Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

Emma.jpg
Ora viva! ✌️

Como há muito que não trago um texto de autor, e tendo em conta que é sexta-feira, ou seja, a inspiração e a criatividade estão nos níveis mais baixos da semana e a nova crónica para o Balai CV não se escreve sozinha, convém lembrar a mim mesma, eis-me aqui para te apresentar Emma John, uma mulher de 40 anos que não quer ter filhos nem marido e que, por isso, assume ter "menos rugas e mais dinheiro".

Eis o artigo do Seu Amigo Guru sobre esta solteira convicta, que, tal como eu, abraçou a causa de desencardir mentes e desmistificar crenças em relação à solteirice no feminino.

O papel das mulheres na sociedade nunca foi simples. Muitas coisas mudaram, mas ainda é uma dura realidade que as mulheres sejam constantemente julgadas ao tomar decisões profundamente pessoais. Se não casarem antes de certa idade, se não tiverem filhos, se não iniciarem uma determinada carreira profissional; muitas mulheres acabam tendo que enfrentar um escrutínio desconfortável de todo o mundo.

Emma John é uma escritora que sabe muito bem o que é isso . Durante os anos de faculdade, ela pensou que conheceria quem se tornaria seu marido, mas não o fez. Ela teve vários relacionamentos, mas todos duraram apenas alguns meses. "Quando fiz 26 anos, conheci Matt, um homem bom e decente por quem eu deveria ter me apaixonado completamente. Mas eu não quis", Emma lembrou.

Suas amigas estavam celebrando seus casamentos e quando ela se tornou a única que não era casada, sua família começou a pressioná-la cada vez mais. "Minha mãe estava tão preocupada com minha suposta solidão que uma vez me deu uma assinatura de um aplicativo de namoro. Alguns teriam ficado ofendidos com algo assim, mas eu vi o lado bom e agradeci a ela”, disse Emma.

Emma garantiu ao site Viralistas que sua solteirice é seletiva e com o tempo ela aprendeu que não precisa de um marido para se sentir completa ou realizada. Apesar de tudo, muitos falam sobre seu "relógio biológico" e avisam que o tempo de ser mãe está se esgotando. Finalmente, Emma decidiu transformar todos aqueles comentários negativos em um livro.

Lá ela fala sobre como está orgulhosa de seu estilo de vida e os benefícios de ter 40 anos e ser solteira sem filhos. "Você vai envelhecer melhor. Você não terá tantas rugas. Pense em todas as horas de sono. Não haverá noites em que seu parceiro ou filho te acordará", recomendou Emma. Não demorou muito para que as suas palavras causassem uma grande comoção.

Muitas mulheres comentaram que se sentiam muito identificadas com ela, mas as críticas não tardaram a chegar. Em todo caso, devemos lembrar como é maravilhoso que cada pessoa tenha a liberdade de escolher seu caminho . O mais importante é que todos se sintam bem com a vida, sem pensar no que vão dizer. Todas as mulheres merecem viver a vida com que sonham sem se sentirem julgadas.

Então, gostaste deste post? Se sim, deixa um comentário ou partilha a tua experiência de solteirice. De volta estarei para a semana, até lá deixo-te com aquele abraço amigo de sempre!

Autoria e outros dados (tags, etc)

15
Nov22

Foto de capa Podcast.png Ora viva! ✌️ 

Conforme adiantado ontem, eis-me de volta com mais um episódio do Ainda Solteiros, o podcast de solteiros para solteiros que, programa a programa, tem estado a conquistar o seu lugar ao sol.

As reações têm sido espetaculares e a interação com os ouvintes muito proveitosa. Portanto, deixo-te à vontade para te pronunciares em qualquer altura, que o me realiza mesmo é saber que estou contribuindo para uma solteirice mais digna, mais livre, mais feliz.

Já te perguntaste o porquê de tamanha cobrança sobre as mulheres solteiras? O porquê de tanta pressão social, familiar, religiosa e até fiscal para que a mulher não fique desemparelhada? Neste terceiro episódio conto a minha experiência pessoal e acendo algumas luzes sobre as respostas a todas estas questões.

O episódio A Solteirice no Feminino já está disponível nas plataformas Anchor, Apple e Soundcloud. Ouve, partilha, recomenda, comenta, sugere, critica, o que entenderes, que este programa é para todos, independentemente da sua situação amorosa. 

Aquele abraço amigo e até sexta, dia em que estarei de volta com a minha última crónica para o Balai Cabo Verde. És capaz de adivinhar qual o tema? 😉

Autoria e outros dados (tags, etc)

library-of-congress-IEj4pcYrsHA-unsplash (1).jpg
Ora viva! ✌️

Estes últimos dias têm sido uma loucura, daí que a minha presença aqui no blog não esteja a ser tão assídua como seria de prever. Entre a estreia do Ainda Solteiros, os preparativos para a minha festa de aniversário, a organização de um evento para a primeira semana de 2023, os textos para três projetos, a procura de parceiros para o podcast, as consultas de tarot - sim, dou consultas de tarot! 😉 - e as exigências quotidianas pouco tempo tem sobrado para me dedicar a ti. Com muita pena minha, é bom que saibas disso.

Ainda assim, tento dar o meu melhor e fazer tudo o que me é possível, no momento em que me é oportuno. Depois deste parlapiê todo, estou pronta para revelar o tema da crónica de hoje: a solteirona. Pessoalmente, considero a palavra deselegante, maldosa até. Mas o facto é que ela ainda circula pelas bocas de muitas mentes encardidas que insistem em achar que uma mulher solteira depois de uma certa idade é encalhada, logo, solteirona.

Como referi dias há no post Os efeitos nocivos do julgamento social contra os solteiros,constrangimento por ser solteiro não é equitativo. As mulheres são bem mais flageladas, com algumas culturas a imporem o casamento e a maternidade como a única via para a realização pessoal, social e familiar.

Por considerá-lo um tema deveras relevante, o terceiro episódio do podcast, disponível na próxima terça-feira, 15 de novembro, debruça-se precisamente sobre a solteirice no feminino. Nesse entretanto, intento através desta crónica desconstruir algumas das ideias erróneas sobre os indivíduos do sexo feminino que não têm um par ou não estão numa relação amorosa assumida ou oficializada.

A forma como as pessoas se referem às solteiras, em comparação com os homens na mesma situação amorosa, não é nada lisonjeira. Na nossa língua, o termo "solteirona" tem uma conotação bem mais pejorativa que a sua forma no masculino, "solteirão". "Solteirona" ganhou conotação negativa ao longo do tempo, depreciando as mulheres desemparelhadas e alimentando a crença de que elas são fracassadas, problemáticas, rejeitadas, preteridas.

"Segundo a crença popular, as mulheres se preocupam mais com o casamento que os homens", considera Bella DePaulo, autora do livro Singled Out: How Singles are Stereotyped, Stigmatized and Ignored, and Still Live Happily Ever After (publicado em português com o título "Segregados: como os solteiros são estereotipados, estigmatizados e ignorados e vivem felizes". "Por isso, acho que as mulheres solteiras são submetidas com mais frequência a perguntas irritantes como 'está namorando?'".

Já a psicoterapeuta Allison Abrams relembra que mais pacientes mulheres partilham experiências que causaram constrangimento por serem solteiras que os pacientes do sexo oposto. "Os homens solteiros também podem ser tratados de forma depreciativa e arrogante", remata, por sua vez, DePaulo, ressalvando que as pessoas os consideram infantis, incapazes de cuidar de si próprios ou obcecados por sexo.

Toda vez que eu ouço alguém proferir a palavra "solteirona", fico com o pelo eriçado e o coração minguado. Isto porque vem-me à mente a imagem de uma senhora de meia idade, com veruga no nariz, cabelo ralo, dentes amarelados e postura curvada. Afinal, não é esta a imagem da mulher que nunca casou ou procriou que a sétima arte, sustentada pela dona literatura, nos vendeu durante séculos? A par de "encalhada", a palavra "solteirona" é sem sombra de dúvida aquela que mais estigmatiza a mulher desemparelhada. É pois hora de bani-la do nosso léxico e relegá-la à memória do tempo em que não abundavam solteiras poderosas, empoderadas, gostosas, determinadas, conscientes e felizes.

Beijo 💋 em ti e até para a semana, que sexta e sábado estarei a labutar, de manhã à noite, num evento giríssimo chamado Bazar Diplomático. Como deves imaginar, não conseguirei arranjar tempo para vir aqui deixar-te uma crónica amiga. Bom fim de semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)

neal-e-johnson-KdrmVW1bC2s-unsplash.jpg
Ora viva! ✌️

No post anterior defendi que há quem tenha nascido para ser solteiro. O que não foi preciso dizer, mas que ficou explícito, é que o contrário também é válido. Contudo, independentemente da prevalência da versão G do tal gene 5-HTA1, existem momentos na vida em que se torna imperativo desembaraçarmo-nos de relações amorosas, mais não seja para podermos cuidar de nós, conhecer-nos melhor, olhar para as nossas emoções e avaliar com precisão o que queremos de um relacionamento a dois.

O que mais abunda pelos corredores da vida são criaturas que não suportam a ideia de estarem sem ninguém. Existem aquelas que, antes mesmo do término da atual, saem à caça da próxima relação, sem se darem tempo para fazer o luto, quanto mais para procurar com consciência. Tudo vale para não ficarem sozinhas, para não olharem para dentro delas, para não terem de encarar facetas e comportamentos capazes de deixá-las desconfortáveis consigo próprias.

Como já aqui referi umas quantas vezes, a própria ciência atesta os benefícios da solteirice, com vários estudos a darem como provado que os desemparelhados adotam hábitos mais saudáveis, sem falar que tendem a experenciar um melhor desenvolvimento individual e a ter mais sexo. 

Atenção que o propósito desta crónica não é o de exaltar as vantagens do celibato (voluntário ou não), mas sim de dar conhecimento de qual a melhor altura para abraçá-lo, por mais custoso que possa ser.

Aceitar que precisamos de ficar sozinhos pode não ser fácil, mas às vezes é preciso, imperativo até. De acordo com a psicóloga Sofia Taveira, citada pela revista MAAG, são estes os seis sinais que indicam que chegou o teu momento de ficar (temporariamente) solteira.

1. Dependência emocional
Se saltas de relação em relação, sem pausas, balanços ou questionamentos. De acordo com esta profissional da mente, deves "usar o tempo sozinha para te conheceres melhor interiormente, num encontro contigo própria, com as tuas ideias, ideais e emoções, ou seja, com o teu 'eu' num todo."

2. Pressão social
Se a pressão da família, dos amigos, da sociedade ou até mesmo da idade faz com te sintas obrigada a estar numa relação, mesmo que esta te cause mais desconforto do que felicidade e ponha em causa valores que dantes consideravas sagrados.

3. Fuga de ti própria
Se te escondes atrás de uma relação, usando-a para fugires de ti própria, de modo a não enfrentares as tuas fragilidades e vazios, a "não 'ouvires os silêncios' que se podem tornar ensurdecedores."

4. Aniquilaste-te completamente
Se "já não existe um 'eu', se já não te reconheces, se te anulas por completo na relação, sem vontade própria ou opinião. Se deixaste de estar com os amigos e até com a família, tendo passado a viver em função da relação e do parceiro."

5. Medo de ficar sozinha
Este é o principal causador do ter uma relação após a outra. O que tens que lembrar é que os medos só deixam de existir quando são enfrentados, o que quer dizer que se continuares a ignorar a sua existência, apenas farás com que eles se tornam maiores e mais assustadores.

6. Continuas a cometer os mesmo erros
Se sentes que todos os teus ex têm defeitos em comum e se continuas a fazer más escolhas de forma reiterada, então é hora de parar e repensar as tuas opções amorosas.

Meu bem, como pudeste ler, estar solteira às vezes é preciso, não é à toa que se diz que "quem não é bom ímpar, jamais será bom par". Beijo 💋 em ti e até quarta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

06
Jul22

D2CB1C75-3354-4C5C-94B8-8AD33400F951.jpeg
Ora viva!✌️ 

Proponho fazermos uma pausa no drama chamado Peñíscola e retomarmos o tema central deste blog: a solteirice. Como tal, hoje trago um texto publicado na página Casa Rosa, no passado dia 2 de julho, que versa justamente sobre o quão aditivo e compensador pode ser a solteirice. Neste caso concreto, a solteirice no feminino.

Por ter-me identificado na íntegra com tal reflexão, eis-me aqui a partilhá-la contigo, na expectiva de que também tu saberás apreciá-la e tirar dela as devidas ilações, se é que me entendes. 😉

Me acostumei
a ocupar toda a cama a dormir,
a não cozinhar aos domingos,
e a voltar na hora que me der na telha.
 
Me acostumei
a não dar explicações e a fazer o que eu gosto,
sem que ninguém me critique.
 
Me acostumei
a comer a meio da noite,
a ver os meus programas favoritos,
a cantar em voz alta
e a dançar por toda a casa.
 
Me acostumei
responder a mensagens muito tarde,
a sair com amigos e a divertir-me com eles.
 
Me acostumei
ao cheiro do café de manhã,
a andar descalça pelo jardim,
a demorar quando me quero arranjar
e a cancelar encontros no último momento,
só porque sim.
 
Me acostumei
a mim, às minhas coisas, à minha vida,
a ficar sozinha...
 
Aprendi que isso não é solidão,
isso é só ser feliz comigo mesma.
E é simplesmente maravilhoso.
 
Meu bem, ser solteira é ser livre para ser feliz, feliz contigo mesma e, por tabela, com os outros. Portanto, toca a levantar a cabeça, a encher o coração de esperança e a ter orgulho da tua condição amorosa.
 
Beijo no ombro 💋 e até sexta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

21
Fev22

A arte do namoro

por Sara Sarowsky

heart-gaef6f232f_1920.jpg
Ora viva! ✌️ 

Depois de um fim de semana excecional, que me permitiu um cheirinho da vida de outrora, em que saía de casa com a luz do sol e só regressava madrugada dentro, eis-me de volta para mais um papo amigo. Foram dois dias, sexta e sábado, de paródia improvisada, amigos improváveis, locais desconhecidos e momentos memoráveis, que resgataram em mim a fé de que os convívios sociais à moda antiga não estão relegados ao esquecimento.

Rebuscando nos meus rascunhos, encontrei umas notas sobre a arte de namorar, cuja data de escrita sequer recordo. O que é relevante é que elas agora são aproveitáveis para esta crónica, uma providencial ajuda num dia em que o tempo anda curto, com uma formação em sistemas de pagamento Stripe na agenda.

A mulher que quer namorar nos tempos atuais é uma guerreira num campo de batalha brutal. Umas guerreiras mais armadas do que outras, é certo, com as vitoriosas de um lado e as baixas de guerra do outro. No campo de batalha do namoro, às vezes, por cada guerreira que desiste há outra que aproveita essa chance para vencer.

Vejo, pois, o namoro como uma aptidão para treinar e aperfeiçoar. Treinar e aperfeiçoar a capacidade de resiliência, otimismo e perseverança. É, a busca do amor pode ser imprevisível, confusa, claramente desagradável. Mas há uma coisa que mantém as guerreiras em campo, mesmo as feridas: esperança. A esperança de haver alguém perfeito para ela. 

E a busca continua... enquanto isso as noites de sábado no sofá a devorar ficção romântica continua a ser a companhia favorita. A minha e a de muitas solteiras que fazem parte da comunidade celibatária.

Beijo no ombro e até quarta!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D