Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

thought-catalog-23KdVfc395A-unsplash.jpg
Ora viva! ✌️

Na expectativa de que tenhas desfrutado de um ótimo fim de semana, quero propor-te uma reflexão sobre a quem beneficia mais a felicidade, o solteiro ou o casado. Eu sei que estou sempre a bater na mesma tecla, mas, enquanto desencardidora de mentes e ativista pela causa solteirice, não insistir é um luxo a que não posso dar-me. É como se diz, "água mole em pedra dura tanto bate até que fura"...

O mote para escrever sobre esta temática surgiu no sábado, ao longo da gravação do Ainda Solteiros. Durante a conversa com os meus convidados, o tema acabava sempre por vir à baila, não fosse o propósito do podcast refutar a ideia jurássica, porém, ainda vigente, de que solteirice rima com infelicidade.

O que pensam os meus convidados desta questão ficarás a conhecer ao longo dos próximos episódios, com um novo a ir para o ar já amanhã. Por ora, cumpre esta crónica o dever de te fornecer os elementos necessários para tirares as tuas próprias ilações e decidir, com base em estudos científicos, se ser solteiro é sinónimo de liberdade ou se estar casado é sinónimo de felicidade, sem esquecer que esta última depende de inúmeros factores, os quais podem ser atingidos estando solteiro ou não. 

Há estudos que indicam que o casamento aumenta a probabilidade de sobreviver a um AVC e diminuiu o risco de o voltar a sofrer, além de reduzir também os níveis de stress. Em contrapartida, o celibato apresenta uma série de benefícios tanto para a saúde física como para a mental.

Vejamos, pois, algumas delas. Segundo Bella DePaulo, psicoterapeuta norte-amerciana a quem citei nos posts "Solteirona", a palavra que mais estigmatiza a mulher solteira e Solteiros: o poder dos números, os celibatários tendem a ter relações sociais mais fortes. Portanto, duplamente equivocado está quem pensa que solteirice é sinónimo de solidão. Ainda esta manhã partilhei nas minhas redes sociais o post Sozinhos sim, solitários nunca, que ilustra exatamente isso. 

"Ser solteiro aumenta as interações sociais tanto dos homens como das mulheres" garantem as investigadoras norte-americanas Natalia Sarkisian e Naomi Gerstel, num estudo de 2015, que visou descobrir se ser solteiro ou casado influenciava as relações com a família, vizinhos e amigos.

E sabemos bem que as amizades ocupam o pódio na lista de coisas essenciais para se ser feliz. Pessoas que mantém contacto com 10 ou mais indivíduos são significativamente mais felizes do que as que não o fazem, indica um estudo publicado no British Medical Journal.

Por outro lado, os solteiros tendem a ter mais tempo para se dedicarem a si próprios. Um questionário feito a mais de 13 mil pessoas, com idades entre os 18 e os 64 anos, permitiu concluir que aqueles que nunca casaram praticavam exercício físico mais vezes por semana do que os casados ou divorciados.

Os que não estão em relacionamentos tendem igualmente a aproveitar da melhor forma o tempo que passam sozinhos. "Estar sozinho pode ser essencial para nos conhecermos melhor a nós próprios", refere Amy Morin, psicoterapeuta que acredita que passar tempo sozinho pode ajudar-nos a ser mais produtivos e a ter níveis mais elevados de criatividade e intimidade.

Como pudeste ler, benefícios de ser solteiro há, e de que maneira. Contudo, estar num relacionamento apresenta vantagens que os solteiros não usufruem. Os casados são felizes à sua maneira, e podem ser bem mais do que os solteiros se souberem encontrar a fórmula certa. Afinal, "a felicidade só é real, quando partilhada".

Podemos dizer que os solteiros são mais felizes do que os casados? Podemos! Mas não seria uma verdade absoluta, já que a felicidade é um estado de espírito que depende da nossa personalidade, da personalidade do outro e, sobretudo, da forma como encontramos o equilíbrio na relação. O facto é que nem a solteirice nem o emparelhamento trazem qualquer garantia de felicidade.

Por hoje é tudo. Regressarei amanhã, com mais um episódio do podcast, o primeiro em que vou conversar com um solteiro. Hasta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

keenan-constance-B4axGpyGHJk-unsplash.jpg
Ora viva! ✌️ 

Hoje quero partilhar contigo um artigo da BBC Worklife, datado de abril deste ano, que versa sobre o quão nocivo pode ser o julgamento social de que (ainda) são alvos os solteiros, sobretudo quando pertencentes ao género feminino. Dado que a publicação é bem extensa, vou fazer um apanhado das partes mais interessantes.
 
Sabemos bem que o número de solteiros não para de aumentar; que o digam as taxas de divórcio e os incontáveis corações desocupados que deambulam pelas estradas da vida. Mas nem por isso a sociedade, pela boca dos seus membros, desiste de neles incutir a esperança de que, a qualquer momento, encontrarão um par, como se o propósito maior das suas vidas fosse estar emparelhado. 
 
O porquê de tamanha preocupação com o facto de as pessoas estarem avulsas é a pergunta que me faço há anos, e aquela que este blog tenta descobrir há mais de sete.
 
Questionar por que alguém "ainda" é solteiro, ou pior, confortá-lo dizendo que "irá encontrar alguém em breve", é para muitos uma forma de expressar solidariedade para com uma situação amorosa que entendem como desfavorável, desgostosa até. Para aqueles que os estimam, trata-se de uma forma atenciosa, e até sensível, de procurar saber se os seus amigos solteiros estão bem.
 
Contudo, essa atitude "paternalista" em nada os conforta, pelo contrário, deixa-os confrangidos, já que os lembra o tempo todo que não estão a cumprir o papel que deles se espera, que estão a falhar na sua missão social, que estão a atentar contra a ordem "natural" das coisas. Digo isso com conhecimento de causa, motivo pelo qual a partir de agora a narrativa passará a ser feita na primeira pessoa do plural.
 
A "cobrança" a que nós os solteiros estamos constantemente sujeitos provoca significativas lesões na nossa autoestima. Lesa igualmente a nossa perceção do amor verdadeiro. O "constrangimento por ser solteiro" mais não é do que o resultado do preconceito contra as pessoas que não se casaram, assente no pressuposto de que elas devem ser tristes e solitárias por não terem "alguém"; que estão ativamente procurando por um parceiro, mas ainda não encontraram; ou que deve haver algo de errado com elas, já que ninguém as quer.
 
Todos estes estereótipos são causados pelas pressões para que nos adquemos a padrões sociais há muito estebelecidos: encontrar alguém, casar, constituir família, comprar casa, arranjar um animal de estimação e por aí fora. Como se nessa imagem de anúncio de margarina residisse o segredo da felicidade humana.
 
E nem o facto de estarmos a caminhar para o final do ano 22 do século 21, e de ser cada vez mais óbvio que o matrimónio não é sinónimo de felicidade, consegue contrariar as crenças enraizadas no coletivo de que o solteiro é menos, é menor. Pesquisas recentes ilustram de forma contundente o estigma da solteirice. Uma sondagem do site de relacionamentos Match, analisados pela BBC, apurou que, entre mil adultos britânicos solteiros, 52% relataram sofrer constrangimento pela sua condição amorosa.
 
Pessoas que não estão numa relação amorosa continuam, portanto, a enfrentar dificuldades perante amigos, familiares e colegas, ou seja, perante a sociedade. E muitas vezes, por causa dessa tal pressão, acabam por se sentirem mal consigos próprios, como se de algum mal padecessem.
 
Ainda que grande parte da comunidade celibatária pareça cada vez mais à vontade para assumir a sua situação amorosa, a pressão para encontrar um "chinelo para o pé cansado" - como tantas vezes ouvi - continua assombrando as suas existências. "As pessoas tendem a achar que você está solitário e aborrecido só porque é solteiro", considera Ipek Kucuk, especialista em namoros da aplicação Happn.
 
A pesquisa da Match há pouco citada quis ainda saber quais as "frases constrangedoras" mais comuns ouvidas pelos solteiros, sendo as mais frequentes estas duas: "Daqui a nada vais encontrar alguém" (35%) e "Deves ser tão solitário" (29%). Os dados apurados relevaram ainda que 38% reconheceu que as pessoas geralmente têm pena da sua situação.
 
De acordo com a psicoterapeuta Abrams, mesmo quando a pessoa solteira não é constrangida pelos amigos e parentes, não atingir grandes objetivos de vida como o casamento e a maternidade pode trazer prejuízos — especialmente para aqueles que procuram ativamente por um parceiro — porque é isso que a sociedade espera deles.
 
"Muitas vezes, presenciei essa situação como uma das causas da depressão", assume Abrams. Um "roteiro" normalizado para a vida bem-sucedida pode inclusive forçar quem esteja feliz com a sua solteirice a reconsiderar a sua condição e a procurar algo do qual não tem certeza, apenas para poder encaixar-se nas normas culturais.
 
Meu bem, como pudeste ler, o constrangimento por ser solteiro não vem apenas dos nossos amigos e parentes intrometidos. É transversal a toda a sociedade. O próprio Estado, a par da igreja, é um dos maiores carrascos da solteirice. Preciso lembrar-te dos inúmeros benefícios económicos, fiscais e jurídicos exclusivamente concedidos aos cidadão casados?
 
Como o texto já vai longo, despeço-me sem mais delongas: beijo 💋 em ti e até sexta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

pablo-merchan-montes-Orz90t6o0e4-unsplash.jpg
Ora viva! ✌️ 

Porque a (boa) alimentação é um tema cada vez mais incontornável na vida daqueles que, como eu, valorizam a saúde e o bem-estar, ou seja, se importam com a qualidade de vida, vou de seguida apresentar-te meia dúzia de alimentos que por saberem e fazerem bem são considerados superalimentos.

Superalimentos são aqueles que possuem propriedades capazes de libertar endorfina, a tal hormona responsável pelo bem-estar, bom humor e tranquilidade, sensações que podemos converter numa única palavra: felicidade.

Estamos sempre a ouvir dizer que o sexo liberta endorfina, que o exercício físico liberta endorfina ou que a exposição ao sol liberta endorfina. O que não é comum ouvirmos dizer é que comer é outra atividade com um enorme potencial de libertação desta hormona essencial ao bem-estar físico, mental e emocional do ser humano.

Só que não é qualquer comida que possui a virtude de deixar um rasto de felicidade pelos organismos por onde passa. De acordo com a Juice Plus+, empresa especializada em saúde e bem-estar, são estes os alimentos que têm o superpoder de nos deixar saciados, saudáveis, relaxados e... felizes.

1. Cacau
O consumo de chocolate em estado puro, em pequenas quantidades diárias, além de melhorar o sistema cardíaco, gera endorfinas, as tais hormonas da felicidade. Os nutricionistas recomendam uma dose diária de 20 gramas, a par de uma dieta equilibrada que inclua atividade física.

2. Ovo
Um dos alimentos que mais contribui para a nossa felicidade, graças à elevada quantidade de hidratos de carbono e abundância de triptofano, uma substância orgânica que contribui para a produção de melatonina e serotonina. A melatonina ajuda a regular o ciclo do sono e a serotonina a regular o apetite e o humor.

3. Aveia
Composta por hidratos de carbono e fonte do aminoácido triptofano, este cereal ajuda o organismo a liberar serotonina e, com isso, provoca a sensação de felicidade. Com o crescimento dos níveis cerebrais de serotonina, os sintomas de depressão e insónia reduzem.

4. Espinafre
Não é por acaso que o icónico Popeye ficava mais forte e saudável sempre que comia este vegetal de folha verde, recomendado como uma boa arma no combate à tristeza, já que contém potássio e ácido fólico.

5. Abacate
Este fruto possui na sua composição B3, uma vitamina que atua sobre o sistema nervoso central. Essa propriedade colabora com a manutenção das hormonas que regulam as substâncias químicas do cérebro e garantem um efeito relaxante e uma sensação de bem-estar.

6. Banana
Uma boa opção para um encontro imediato com a felicidade, já que na sua composição constam triptofano, magnésio, hidratos de carbono, potássio e as vitaminas B6 e B7. Também chamada de piridoxina, a vitamina B6 previne a depressão e a ansiedade, atuando ainda ao nível do sistema cognitivo.

Meu bem, segunda-feira é o dia ideal para melhorares a tua dieta alimentar, mais não seja para compensares os excessos cometidos nas últimas 48 horas. Sim, eu sei o que fizeste no fim de semana passado 😉. Portanto, não vejo nenhuma razão válida para não ires imediatamente ao supermercado abastecer-te com estes seis superalimentos que acabei de te apresentar. Em nome da tua felicidade... capice?

Por hoje é tudo, conto estar de volta na quarta-feira para mais uma conversa amiga. Até lá, fica com aquele abraço amigo e votos de uma semana bem feliz!

Autoria e outros dados (tags, etc)

16
Set22

dainis-graveris-KU_NTjlJovE-unsplash.jpg
Ora viva! ✌️

Estou cansada, e, pelos vistos, vou continuar a estar nos próximos dias. Pelo segundo fim de semana consecutivo, estou envolvida num evento outdoor, desta vez o Festival Cultura Sem Fronteiras, promovido pela Junta de Freguesia dos Olivais, em Lisboa.

Serão quatro dias a ir dormir às tantas da madrugada, para acordar às primeiras horas do dia, já que os afazeres habituais não desapareceram, e dar conta dos meus compromissos não é uma opção. Como tal, hoje vou ser muito breve na minha intervenção por aqui, mais não seja porque é sexta-feira, e sabes bem que eu sou uma acérima defensora da máxima de que o último dia útil da semana pede leveza na alma e descontração no espírito.

Como sei que não resistes ao tema sexualidade, hoje trouxe o segredo para uma vida amorosa e sexual plena. De acordo com a terapeuta sexual Cheryl Fraser, numa publicação para o blogue do Instituto Gottman, a harmonia perfeita entre o casal resume-se a um único modelo, o qual apelida de Triângulo da Paixão, através do qual visa ensinar os casais a criarem uma paixão romântica e sexual duradoura.

São estes os três componentes do modelo aplicado pela terapeuta:

1. Emoção
Sensação infalível de entusiasmo, interesse e atração pelo parceiro que é vivida numa fase inicial da relação e que, muitas vezes, desaparece com o tempo.

2. Intimidade
Característica que se desenvolve com o passar do tempo, através do partilhar das vulnerabilidades e do aprofundar da conexão emocional, os parceiros conhecem-se mutuamente ao milímetro.

3. Sensualidade
Espectro da conexão romântica, erótica e sexual entre duas pessoas, desde dar as mãos ao prazer sexual em si.

Escusado será dizer que nem todas as relações possuem estas três qualidades, não obstante ser isto que deve acontecer num cenário ideal. Caso tenhas interesse em fazer o teste que te vai permitir apurar em que pé está a harmonia da tua relação amorosa, caso a tenhas, é só clicar neste link.

Beijo 💋 em ti e bom fim de semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)

05
Set22

Quando morrem os sonhos

por Sara Sarowsky

jr-korpa-nksZQ7YCqZQ-unsplash.jpg
Ora viva! 🫶

Uma mão cheia de semanas depois, eis-me de volta ao teu convívio, repleta de novidades, crónicas, planos e sonhos. E é precisamente sobre estes últimos que versa a minha última crónica para o portal Balai Cabo Verde, publicada a 18 de agosto, e que vou agora partilhar contigo.

Quando morrem os sonhos

Há muito que ambicionava dar um outro rumo à sua vida. A súbita morte do progenitor e, posteriormente, a inesperada pandemia da covid despoletaram nela a certeza de que desejava – na verdade, precisava - abraçar uma nova vida. Sabendo que o primeiro passo para a mudança prendia-se com o não mais querer estar onde estava, tornara-se evidente que a mudança era incontornável, imprescindível, inadiável.

Num belo e quente dia de verão, partiu à aventura, atrás do recomeço pelo qual há tanto ansiava. Consigo levou duas malas, uma grande e outra mais pequena, uma mochila, um saco e um coração a abarrotar de sonhos. Nesse coração cabiam sonhos de todo o tipo: novo país, novo idioma, nova casa, novo trabalho, novos amigos, novas relações, novos amores, nova dinâmica, no fundo nova existência.

Dias após dia, semana após semana, os seus sonhos foram-se vergando à dureza da realidade, rendendo-se à força do infortúnio. Nenhum deles, nem o mais insignificante de todos, se concretizou. Pelo contrário, a ausência de sorte era de tal modo constante que os mal-sucedidos acumulavam-se a uma frequência praticamente diária. Ainda antes da partida, o universo emitira sinais, vários até. Em nome de uma vontade irrefreável, não lhe deu ouvidos, com ele teimou, a ele ousou desafiar. Precisava fazê-lo, caso contrário arrepender se ia para o resto da vida.

O que não cogitou, ainda que intimamente o intuísse, era que a última palavra não seria a sua, jamais seria. Por muito que sonhemos, almejemos, planeemos ou façamos, a concretização do que quer que seja só acontece no espaço e no tempo entendido pelo destino, ou universo como preferia chamar às forças superiores que comandam as ações humanas e determinam a sua experiência terrena. De pouco ou nada adianta insistir em algo (ainda) não validado por ele, até porque o tempo divino e o tempo humano raramente coincidem; o primeiro é infinitamente mais sábio do que o segundo, bem mais ansioso e impaciente.

Em terra estrangeira, numa geografia aninhada entre o oceano e a montanha, encontrou consolo nas tardes passadas na praia, numa comunhão íntima e recíproca com a natureza, a qual testemunhava com apreensão o seu desassossego, com pesar a sua agonia. Assistir ao sucumbir dos sonhos alheios, sem que os envolvidos nada possam fazer para impedir tal desfecho, é algo a que a mãe de todas as criaturas dificilmente consegue manter-se insensível.

Com o sol, a praia, as dunas e o oceano partilhou ela os seus mais íntimos ensejos, anseios e frustrações. Com a lua chorou a morte desses sonhos, os quais iam perecendo à vez, à mercê de cada frustração, cada insucesso, cada contrariedade. O mar lambeu-lhe as feridas, a brisa secou-lhe as lágrimas, o sol aqueceu-lhe a alma, a natureza curou-lhe as mágoas, o tempo aliviou-lhe o sofrimento.

Despida de expectativas, despojada de ilusões e carente de sonhos - sonhos esses que a levaram a desafiar tudo e todos, a fizeram almejar vencer a maldição que pendia sobre si, fintar o azar e triunfar sozinha num país povoado de estranhos - retomou à procedência, de coração partido e alma fragmentada, sem a mais pálida ideia sobre que rumo haveria de dar à sua existência dali em diante. Sem outra opção que não fosse render-se às evidências, um passo atrás viu-se obrigada a dar, regressando à casa de partida, tal qual jogo de monopólio. Sim, muitas vezes é preciso dar um passo atrás, recuar, para poder avançar com mais vigor, mais sagacidade, mais sabedoria.

Continua...

Bem-vinda de volta ao blog. Regressarei na quarta, com mais uma crónica. Até lá, deixo-te com aquele abraço amigo só nosso!

Autoria e outros dados (tags, etc)

antonino-visalli-RNiBLy7aHck-unsplash.jpg
Ora viva! ✌️

Neste que será o penúltimo post da temporada, quero partilhar contigo a minha última crónica para o Balai Cabo Verde, o portal de notícias da minha terra querida. 

Nesta que será a primeira crónica da temporada Verão 2022, quero retomar um assunto por mim abordado vezes sem conta, não obstante haver sempre algum dado novo a ser acrescentado. O dado novo que hoje trago é fruto de um novo estudo - mais um – que estabelece uma correlação (direta) entre a solteirice e a felicidade, sobretudo quando conjugada no feminino.

Desde os primórdios do Ainda Solteira, blog do qual sou criadora e gestora, que não me canso de defender a causa que esteve na origem da sua concepção: a solteirice, mais concretamente, o estar confortável com uma situação que, na maioria dos casos, é alheia à nossa vontade. Foi isso que me motivou a criá-lo e é isso que ainda me motiva a alimentá-lo, não obstante todo o tipo de desafios com que me deparo na concretização dessa intenção. Sete anos depois, continuo firme no propósito de desencardir mentes e de levar uma palavra de esperança às mulheres, inicialmente, e aos homens, mais recentemente, que ainda acusam a pressão social para estar emparelhada(o), mesmo que isso comprometa a sua felicidade e o seu bem-estar emocional.

Defender tal causa, aquela que melhor conheço e que, por isso mesmo, dou a cara sem tabu nem pudor, implica defender pontos de vistas pessoais e transmissíveis, os tais "achismos" de que todo escritor padece, mas, igualmente, partilhar outros pontos de vistas congruentes com os meus. É neste contexto, que, com todo o gosto, replico ideias, teorias e estudos que sustentam aquilo que desde a primeira publicação defendo: a solteirice não é tão feia quanto a família, os amigos, os colegas e a sociedade faz questão de pintar.

O celibato, como tudo nesta vida, reveste-se de um lado B(om) e convém que o exponhamos tanto ou mais do que expomos o seu lado M(au). E pelos vistos são cada vez mais as mentes desencardidas que se interessam por compreendê-lo e desmistificá-lo, não com o intuito de o apresentar como o estatuto amoroso de eleição, mas antes como uma condição que apresenta as suas vantagens, algumas delas (surpreendentemente) melhores que a dos outros estados civis.

Por exemplo, vários estudos conseguiram provar que as mulheres solteiras sem filhos são mais felizes e saudáveis do que as restantes. Mais ainda, o género feminino apresenta um maior grau de satisfação ao permanecer desemparelhado comparativamente ao género masculino. É esta a convicção do especialista em felicidade e professor de ciência comportamental na London School of Economics, Paul Dolan, que, baseando-se em várias pesquisas, garante que as mulheres solteiras sem filhos são as mais felizes.

Quanto a isso, o académico não poderia ser mais peremptório: "Vou fazer um enorme desserviço a essa ciência e apenas dizer: se é homem, provavelmente deveria casar-se; se é mulher, não se incomode". E a explicação, de acordo com o professor, é bem simples: os homens beneficiam do casamento porque "acalmam".

"[Eles] correm menos riscos, empenham-se mais no trabalho e ganham mais dinheiro, e vivem um pouco mais. Elas, por outro lado, têm que aturar isso e acabam por morrer mais cedo do que se nunca se tivessem casado. O subgrupo populacional mais saudável e feliz são as mulheres que nunca se casaram ou tiveram filhos", concluiu o académico. 

Esta é apenas mais uma voz a expressar aquilo que algumas de nós há muito sabemos. Espartilhadas por crenças, preconceitos e estereótipos, nem sempre temos a petulância e a coragem necessárias para sair por aí dizendo de boca cheia que somos mais felizes e saudáveis do que as colegas casadas, mancebadas, divorciadas ou viúvas. Eu como tenho, eis-me aqui a partilhar contigo mais este atestado de validez da solteirice, cada vez mais feliz e saudável.

Aquele abraço amigo e até um dia destes!

Autoria e outros dados (tags, etc)

22
Jul22

É melhor viver feliz sozinho

por Sara Sarowsky

tahiti-spears-Me-MSv_dUNU-unsplash.jpg
Ora viva! ✌️ 

Hoje trouxe um texto assinado pelo idealizador da página Resiliência Humana, Robson Hamuche, no qual ele defende que é melhor viver feliz sozinho, e amar a própria companhia, do que ficar esperando reciprocidade.

Como o que ele defende tem tudo a ver com a essência deste blog, é com todo o gosto que o partilho contigo, na expectativa de que te induza a mais uma reflexão sobre o quão subvalorizado é o estatudo de "sozinho".

Quem vive para agradar os outros, apenas sobrevive e coleciona feridas que permanecem abertas, indefinidamente. Se você não se coloca como prioridade, você vira um imã para as decepções, se maltrata e se torna escravo da opinião alheia. Não seja essa pessoa!

Para se sentir feliz de verdade você vai ter que aprender a se agradar com mais frequência. Você vai ter que descobrir o que você ama fazer, o que te traz satisfação e bem-estar, sem precisar buscar nos outros essa satisfação.

Se você acha que as pessoas fingem se importar com você, provavelmente, você está agindo igual, em relação a si mesmo.Você deve estar fingindo se amar, fingindo se importar com o que realmente é importante para você. Talvez, você ainda nem saiba o que realmente importa pra você. É provável que você esteja totalmente desconectado da sua essência, e desconectado você passa a desrespeitar os valores essenciais, a ponto de nem estar consciente de quais são.

Se você deseja ser amado(a), antes você precisa se amar, porque para se sentir feliz com você mesmo, você precisa ser inteiro e não apenas uma parte. Você tem que aprender a integrar todas as suas partes, as que você julga serem sombrias e, também, aquelas de que você já consegue se orgulhar.

Se você quer que as pessoas te aceitem exatamente como você é, você precisa se aceitar primeiro. Se você não se aceitar, infelizmente, você sempre se sentirá inseguro em relação aos outros. Você pensará que não é o suficiente, justamente porque você não está validando todas as suas partes.

Você precisa se doar mais para você do que para os outros e isso não é egoísmo, é amor-próprio, é se bastar e atender as suas reais necessidades. Se você já consegue perceber que as trocas nas suas relações parecem não ser justas, saia do papel de vítima e comece a impor limites claros nessas relações. Não cobre nada dos outros, nem exija que eles façam a você o que você faz por eles, simplesmente pare de fazer o que você vem fazendo, isso já será um bom sinal de que você está se escolhendo como prioridade.

Diga como você se sente, mas não se humilhe pedindo reciprocidade, apenas exponha os fatos, deixe tudo bem claro e siga a sua vida livre desses pesos e das expectativas que você cria em relação aos outros.

Se aceite, se valorize, se dê ao respeito! Entenda que você precisa aprender a gostar de ficar sozinho e pare de esperar reciprocidade de quem não está disposto a te amar.

Desapegue dessa necessidade de receber dos outros o que eles não estão prontos para te oferecer. Construa com você a relação que você quer ter com os outros. Seja pra você mesmo o seu melhor amigo, o seu amante, o seu parceiro de vida. Assim que você decidir escolher a si mesmo, você vai se sentir amado(a) como ninguém jamais conseguirá te amar.

Aprenda que, muitas vezes, é melhor viver sozinho e amar a sua própria companhia do que ficar esperando reciprocidade.

Beijo 💋 em ti e um fim de semana esplêndido!

Autoria e outros dados (tags, etc)

15
Jul22

Tristeza não é depressão

por Sara Sarowsky

girl-3394947_1920.jpg
Ora viva! ✌️ 

Tenho por hábito à sexta-feira só falar de temas triviais, pois penso que, após cinco dias consecutivos de compromissos e afazeres, merecemos leveza e descontração. Hoje, contudo, vou abrir uma exceção para falar de um tema um tanto ou quanto deprimente, sem bem que revelante.

A saúde mental nunca esteve tão na ordem do dia como nos últimos tempos, mais precisamente nos últimos dois anos. A pandemia, e o impacto devastador que teve na vida de tanta gente, veio apertar o gatilho de uma arma que há muito estava apontada à cabeça da nossa sociedade.

Eu acredito que o bem estar pleno de qualquer ser humano passa pelo salutar equilíbrio entre o físico, o mental e o espiritual, ou seja, passa por uma perfeita harmonia entre o corpo, a cabeça e alma. Se uma dessas áreas está comprometida, os restantes dois ressentem-se. Quanto a isso não há volta a dar e é bom que tenhamos consciência disso.

A saúde mental é, pois essencial, à felicidade humana. E a felicidade humana é fruto de pensamentos, emoções e sentimentos, uns bons outros maus, mas todos necessários ao nosso autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e evolução espiritual.

Aonde quero chegar com esta conversa? Que é natural sentirmos tristeza, que é natural vivermos dias menos bons, que é natural irmos abaixo, que é natural sentirmo-nos esgotados, que é natural perdermos a esperança.

O que não é aconselhável é deixarmos que um estado de espírito, que é suposto ser temporário, se prolongue no tempo, roubando o protagonismo à alegria de viver, assumindo o comando da nossa vida. Cumpre, portanto, esta crónica a missão de te relembrar que a tristeza é uma emoção natural, passageira, necessária até. 

Nos dias de hoje a sensação que dá é que estar triste é algo mau, que faz logo soar os alarmes, como se tivéssemos a obrigação de estar felizes e contentes o tempo todo. Por outro lado, fala-se da depressão ao menor sinal de tristeza. Será que sabemos de facto qual a diferença entre uma coisa e outra, entre estar triste e estar deprimido?

De modo a não haver dúvidas entre uma coisa e outra, eis-me aqui a partilhar contigo as suas principais diferenças, identificadas por Ron Yap, coach de bem-estar mental. São elas:

Tristeza
É uma emoção
Desaparece passado um tempo
Não afeta as rotinas diárias
Permite-nos fazer coisas
Não causa pensamentos suicidas
Está associada a um gatilho específico
Ainda sentimos esperança e que a vida tem significado
Não afeta a saúde física
 
Depressão
É uma doença
Dura algum tempo
Interfere com as rotinas diárias
Provoca fatiga extrema
Causa pensamentos suicidas
É causada por vários motivos ou até mesmo por nenhum
Gera sentimentos fortes de desesperança e insignificância
Causa desconforto, dor, sono e mudanças no apetite
 
Meu bem, como acabaste de ler, tristeza não é depressão, assim como estar temporarimente com o espírito em baixo não é sintoma de doença mental. A depressão sim é um problema de saúde sério, a que não se pode fechar os olhos, menos ainda virar as costas. Eu dela cheguei a padecer, por isso sei do que falo.
 
Toma conta de ti e bom fim de semana! 💋

Autoria e outros dados (tags, etc)

girl-gabc167a4d_1920.jpg
Ora viva! ✌️

Já que estamos numa de felicidade, e porque ela é sempre oportuna, para hoje propus-me a resgatar um artigo de há precisamente cinco anos, no qual faço uma distinção muito clara entre viver e existir.

Por estes dias, tenho duas "manamigas" que andam por demais precisadas de palavras de conforto, amizade e solidariedade, tamanho é o peso da dor que carregam nos seus ombros. A elas, mas também a todos aqueles que estejam a braços com alguma provação, dedico esta crónica, como forma de lhes transmitir alento e esperança.

Sei muito bem o quanto a vida pode ser dura, mas também sei a força de uma palavra amiga nos seus momentos mais conturbados. Não é à toa que dizem que alegria dividida é alegria a dobrar e tristeza dividida é meia tristeza.

As profundas mudanças que tenho estado a incrementar na minha vida de há uns tempos a esta parte têm vindo a reforçar a minha crença – inabalável, diga-se de passagem – de que a vida vale a pena, no matter what.

Vale sim, ai vale vale! Contudo, só nos apercebemos disso quando nos dispomos a abraçá-la sem reservas; a encará-la nos olhos, sem baixar a cabeça; a levantarmo-nos sempre que ela nos passa uma rasteira e a continuar a caminhada, mesmo com os pés em carne viva.

Ela não é fácil; na verdade, nem é suposto ser. Tem vezes que achamos que não aguentamos tamanha carga e tem outras que sentimos que toda ela conspira a nosso desfavor. Quem nunca? Ainda assim, ela continua a merecer que não desistamos dela. Ainda assim, ela continua a merecer o benefício da dúvida, mais não seja para ficarmos a saber qual a sua próxima jogada.

Queridas amigas, façam-me o favor de não desistir da vida, porque ela não desistiu de vocês, por mais que vos dê a entender que sim. Ela está apenas a por-vos à prova, com o intuito de avaliar se, de facto, são dignas das graças que, com toda a certeza, vos estão reservadas.

Viver é preciso! Atenção que eu escrevi "viver" e não "existir". Viver é que nos move no caminho da felicidade. Existir é o que nos faz respirar, dormir, trabalhar, pagar as contas e por aí fora. Existir é viver sem alento, sem alegria, sem brio, sem esperança, sem magia. Nos tempos atuais, a maioria das pessoas existe, ao invés de viver. Até pouco tempo atrás, também eu integrava esse lote. Hoje não! 

Hoje escolho só tomar como garantido o "aqui" e "agora". Hoje escolho desfrutar da vida como se não houvesse amanhã. Hoje escolho desapegar-me do que me possa vir a acontecer no futuro. Hoje escolho seguir a máxima "um dia de cada vez". Hoje escolho viver!

Hoje escolho ser feliz, do jeitinho que dá para ser. Sem ter tudo o que quero, mas querendo tudo o que tenho. Porque eu quero, porque eu posso, porque eu mereço e porque a vida só faz sentido se for para ser assim.

Noite feliz e até à próxima!

Meu bem, o meu desejo é que saibas fazer da tua vida uma vivência e não uma mera existência. Que neste semana Santa, a felicidade esteja com aqueles que mais precisarem. Hasta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

08
Abr22

CA3A0FE3-181A-46CD-86AB-ED58923C9087.jpegOra viva! ✌️ 

Sexta-feira costuma ser o dia mais ansiado da semana, logo, um dos mais felizes, senão o mais feliz. Pelo menos assim é para aqueles que trabalham ou estudam apenas nos dias úteis. Ciente disso, hoje vou falar-te da prática regular da felicidade, o tema ideal para este dia, aquele em que nos despedimos dos deveres semanais e abraçamos o fim de semana.

A felicidade é um estado de espírito e, como tal, pode ser treinada, de preferência com uma periodicidade diária. Claro que existem dias e dias, alguns tão duros que vamos parar ao chão. E é justamente nessa altura que a sua boa forma física é posta à prova.

Quem está em forma, levanta-se num ápice, ávido por nova ronda de exercícios. Consciente e convicto de que aprendeu a lição, não se deixará apanhar pela mesma rasteira duas vezes.

Quem está assim-assim, deixa-se ficar no tatami, aproveita a estada lá em baixo para recuperar o fôlego, enquanto vai vendo as coisas de uma perspectiva diferente. Quando sentir que é o momento certo, levanta-se e continua o treino, cansado, contudo, focado na meta.

Quem não está em forma, ou seja quem optou por deixar-se ficar no sofá da vida, no chão permanecerá, a lamentar-se e a queixar-se do cansaço, das dores, da dureza do treino, do personal trainer, dos equipamentos, do barulho e por aí fora...

Dá trabalho manter a felicidade em forma? Oh se dá! Afinal, ela exige energia, tempo, disciplina, paciência, foco, humildade, motivação, resiliência, persistência, resistência, força de vontade e compromisso. Só quem é aficionado pela prática regular de exercício físico saberá entender na perfeição o que quero dizer.

Àqueles que ainda não experimentaram semelhante atitude, só tenho a dizer o seguinte: começa por aprender a gostar e a cuidar de ti e, principalmente, a só gostar e cuidar de quem gosta e cuida de ti. Depois disso, estarás pronto para ingressar numa Academia da Felicidade ao pé de ti. Uma vez que lhe apanhas o gosto, não quererás saber de outra coisa, já que a boa forma feliz é incrivelmente aditiva.

Por hoje fico por aqui. Tenho um músculo da costela atrofiado, motivo pelo qual estou cheia de dores. Ontem, quase que me dirigi ao hospital, mas lá controlei o pânico e aguentei bravamente a dor, tão intensa que estava a comprometer o normal funcionamento do aparelho respiratório. Esta manhã, acordei mais aliviada, mas o movimento levantar-sentar é uma tortura. Espirrar então...

Beijo no coração e até segunda! 💋

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D