Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

26
Nov19

Estórias com finais felizes

por Sara Sarowsky

couple-407150_1920.jpg

Viva!

Gosto do Felizes.pt, um dos muitos sites de encontros com os quais lidei na minha odisseia em busca do amor. Tanto assim é que lhe dediquei, há coisa de três anos, o artigo Estado civil: numa relação séria com o Felizes.pt, um dos best sellers deste blog. Como consequência, posso dizer que desenvolvi uma boa relação institucional com a marca, sobretudo com a sua relações públicas.

Por isso não é de se estranhar que, volta e meia, a ele faça referências (pro bono), não só porque passei bons momentos por lá, mas sobretudo porque identifico-me verdadeiramente com seu o posicionamento estratégico: um site com um ponto de vista mais feminino sobre relacionamentos e encontros. Simplificando, trata-te de um site vocacionado para corações românticos.

Num mercado a abarrotar de ofertas de sites e apps de engate, descaradamente focados no público masculino, esta empresa – totalmente portuguesa – quis inovar, investindo num "serviço em que as mulheres se sintam bem e possam, ao seu próprio ritmo, procurar e conversar tranquilamente com quem despertar o seu interesse". O que acontecer dali para a frente ao destino pertencerá.

O porquê de todo esse parlapiê? Tudo isso para anunciar que decidi voltar a dar uma oportunidade ao amor. Desta vez estou a falar mesmo a sério. Calma, que não anda mouro na costa, nem nada que se pareça. Apenas tomei a decisão, depois de uma reveladora sessão com a minha conselheira espiritual, de abrir o coração ao amor. Apesar de ser uma solteira feliz, é mais do que hora de dar uma oportunidade a mim mesma de amar e ser amada. Eis a minha segunda resolução para o novo ano. Da primeira falo-te numa outra oportunidade.

Dizia eu há pouco que resolvi dar uma oportunidade ao amor. E para me inspirar, nada melhor que testemunhos de pessoas a quem o sentimento-mor deu uma nova oportunidade. É aqui que entra o Felizes.pt, que há dias publicou várias estórias de amor de casais que se conheceram pela sua via e estão juntos, noivos, casados, com filhos, enfim, com as suas vidas refeitas.

São estórias bonitas com final feliz; estórias essas que espero que te toquem tanto quanto a mim.

Aquele abraço amigo e até breve!

Autoria e outros dados (tags, etc)

getting-started-on-online-dating.jpgOra viva!

Hoje foi dia de meditação, pelo que só agora me é possível dar um saltinho até aqui para te dar aquele olá de alegria e deixar-te com um artigo novo, hoje dedicado à vida amorosa virtual dos portugueses.

Resultados de um estudo pioneiro sobre o romance online, baseado nos mais de 20.000 utilizadores portugueses registados no site Felizes.pt e nos 5 milhões de mensagens enviadas em 2016, revelam que, na esmagadora maioria das conversas (80%), é o homem quem toma a iniciativa de meter conversa. Esses mesmos dados atestam que se essa primeira mensagem for mais longa ou personalizada, o emissor vê as suas hipóteses de resposta aumentarem 22%, sendo as minas do norte as mais responsivas.

O facto de apenas 58% das mulheres associarem uma fotografia ao seu perfil, enquanto que 68% dos homens o fazem, é caso para dizer que elas ainda não se sentem muito à vontade para dar a cara, pelo menos num primeiro momento. Em contrapartida, capricham mais na descrição de perfil, bem mais completa que os deles.

Fazendo jus à classe que representam, os utilizadores do sexo masculino poucas informações partilham no perfil, compensando as pretendentes com fotos e mais fotos, que quase sempre metem ao barulho:
- cães e/ou gatos (um dia ainda hei de perceber o significado disso),
- motos ou carros (essa dispensa explicação),
- tronco nu (fico sempre na dúvida se a intenção é exibir os bíceps, tríceps e abdominais arduamente conquistados num ginásio perto do seu gueto ou exibir a depilação a laser feita pela Gracinda, que além de cabeleireira, manicura e pedicura, ainda se safa na depilação a laser díodo),
- paródia com amigos (recuso-me a compreender a leveza de espírito com que certas pessoas expõem terceiros, meros incautos que não devem fazer a mínima ideia que as suas carinhas larocas andam à mercê de quem queira prestar-lhes alguma atenção),
- destino de viagem (de preferência bem exótico, só para mostrar que é um aventureiro com posses e deixar o resto da malta roxa de inveja),
- prática de um desporto bem radical (só para sabermos que é um aventureiro, cheio de adrenalina para dar e f*****),
- clube de futebol do seu coração (assim mata logo dois coelhos de uma cajadada só: é membro do rebanho x, y ou z e nos dias em que joga a sua equipa, com ele não se deve contar),
- e faits-divers (filho/sobrinho, família, uma gaja qualquer pendurada pelo braço, piscina, ginásio, closet do carro, vista panorâmica emoldurada pela magia do ocaso…).

Dissecar o comportamento dos labregos virtuais é coisa para horas, senão dias, pelo que mais vale rematar o assunto dizendo que a média de idades dos romeus e julietas da rede é 37.5 anos e que os distritos com mais utilizadores por habitante são Lisboa, Setúbal e Porto, por esta ordem de importância. A pesquisa a que tive acesso esta manhã revela ainda uma ou outra informação digna de ser partilhada, mas sobre isso falarei noutra ocasião, que o texto já vai longo e a noite adiantada.

Doces sonhos, meu bem, e nada de ficar namorando até tarde na rede. Prometes?

Autoria e outros dados (tags, etc)

url.jpgPor diversas vezes aqui assumi que sou frequentadora assídua de sites e aplicações de encontros. Honestamente, não estou a ver um com o qual não me tenha envolvido, nem que por uma noite apenas. Sou rodada, estou ciente disso, mas quando a solidão, a carência e o tédio batem fundo no peito é neles que procuro consolo.

Em relação a uns, sobretudo os que fazem questão de dividir a conta, basta um primeiro encontro para eu saber que a coisa entre nós não iria resultar. Sou uma mulher à moda antiga, que gosta que lhe abram a porta do carro, paguem a conta, deem o lado de dentro do passeio, ajudem a vestir/despir o casaco e por aí fora. Noutros, assisto, insisto, persisto e não desisto. Dou-te alguns exemplos.

Estive um bom tempo a correr atrás do Second Love (SL), o meu primeiro affair na rede. Por lá conheci pessoas interessantes, ao ponto de ter-me aventurado nuns quantos blind dates, imagina tu, que do café/copo/jantar da praxe passou diretamente para o 'até nunca mais ver'. Ser a outra é algo com o qual não me identifico. Como gosto de dizer, na equipa onde eu jogo tenho que ser titular. Se é para ficar no banco e ser chamada apenas para substituir prefiro ir militar para uma outra de escalão inferior, desde que possa ser titular indiscutível. Ou então, abandonar o jogo. Está-se mesmo a ver que este meu primeiro romance virtual não resistiu ao perfil polígamo do meu pretendente.

Depois foi a vez do Tinder (Mr. T). Com esse foi paixão à primeira vista, mais não seja porque assim que lá pus os dedos dei de caras com o tal rapaz do ginásio, que levou logo com um emocionado e entusiástico piropo. Para grande desgosto meu, o dito cujo nunca deu feedback à minha manifestação de interesse. Dá para acreditar que até no virtual a única coisa que dele consigo é gelo? A continuar assim, ainda faço uma sequela do Frozen. Let him go let him go

Depois disto… não demorou muito até a desilusão se instalar. Duas tentativas de engate depois, o desencantamento já era oficial. Apercebi-me que o pessoal que por lá andava só queria saber daquilo – sim, daquilo –, de preferência tão logo possível e sem muito preâmbulo ou paleio. Assim como o outro, esse também foi à vida. Apesar de não ter apagado o seu número, nunca mais o procurei.

Depois disso andei desnorteada, a disparar para tudo quanto é lado, numa roda vida de instalar/desinstalar (no caso das apps) ou subscrever/cancelar (no caso dos sites). Os pagos ou os possuidores de vocábulos em brazuca eram imediatamente descartados. 

Ultimamente tenho saído com apenas dois: o OkCupid, que me parece ser um bom pretendente, e o felizes.pt, a inspiração para este artigo. Quanto ao primeiro, como é uma coisa recente, ainda não tenho como saber se vai dar em algo mais que encontros inocentes e desprovidos de trocas de calor humano, se é que me entendes. O que te posso adiantar é que a esse estou disposta a dar uma oportunidade, mais não seja porque opções começam a escassear.

Já no que ao felizes.pt (Mr. F) toca – o nome por si só já é uma lufada de esperança na vida de uma solteira –, a conversa é outra. Apesar do nosso caso de amor já durar algum tempo, a verdade é que nunca lhe dei muita importância. Achava-o monótono e previsível. A nossa relação era assim: quando o SL e o Mr. T me deixavam na mão, lá ia eu refugiar-me nos braços do Mr. F. Ele, tal qual um apaixonado fiel e sempre desejoso de agradar, de todas as vezes recebeu-me de braços abertos, enviando semanalmente para a minha caixa de correio um lembrete dos nossos melhores momentos, só para eu saber que continuava ativo e à minha espera.

Como quem espera sempre alcança, numa das minhas visitas esporádicas ao sítio dele, para mais uma sessão de reabilitação da minha estrogenidade, constatei que o bacano afinal está com mais power do que eu alguma vez pensei.

Além de estar naquela faixa etária em que (supostamente) já se sabe o que se quer da vida – mais de trinta anos –, coisa que até então me tinha passado ao lado, gosto dele porque dá uma atenção especial às minas da Alfacelândia, vulgo Lisboa, o que para mim é ótimo, pois namoros à distância de pouco ou nada me vão valer.

Quando comparado com os outros com os quais me envolvi antes, este meu amigo colorido oferece-me uma série de regalias que os restantes nunca me deram. Vejamos: além de não me levar nada pelo atendimento (o que é que foi? Não sou forreta, apenas economicamente prejudicada, por isso escusas de revirar os olhos), é simples, prático, intuitivo e de fácil trato.

Como se não bastasse tudo isso, ainda me deixa escolher quem pode (ou não) ter o privilégio de entrar em contacto comigo. Eficiente como ele só, nem pestanejou quando lhe "dei instruções" para não me passar nenhuma mensagem de casados ou de lésbicas. Para mal dos meus pecados, este pessoal tem cá uma fixação por mim, vá-se lá saber porquê. É com cada abordagem que levo da parte deles, isto apesar de deixar bem explícito na minha descrição de perfil que não me interessam pessoas comprometidas ou portadoras do mesmo material genital. 

Sabes aquele momento em que nos apercebemos que estamos perdida e irremediavelmente apaixonados por algo ou por alguém? Pois é, foi precisamente na altura em que acertei com esta funcionalidade – escolher quem pode dirigir-se à minha pessoa – que me rendi (definitivamente) aos seus encantos e passei a vê-lo com outros olhos. Digamos que agora estou ciente do seu devido valor e que com a convivência diária vou descobrindo mais motivos para este meu encanto. E pensar que ele esteve o tempo todo à distância de um clique e eu tapada a viajar na web feito D. Quixote à procura da sua Dulcineia.

Outra coisa que aprecio bastante neste meu menino é que para estar com ele não tem que saber: é só chegar e entrar. Aposto que até a minha querida vovas seria capaz de se desvencilhar por lá e quem sabe conhecer um sénior charmoso cheio de amor para dar. Tirando a classificação para maiores de 65 anos, poderíamos estar a assistir a uma bela película de amor, em (quase) tudo igual a tantas outras da vida.

A parte chata é que este meu amante é possessivo, ao ponto de raramente me deixar chegar às falas com os gajos bons que por lá abundam. Quase nunca consigo diálogos em tempo real e quando mando mensagens a taxa de retorno é uma miséria. Tenho que descobrir qual a rush hour ali e por-me à coca. À parte isso, já consegui dois promissores candidatos recheados de predicados, tanto físicos como intelectuais, à minha mão. Ambas sabemos que não é bem bem a minha mão que eles querem...

Outra coisa que não te disse é que ele se assume, sem qualquer reticência, um romântico. Para além de ter tatuado "um site de encontro para românticos" na sua homepage, sempre que comigo está deixa-me jogar o jogo do cupido, enviar e receber presentes, fazer o teste de personalidade e otras cositas más. Até reservou uma gaveta para eu poder guardar os meus favoritos, vê lá tu.

E mais não digo que este artigo já vai longo. Porque não lhe fazes uma visita, testas os seus encantos e depois vens-me contar se o bofe é mesmo essa maravilha que acabei de te descrever? Deixo aqui o link para o caso de te interessar conhecer pessoas novas. Quem sabe não é lá que está o tal que te vai fazer feliz e resgatar-te desta vida de (ainda) solteira.

Saindo daqui, adivinha para onde irei eu a seguir…

Autoria e outros dados (tags, etc)

15
Out15

493773.jpg

 

Boa notícia logo pela manhã: afinal alguém tratou de dar um nome àquele tipo de gajo que está desesperado por trocar calores e ansioso pelo "O" (de orgasmo) com que me deparo praticamente todos dias no Second Love, no Felizes.pt (sim, também por lá ando, afinal "enquanto há vida, há esperança"), no Skype e na vida real. Nessa então... é o que mais há.

 

Segundo Michelle Martin, bloger do Huffington Post e criadora do conceito, estes tipos nada mais são do que "Cinderfellas", isto é "homens que se sentem desesperados por uma relação emocional e física íntima. Querem paixão! Querem fogo-de-artifício! Querem sentir-se vivos! Querem ser retirados de uma vida solitária". "E querem isto tudo logo no segundo ou no terceiro encontro", considera Martin. De acordo com esta, o Cinderfella é atraente, romântico e carinhoso, mas é também carente e obsessivo. Não gosta de conflitos, mas adora situações dramáticas. A autora diz mesmo que, na maioria dos casos, são homens que se divorciaram recentemente.

 

Por experiência própria, e acredito que a maior parte das fêmeas que preencham os requisitos mínimos de beleza e sex apeal também, subscrevo totalmente esta teoria da Martin. O que não me falta é estórias de gajos que querem passar, em modo via verde (ou seja, sem pagar portagem nem fila de espera), do "olá como te chamas" para o finalmente.

 

Afinal, no auto (sim, auto!) da sua deficiência emocional, a corte é pura perda de tempo, portanto bora lá dar o corpo ao manifesto, sem muita fita, paleio, expetativas ou promessas de sentimentos mais profundos que a tesão. O que importa aqui é despejar os colhões, de preferência a custo zero: zero sentimento, zero despesa, zero compromisso, zero fidelidade, zero relação, zero apego.

 

O que lhes salva a vida, o ego e os colhões, é que para cada Cinderfella há sempre uma fulana qualquer disposta a aderir às suas causas. Generosas elas, liberais, desapegadas e muito (mal) resolvidas. Tudo que esta pré-quarentona aqui não é. Nem pretende ser.

 

Felizes daqueles que não complicam e se contentam com aquilo que lhes aparece à frente. Quando pouco se espera da vida, pouco dela se recebe!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D