Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

06
Mar20

Flixbus: um pesadelo de viagem

por Sara Sarowsky

flixbus-2461656_1920.jpg

Viva!

Contigo partilho hoje o relato do regresso a casa da minha última viagem, a qual se revelou um pesadelo de todo o tamanho. Só agora falo publicamente sobre o assunto porque, como pessoa decente que gosto de pensar que sou, dei à empresa em questão um tempo mais do que razoável para resolvermos a questão longe do burburinho da internet. Dado que já se passaram dois meses e dela não obtive nem mesmo um email a acusar a receção da reclamação, já não vejo motivos para zelar pela sua reputação. Pelo contrário, quero é ver o circo pegar fogo, pois o que aconteceu é demasiado grave para que fique por isso mesmo.

De modo a que possas ficar por dentro do sucedido, publico a carta (em inglês, uma vez que sequer consideram contactos que não sejam em língua alemã ou inglesa), que lhes enviei no passado dia 8 de janeiro.

Caros responsáveis da Flixbus,

Venho através desta dar-vos conhecimento de um episódio deveras grave, que pôs em perigo o meu bem-estar físico, emocional e psicológico, quiçá a minha própria vida.

Escrevo da Place des Basques, em Bayonne (França), onde passei a noite ao relento, à espera de um autocarro vosso, com destino a Lisboa, que nunca chegou a aparecer. A noite de ontem foi um pesadelo, a pior de sempre, da qual tão cedo não recuperarei, e à vossa empresa imputo a responsabilidade pelo sucedido que passarei a explicar de seguida.

Na passada quarta-feira, 1 de janeiro, comprei um bilhete de autocarro de regresso a casa, após ter passado a época festiva com familiares em ...., uma vila localizada a cerca de 22 quilómetros de Bayonne. Como poderão comprovar pela imagem em anexo, o local de partida neste indicado é Place des Basques, com embarque previsto à 01:20 do dia 4 de janeiro. O documento informa ainda que o passageiro deveria apresentar-se 15 minutos antes da hora indicada. Ainda não era meia-noite quando cheguei ao local. Por lá fiquei até há pouco (entenda-se 09:00). Na busca por informações, desesperada e banhada em lágrimas, fiquei a saber, pelos residentes locais, que o embarque dos passageiros com destino internacional tem sido ultimamente feito noutro local, o Quai de Lesseps, precisamente o sítio onde desembarquei de um outro bus vosso, no passado dia 21 de dezembro.

Como é que me explicam isso? Como é possível que uma empresa que lida intimamente com a segurança, e a vida, das pessoas permite-se cometer um erro tão grosseiro, tão irresponsável, tão imperdoável? Por não ter para onde ir, nem como deslocar-me (já que tinha lá chegado de transporte público), passei uma noite inteira ao relento, à mercê do frio, do sono, do cansaço, de fome, das necessidades fisiológicas e da sorte. Sim, da sorte, porque uma mulher sozinha na rua, de madrugada, numa cidade que lhe é desconhecida, acompanhada apenas por uma mala de viagem e uma mochila, poderia ter sido atacada, assaltada, estuprada ou até mesmo assassinada.

Volto a questionar: como explicam isso? Como é possível ter acontecido tal situação? Entretanto, porque tenho mesmo que voltar a casa, vi-me obrigada a comprar um novo bilhete (em anexo), desta vez pelo triplo do valor, onde consta (novamente) a informação de que o local de embarque é Place des Basques, quando está mais do que óbvio de que não é. Andam a brincar com a vida, o tempo, o dinheiro, a segurança e a sanidade mental daqueles que, como eu, em vós confiam para lhes levar aonde precisam ir?

Toda esta situação é demasiado comprometedora para que passe incólume. Assim, quero saber que providências pretendem tomar de modo a que eu seja ressarcida pelos danos financeiros, físicos e mentais. No mínimo, exijo o reembolso do valor do segundo bilhete, assim como uma compensação monetária à altura da gravidade do caso.

Conto com o vosso bom senso, a vossa boa vontade e o vosso sentido de responsabilidade para que possamos resolver esta questão - lamentável a todos os níveis - de forma amigável. Caso contrário, recorrerei a todas as instâncias ao meu alcance. Meios e conhecimentos para denunciar este filme de terror não me faltam. Contudo, como profissional de comunicação que sou e pessoa consciente de que erros todos cometemos, dou-vos assim esta oportunidade de resolver a coisa a bem, longe dos holofotes.

Conto com uma resposta vossa para breve.
Sara S.

Como essa resposta nunca chegou, resolvi expor publicamente o caso, bem como formalizar uma queixa junto da entidade que, em Portugal, gere esse tipo de questão: a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes.


Bom fim de semana e vê lá se te manténs longe do Covid.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade



Posts mais comentados



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D