2 euros, pelo que não são amigas de ninguém, por mais que tentem convencer-te do contrário.

Dica 3 - O que os outros pensam de ti é problema deles

Todos nós temos opinião formada sobre pessoas e coisas, embora uns admitam e outros, por uma questão de pudor ou hipocrisia, nem por isso. Essa opinião tanto pode ir de encontro à realidade como pode induzir-nos em erros de perceção gravíssimos, dos quais poderemos nos lamentar pelo resto da vida. Com isso quero deixar claro que só te deves ralar com a opinião dos outros em relação à tua pessoa e/ou conduta se nela te reveres. Caso contrário, aciona o travão de mão, mete o pisca e encosta-os a um canto da tua vida, já que desse tipo de gentinha o melhor mesmo é manter distância.

Dica 4 - Vemos nos outros o reflexo de nós mesmos

Perante os que passam a vida a vomitar na cara dos outros tiradas do tipo: "És isto ou és aquilo", tem em consideração o conceito esotérico de espelho invertido, no qual a pessoa vê nos outros o seu próprio reflexo. Portanto, de agora em diante sempre que alguém te disser que és mau-carácter, egoísta, mentirosa, ingrata, desleal e por aí fora, fica a saber que quem é tudo isso não és tu, mas sim essa pessoa. Afinal, quem melhor que um criminoso para saber reconhecer outro?

Dica 5 - Prima por uma relação cordial, porém distante q.b.

Darmo-nos bem uns com os outros é recomendável – imperativo até – na interação social. Além de constar do manual da boa educação, é uma postura que nos facilita muito a vida e nos permite coabitar pacificamente com os nossos semelhantes. Contudo, recomendo que mantenhas a distância mínima de segurança, sob pena de seres abalroada por quem não conhece ou não respeita as regras da (boa) conduta social.

Dica 6 - Presta atenção à forma como tratam os outros

Um dos sinais mais flagrantes do temperamento e da índole de alguém revela-se quando está chateada/nervosa, sobretudo pela forma como se dirige aos outros, especialmente aqueles que considera o elo mais fraco da dinâmica. Se conheces quem fale mal para os outros, grite, insulte e humilhe, não tenhas dúvida de que à primeira oportunidade tratar te á de igual modo.

Dica 7 - Destemperamento combate-se com desprezo

Perante personalidades destemperadas, que fazem e acontecem só porque sim, a melhor estratégia consiste em evitar ao máximo o confronto verbal (ou físico, que também acontece). Por melhores que sejam os teus argumentos e as tuas intenções este tipo de pessoa vai encontrar sempre forma de te fazer sentir miserável. Se não for pela experiência, vence-te pelo cansaço, acredita. Simplesmente, não vale a pena.

Dica 8 - Desculpas não se pedem, evitam-se

Há uns tempos escrevi precisamente sobre gente que dispara a matar para só depois tratar dos feridos. Se conheces quem passa a vida a destratar os outros, seja na forma de falar seja na forma de atuar, e depois age como se nada fosse ou pede desculpas com aquele arzinho de peru na véspera de Thanksgiving Day fica a saber que pessoas assim dificilmente se arrependem das suas atitudes. Pois se assim fosse não aprontariam novamente, certo? Quando aprontam, têm por hábito adotar uma postura mansa e humilde pelo tempo suficiente até baixares a guarda e poderem desferir-te novo golpe. A não ser que tenhas vocação para saco de pancada, põe-te a pau.

Dica 9 - Quem gosta de falar não está para ouvir os outros

A experiência mostra que quem fala muito adora ouvir o som da própria voz. O que, por exclusão das partes, significa que não gostam de ouvir a voz dos outros. Assim sendo, dificilmente permitem que possamos expor o nosso ponto de vista, sobretudo se estes não vão de encontro aos seus. Bem podes tentar tentar tentar mas vais acabar subjugado pelo seu poder de absorvência e mememismo (o tal me me me de que também já aqui falei). O meu conselho é que perante pessoas assim fales o essencial (quando possível) e do seu bla bla blá retenhas apenas as informações que te forem relevantes. O resto é palha, e a não ser que sejas herbívoro não precisas dela para nada.

10 - Guarda a tua sinceridade para quem a saiba apreciar

Para último guardei a questão da sinceridade, honestidade, transparência ou frontalidade, como lhe quiseres chamar. Não conheço quem não apregoe serem estas as qualidades que mais valorizam no ser humano. No entanto, comprova a prática, escassos são os que realmente a praticam sem intenções dúbias e menos ainda os que aceitam serem dela alvo. Há pessoas que só gostam da sinceridade quando esta lhes massageia o ego. Nas vezes que assim não é, caem-te em cima feitos devoradores da morte (referência às personagens da saga Harry Poter). Para te salvaguardares de dramas desagradáveis, escolhe com esmero aqueles com os quais te podes dar ao luxo de seres absolutamente transparente, sob pena de seres ostracizada ou banida do convívio social. Dizeres o que pensas e pensares o que dizes pode fazer de ti vilã, dando azo a que personas mal intencionadas possam assim vestir a pele de vítima.

Bem mais teria a escrever sobre o assunto, mas como o texto já vai longo e a tripulação exige que se desliguem os aparelhos electrónicos, despeço-me com aquele abraço amigo de sempre.

Um bom ano e até breve!

Autoria e outros dados (tags, etc)

06
Jul17

06d9f0059873b042fd72049377a446ef_XL.jpgOra viva!

Talvez porque eles andam aí aos magotes, porque nos cercam por todos ou porque a nossa sanidade é um bem precioso, hoje quero falar-te de certas criaturas que deambulam pelas redes sociais, mas que pouco ou nada contribuem para o nosso bem estar psíquico e emocional.

Pessoas tóxicas há em toda a parte, é facto. Se por vezes é difícil fintá-las na vida real, o virtual oferece-nos uma margem de manobra bem maior quando se trata de aturar quem não nos faz bem; aqueles que com as suas manias, "bocas" ou dramas devemos manter à distância de um 'unlike'.

A propósito do dia mundial das redes sociais, assinalado no passado dia 30 de junho, este assunto veio à baila pelos carateres do Huffington Post, que listou alguns perfis, aos quais tomei a liberdade de acrescentar outros tantos, de amigos virtuais que devem ser banidos da nossa vida online, pelas razões acima mencionadas.

Porque não mereces levar com conteúdos tóxicos, potenciadores de algum tipo de desconforto, fica a conhecer melhor o tipo de pessoa por detrás de publicações assim:

O politiqueiro
Opiniões políticas todos temos, pelo que não há nada de errado em partilhá-las com os nossos. Agora levar com aquele amigo que metralha constantemente o nosso feed com politiquices, que tem sempre um comentário anti governo para tudo (tal qual líder da oposição), ninguém merece. E tu, menos ainda. A solução? ‘Desamigá-lo’ ou deixar de seguir as suas publicações.

O pessimista
Dias maus e momentos de tristeza fazem parte da vida, mas não é chorando as mágoas na rede que elas se vão resolver. É deveras estressante, de cada vez que se acede ao mural, dar de cara com frases deprimentes, imagens negativas ou emojis choramingas. Amigos assim não valem a pena fazerem parte da nossa vida, até porque está provado que tristeza e stress são emoções altamente contagiosas. 

O ex-quelque chose
Cuscar a vida do ex, seja ele teu ou de alguém que te é próximo, além de uma grande perda de tempo, representa um enorme desgaste emocional. Por maior que seja a curiosidade, de pouco te vale estar a par da vida de quem optou por deixar o teu convívio. Portanto, para teu próprio bem, o melhor mesmo é eliminar essa pessoa e seguires em frente com a tua vida.

O perfeito
É altamente frustrante seguir aquele amigo que parece ser a personificação da felicidade: férias de sonhos, beleza estonteante, roupas trendy, namorado gostoso, relação amorosa perfeita, amigos giros, ótimo emprego e por aí adiante. Passo muito bem sem eles, pois não preciso que me lembrem o quanto a vida pode ser mãe para uns e madrasta para outros.

O carente
É aquele tipo de amigo que faz tudo para chamar a atenção, cujo propósito primeiro e último é despertar compaixão alheia. Publicações como "O pior dia da minha vida…", "A sentir-se triste…" ou "Porque me acontece isso se eu não faço mal a ninguém..." são frequentes no seu mural. Haja paciência! Agora diz-me lá se há lugar para alguém assim na tua vida online.

O caça-likes
É o Indiana Jones da rede, que se mete nas mais variadas acrobacias para conseguir um 'Gosto' nas suas publicações. São incapazes de dar um peido (não sou o Salvador, mas também tenho direito ao meu momento P) sem que dar conhecimento à rede. Este tipo de amigo cansa-me, pelo que não penso duas vezes na hora de ocultar as suas notificações.

O humanitário
Outra espécie que não faz falta no meu grupo de amigos. Abraçar boas causas, através da partilha de conteúdos humanitários, é algo louvável e que nos mostra que ainda há quem se importe com os outros e queira fazer deste mundo um lugar melhor. Mas passar a vida a partilhar conteúdos sobre catástrofes humanitárias, injustiças sociais, pessoas desaparecidas, animais abandonados, doentes terminais ou correntes de solidariedade já é demais. Não preciso que me estejam a lembrar o tempo todo das desgraças alheias, que para isso basta-me ver tv, ler o CM ou ouvir as trumpshits. 

O maldoso
Essa espécie tem sempre um reparo a fazer em relação a publicações alheias, que faz tudo para desvalorizar tudo e todos. Para ele nenhuma publicação, foto, música ou vídeo é merecedor de um elogio na íntegra. Se comentários como "Bela foto, pena que…", "Já lá estive, mas não achei grande coisa…" ou "Prefiro a versão b…" te soam a familiar, não te acanhes e espeta-lhe com um cartão vermelho. A tua autoestima há-de agradecer-te, garanto.

Depois do que acabaste de ler, talvez seja hora de fazeres uma autoanálise a fim de confirmares se o teu perfil não se enquadra em nenhuma destas descrições. Nunca se sabe…

Autoria e outros dados (tags, etc)

shutterstock_65270500.jpg

 

Companheira, amiga e seguidora deste meu caderno de impressões (tão nosso), eis-me de volta ao ativo, pós uma curta ausência, justificada por um ataque fulminante de desinspiração. E comigo trago um tópico já anteriormente abordado, mas que dada a sua incontestável pertinência, vale sempre a pena partilhar: inteligência emocional, desta vez acasalada com o sucesso.

 

Num artigo publicado no LinkedIn, o especialista Travis Bradberry, cofundador da TalentSmart e autor do best-seller Emotional Intelligence 2.0, atesta que a   inteligência emocional está intimamente ligada ao sucesso e como prova disso identificou nove caraterísticas comportamentais dos emocionalmente inteligentes.
 

1. Não viver no passado

Quando se vive no passado, o mais provável é nunca se conseguir seguir em frente. Deste modo, o fracasso pode "minar" a nossa autoconfiança e impedir-nos de ser bem sucedido no futuro. "As pessoas emocionalmente inteligentes sabem que o sucesso reside na sua capacidade de ultrapassar o fracasso, e não podem fazer isso ao viverem no passado", explica Bradberry. O importante as pessoas acreditarem que nada se consegue sem riscos e esforços, acreditando sempre nas suas capacidades de vencer.

 

2. Não se refugiar nos problemas

Para Bradberry, o foco da atenção determina o estado emocional, ou seja, quando uma pessoa se fixa num problema as emoções serão negativas e stressantes. Esse tipo de sentimentos vai influenciar de forma negativa o seu desempenho. Deste modo, ao invés de se "afundarem" nos problemas, as pessoas emocionalmente inteligentes focam-se em procurar soluções para resolvê-lo.

 

3. Não se focar na perfeição

Na pesquisa desenvolvida, as pessoas bem sucedidas não procuravam a perfeição, conscientes de que esta não existe. "Quando a perfeição é o objetivo, a pessoa sentirá sempre a sensação de fracasso, gasta o seu tempo a lamentar o que deixou de fazer e o que poderia ter feito de forma diferente, em vez de apreciar o que era capaz de alcançar", acrescenta Bradberry.

 

4. Não viver cercados de pessoas negativas

As pessoas que estão constantemente a queixar-se dos seus problemas e que são negativas (vulgo "pessoas tóxicas") representam um perigo para o sucesso dos que as rodeiam, já que, longe de se preocuparem com soluções, apenas pretendem levar alguém consigo "para a cova", de modo a se sentirem melhor. Por estas razões e mais algumas, devemos mantê-las bem afastadas de nós, ainda que isso nos possa fazer sentir mal e insensível. "Há uma linha que separa emprestar um ouvido simpático e ser sugado para dentro de uma espiral emocional negativa", defende o especialista.

 

5. Não ter medo de dizer "não"

"Dizer não é realmente um grande desafio para a maioria das pessoas", admite Bradberry. Contudo, quando é necessário dize-lo, as pessoas bem sucedidas fazem-no sem rodeios, e de forma direta. A investigação concluiu que a dificuldade em dizer "não" está relacionada com o stress e com a depressão. Ao conseguir dizer esta palavra está a assumir os seus compromissos e a defender o que quer, o que lhe permite alcançar o sucesso.

 

6. Não deixar ninguém influenciar a sua felicidade

Quando as pessoas emocionalmente inteligentes se sentem bem, elas não deixam que os outros estraguem esse estado de espírito com opiniões e sentimentos destrutivos. E também não comparam felicidades. Não importa o que as outras pessoas pensam ou fazem, a nossa autoestima vem de nós. Devemos preocupar-nos com aquilo que fazemos, não com o que os outros fazem.

 

7. Perdoar, mas não esquecer

A investigação concluiu que as pessoas com maior inteligência emocional são rápidas a perdoar, o que não quer dizer que esqueçam. Não ficam a "remoer" o que se passou, mas isso não significa que irão dar hipóteses a um novo erro.

 

8. Não desistir da luta

Segundo Bradberry, pessoas deste tipo sabem o quão importante é lutar para viver no dia seguinte. Deste modo, em alturas de conflito, enfrentam os problemas e não se deixam abater pelas dificuldades. Fazem-no com cautela, controlando as suas emoções e capacidades com sabedoria. Esta é a forma mais eficaz de defenderem o "seu território e saírem vitoriosos".

 

9. Não guardar rancor

Guardar rancor é, na verdade, uma resposta ao stress. Pesquisadores da Universidade de Emory mostraram que este sentimento contribui para a pressão arterial e para doenças cardíacas. Ao guardar rancor estamos a guardar também o stress, e assim, nunca alcançaremos o sucesso. Ou seja, aprendermos a libertar do rancor não só vai fazer com que nos sintamos melhor como também vai melhorar a nossa saúde. As pessoas emocionalmente inteligentes sabem que devem evitá-lo a todo o custo.

 

Quanto a mim, reconheço a necessidade de limar umas quantas arestas, rumo a uma trintona mais bem resolvida, mais emocionalmente inteligente e, infinitamente, mais orgulhosa da sua condição de ser humano que labuta incansavelmente para fazer a diferença neste mundo. Pela positiva, claro está!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D