Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

20
Mai22

A inflação da sexualidade

por Sara Sarowsky

green-g26187395a_1920.jpg
Ora viva! ✌️ 

Depois de dois posts "escaldantes" 🥵, hoje trago algo mais light, se bem que o tema gira igualmente à volta da sexualidade, ainda que em moldes mais teóricos. Uma reflexão - muito pertinente, se queres que te diga - sobre o quão "banalizada" está a ser a sexualidade nos dias que correm pareceu-me uma ótima maneira de encerrarmos esta semana com chave de ouro.

Da autoria do jurista Sandro Alex Simões, para o Observador, em 9 de maio deste ano, a crónica que vou partilhar a seguir dá-nos que pensar, já que, de uma forma ou de outra, estamos todos a contribuir para o fenómeno sobre o qual reflete ele. De modo a encurtar o texto, que hoje é sexta-feira e ninguém está para grandes leituras, citarei apenas os trechos que considero relevante para este blog. Caso seja do teu interesse, este link dar te á acesso à crónica original.

Numa conferência proferida em 1974 no Lindenthal-Institut de Colónia, Viktor Frankl (1905-1997), um dos mais influentes pensadores do século XX, trouxe à baila a questão da inflação da sexualidade. De acordo com este psicanalista e filósofo austríaco, "na falta de um sentido que satisfaça a sua sede, a vontade irresistível do homem de significar a si mesmo e a sua vida, procura-se a fuga pelo prazer", escreve Sandro Simões.

Como tal, "a inflação da sexualidade é um escapismo e, como de resto com todas as ilusões, não apenas é incapaz de dar um sentido satisfatório ao que procuramos, mas ainda cria distorções na própria sexualidade. O Dr. Frankl referia na conferência a sua convicção de que 90% a 95% das disfunções de potência ou orgasmo devem-se à veneração do prazer, a hiper-intenção. Isto é, quanto mais se busca o prazer pelo prazer, menos prazer se obtém. Isso porque a inflação da sexualidade é essencialmente uma desvalorização da sexualidade, sua banalização.

A pornografia, nessa linha, e toda a indústria bilionária que a promove, é um exemplo do problema. Nela a sexualidade humana é uma mercadoria de montras e não leva ao autoconhecimento ou à valorização do prazer ou do corpo. Ao contrário disso, trata-se de transformar tudo em preço e mercado. E é de se notar, senão de se estranhar, tal como indica o Dr. Frankl na sua conferência, que uma juventude tão informada, tão crítica e atenta, não proteste e não perceba que na indústria pornográfica se encontra uma das formas mais vis e cruéis de exploração do homem pelo homem, o capitalismo em uma das suas versões mais brutais de objetificação da vida.

Contudo, se em relação à depressão, à agressividade e violência e à adição já se notam crescentes preocupações sociais e iniciativas governamentais e não-governamentais de sensibilização e atendimento, tal como a que se vê em relação à saúde mental, quanto à pornografia parece ser o contrário, ou seja, a tolerância, senão sua promoção social e mediática sob uma certa aura de progressismo e libertação das amarras do moralismo.

Este é um assunto que, decerto merece ser tratado em mais espaço de modo a explorar os seus contornos devidamente, porém, para os fins do presente texto basta-nos chamar a atenção para o que está por baixo do tapete nessa abordagem, por assim dizer. Devemos a nós mesmos, senão por outro relevante motivo, pelo menos em nome da tão preciosa razão crítica dos nossos tempos, a pergunta sobre as razões dessa inflação da sexualidade e o que isso nos traz de bem. Se percebemos os seus efeitos e as relações que possui com os outros sintomas perniciosos e perigosos da depressão, da agressividade e das adições para os quais parecemos estar mais atentos.

Deixo-te, com a promessa de estar de volta na segunda-feira. Fica com aquele abraço amigo e desejos de um ótimo fim de semana! 🫶

Autoria e outros dados (tags, etc)

16
Mai22

feet-g3e46b41d1_1920.jpg
Ora viva! 🫶

Que a vida gira em redor da sexualidade (literalmente falando) e que a sociedade é obcecada pelo sexo estamos todos cientes. Ainda no outro dia, numa amena cavaqueira com o tal crush do ginásio, praticamente amigos a esta altura do campeonato, já que é óbvio que da sua parte mais não obterei, assumi que os "brancos" e os "pretos" vivenciam o sexo de forma distinta, ainda que o pratiquem de forma similar.

O que quero dizer com isso? Que o "branco" fala mais de sexo do que faz sexo, ao contrário do "preto", que faz mais sexo do que fala de sexo. Para quem nunca "provou" um "black" legítimo, ou seja, born in Africa, pode ser difícil entender o que quero dizer. Mas para quem já, está tudo dito.

Por experiência própria, sei que os homens negros não são dados a falar de sexo, ao contrário dos brancos, que falam sobre isso com uma frequência indesejada, enervante até. Na minha terra, diz-se que "não se fala do sexo porque está-se ocupado a fazê-lo!". E esta máxima aplica-se a todos os géneros, idades, credos e preferências.

Em toda a minha vida sexual, jamais encontrei um "black" que me tivesse perguntado o que eu gostava na cama ou que apregoasse que era "bom de bola" e coisa e tal. Quando se trata de sexo, o "black" vai e faz, ou seja, vive-o na prática, ao invés do branco que o vive mais na teoria do que outra coisa qualquer. E olha que não sou só eu que o digo. O próprio crush com quem partilhei este meu ponto de vista, caucasiano até à medula, concordou comigo. Pudera, contra factos não há argumentos.

Exemplifico: nos inúmeros sites e apps de engate pelas quais passei ao longo da última década, a conversa desembocava quase sempre no mesmo: "O que gostas de fazer?", "O que gostas que te façam?", "Eu gosto disto!", "Eu faço isto e aquilo!", "A minha posição favorita é esta!", "A minha fantasia é coisa e tal!", "Adoro sexo!" e por aí fora. O que me faz chegar à óbvia conclusão de que o dito popular de que "quem muito fala, pouco faz" é perfeita para este contexto.

Os "blacks", pelo menos aqueles com quem me relacionei intimamente, nunca estiveram para conversas do género. Na hora do "vamos ver", deram tudo o que tinham, exigiram tudo o que queriam, fizeram tudo o que puderam. É na prática que os negros expressam o que gostam de fazer e o que gostam que lhes façam. Mais importante do que isso, não cometem o erro fatal de, no final do ato sexual, perguntar se gostaste. Sabes porquê? Porque asseguraram que assim foi!

Porque é que eu há pouco disse que tal questão era fatal? Simplesmente porque é ridícula, infantil até. Esperam mesmo que a parceira vá responder: "Não, não gostei. És péssimo na cama!"? Quando muito estão a induzi-la a uma mentira ou a uma meia verdade.

Homens que me estão a ler, fixem isto: mulher satisfeita - vou mais longe até, mulher bem f*dida - é tão expressiva que escusam de perguntar se ela gostou. Façam o vosso trabalho como deve ser, com gosto, dedicação e, sobretudo, altruísmo, que ela dar vos á todo o feedback que tanto apreciam. Sem precisar abrir a boca.

Percebem aonde quero chegar? Isto não quer dizer que não sabemos o quão importante é para vocês saber o que faz vibrar a parceira ou se esta ficou satisfeita. Acreditem que para nós mulheres é igualmente importante essa "validação", até porque sabemos que o ego masculino nutre-se precisamente disso. Um conselho de amiga? Menos conversa e mais ação. Poupem nas palavras e invistam na performance, que essa sim é que assegura o orgasmo e a vontade de ela querer voltar a estar convosco.

Eu pessoalmente detesto aqueles tagarelas que, durante o ato, não se calam, sempre a perguntar "Estás a gostar?". Corta-me logo a tesão. Eu não quero que me perguntem se estou a gostar, quero que façam com que eu goste! Capice? 😉

Agora que o recado está dado, vou à minha vidinha, que, para além das tarefas rotineiras de todo dia, ainda tenho que escrever a nova crónica para o Balai Cabo Verde, sem falar num conto erótico, encomendado há mais de dois meses, e do qual ainda não escrevi uma única linha.

Beijo no ombro e até quarta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

young-woman-g709fa5ca9_1920.jpgOra viva! 🫶

Como sexta-feira pede leveza, sobretudo numa que calha no dia 13 😉, para hoje proponho repescarmos uma publicação de há dois anos, através da qual dei conhecimento de uma mão cheia de comportamentos que contribuem ativamente para a nossa saúde, e, por consequência direta, para a nossa felicidade. Bora então rever a matéria dada?

Nos últimos tempos, à boleia desta pandemia, a questão da imunidade nunca fez tanto sentido como agora. A comunidade científica, e por tabela a comunicação social, tem-se redobrado em esforços para conseguir estabelecer uma relação direta entre o sistema imunitário e o SARS-CoV-2, sob o firme propósito de encontrar a cura ou, pelo menos, um travão à sua propagação.

Por acreditar piamente que a melhor defesa contra este novo coronavírus, assim como todos os outros que circulam por aí, reside num sistema imunitário forte, escolhi como tema deste post algumas atitudes que, pela sua elevada eficácia emocional, contribuem ativamente para fortalecer aquele, que neste momento, a par do distanciamento social, é o melhor aliado no combate à Covid-19.

Acredito que seja do teu conhecimento que a ingestão de infusões, chás, sopas, alimentos ricos em vitamina C e suplementos seja uma aposta ganha no fortalecimento do sistema imunitário. O que talvez não saibas é que o cérebro também desempenha um papel essencial na prevenção e no combate a qualquer ameaça ao nosso bem-estar. Tanto assim é que está ao alcance de uma decisão ajudá-lo a reforçar a mais perfeita arma de combate às doenças que o ser humano pode desejar. Como? Cultivando estes cinco comportamentos emocionais, citados por Teresa Marta, mestre em psicoterapia e coach para a coragem:

1. Pensa em ti
Toma as decisões em função do teu bem-estar e da tua felicidade, e não daquilo que achas que os outros irão apreciar. Não tenhas problemas em dizer não, as vezes que forem necessárias, sem medo nem culpa.

2. Amplia o teu mundo
Faz por conhecer novas pessoas e outras realidades. Se preciso for, muda a rotina, os elementos do teu convívio e até os locais habituais. Aventura-te para lá da zona de conforto, que é, precisamente, onde a magia acontece.
 
3. Pega leve contigo
Sentimentos de autoavaliação e de perfecionismo não rimam com felicidade e menos ainda com bem-estar. Ao te libertares das exigências de ti para contigo mesma, a tua vida tenderá a ser mais fácil e gratificante.
 
4. Deixa os acontecimentos negativos fluírem
Depois de uma fase má, virá seguramente outra melhor, daí que de pouco te vale estares a sofrer por aquilo que não pode ser desfeito. Tenta perceber qual a lição a tirar e segue adiante, que o caminho é para a frente.
 
5. Leva a vida com mais leveza
Saber ver o lado divertido do que nos acontece, sobretudo das coisas menos boas, é remédio santo para a cura emocional que tanto precisamos. Quem é capaz de brincar com a adversidade é capaz de enfrentar os problemas com leveza, otimismo e presença de espírito.

Em tempos difíceis como estes, em que a qualquer momento podemos ser contagiados, toda a ajuda, por mais insignificante que possa parecer, é bem-vinda. Estas dicas podem ser mais um aliado nesta batalha, cuja vitória pode até tardar, mas chegará com toda a certeza. Cuida de ti e mantém-te saudável.

Aquele abraço amigo e ótimo fim de semana. Cuidado com o gato preto 🐈‍⬛ , sim?!

Autoria e outros dados (tags, etc)

date-gfcd36333b_1920.jpg
Ora viva! 🫶

Dedico esta crónica a todos aqueles que, como eu, insistem em manter viva a chama da esperança, na expectativa de (re)viver um romance para a vida. Porque o amor pode acontecer a qualquer momento, e porque dicas de quem sabe são sempre oportunas, hoje trouxe frases de engate ideais para ficares a conhecer bem o alvo do teu interesse.

Antes disso, convém fazer uma pequena contextualização, já que conhecer verdadeiramente uma pessoa, por mais tempo de convivência que haja, é tarefa árdua. Isto porque só conhecemos aquilo que ela permite que saibamos sobre si. Quem de nós nunca ouviu falar de alguém que fez algo que todos julgavam improvável? Os sociopatas e os psicopatas são experts nessa forma de estar na vida: revelar apenas o que lhes convém.

No caso de se tratar de alguém que se acabou de conhecer, a tarefa torna-se ainda mais complicada... No caso de se tratar de alguém que faz o coração bater mais forte, é caso para chamar o Tom Cruise. Ah pois é... as benditas hormonas da paixão têm esse efeito nos humanos: baralhar a capacidade de discernimento, fazendo com que vejam apenas corações e borboletas, se é que me entendes...

Um utilizador do Reddit, provavelmente a braços com o mesmo dilema, pediu sugestões sobre como ficar a conhecer melhor a pessoa por quem está interessado, e as respostas que recebeu foram de uma utilidade tal que a própria rede social decidiu partilhá-las com os seus. É com todo o gosto que eu agora repasso a informação.

Ei-las:
1. Como ocuparias o tempo se tivesses dinheiro para não ter um emprego?
2. O que ocupa a maior parte do teu tempo no dia-a-dia?
3. Como descreverias o teu mehor amigo?
4. Se escrevesses um livro, sobre o que seria?
5. Como defines "sucesso"?
6. Se pudesses ir para qualquer lugar do mundo, para onde irias e porquê?
7. Qual a primeira coisa que fazes quando entras em casa?
8. Que momento da tua vida achas que te mudou mais para melhor ou pior? Porquê?
9. Uma coisa pela qual mal podes esperar que aconteça?

As questões são, de facto, muito pertinentes e estou em crer que as respostas serão reveladoras, quanto baste, da personalidade, do propósito de vida, da forma de estar e da intenção do crush. Resta saber se aquele que questiona saberá interpretá-las com precisão. Eu, por exemplo, confesso que não consegui chegar ao cerne de algumas delas. Mas isso já é tema para outra crónica.

Beijo no ombro - que na boca tá difícil - e até sexta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

09
Mai22

eroticism-gefd0cf5f3_1920.jpg
Ora viva! 🫶

À semelhança do que acontece no cinema, na internet e na literatura, o sexo é um assunto que jamais se esgota aqui neste blog. Best reader de primeira categoria, as estatísticas disparam quando escrevo sobre ele. Eu como não sou parva nem nada que se pareça, faço questão de dar à minha audiência aquilo que mais lhe agrada. Só não pode ser sempre, que outros temas são dignos da atenção desta tua solteira favorita.

Tudo isso para dizer que esta crónica dá continuidade ao assunto do post anterior, Sexo: já ouviste falar da regra dos 90 dias?, visando esclarecer de uma vez por todas a diferença entre fazer amor e fazer sexo, algo que, muitas vezes, não é tão evidente para a maioria dos comuns mortais. Pudera! No final das contas, o ato é exatamente o mesmo, embora a intenção não o seja. Baralhada? Já desconstruo!

Tanto fazer amor como fazer sexo implica a comunhão física entre dois corpos, reféns de uma libido ativa, faminta e por vezes irrefreável. Se é assim, então qual será a diferença entre uma coisa e outra? Ninguém melhor do que uma especialista em sexo e relacionamentos para responder a esta questão.

Em declarações à plataforma de bem-estar mindbodygreen, a coach Myisha Battle explica que 'fazer amor' é outra forma de dizer 'fazer sexo', embora, por norma, esteja implícito que se refere a um tipo de relação sexual mais íntimo, romântico ou até mesmo espiritual. Em contraste, 'fazer sexo' é percecionado como mais prático ou menos conectado emocionalmente. 
 
Para o caso da Myisha não ter sido explícita o suficiente, traduzo: 'fazer sexo' é mais primitivo, carnal ou biológico; motivo pelo qual muitos optam por não proferir a palavra sexo, por considerá-la demasiado vulgar. "Hoje em dia, a expressão 'fazer amor' costuma ser usada entre comunidades mais religiosas, espirituais ou tradicionais", explica a especialista.
 
De todo modo, a diferença entre as duas expressões é subjetiva, já que ambas podem envolver exatamente os mesmos atos, sensações, comportamentos e conexões sexuais. O grande factor diferencial está na intenção por detrás das relações íntimas: 'fazer amor' é usar o sexo para expressar sentimentos de amor romântico. 'Fazer sexo' é usar o sexo para dar vazão à libido.
 
Discriminação à parte, o que importa reter é que "fazê-lo" é bom, e pronto. Oh se é! Beijo no ombro e até quarta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

woman-gb09d61fb3_1920.jpg
Ora viva! 🫶

Hoje quero falar-te de uma das mais contundentes regras de relacionamento do Steve Harvey, popularizada no seu best seller Act like a lady, think like a man. Antes disso, farei uma breve descrição da minha estória de amor com esse livro. Conheci-o há dez anos, durante um biscate na Feira do Livro de Lisboa. Quem mo apresentou - ofereceu, para ser mais exata - foi uma das feirantes, como recompensa pela minha "amorabilidade" para com a sua pessoa.

Mal comecei a folhear as suas páginas, fui acometida por uma identificação e uma devoção que nenhuma outra obra de autoajuda foi capaz de fazer. Um autêntico manual de sobrevivência das relações amorosas, a obra é de um sucesso tal que foi adaptada ao cinema, tendo já duas sequelas, se não me engano.

Acredito que, muito provavelmente, foi por causa dele que nunca mais consegui engatar um relacionamento sério. Afinal, nos dias que correm, quantos homens aceitam esperar meses e meses para receber o jackpotQuiçá por conhecer a fundo esta epidemia do sexo imediato, a autora da página Artes Familia fez uma belíssima reflexão sobre o porquê de não ser recomendável "dar o corpo ao manifesto" logo no início de um relacionamento amoroso. 

Mulherada, cansadas de tentativas fracassadas com homens?

O segredo está na regra dos 90 dias! 90 dias sem intimidade sexual, os primeiros 3 meses ao se conhecerem. Porquê?! Passo a explicar:

1° - Os homens só criam laços sentimentais a partir dos 3 meses de relacionamento. As vezes leva até 6 meses. Antes disso é o período de teste. Podem dizer o que quiserem, mas não há sentimentos envolvidos, só interesse sexual, físico...

2° - Os 90 dias servem para veres melhor quem é a pessoa e se realmente gostas dela. Porque a animação inicial passa, as hormonas acalmam um pouco e já começas a vê-la de forma mais real. Ninguém é ator profissional como um psicopata para fingir ser o que não é por tanto tempo, por isso os sinais vermelhos começam a aparecer rapidinho, e podes ver se essa pessoa serve para ti. Não aceites menos do que mereces só porque não queres estar sozinha. Não engulas coisas que não te agradam por medo de ficar sozinha.

3° - Se o homem só quer sexo, vai desistir pelo caminho. No início, eles mandam mensagem e telefonam todos os dias, normalmente após uma a duas semanas começam a esfriar. Principalmente se já houve sexo. Se ele só quer diversão não vai ter interesse em investir e isso começas a ver rápido.

4° - Nos primeiros 90 dias, conheçam-se, façam coisas juntos, conversem bastante. Fica atenta aos detalhes, ao comportamento, etc. Se ele estiver mesmo interessado, vai adorar te descobrir. E vai respeitar o teu tempo e não vai te pressionar para fazerem sexo.

5° - Os homens pensam que são espertos, mas na verdade somos nós que damos munição para o ataque. Quando logo de cara falamos como queremos ser tratadas, o que gostamos ou não, e das coisas que não apreciamos nos homens, etc, eles começam desde o início a adaptar-se à informação e a agir de acordo com os dados que passamos. Eles não fazem esforço para nos conhecer nem para descobrir como agradar porque já demos a papinha toda feita. Falam coisas que queremos ouvir, de repente gostam das mesmas coisas que nós, etc etc.... Mas isso é só táctica de ataque. Depois já sabemos, do nada mudam, o interesse passou, conseguiram o que queriam. Passam à próxima vítima.

6° - O teu corpo e a tua intimidade devem ser entregues a quem realmente vai valorizá-las. Ou acabas tendo vários parceiros e nada sério.

7° - Curte estar sozinha, ama a tua companhia, descobre-te, vive a vida ... Não sejas daquelas desesperadas que à primeira palavra bonita caí na rede do indivíduo.

8° Os homens são caçadores, portanto só dão valor ao que conseguem conquistando com esforço. Na maioria.... É assim

Assino em baixo de tudo o que ela escreveu, tanto que fiz questão de partilhar contigo, na expectativa de te fazer ver que, não obstante a banalidade com que o sexo é encarado nos dias de hoje, só deves entregar o teu prémio se, e quando, realmente quiseres.

Beijo no ombro e bom fim de semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Abr22

Beija ou Beija-te

por Sara Sarowsky

kiss-on-the-shoulder-gb8dc9b7ab_1920.jpg
Ora viva! 💋

Celebra-se hoje, 13 de abril, o Dia Internacional do Beijo, efeméride que visa assinalar e enaltecer a importância do beijo para a interação humana. O ato de beijar, comum em grande parte das civilizações modernas, serve tanto para cumprimentar ou saudar, como para expressar afeição, respeito, atração, desejo sexual e o que mais quisermos.

"Quem beija seu afeto despeja", acabei eu de inventar. Beijar é bom demais, na verdade é uma das melhores coisas da vida. Prazeroso, gratuito, saudável e altamente estimulador das hormonas da felicidade, faz um bem um bem danado à saúde, seja a nível emocional, seja a nível físico.

Para quem tem um par de lábios à mão, a palavra de ordem é beijar. Para quem não tem, a palavra de ordem é beijar-se. De forma ternurenta, melosa, apaixonada ou escaldante, o que importa mesmo é aproveitar esta oportunidade, como se preciso fosse, para dar tarefa à boca. 

Caso ainda não estejas convencida da relevância do beijo, recomendo que dês uma espiadela no post Mais e melhores beijos, sff.

Aproveito para te desejar uma santa e feliz páscoa, recheada de beijos, abraços, petiscos e risos. Vou tirar uns dias de férias, pelo que conto estar de volta ao teu convívio na última semana de abril. Enquanto isso, beija, meu bem, tanto quanto puderes. Por ti, por mim, por todos.

Hasta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

girl-gabc167a4d_1920.jpg
Ora viva! ✌️

Já que estamos numa de felicidade, e porque ela é sempre oportuna, para hoje propus-me a resgatar um artigo de há precisamente cinco anos, no qual faço uma distinção muito clara entre viver e existir.

Por estes dias, tenho duas "manamigas" que andam por demais precisadas de palavras de conforto, amizade e solidariedade, tamanho é o peso da dor que carregam nos seus ombros. A elas, mas também a todos aqueles que estejam a braços com alguma provação, dedico esta crónica, como forma de lhes transmitir alento e esperança.

Sei muito bem o quanto a vida pode ser dura, mas também sei a força de uma palavra amiga nos seus momentos mais conturbados. Não é à toa que dizem que alegria dividida é alegria a dobrar e tristeza dividida é meia tristeza.

As profundas mudanças que tenho estado a incrementar na minha vida de há uns tempos a esta parte têm vindo a reforçar a minha crença – inabalável, diga-se de passagem – de que a vida vale a pena, no matter what.

Vale sim, ai vale vale! Contudo, só nos apercebemos disso quando nos dispomos a abraçá-la sem reservas; a encará-la nos olhos, sem baixar a cabeça; a levantarmo-nos sempre que ela nos passa uma rasteira e a continuar a caminhada, mesmo com os pés em carne viva.

Ela não é fácil; na verdade, nem é suposto ser. Tem vezes que achamos que não aguentamos tamanha carga e tem outras que sentimos que toda ela conspira a nosso desfavor. Quem nunca? Ainda assim, ela continua a merecer que não desistamos dela. Ainda assim, ela continua a merecer o benefício da dúvida, mais não seja para ficarmos a saber qual a sua próxima jogada.

Queridas amigas, façam-me o favor de não desistir da vida, porque ela não desistiu de vocês, por mais que vos dê a entender que sim. Ela está apenas a por-vos à prova, com o intuito de avaliar se, de facto, são dignas das graças que, com toda a certeza, vos estão reservadas.

Viver é preciso! Atenção que eu escrevi "viver" e não "existir". Viver é que nos move no caminho da felicidade. Existir é o que nos faz respirar, dormir, trabalhar, pagar as contas e por aí fora. Existir é viver sem alento, sem alegria, sem brio, sem esperança, sem magia. Nos tempos atuais, a maioria das pessoas existe, ao invés de viver. Até pouco tempo atrás, também eu integrava esse lote. Hoje não! 

Hoje escolho só tomar como garantido o "aqui" e "agora". Hoje escolho desfrutar da vida como se não houvesse amanhã. Hoje escolho desapegar-me do que me possa vir a acontecer no futuro. Hoje escolho seguir a máxima "um dia de cada vez". Hoje escolho viver!

Hoje escolho ser feliz, do jeitinho que dá para ser. Sem ter tudo o que quero, mas querendo tudo o que tenho. Porque eu quero, porque eu posso, porque eu mereço e porque a vida só faz sentido se for para ser assim.

Noite feliz e até à próxima!

Meu bem, o meu desejo é que saibas fazer da tua vida uma vivência e não uma mera existência. Que neste semana Santa, a felicidade esteja com aqueles que mais precisarem. Hasta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

help-g6260119ce_1920.jpg
Ora viva! ✌️

Já aqui escrevi que criaturas que se autointitulam de "boa pessoa", "generosa" ou "de confiança" ficam automaticamente sujeitas à minha suspeição. Vários episódios, registados ao longo desta atribulada existência minha, levaram-me a essa conclusão, sendo a mais dramática aquela que descrevi no post Stalkers: cuidado que eles andam aí e quando menos esperares...

Agora é a própria ciência que vem certificar aquilo que a duras penas descobri eu, e acredito que muito boa gente também. Meu bem, se tens problemas em confiar, por excesso ou por défice, esta crónica vai-te ser bastante útil, pois esclarece por a+b como devemos processar a informação que os outros nos dão em relação à confiança.

Não é tarefa fácil sabermos de avante em quem devemos confiar. Se fosse, não abundariam pelos relatos da vida tantos casos de traição, desilusão ou quebra de confiança. Em relação a isso, o investigador de ciências sociais Jeremy E. Sherman descobriu um método - ao que tudo indica, infalível - para nos ajudar a decidir sobre quem é credível.

A base da sua teoria assenta na análise de dois tipos de pessoas: aquelas que transpiram confiança, e nos garantem que podemos confiar nelas sempre, e as menos confiantes, e que admitem duvidar de si próprias. De acordo com o investigador, "é bem mais sensato confiar em alguém que duvida de si mesmo do que em alguém que tem confiança absoluta".

E a explicação é simples: o ato de "duvidar" de nós próprios vai gerando uma maior consciência. É por isso que "quando alguém declara com confiança que é uma boa pessoa, é um sinal de alerta para mim. Quando alguém me diz ‘confia em mim’, eu confio menos na pessoa, não mais", esclarece Sherman.

Preciso desenvolver mais? Não me parece, já que mais claro do que isso só desenhando. Aquele abraço amigo, que na sexta haverá mais!

Autoria e outros dados (tags, etc)

04
Abr22

A cor do desejo

por Sara Sarowsky

woman-ga37a46a94_1920.jpg
Ora viva! ✌️

Hoje trago-te a minha contribuição para o II Volume da Antologia Mulheres & Seus Destinos, uma iniciativa das minhas conterrâneas Lena Marçal e Joana Nogueira e cujas receitas (direitos de autor e venda) revertem-se a favor de uma instituição cabo-verdiana de apoio a crianças com vulnerabilidade especial. 

A cor do desejo

Dentro da suíte, o ambiente era simplesmente explosivo. Em momento algum da sua calejada vida sexual imaginou Ben que pudesse desejar tanto uma mulher. O contraste das suas peles, o modo como os seus corpos se encaixavam na perfeição e a forma como Mia respondia às suas investidas, e ele próprio reagia à sensualidade dela, fê-lo ter a certeza de que tinham nascido um para o outro: ele para amá-la, ela para satisfazê-lo.

Estava embriagado de amor, inebriado de prazer, intoxicado de desejo. Ele da cor de leite condensado, ela da cor de chocolate quente. Ele faminto, ela ávida. Ele ansioso, ela expectante. Ele poderoso, ela soberana. No instante em que sentiu aquela boca carnuda apossar-se do vórtice da sua masculinidade, Ben soube que estava irremediavelmente preso aos seus encantos, para sempre embeiçado por ela...

Tal constatação teve um efeito avassalador na sua libido, arrasador no seu coração. Foi acometido por um medo irracional. Acima de tudo, temia ser correspondido. Se ela sentisse o mesmo, arrependimento nenhum deste mundo os poderia valer. Se se permitisse consumar esse desejo, para todo o sempre estaria a sua felicidade dependente de outra pessoa.

Demasiada intensidade assustava. Tamanha atração confundia. Tanta vulnerabilidade mortificava. Ter consciência de que aquela seria a única oportunidade que dispunha para desfrutar dela - do seu corpo voluptuoso, da sua boca sensual, do seu olhar sedutor, do seu sorriso tentador, do seu espírito encantador e da sua atitude misteriosa - só contribuía para aumentar ainda mais o seu desconforto.

Por mais que quisesse nela enterrar a sua espada de guerreiro do amor, afiada como jamais a sentira em nenhuma outra ocasião, Ben sabia que consumar essa paixão ditaria o fim da vida que conquistara, aquela que escolhera para si e pela qual tanto batalhara. Em nome do seu conforto pessoal, em abono da sua harmonia familiar, no interesse da sua estabilidade patrimonial, conteve-se, a escassos segundos de desferir o golpe fatal.

A excitação que se tinha apoderado do seu corpo era de tal magnitude que a cabeça latejava, a respiração falhava, o coração galopava. Ter aquela deusa de ébano seria simultaneamente a glória e a ruína, o céu e o inferno, o sucesso e o fracasso... Sabendo que se a possuísse não mais voltaria a desejar outra mulher pelo resto da vida, Ben optou por abrir mão dela. Deles. De si próprio...

A garganta seca, as mãos usadas, o olhar alucinado, o coração acelerado, a respiração entrecortada e a majestosa ereção que teimava em consumir-lhe as entranhas eram indícios mais do que evidentes de que, a provar dela, para o resto da sua vida ficaria viciado. Sentia-se a personificação da frustração: libidinosamente potente, emocionalmente impotente, humanamente incompetente.

Ver Mia deixando o quarto, saindo da sua vida, foi tão intenso que por pouco não desabou sobre a cama. Impediu-o a dignidade de se ajoelhar e implorar para ela ficar. Temia o momento em que se abrisse a porta, atrás da qual adivinhava estar a sua esposa, à escuta, à espera, à míngua.

A Ana disse depois que o casamento tinha sido o motivo pelo qual não tinha sido capaz de concretizar a fantasia de ter uma aventura sexual com uma negra. Entendeu ela tal confissão como uma poderosa declaração de amor, pelo que aterrou nos seus braços possuída por um ímpeto há muito relegado à memória dos primeiros meses do namoro, onde a atração sexual era presença assídua e o prazer físico uma necessidade constante.

Amaram-se com loucura, com urgência, com desespero, assolados por uma ânsia primitiva, incontrolável, inconfessável. Cada um por razões distintas. Ele para aliviar o tesãom acumulado e aplacar o desejo insaciado. Ela para recompensá-lo por ter resistido à tentação de ter sexo consentido com aquele orgasmo ambulante chamado Mia.

Soube ele no momento em que penetrou a sua esposa Ana que jamais voltaria a desfrutar do seu corpo sem pensar na misteriosa criatura que por breves instantes tivera nos braços, uma mulher que irrompeu na sua vida feito tempestade tropical, para lhe despertar um desejo selvagem, abrasador, arrasador, que até então ignorava possuir.

Ana, grata, lisonjeada e apaixonada, entregou-se sem qualquer reserva, pudor ou complexo. Entregou-se como nunca antes o tinha feito, sedenta de prazer, faminta de amor. O que jamais lhe passou pela cabeça é que aquela paixão toda não lhe pertencia, nunca lhe pertenceu, jamais lhe pertencerá...

Quanto a Mia... bem isso é assunto para outro conto, disponível em breve num site perto de ti. 😉

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D