Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

thought-catalog-23KdVfc395A-unsplash.jpg
Ora viva! ✌️

Na expectativa de que tenhas desfrutado de um ótimo fim de semana, quero propor-te uma reflexão sobre a quem beneficia mais a felicidade, o solteiro ou o casado. Eu sei que estou sempre a bater na mesma tecla, mas, enquanto desencardidora de mentes e ativista pela causa solteirice, não insistir é um luxo a que não posso dar-me. É como se diz, "água mole em pedra dura tanto bate até que fura"...

O mote para escrever sobre esta temática surgiu no sábado, ao longo da gravação do Ainda Solteiros. Durante a conversa com os meus convidados, o tema acabava sempre por vir à baila, não fosse o propósito do podcast refutar a ideia jurássica, porém, ainda vigente, de que solteirice rima com infelicidade.

O que pensam os meus convidados desta questão ficarás a conhecer ao longo dos próximos episódios, com um novo a ir para o ar já amanhã. Por ora, cumpre esta crónica o dever de te fornecer os elementos necessários para tirares as tuas próprias ilações e decidir, com base em estudos científicos, se ser solteiro é sinónimo de liberdade ou se estar casado é sinónimo de felicidade, sem esquecer que esta última depende de inúmeros factores, os quais podem ser atingidos estando solteiro ou não. 

Há estudos que indicam que o casamento aumenta a probabilidade de sobreviver a um AVC e diminuiu o risco de o voltar a sofrer, além de reduzir também os níveis de stress. Em contrapartida, o celibato apresenta uma série de benefícios tanto para a saúde física como para a mental.

Vejamos, pois, algumas delas. Segundo Bella DePaulo, psicoterapeuta norte-amerciana a quem citei nos posts "Solteirona", a palavra que mais estigmatiza a mulher solteira e Solteiros: o poder dos números, os celibatários tendem a ter relações sociais mais fortes. Portanto, duplamente equivocado está quem pensa que solteirice é sinónimo de solidão. Ainda esta manhã partilhei nas minhas redes sociais o post Sozinhos sim, solitários nunca, que ilustra exatamente isso. 

"Ser solteiro aumenta as interações sociais tanto dos homens como das mulheres" garantem as investigadoras norte-americanas Natalia Sarkisian e Naomi Gerstel, num estudo de 2015, que visou descobrir se ser solteiro ou casado influenciava as relações com a família, vizinhos e amigos.

E sabemos bem que as amizades ocupam o pódio na lista de coisas essenciais para se ser feliz. Pessoas que mantém contacto com 10 ou mais indivíduos são significativamente mais felizes do que as que não o fazem, indica um estudo publicado no British Medical Journal.

Por outro lado, os solteiros tendem a ter mais tempo para se dedicarem a si próprios. Um questionário feito a mais de 13 mil pessoas, com idades entre os 18 e os 64 anos, permitiu concluir que aqueles que nunca casaram praticavam exercício físico mais vezes por semana do que os casados ou divorciados.

Os que não estão em relacionamentos tendem igualmente a aproveitar da melhor forma o tempo que passam sozinhos. "Estar sozinho pode ser essencial para nos conhecermos melhor a nós próprios", refere Amy Morin, psicoterapeuta que acredita que passar tempo sozinho pode ajudar-nos a ser mais produtivos e a ter níveis mais elevados de criatividade e intimidade.

Como pudeste ler, benefícios de ser solteiro há, e de que maneira. Contudo, estar num relacionamento apresenta vantagens que os solteiros não usufruem. Os casados são felizes à sua maneira, e podem ser bem mais do que os solteiros se souberem encontrar a fórmula certa. Afinal, "a felicidade só é real, quando partilhada".

Podemos dizer que os solteiros são mais felizes do que os casados? Podemos! Mas não seria uma verdade absoluta, já que a felicidade é um estado de espírito que depende da nossa personalidade, da personalidade do outro e, sobretudo, da forma como encontramos o equilíbrio na relação. O facto é que nem a solteirice nem o emparelhamento trazem qualquer garantia de felicidade.

Por hoje é tudo. Regressarei amanhã, com mais um episódio do podcast, o primeiro em que vou conversar com um solteiro. Hasta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

14
Out22

9DD65CD8-DA60-4701-984B-1A7F23183EDF.jpeg
Ora viva! ✌️ 

Uma publicação da Marie Claire Brasil inspirou-me a escrever este post, o qual é portador de uma curiosa novidade: há quem tenha nascido para ser solteiro, melhor dizendo, há quem seja portador de um gene que o torna inapto para relacionamentos amorosos. Como parece ser o meu caso, eis-me aqui a partilhá-lo contigo, não fosses tu o melhor de todos os confidentes.

Antes de desemaranhar esta ideia, permite-me uma pequena contextualização da minha postura face ao celibato. Eu sempre "senti" que tinha nascido para ser desemparelhada. Desde que me lembro de ter consciência do casamento, que sempre disse que jamais embarcaria em tal aventura.

Claro que os inúmeros fracassos amorosos que fui assistindo ao longo da infância e da adolescência só serviram para cimentar essa crença. De tempos em tempos, dá-me uma panca para me emparelhar, como é disso exemplo o post Vou casar!!!, mas no fundo no fundo não sinto convicção nesse propósito, muito menos inspiração para batalhar pela sua concretização. Não acredito, nem nunca acreditei, no "felizes para sempre", pronto falei!

Voltando ao tema de hoje, ao que tudo indica a dificuldade em relacionar-se com parceiros a longo prazo pode muito bem ser culpa do nosso ADN, ou seja, há quem esteja geneticamente "programado" para ser solteiro. A sustentação desta teoria reside num estudo levado a cabo por cientistas chineses, segundo o qual existe um gene responsável por deixar uma pessoa mais ou menos confortável para desfrutar da companhia íntima de um parceiro.

Para chegar a tal conclusão, os investigadores da Universidade de Pequim testaram amostras de cabelos de 600 estudantes locais. Da análise de um gene chamado 5-HTA1, que possui duas versões: G e C, foi possível apurar que os discentes identificados com a versão G, também chamada de singleton, produzem menos serotonina, um neurotransmissor que influencia o humor e a sensação de felicidade.

Ora acontece que as pessoas com menor produção desta hormona encontram mais dificuldades para se aproximar de outros e são mais propensas a sofrerem de depressão. "Como o pessimismo é prejudicial para a formação, qualidade e estabilidade de relacionamentos, esta conexão entre a versão G e problemas psicológicos pode influenciar carreiras, relacionamentos e levar ao fracasso", escreveram os pesquisadores no jornal Scientific Report.

Volvidos mais de 8 anos desde a sua realização (como é que não soube disso antes é a pergunta que me vai atormentar nos próximos dias), estou em condições de atestar a qualidade deste produto made in China. O que quero dizer com isso? Quero dizer que agora é-me evidente que a solteirice crónica de que padeço há vários anos vai muito além da vocação, como sempre acreditei. Ela é fruto de um acaso, ou melhor dizendo, de um azar genético. Que alívio saber que não há nada de errado comigo e que a minha inaptidão para o namoro é responsabilidade do tal singleton. So, it's official, I was born to be single!

Beijo 💋 em ti e até para a semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)

jonny-neuenhagen-9Cd2YbBl-AI-unsplash.jpg
Ora viva! ✌️

Depois de um fim de semana escaldante, em que sol arreganhou-nos os dentes e a temperatura tostou-nos a pele, eis-me aqui para falar-te de alguns (maus) hábitos que são mesmo nocivos à saúde, ainda que nem sempre tenhamos consciência deles.

É sabido que fumar mata, aliás essa sentença de morte costuma vir escarrapachada nos maços de cigarro, ainda que os fumadores estejam se marribando para ela. Ora acontece que existem uns quantos comportamentos, derivados sobretudo do estilo de vida moderno, que fazem tão ou mais mal do que fumar, mas aos quais pouca importância damos, talvez por ignorância, talvez por desvalorização do seu real impacto na saúde e no bem-estar.

Esta crónica cumpre, pois, o propósito de te dar a conhecer tais comportamentos, os quais segundo a ciência, a mãe de todas as sabedorias, são tão fatais quanto fumar, e, por vezes, bem mais difíceis de evitar. São eles:

1. Solidão
O aparecimento da Internet, e a consequente explosão das redes sociais, levou à caracterização da solidão como uma 'epidemia global', cada vez mais letal. Uma pesquisa da Universidade de Brigham Young, nos Estados Unidos, apurou que, no que toca à redução da esperança média de vida, a solidão equivale a fumar 15 cigarros por dia.
 
2. Sentar
De acordo com um estudo de 2014, estar sentado durante muitas horas aumenta o risco de desenvolvimento de vários tipos de cancro. Cada duas horas que permanecemos sentados eleva exponencialmente o risco de aparecimento de cancro do cólon, do endométrio e pulmonar, independentemente da prática, regular ou não, de exercício físico.
 
3. Privação de sono
A privação de sono já é considerado um (sério) problema de saúde pública. Estima-se que, só nos Estados Unidos, entre 50 a 70 milhões de pessoas sejam afetadas pela pouca quantidade ou pela má qualidade do sono. A Organização Mundial de Saúde alerta que não dormir o suficiente eleva o risco de enfarte e de ataques cardíacos, de forma semelhante ao consumo de tabaco.
 
4. Bronzear
O uso de solários em particular é potencialmente mais perigoso do que fumar. Em 2014, um grupo de investigadores publicou um estudo no qual se apurou que bronzear estava na origem do aparecimento de mais cancros da pele do que fumar relativamente ao desenvolvimento de cancro do pulmão.
 
5. Má alimentação
Várias pesquisas demonstraram já que consumir alimentos processados, ricos em açúcar e em gorduras saturadas, expõe os indivíduos, de forma semelhante ao tabaco, a inúmeras doenças potencialmente fatais. Uma equipa de investigadores concluiu, em 2016, que os riscos de mortalidade associados a uma má alimentação excediam os do consumo de álcool, drogas, da prática de relações sexuais sem proteção e do tabaco combinados.
 
É meu bem, por todos os lados somos tentados por maus hábitos, aos quais se não resistirmos teremos a nossa qualidade de vida comprometida irremediavelmente. Saber cuidar de nós, com sabedoria, esmero e dedicação, é um acto de amor, provavelmente o maior de todos. Cuida-te, cuida do teu corpo, da tua saúde, do teu bem-estar, que tu és a pessoa mais importante da tua vida.
 
Aquele abraço amigo e até breve!

Autoria e outros dados (tags, etc)

eroticism-gb5ccbbd5d_1920.pngViva! 👋

Uma publicação do Notícias ao Minuto, datado de 27 de dezembro de 2020, dá conta do seguinte: ter múltiplos parceiros sexuais representa consideráveis riscos, tanto para o corpo quanto para a cabeça e o coração. E quem o diz não é o jornalista que assina a matéria, mas antes a ciência, a mãe de todas as sabedorias. 

Achando o tema a cara deste blog, eis-me aqui a partilhá-lo contigo, não só para reforçar a minha posição em relação ao "dar o corpo ao manifesto a custo zero", prática da qual sou assumidamente avessa, como para alertar-te para as consequências de uma prática cada vez mais disseminada na nossa sociedade, a qual faz questão de nos fazer crer que sucesso sexual equivale a sucesso social.

Vários estudos apontam que a popularidade sexual - chamemos-lhe assim - pode ser prejudicial tanto para a saúde física como para a mental. De acordo com a referida publicação, que cita o site Nueva Mujer, ter vários parceiros sexuais não só aumenta o risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis (como VIH, clamídia ou sífilis), como pode estar relacionado a outras patologias, nomeadamente cancro ou depressão.

No que toca às consequências físicas de andar a pinocar a torto e a direito, um estudo divulgado na revista médica BMJ Sexual & Reproductive Health, menciona que há um risco 91% maior de cancro em mulheres que tiveram 10 ou mais parceiros sexuais, comparativamente àquelas que tiveram relações íntimas com menos pessoas. Relativamente aos homens, aqueles que afirmaram ter 10 ou mais parceiros registaram uma probabilidade 69% mais elevada de desenvolver algum tipo de tumor. 

Quanto ao impacto na saúde mental e emocional, a Dunedin School of Medicine apurou, através da realização de um ensaio clínico, uma relação com transtornos depressivos e de ansiedade, sobretudo na população feminina, sendo que lidar com essas doenças mentais aumenta consequentemente o risco de uso de substâncias.

Adicionalmente, os investigadores salientaram que ter parceiros em 'demasia' pode levar a dificuldades na formação de vínculos afetivos, sem falar que fazer sexo frequentemente está igualmente associado a uma maior chance de fumar e de consumir álcool em excesso.


Se os celebitários sexualmente abstémios não têm a vida facilitada, parece que os outros também não. Na dúvida, entre "dar" por demais ou "dar" por de menos, que venha a tesão e escolha.

Beijo no ombro e até sexta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

17
Mai21

couple-1030744_1920.jpgOra viva! ✌️ 

Terá fundamentação científica a ideia cliché - nem por isso menos romântica - de dois estranhos trocarem olhares e terem a certeza de que foram feitos um para o outro, tamanha a atração existente entre ambos? Será o amor à primeira vista, perfeitamente ilustrado no cenário há pouco descrito, um fenómeno real ou uma mera fantasia emocional? É o que intenta esclarecer este artigo.

Apesar de não abundarem dados empíricos sobre o tema, um estudo de 2017 oferece evidências que suportam a teoria de que ele é, de facto, real. Uma investigação da Universidade de Groningen, que pediu a quase 400 indivíduos de ambos os sexos que se manifestassem, imediatamente após o primeiro encontro, sobre potenciais parceiros românticos, permitiu tirar as seguintes ilações:

O amor à primeira vista não é só memória tendenciosa
A amostra relatou tê-lo sentido no instante em que se encontrou com alguém. Trata-se, portanto, de uma forte atração inicial que, posteriormente, pode transformar-se num relacionamento.

É mais provável sentirmos amor à primeira vista por pessoas bonitas
Os participantes com classificações mais altas na escala da aparência física tinham uma probabilidade nove vezes maior de despertar esse sentimento.

Os homens assumem sentir amor à primeira vista mais do que as mulheres
Os investigadores não foram capazes de apurar o motivo concreto para que assim seja, pelo que recomendaram estudos complementares.

O amor à primeira vista tende a ser um fenómeno tipicamente unilateral
Os cientistas suspeitam que a intensa experiência inicial de um parceiro pode ajudar a moldar as lembranças do outro, mudando-a para a crença de que este também sentiu amor à primeira vista.

O amor à primeira vista, tecnicamente, não é “amor”
O tipo de qualidades que espelham amor (intimidade, compromisso, paixão) não é particularmente forte nos momentos iniciais desse sentimento. No entanto, aqueles que o sentiram parecem ter maior predisposição para tal do que aqueles que reconheceram não ter sentido amor à primeira vista.

Crença e/ou experiência pessoal à parte, a verdade é que as evidências existem e foram aqui citadas. Eu acredito em paixão à primeira vista e não tanto em amor à primeira vista. Isto porque o amor - que demanda conhecimento, investimento e comprometimento - não é sentimento que surge de forma tão instantânea e espontânea. Ele vai sendo construído, e fortalecido, com tempo e convivência, daí que não desapareça à primeria crise.

Por hoje é tudo, voltarei na quarta para mais uma conversa amiga. Até lá, fica com o meu abraço e muita energia positiva para a semana.

Autoria e outros dados (tags, etc)

09
Set20

E3649034-EDD0-4244-A22C-3DD5ECD4F6E7.jpegOra viva ✌️!

É certo e sabido que ser o mais velho dos irmãos - como é o meu caso - tem lá os seus desafios, alguns bastante amargos até. Se, por um lado, temos a vantagem de ser o primeiro, por outro temos uma responsabilidade acrescida, não só para com aqueles que nasceram depois de nós, mas sobretudo para com a família toda. Para o bem ou para o mal, somos o primogénito, e, nessa qualidade, é-nos exigido que sejamos um bom exemplo para o(s) mais novo(s), assim como um precioso auxiliar na educação do(s) mesmo(s).

Assim como ter um irmão ajuda a desenvolver a socialização, a empatia, o altruísmo e a compaixão, também despoleta, desde a mais tenra idade, a rivalidade e a competição. Quem tem irmãos conhece de cor e salteado o drama-nosso-de-toda-a-vida: quem é o mais inteligente, quem é o mais bonito, quem é o mais sociável, e por aí fora. Sobre quem é o preferido nem me atrevo a desenvolver, porque isso sim é motivo para um melodrama digno de uma novela mexicana.

De facto, ser o primogénito tem muito que se lhe diga, motivo pelo qual vou focar-me tão somente no lado B da questão, mais concretamente em seis qualidades únicas dos irmãos mais velhos, citados pela revista norte-americana Psychology Today. Se também fazes parte da primeira safra de descendentes, faz-me o favor de conferir se estas batem certo com a tua perceção.

1. Mais protetor
Uma pesquisa publicada, em 2007, no Journal of Child Psychology and Psychiatry mostra que bons relacionamentos entre irmãos traduzem-se no efeito protetor do mais velho para com o mais novo. Ao dar apoio aos seus irmãos menores, o filho mais velho assume uma função muito importante na família.

2. Mais intenso
Um estudo publicado em 2008 atesta que ao filho mais velho é imputada uma maior responsabilidade. As expetativas sobre ele são mais elevadas, pelo que os pais tendem a ser mais rigorosos e controladores. Precisamente por isso, apresenta uma maior probabilidade de conformar-se perante as adversidades.

3. Líder nato
O primogénito normalmente desempenha um papel natural de liderança em relação aos outros irmãos - afinal, é ele quem geralmente assume o comando na ausência dos pais. De acordo com a Harvard Business School, os filhos mais velhos têm uma maior facilidade em assumir papéis de liderança no contexto profissional.

4. Mais inteligente
De acordo com a ciência, os homens primogénitos possuem um QI médio de 2,3 pontos a mais que os seus irmãos. Um estudo realizado na Noruega, em 2007, a partir de uma amostra de 250 mil adultos, foi ainda mais radical ao dizer que, a cada novo filho, o 'ambiente intelectual' de uma família vai-se degradando.

5. Provavelmente, o 'bem-sucedido'
Não é uma regra, mas estatisticamente o irmão mais velho dá-se melhor na escola e está mais propenso a alcançar sucesso nos negócios. Um outro estudo mostrou que mesmo que o primogénito falhe de vez em quando, ainda assim os seus pais vão sempre considerá-lo como o mais bem-sucedido.

6. Grande influência nos mais novos
Por ser visto como líder, tudo o que o primogético fizer pode ser inconscientemente copiado pelos irmãos mais novos. O facto de ser bem-sucedido na vida, pode ter um efeito impulsionador, fazendo com que os irmãos também tentem alcançar um nível de sucesso semelhante.

Com esta primogénita aqui a fazer check em todos os pontos há pouco referidos, recebe aquele abraço amigo de sempre!

Autoria e outros dados (tags, etc)

3002779F-C0E4-4AE1-91FB-EB181602A5FF.jpeg

Viva!

A solteirice, a principal motivação por detrás da criação deste blog, é um assunto que aqui nunca se esgota, não fosse ela o tópico à volta da qual se justifica a sua existência, pertinência e preferência. Por falar nisso, já te falei das três surpreendentes vantagens associadas a esse estatuto amoroso? Se sim, toca a rever a lição; se não, eis uma boa oportunidade para atualizares a informação.

Como não me canso de referir (e exemplificar), estar desemparelhada acarreta inúmeros benefícios físicos e emocionais, ainda que quase sempre desmerecidos, muito por culpa desta sociedade madrasta para com as mulheres sem um homem do lado. Para hoje escolhi falar-te de três dos mais incontestáveis, mais não seja por terem sido validados pela ciência.

1. Mais saudáveis
A última publicação do American Time Use Survey indica que os solteiros têm maiores probabilidades de viverem mais tempo do que os emparelhados. Esta ideia é reforçada por outras investigações que comprovam que as mulheres solteiras tendem a fazer exercício durante mais tempo e que os homens celibatários tendem a ter um menor IMC (Índice de Massa Corporal). Para além disso, os descomprometidos pesam, em média, menos 2 kg do que os comprometidos.

2. Mais resilientes
Outras investigações indicam que as pessoas solteiras são mais bem-sucedidas quando se trata de superar lesões ou doenças, e igualmente menos propensas a ter problemas emocionais ou físicos, quando comparadas a pessoas casadas ou divorciadas. Um bom exemplo disso é a dos soldados americanos solteiros apresentarem menores probabilidades de stress pós-traumático quando feridos em combate.

3. Mais felizes
Um outro estudo aferiu que os solteiros têm maior propensão em assumir que a sua vida evoluiu. O tempo pessoal extra para explorarem quem são, aquilo que querem e o que lhes faz feliz justificam esta conclusão. Aliás, um dos estudos mais recentes sugere que as mulheres solteiras e sem filhos são o subgrupo mais feliz da população, como já aqui partilhei no post Mulheres solteiras e sem filhos vivem mais e melhor.

Single mine, retém esta informação, que ela há de ser-te útil naqueles momentos de sufoco emocional em que te indagam quando vais casar e/ou procriar. É só citares estas conclusões empíricas que o interrogatório cessará de imediato. Será? Tenho as minhas dúvidas, mas pode ser que te safes.

Aquele abraço amigo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_4745.jpgViva!

Os últimos posts giraram essencialmente à volta da minha pessoa, por isso é mais do que hora de mudar o foco e apontar os holofotes noutra direção. Assim, que tal aquecermos esta sexta-feira gélida, ainda que soalheira, com um artigo sobre sexualidade, tema picante o bastante para fazer corar as bochechas e acelerar a pulsação (e otras cositas más, se é que me entendes 😉).

É com este propósito que resgatei do meu arquivo digital um artigo publicado na Máxima, há mais de um ano e cujo tema, no mínimo intigrante, é de todo pertinente para o Sapo do Ano 2018 na categoria Sexualidade: o que o tamanho dos dedos tem a dizer sobre a nossa sexualidade.

Sobre isso, um estudo da Universidade de Essex atesta que as discípulas de Vénus (leia-se indivíduos do sexo feminino) com o dedo indicador mais comprido do que o anelar são, muito provavelmente, lésbicas ou bissexuais. Para tal conclusão contribuíram os dados apreendidos aquando da análise do comprimento dos dedos de 18 pares de gémeas idênticas, com orientações sexuais diferentes, em que, em média, as raparigas lésbicas ou bissexuais tinham o indicador e o anelar de tamanhos diferentes – mas apenas na mão esquerda.

Por forma a atestar a veracidade desta pesquisa, partilho uma fotografia da minha mão esquerda, onde é percetível que o meu dedo indicador não é mais comprido que o anelar. Logo, que fique registado por pixéis + caracteres que não sou lésbica, muito menos bissexual. Para aquelas almas encardidas que não se cansam de insinuar o contrário, eis a prova científica que tem faltado aos meus argumentos verbais.

Retomando o fio à meada, para os investigadores, ter o dedo indicador mais comprido do que o anelar é uma das características tipicamente masculinas, explicado pela quantidade de testosterona a que essas mulheres foram expostas no útero. Abro aqui um parêntesis para referir que já vários estudos indicaram que a sexualidade é determinada no útero, dependente da quantidade de hormonas masculinas a que o embrião é exposto. Assim, no caso dos homens, um dos dedos é maior do que o outro, mas nas mulheres o indicador e o anelar são, por norma, do mesmo tamanho.

Single mine, se a esta altura da leitura ainda não procedeste à comparação dos teus dedos indicador e anelar, a hora de o fazer é essa. Nem que seja, para validares (ou não) mais esta teoria empírica, que sabemos nós que é fidedigna, mas nem sempre infalível.

Desejos de um esplendoroso fim de semana e boas compras para o Natal. Um abraço amigo e até segunda!

Autoria e outros dados (tags, etc)

road-sign-63983_960_720.jpg

Viva!

Sou como S. Tomé; só creio no que vejo, no máximo no que ouço alguém próximo contar que viu. Por isso mesmo, e farta de estar constantemente a levar com frases feitas sem nenhum fundo de garantia empírico, vari o ciberespaço à procura de fundamentação científica para algumas questões que a sociedade nos impinge como factos e não convicções.

Assim, cumpre este artigo o doloroso dever de deitar por terra algumas crenças que correm de boca em boca, ultrapassam gerações, proliferam pelas redes sociais e assentam raízes no imaginário coletivo. 
Eis aqui uns quantos mitos que deves mandar às favas, uma vez que estão longe de estarem certificadas pela Dra. Ciência:

1 - Usamos apenas 10% do nosso cérebro
A ideia de que usamos apenas 10% do nosso cérebro nasceu há mais de um século e perdura até aos dias de hoje. Várias investigações têm demonstrado que nenhuma área do cérebro está completamente adormecida e que há funções fundamentais ativas em quase todas as zonas.

 
2 - Rapar o pelo faz com que ele cresça mais rápido e mais forte
Esta crença há muito que assombra aqueles que, como eu, não suportam pelos abaixo da linha dos olhos. Apesar do senso comum parecer ir de encontro a ela, a verdade é que estudos atestam que rapar não provoca o aparecimento de novos pelos nem engrossa os que já existem.

3 - Preocupações causam cabelos brancos
Desta máxima estava eu firmemente convencida até começar a escrever este artigo. O que não sabia é que as células responsáveis pela pigmentação são programadas geneticamente para deixarem de produzir o pigmento do cabelo a partir de uma certa idade, um processo que não é influenciado por um maior ou menor grau de stress na nossa vida.

4 – Não se arrancam cabelos brancos porque nascem mais
Por experiência própria sei que este mito não tem fundamento nenhum. Há vários anos que arranco os meus fios brancos e posso garantir que nascem exatamente o mesmo número de fios que se arranca. Isto porque cada fio cresce a partir de um folículo próprio, pelo que arrancar um não vai fazer com que nasçam dois no mesmo folículo.

5 - Ler com pouca luz dá cabo da vista
Quem nunca ouviu essa dos pais que vá agora para a caixa de comentários deixar o seu testemunho. A maioria dos oftalmologistas assegura que não existem provas de que ler com pouca luz danifique a visão. Os efeitos da fadiga ocular são temporários, pelo que é pouco provável que possam provocar danos permanentes.

6 - Tempo frio e húmido provoca constipação
Apesar de 80% das pessoas acreditarem nisso, não está provado que se apanha uma constipação por andar ao frio, apanhar chuva ou sair com o cabelo molhado para a rua. A constipação é causada pelo contacto com as secreções respiratórias de pessoas infetadas e também pela inalação de minúsculas gotas de saliva contaminadas e suspensas no ar quando alguém constipado espirra, tosse ou mesmo fala.
 
7 - Vitamina C previne gripe e constipação
Esta deve ser o maior de todos os mitos, pois até os profissionais de saúde nela creem. Estudos recentes demonstram que uma dose suplementar diária de vitamina C não produz efeitos relevantes na prevenção das constipações ou na redução da duração ou da gravidade das mesmas.

8 - Comer chocolate provoca borbulhas
Mais uma crença à qual eu subscrevi durante toda a minha vida. Hoje sei que não é o que comemos que potencia o aparecimento da acne, mas sim fatores como a hereditariedade e, até certo ponto, os cuidados de higiene com a pele. Resumindo e concluindo: o que leva ao surgimento das borbulhas é a obstrução dos poros com gordura ou bactérias e não a alimentação.

9 - Não se deve tomar banho depois de comer
Já todos ouvimos que depois de comer é preciso esperar algum tempo antes de se ir ao banho, sob pena de termos uma congestão. De facto esse perigo existe, mas só quando se refere a alguma atividade que requeira esforço, como nadar. Quer isso dizer que um simples banho ou duche com a água a temperaturas amenas não representa um risco acrescido.

10 - Antibióticos reduzem a eficácia da pílula
Do meu próprio médico de família ouvi eu que o antibiótico condiciona a eficácia da pílula. Contudo, não existe na literatura médica nada que comprove que os antibióticos comuns reduzam a eficácia da pílula, a não ser aquele que normalmente se usa contra a tuberculose.

11 - Precisamos beber oito copos de água por dia
Esta recomendação, mais do que batida, corresponde a uma meia verdade, já que não existe na literatura médica qualquer estudo que a sustente. Muita da água que o nosso organismo necessita está nos alimentos e nos outros líquidos que ingerimos. Cada organismo funciona segundo as suas próprias regras, daí que não se pode determinar uma dose exata para todos eles.

12 - Antitranspirantes provocam cancro da mama
Admito que quando tomei conhecimento deste alerta, que viralizou na rede há uns anos, passei a evitar os antitranspirantes. Ignorância e excesso de zelo, já que estudos realizados não encontraram qualquer associação entre o uso destes artigos e o cancro da mama.

13 - Não se deve comer muitos ovos
Não obstante conterem níveis de colesterol mais elevados do que outros alimentos, os ovos são uma das mais importantes fontes de proteínas. Portanto, é falso que não devamos comer mais de dois ou três por semana, pois o aumento do 'mau' colesterol (LDL) depende da alimentação no seu conjunto, do tabaco, do stress e de fatores genéticos.

14 - Café descafeinado não tem cafeína
Ao contrário do que se pensa, o descafeinado não é isento de cafeína. Uma chávena pequena de café tem cerca de 150 mg de cafeína, e um descafeinado, dependendo da marca e do lote, ainda pode ter entre 8 e 30 mg.

15 - Comida integral é mais saudável
Mesmo tomando conhecimento de que alguns produtos têm (para potenciar o sabor) mais gorduras trans, não concordo que a comida integral não seja mais saudável. Tem é que ser o rótulo e verificar todos os componentes do alimento. Uma coisa reconheço, o excesso de fibras presentes nos produtos integrais pode diminuir a capacidade de o intestino absorver as vitaminas. Daí que tenhamos que consumi-los com peso e medida.

16 - Não é possível engravidar durante o período
Apesar de pouco provável, não é impossível. Existem casos em que há uma possibilidade maior de a mulher ovular quando o período ainda decorre. Além disso, um espermatozóide pode permanecer durante uma semana no corpo de uma mulher, pelo que, mesmo tendo entrado durante o período, pode ainda sobreviver após o final deste.

Penso que este artigo deixou claro que muitas das crenças em que acreditamos estão longe de estarem comprovadas. A verdade por trás de muitas delas, que tomamos como dados adquiridos, não passam de reproduções amadoras do senso comum por parte de mentes que, em vez de questionarem a realidade das coisas, apenas as assimilam e reproduzem.

Por hoje é tudo que o dia já vai longo. Até à proxima!

Autoria e outros dados (tags, etc)

beach-14119_960_720.jpgViva!

Tinha lido algures que só há uma raça humana e que os cientistas tiveram um papel decisivo no que toca ao racismo. Dado que o assunto me interessa particularmente, não só por pertencer ao que "etiquetam" de raça negra – relegada à base da pirâmide da supremacia racial – mas sobretudo porque nunca consegui atinar com essa coisa de raça a, b ou c, parti à cata de informações mais detalhadas sobre o assunto.


Assim, durante as malfadadas férias (aquelas aquém das expectativas, lembras-te?), tive tempo de sobra para encetar várias pesquisas que acabaram por conduzir-me até Rui Diogo, especialista em biologia evolutiva e antropologia, que, durante uma conferência em Lisboa, defendeu que "biologicamente não há nenhuma raça humana" e que não existem raças negras ou brancas.

Se assim é, pergunto eu porque carga d'água está tão enraizada na humanidade esta distinção de raças? Pior ainda, com que direito se consideram umas superiores a outras? Segundo este especialista, a resposta encontra-se no estudo de primatas e da evolução, os quais foram usados ao longo da história para reforçar o preconceito e garantir a distinção de "raças humanas", legitimando a ideia de que há raças superiores e raças inferiores.

"Os seres humanos pertencem todos à mesma raça, mas ao longo dos séculos cientistas contribuíram deliberadamente para a ideia de que há várias raças e que a branca europeia é superior", esclareceu este professor associado da Faculdade de Medicina da Universidade de Howard e membro do Centro de Estudos Avançados de Paleobiologia dos Hominídeos da Universidade George Washington.

Biologicamente, é facto comprovado pela ciência, as diferenças de cor da pele devem-se a mudanças das funções genéticas herdadas (epigenéticas) relacionadas com o clima. "A cor da pele tem a ver com os raios ultravioleta, não é raça nem é genético", esclareceu o investigador português, acrescentando que é a ciência que explica que peles mais escuras existem onde há mais sol e as mais claras em países com pouco sol, precisamente para assim absorverem o pouco sol que existe.


O que acontece é que, ao longo de muitos anos, essa ciência, dos brancos, foi usada para colocar "o negro ao lado dos macacos" e o "branco europeu" como raça superior. Assim, "os preconceitos dos cientistas também influenciaram a ciência", frisou o investigador. "Seria reconhecer que os investigadores promoveram de forma ativa e baseados em agendas políticas o racismo durante centenas de anos", remata o autor de 14 livros científicos e a preparar um novo sobre racismo.

Disse quem sabe e aceita quem quer, tão simples quanto isso! Para mim, somos todos humanos, logo iguais, apenas com caraterísticas físicas (sendo a tonalidade da pele apenas uma delas) bem distintas umas das outras.

Por hoje é tudo. Despeço-me com aquele abraço amigo e desejos de um fim de semana (quase) tão escaldante quanto este calor que se faz sentir lá fora.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D