Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

06
Fev20

erotic-229682_960_720.jpg

Viva!

Que tal apimentar o dia com um papo de gajas sobre fantasias sexuais? Vem aí o Dia dos Namorados, pelo que estar com a matéria do erotismo na ponta da língua é uma opção mais do que pertinente, para não dizer inteligente. Afinal, sabemos lá se a seta do cupido não estará neste preciso momento a caminho do nosso coração. Mesmo que não chegue a tempo do Dia do São Valentim, um pouco de ação nunca fez mal a ninguém. Pelo contrário!

Admita-se (ou não), a verdade é que as mulheres também pensam – e não é pouco – em sexo. Tal como os homens, também têm desejos íntimos, pensamentos eróticos que muitas vezes nem às paredes confessam. No que toca ao campo sexual, também gostam de sair da zona de conforto e explorar cenários, parceiros e posições mais ousadas. Sim, nós as mulheres (também) temos fantasias sexuais!

Por mais normal, e saudável, que isso seja (não fazendo de nós umas galdérias pervertidas e amorais, como tantas vezes nos induzem a pensar), a verdade é que muitas são aquelas que ainda relutam em admitir/confessar ao seu parceiro que têm desejos e fantasias sexuais. Por não verbalizarem o que gostariam de vivenciar, autoprivam-se de experiências imensamente mais prazerosas e gratificantes. Por não se permitirem dar largas à imaginação, contentam-se com uma vida sexual insossa e inglória.

Para essas mulheres só tenho um conselho: no dia em que te libertares das amarras do tabu, daquela educação sexual rígida que recebeste, da tal exacerbada preocupação com a opinião alheia e do medo de assumires a tua sexualidade sem pudor, vais descobrir que o sexo é uma espécie de país das maravilhas onde o único limite ao prazer é a imaginação.

Meu bem, solteira ou não, com ou sem perspetiva de ação para o dia 14 de fevereiro, hoje é um bom dia para rever a lição de casa e conferir até que ponto esta lista com os 10 fetiches sexuais mais comuns nas mulheres vai de encontro à tua:
1 – Homens de fato ou com uniformes.
2 – Sexo num espaço público.
3 – Striptease para o companheiro.
4 – Ser dominada.
5 – Ouvir palavras mais obscenas.
6 – Ménage com o parceiro e mais uma mulher.
7 – Sexo com um estranho.
8 – Ménage com dois homens.
9 – Ser filmada durante o ato.
10 – Dominar.

Pessoalmente, só me revejo em apenas três destes itens. Como não sou, nem tenho pretensão de vir a ser, uma mortal como as outras, tal constatação não me preocupa por aí além. Estou bem ciente dos meus fetiches, e o facto de dois deles sequer constarem deste top ten só me faz ver que em matéria de fantasia sexual estou um passo à frente da maioria das mulheres. E tu, single mine, que tens a dizer sobre o assunto?

Aquele abraço amigo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_4745.jpgViva!

Os últimos posts giraram essencialmente à volta da minha pessoa, por isso é mais do que hora de mudar o foco e apontar os holofotes noutra direção. Assim, que tal aquecermos esta sexta-feira gélida, ainda que soalheira, com um artigo sobre sexualidade, tema picante o bastante para fazer corar as bochechas e acelerar a pulsação (e otras cositas más, se é que me entendes 😉).

É com este propósito que resgatei do meu arquivo digital um artigo publicado na Máxima, há mais de um ano e cujo tema, no mínimo intigrante, é de todo pertinente para o Sapo do Ano 2018 na categoria Sexualidade: o que o tamanho dos dedos tem a dizer sobre a nossa sexualidade.

Sobre isso, um estudo da Universidade de Essex atesta que as discípulas de Vénus (leia-se indivíduos do sexo feminino) com o dedo indicador mais comprido do que o anelar são, muito provavelmente, lésbicas ou bissexuais. Para tal conclusão contribuíram os dados apreendidos aquando da análise do comprimento dos dedos de 18 pares de gémeas idênticas, com orientações sexuais diferentes, em que, em média, as raparigas lésbicas ou bissexuais tinham o indicador e o anelar de tamanhos diferentes – mas apenas na mão esquerda.

Por forma a atestar a veracidade desta pesquisa, partilho uma fotografia da minha mão esquerda, onde é percetível que o meu dedo indicador não é mais comprido que o anelar. Logo, que fique registado por pixéis + caracteres que não sou lésbica, muito menos bissexual. Para aquelas almas encardidas que não se cansam de insinuar o contrário, eis a prova científica que tem faltado aos meus argumentos verbais.

Retomando o fio à meada, para os investigadores, ter o dedo indicador mais comprido do que o anelar é uma das características tipicamente masculinas, explicado pela quantidade de testosterona a que essas mulheres foram expostas no útero. Abro aqui um parêntesis para referir que já vários estudos indicaram que a sexualidade é determinada no útero, dependente da quantidade de hormonas masculinas a que o embrião é exposto. Assim, no caso dos homens, um dos dedos é maior do que o outro, mas nas mulheres o indicador e o anelar são, por norma, do mesmo tamanho.

Single mine, se a esta altura da leitura ainda não procedeste à comparação dos teus dedos indicador e anelar, a hora de o fazer é essa. Nem que seja, para validares (ou não) mais esta teoria empírica, que sabemos nós que é fidedigna, mas nem sempre infalível.

Desejos de um esplendoroso fim de semana e boas compras para o Natal. Um abraço amigo e até segunda!

Autoria e outros dados (tags, etc)

looking-2649323_960_720.jpg

Viva!

Um estudo intutulado As Mulheres em Portugal, Hoje assegura que uma em cada três portuguesas sente-se infeliz com a vida. Pela sua pertinência, e relevância, este assunto merece um olhar crítico desta solteira aqui, feliz nuns dias, infeliz noutros e assim assim nos restantes. 

A investigação, baseada numa amostra de 2,7 milhões de indivíduos do sexo feminino com idade compreendida entre os 18 e os 64 anos, intentou por a nu as condições e os objetivos das mulheres em território nacional: o trabalho, as tarefas domésticas, os rendimentos, os filhos, a vida sexual e os orgasmos, a desigualdade salarial, os filhos e a felicidade.
 
Coordenado por Laura Sagnier, economista e especialista em market intelligence, a análise, que reflete o que pensam e o que sentem as mulheres em Portugal, chegou às seguintes conclusões:
 
- O período mais complicado para a maioria das mulheres em relação às várias facetas que afetam as suas vidas situa-se entre os 35 e os 49 anos.
 
- A partir dos 28 anos, a capacidade de 'conciliar bem o trabalho pago com a vida pessoal ou familiar' torna-se a questão mais relevante para a esmagadora maioria.
 
- Mulheres com relações infelizes sentem que tal afeta de forma negativa todas as outras facetas da sua vida, ao contrário do que acontece com aquelas que não têm companheiro. Mais vale só do que mal acompanhada, não me canso de apregoar...
 
- Mais de metade (51%) das assalariadas estão infelizes no que diz respeito ao emprego.
 
- 33% sentem-se infelizes com a vida; 47% assumem-se felizes ou quase felizes e as restantes estão abaixo do limiar de felicidade.
 
- As facetas que as deixam mais felizes são, por ordem decrescente, os filhos, os netos, as amigas, os amigos, os parceiros e a mãe.
 
- As facetas que mais promovem a sua infelicidade são, por ordem decrescente de importância, o tempo médio que dispõem para si, o trabalho pago, o seu aspeto físico e os descendentes com um relacionamento anterior.
 
- 5% assumem-se como mães arrependidas.
 
- 73% assumem mais trabalho não pago que os companheiros.
 
- Para a maioria é mais importante as vezes que atingem o orgasmo do que a frequência com que mantém relações sexuais. Muitas dizem-se sentir felizes se tiverem sexo uma a duas vezes por semana.

É caso para nos perguntarmos por onde anda a felicidade de um terço das mulheres portuguesas. Poderia dizer que ela está na solteirice (como inúmeros estudos já o comprovaram). Mas como eu, solteira de longa duração, também não me sinto totalmente feliz, a resposta poderá estar no conceito de felicidade de cada uma. Só resta definir por a+b o que é a felicidade.
 
Com esta reflexão dou por encerradas as hostilidades do dia. Um abraço amigo e desejos de uma boa semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)

12
Nov16

Mulheres são como maças

por Sara Sarowsky

mulher-comendo-maca-620x330.jpgMulheres são como maçãs em árvores.
As melhores estão no topo.
Os homens não querem alcançar essas boas,
porque eles têm medo de cair e se machucar.
Preferem pegar as maçãs podres que ficam no chão,
que não são boas como as do topo,
mas são fáceis de se conseguir.

Assim, as maçãs no topo pensam
que algo está errado com elas,
quando na verdade ELAS são maravilhosas...
Elas têm que esperar um pouco mais
para o homem certo chegar...
aquele que é valente o bastante
para escalar até o topo da árvore.

Machado de Assis

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Já viste o novo vídeo da marca Dove? É precisamente sobre ele que quero falar-te hoje, já que, a meu ver - enquanto consumidora e profissional da comunicação e marketing -  trata-se de um trabalho genial, bem ao estilo a que nos vem habituando a marca, e que visa romper com os estereótipos sociais associados à condição feminina, desta vez ao cabelo.

A peça, de pouco mais de 1'15'' retrata vários tipos de mulheres, com diferentes realidades capilares, que resolveram desafiar as convenções sociais e assumir o seu cabelo à sua maneira.

De acordo com a marca, membro da família Unilever, 9 em cada 10 mulheres sentem-se pressionadas a usar o cabelo de uma certa forma? Como "Dove acredita que toda mulher tem o direito de fazer o que quiser com o cabelo", este vídeo está-se revelando um autêntico sucesso na rede, conquistando em apenas 17 horas, 18.400 gostos, 3.902 partilhas e 482 comentários.

Eu adoreiiiiiiiiii, já que é simples, eficaz e verdadeiramente comovente. O filme envolve e cativa, ao mesmo tempo que nos impulsiona a assumir uma posição, a tomar uma atitude. Afinal, que mais poderíamos esperar desta marca sempre tão assertiva e positiva e que nos tem agraciado com peças audiovisuais únicas, verdadeiras obras de arte em frames?

Muito mais que um sabonete ou uma linha de produtos para cuidados pessoais, Dove é a máxima expressão da mulher real. Afinal, para a marca a beleza real pode ser genuinamente fantástica. "Sinta se bem com suas curvas ...", "Aceite seu cabelo..." ou "Faça o que quiser...", o importante é sentir-se bem.

Espreita só algumas das reações na página do Facebook da marca:

Mary Lilith Me senti representada por essa campanha, sempre usei cabelos com cores fantasia e sei bem como é difícil na hora de uma entrevista de emprego, parabéns amei Emoji smile

Sandra Regina Almeida Straforini Ter cabelos vermelhos é o mesmo que pedir para ser rotulada...Estou tão preocupada com a opinião alheia que a cada mês meus cabelos cacheados estão cada vez mais vermelhos... rsrsrsrsrs 😛!!!

Júnia Benedita Souto Oliveira Adorei está propaganda fala td que sempre quis disser as pessoas porém estas não entendiam. Ótimo adorei. Cada mulher usa o cabelo que quiser.

Amélia Martins Gente, adorei! Parei de alisar por opção, enjoei, mas me dava uma raiva danada quando me diziam: "nossa, por que você alisa? Que maldade!", sendo que ????? caramba! O cabelo era meu. Adorei, representou todas nós. Somos maravilhosas! Nossa beleza, NOSSAS regras! Tá de parabéns, hein Dove!

Brunna Santos Dove meu amor você arraza sempre Amu seus produtos o desodorante tradicional é o meu preferido e minha escolha é voltar a ser Natural,deixei as químicas de transformação e abandonei a chapinha. hoje minha busca é em me sentir bem,me fazer feliz... E eu decido o que é o melhor pra mim

Samira Taciana Gente a dove é a unica que parece retratar literalmente oq vivemos e queremos nas propagandas..estao otimas

Conceição Cardoso Adoro os comerciais Dove. O legal é que representamos bem o que o comercial quer passar. Mulheres, lindas ousadas, e estilosas. Sinto saudade tbm do comercial, das gordinhas sexys, e ousadas, dos sabonetes dove. Isso é que faz a diferença, focar em quem realmente conhece e consome os produtos.

E tu, qual é a tua escolha? Partilha este vídeo usando #SeuCabeloSuaEscolha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Jan16

12 Mandamentos das mulheres

por Sara Sarowsky

Depositphotos_4596974_m-1480x960.jpg

 

Como estes mandamentos são de autor desconhecido, tomei a liberdade de lhes fazer um update, mais ao estilo do Ainda Solteira. Espero que gostes.

 

1. Mulher não mente, guarda alguns factos para si.

2. Mulher não fofoca, partilha informações.

3. Mulher não trai, dá o troco.

4. Mulher não fica bêbada, solta-se.

5. Mulher não ofende, apenas é sincera.

6. Mulher não grita, testa as cordas vocais.

7. Mulher não chora, lava as pupilas dos olhos.

8. Mulher não cobiça um homem gostoso, apenas aprecia obras de arte.

9. Mulher entende tudo o que um homem diz, só pede que explique novamente para testar sua capacidade de raciocínio.

10. Mulher não sente preguiça, descansa a beleza.

11. Mulher não sofre por amor, sofre pelos sonhos desfeitos.

12. Mulher não engana os homens, apenas pratica o que aprendeu com eles.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D