Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

19197053_cA0aI.jpegViva!

Ultimamente, como consequência da pandemia do Covid-19, muito se tem debatido a questão dos millennials, sobretudo do facto de, num curto espaço de tempo, enfrentarem uma nova crise nas suas vidas. A propósito disso, republico um dos best reading deste blog, um texto da Ruth Manus, publicado na Revista Pazes, que narra de forma nua, crua e acutilante a realidade de uma geração de profissionais bem-sucedidos, cuja vida gira à volta da carreira. Para ler e refletir!
-------------------------------------------------------------------------------------

E a juventude vai escoando entre os dedos.
Era uma vez uma geração que se achava muito livre.
Tinha pena dos avós, que casaram cedo e nunca viajaram para a Europa.
Tinha pena dos pais, que tiveram que dar o duro em empreguinhos ingratos e suar muitas camisas para pagar a renda, a escola e as viagens em família para pousadas no interior.
Tinha pena de todos os que não falavam inglês fluentemente.
Era uma vez uma geração que crescia quase bilíngue. Depois vinham noções de francês, italiano, espanhol, alemão, mandarim.
Frequentou as melhores escolas.
Entrou nas melhores faculdades.
Passou no processo seletivo dos melhores estágios.
Foram efetivados. Ficaram orgulhosos, com razão.
E veio pós, especialização, mestrado, MBA. Os diplomas foram subindo pelas paredes.
Era uma vez uma geração que aos 20 ganhava o que não precisava. Aos 25 ganhava o que os pais ganharam aos 45. Aos 30 ganhava o que os pais ganharam na vida toda. Aos 35 ganhava o que os pais nunca sonharam ganhar.
Ninguém os podia deter. A experiência crescia diariamente, a carreira era meteórica, a conta bancária estava cada dia mais bonita.
O problema era que o auge estava cada vez mais longe. A meta estava cada vez mais distante. Algo como o burro que persegue a cenoura ou o cão que corre atrás do próprio rabo.
O problema era uma nebulosa na qual já não se podia distinguir o que era meta, o que era sonho, o que era gana, o que era ambição, o que era ganância, o que necessário e o que era vício.
O dinheiro que estava na conta dava para muitas viagens. Dava para visitar aquele amigo querido que estava em Barcelona. Dava para realizar o sonho de conhecer a Tailândia. Dava para voar bem alto.
Mas, sabes como é, né? Prioridades. Acabavam sempre ficando ao invés de sempre ir.
Essa geração tentava convencer-se de que podia comprar saúde em caixinhas. Chegava a acreditar que uma hora de corrida podia mesmo compensar todo o dano que fazia diariamente ao próprio corpo.
Aos 20: ibuprofeno. Aos 25: omeprazol. Aos 30: rivotril. Aos 35: stent.
Uma estranha geração que tomava café para ficar acordada e comprimidos para dormir.
Oscilavam entre o sim e o não. Você dá conta? Sim. Cumpre o prazo? Sim. Chega mais cedo? Sim. Sai mais tarde? Sim. Quer se destacar na equipa? Sim.
Mas para a vida, costumava ser não:
Aos 20, eles não conseguiram estudar para as provas da faculdade porque o estágio demandava muito.
Aos 25, eles não foram morar fora porque havia uma perspectiva muito boa de promoção na empresa.
Aos 30, eles não foram no aniversário de um velho amigo porque ficaram até as 2 da manhã no escritório.
Aos 35, eles não viram o filho andar pela primeira vez. Quando chegavam, ele já tinha dormido, quando saíam ele não tinha acordado.
Às vezes, choravam no carro e, descuidadamente começavam a se perguntar se a vida dos pais e dos avós tinha sido mesmo tão má como parecia.
Por um instante, chegavam a pensar que talvez uma casinha pequena, um carro popular dividido entre o casal e férias num hotel quinta pudessem fazer algum sentido.
Mas não dava mais tempo. Já eram escravos do câmbio automático, do vinho francês, dos resorts, das imagens, das expetativas da empresa, dos olhares curiosos dos "amigos".
Era uma vez uma geração que se achava muito livre. Afinal tinha conhecimento, tinha poder, tinha os melhores cargos, tinha dinheiro.
Só não tinha controlo do próprio tempo.
Só não via que os dias estavam passando.
Só não percebia que a juventude estava escoando entre os dedos e que os bónus do final do ano não comprariam os anos de volta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Escravo-Trabalho-696x348.jpgEste artigo de janeiro tem tido tanta procura nestes últimos dias que decidi voltar a publicá-lo - só esta quarta-feira, 18 de maio, este meu (e nosso) blog registou 7098 visitas. Baseado num texto da Ruth Manus, publicado na Revista Pazes, o artigo A triste geração que virou escrava da própria carreira retrata de forma nua, crua e fiel a realidade atual da geração profissionais bem sucedidos.

E a juventude vai escoando entre os dedos.
Era uma vez uma geração que se achava muito livre.
Tinha pena dos avós, que casaram cedo e nunca viajaram para a Europa.
Tinha pena dos pais, que tiveram que dar o duro em empreguinhos ingratos e suar muitas camisas para pagar a renda, a escola e as viagens em família para pousadas no interior.
Tinha pena de todos os que não falavam inglês fluentemente.
Era uma vez uma geração que crescia quase bilíngue. Depois vinham noções de francês, italiano, espanhol, alemão, mandarim.
Frequentou as melhores escolas.
Entrou nas melhores faculdades.
Passou no processo seletivo dos melhores estágios.
Foram efetivados. Ficaram orgulhosos, com razão.
E veio pós, especialização, mestrado, MBA. Os diplomas foram subindo pelas paredes.
Era uma vez uma geração que aos 20 ganhava o que não precisava. Aos 25 ganhava o que os pais ganharam aos 45. Aos 30 ganhava o que os pais ganharam na vida toda. Aos 35 ganhava o que os pais nunca sonharam ganhar.
Ninguém os podia deter. A experiência crescia diariamente, a carreira era meteórica, a conta bancária estava cada dia mais bonita.
O problema era que o auge estava cada vez mais longe. A meta estava cada vez mais distante. Algo como o burro que persegue a cenoura ou o cão que corre atrás do próprio rabo.
O problema era uma nebulosa na qual já não se podia distinguir o que era meta, o que era sonho, o que era gana, o que era ambição, o que era ganância, o que necessário e o que era vício.
O dinheiro que estava na conta dava para muitas viagens. Dava para visitar aquele amigo querido que estava em Barcelona. Dava para realizar o sonho de conhecer a Tailândia. Dava para voar bem alto.
Mas, sabes como é, né? Prioridades. Acabavam sempre ficando ao invés de sempre ir.
Essa geração tentava convencer-se de que podia comprar saúde em caixinhas. Chegava a acreditar que uma hora de corrida podia mesmo compensar todo o dano que fazia diariamente ao próprio corpo.
Aos 20: ibuprofeno. Aos 25: omeprazol. Aos 30: rivotril. Aos 35: stent.
Uma estranha geração que tomava café para ficar acordada e comprimidos para dormir.
Oscilavam entre o sim e o não. Você dá conta? Sim. Cumpre o prazo? Sim. Chega mais cedo? Sim. Sai mais tarde? Sim. Quer se destacar na equipa? Sim.
Mas para a vida, costumava ser não:
Aos 20, eles não conseguiram estudar para as provas da faculdade porque o estágio demandava muito.
Aos 25, eles não foram morar fora porque havia uma perspectiva muito boa de promoção na empresa.
Aos 30, eles não foram no aniversário de um velho amigo porque ficaram até as 2 da manhã no escritório.
Aos 35, eles não viram o filho andar pela primeira vez. Quando chegavam, ele já tinha dormido, quando saíam ele não tinha acordado.
Às vezes, choravam no carro e, descuidadamente começavam a se perguntar se a vida dos pais e dos avós tinha sido mesmo tão má como parecia.
Por um instante, chegavam a pensar que talvez uma casinha pequena, um carro popular dividido entre o casal e férias num hotel quinta pudessem fazer algum sentido.
Mas não dava mais tempo. Já eram escravos do câmbio automático, do vinho francês, dos resorts, das imagens, das expetativas da empresa, dos olhares curiosos dos "amigos".
Era uma vez uma geração que se achava muito livre. Afinal tinha conhecimento, tinha poder, tinha os melhores cargos, tinha dinheiro.
Só não tinha controlo do próprio tempo.
Só não via que os dias estavam passando.
Só não percebia que a juventude estava escoando entre os dedos e que os bónus do final do ano não comprariam os anos de volta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

14
Abr16

3044475-poster-p-1-the-case-for-creating-a-re-ente

 

Solteira minha, espreita só este artigo do médico psquiatra Pedro Afonso, publicado por estes dias no Observador, sobre o imiscuir da vida profissional na vida privada. Não poderia deixar de partilhá-lo contigo, não só por concordar ipsis verbis com ele, mas porque esta é uma realidade cada vez mais banal e gritante.

 

Perante as acusações de capitalismo predatório e desumanizado, alimentado pela obsessão do lucro, muitas empresas responderam com algumas medidas, adotando voluntariamente comportamentos e ações destinadas a promover o bem-estar da coletividade. Estas medidas são conhecidas como "políticas de responsabilidade social". Todos recordamos alguns exemplos de campanhas de solidariedade e de angariação de verbas para instituições de solidariedade social, promovidas por empresas, principalmente em períodos como o Natal.

 

Mas existem outros problemas muito mais graves (porque nos afetam a todos) que surgem atualmente em muitas empresas, e que estão a transformar-se num verdadeiro desastre social. Refiro-me ao excesso de carga horária semanal e à invasão predatória da vida profissional na vida pessoal. Trabalhamos cada vez mais horas, e passou a ser um hábito levarmos trabalho para casa. Por outro lado, os meios de comunicação proporcionados pelas novas tecnologias, como o e-mail, o telemóvel, as mensagens escritas, etc., contribuem para que a vida profissional subjugue a nossa vida pessoal e familiar.

 

A falta de pudor e sentido ético tomou conta de muitas empresas, e já não se hesita marcar uma reunião para as 19 horas. Tornou-se um hábito telefonar, enviar e-mails ou mensagens escritas fora do horário de trabalho. Além disso, é cada vez mais frequente que o jantar familiar seja interrompido por um contato profissional. O serão, após o dia de trabalho, é muitas vezes utilizado para responder aos e-mails que ficaram pendentes durante o dia. As férias são frequentemente invadidas com contatos profissionais, porque se criou a ideia de que se tem de estar sempre contatável e disponível. Este servilismo profissional, transformou-se numa nova escravatura, que afeta todos os níveis de responsabilidade dentro das empresas.

 

A pressão é enorme e aquele que procura resistir, colocando barreiras a esta autêntica invasão da sua vida pessoal e familiar, é criticado pelos colegas e pelas chefias. Existe uma coação moral para que todos estejam sempre disponíveis para a empresa.

 

Atualmente, um dos grandes problemas é considerar que é “normal” trabalhar diariamente 10-12 horas. Esta ideia tem criado raízes em várias áreas de atividade profissional. Uma jovem mãe advogada que acompanhei, contrariando a regra do tempo de permanência no local de trabalho, procurava sair o mais tardar até às 19 horas do escritório para passar algum tempo com o filho mais pequeno, cuja hora de deitar era habitualmente pelas 21h30 horas. A jovem advogada era dedicada e competente, mas ousou quebrar com o status quo do horário das 12 horas diárias do grande escritório de advocacia onde trabalhava. Um dia foi chamada ao gabinete de um dos sócios. Foi-lhe dito que as saídas do trabalho àquela hora haviam sido notadas e estavam a gerar algum incómodo junto dos outros colegas. Ela replicou, alegando que tinha a mesma produtividade do que eles e que desejava, para além de trabalhar, de ver o seu filho crescer e desfrutar da sua presença. Reconhecendo a competência da sua jovem colaboradora, o sócio respondeu: "Tem razão, mas, para acabar com os falatórios, envie de vez em quando um e-mail aqui para o escritório, por volta das 10-11 horas; assim pelo menos dá a ideia de que continua a trabalhar a partir de casa".

 

A conciliação entre o trabalho e a família é uma das tarefas mais difíceis de alcançar para qualquer casal com filhos. A pressão da sociedade está cada vez mais do lado do trabalho, pois a nossa cultura valoriza muito mais o sucesso profissional do que o investimento feito na família. Embora sejam realidades diferentes o trabalho e a família não são incompatíveis; pelo contrário, são complementares. Uma boa satisfação no trabalho enriquece a vida familiar e vice-versa.

 

É tempo de pedir às empresas que contribuam para o bem-estar coletivo, contrariando este ambiente de pressão que conduz a um autêntico sequestro profissional. É tempo de todos começarmos a exigir que as empresas adotem normas éticas de responsabilidade familiar.

 

Moral da história: deve-se trabalhar para viver e não viver para trabalhar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

aab3cac1e.jpg

O artigo de hoje inspira-se em Jenny Marchal e nas suas dicas para aproveitarmos melhor os nossos 30 anos. Na opinião desta colaboradora do Lifehack, a partir dos 40 a retrospetiva torna-se uma coisa maravilhosa, já que se trata do momento em que pode-se olhar para trás e ver que foram precisamente os anos de juventude que fizeram com que a pessoa se tornasse naquilo que é.

 

Os 20 foram os anos que contribuíram para que descobríssemos o nosso lugar no mundo. É essencialmente a época da diversão. A família e a sociedade formatam-nos para acreditarmos que é aos 30 que as coisas começam a ganhar forma: encontramos a pessoa na qual nos devemos tornar e estabelecemo-nos na sociedade através das nossas carreiras, filhos e casamento.

 

Quer estejas prestes a entrar nos 30 ou, como eu, a caminhares a passos largos para os 40, a palavra de ordem é aprender com aqueles que sabem, através destas seis máximas:

1. Para de te preocupares com o facto de a tua vida não ser o que esperavas

Na ju­ven­tude acre­di­tamos que os nossos 30 serão a al­tura em que já te­remos per­ce­bido tudo. Te­remos a carreira, o ca­sa­mento, o bebé e tudo o mais que isso isso. Mas a vida nem sempre corre como planeado. A década do inta é uma al­tura que traz grande pressão so­cial para se ter todas estas coisas, pelo que, se (ainda) não as tivermos, tendemos a passar por uma sen­sação de fra­casso. Os "de­veres" - trabalho, casa, filhos, poupanças e por aí adiante - tendem a blo­quear-nos e a deixar-nos frustradas. Se for este o teu caso, então fica a saber que não estás so­zinha. O meu conselho é que não percas o teu tempo a pensar no que ainda não fizeste e que apenas desfrutes da vida. As coisas, a acontecerem, chegarão na al­tura certa.

 

2. Passa menos tempo a trabalhar

Durante esta década, a tendência é estarmos muito fo­cados na car­reira, uma vez que levam-nos a acreditar que, para sermos felizes e bem-sucedidos na vida, de­vemos tra­ba­lhar bas­tante e cro­no­me­trar essas horas. Muitas vezes passamos mais tempo dedicados ao tra­balho do que propriamente a viver. Se te revês nesta descrição, fica a saber que é altura de começares a per­ceber que os mo­mentos pre­ci­osos com aqueles de quem gostas são muito mais im­por­tantes do que estares sen­tada no es­cri­tório a ganhar di­nheiro.

 

3. Arrisca mais

A pressão que sen­timos quando tempos 30 anos faz com que nos tor­nemos excessivamente cau­te­losos em relação à tomada de de­ci­sões. Uma das re­fle­xões comum a quem já passou pela década é a de não se ter vivido um pouco mais. Viaja pelo mundo, corre atrás do em­prego dos teus sonhos ou faz bungee jum­ping! O que importa é não teres medo de abraçar novas e emocionantes opor­tu­ni­dades. Lá porque tens 30 anos, não significa que não possas fazer o que te apetece e faz feliz.

 

4. Investe mais tempo a cuidar de ti

Os há­bitos anti exercício e de má ali­men­tação que ten­demos a adotar quando somos mais novos po­derão persistir até aos 40, al­tura em que se torna mais di­fí­cil abrir mão delas. Além de termos que correr atrás do prejuízo, o nosso metabolismo releva-se bastante mais lento e a energia dos 20 uma saudosa lembrança. De modo a evitares isso, mais vale investires desde já numa ati­tude po­si­tiva, que en­volva exer­cício e ali­men­tação sau­dável. Acredita que o teu corpo agradecerá quando en­trares nos 40.

 

5. Passa mais tempo com os teus pais

Ten­demos a achar que os nossos pais es­tarão con­nosco para sempre, mas, assim que entramos nos 40, apercebemo-nos que os nossos pais estão a ficar (realmente) velhos. Nestas alturas, é comum sen­tirmos que de­víamos ter pas­sado mais tempo com eles e que talvez não tenhamos muito mais tempo para desfrutarmos da companhia deles. Dar um sim­ples pas­seio irá tornar-se mais di­fícil quando se tor­narem frágeis, por isso arranja mais tempo para con­versas, férias e ati­vi­dades que possam fazer em con­junto.

 

6. Para de pensar que estás velha

Chegar aos 30 po­derá ser um choque, já que co­meçamos a acre­ditar que en­tramos definitivamente na ve­lhice. Por sentirmos que éstamos a ficar "velhos", começamos a limitar-nos, para não dizer boicotar-nos. Bom, não é nada disso! A vida não mudou de forma tão sig­ni­fi­ca­tiva desde os nossos 20, pelo que ainda somos jovem. É hora de sairmos para a vida e agarrar as opor­tu­ni­dades com que nos deparamos. A men­ta­li­dade é poderosa, pelo que tudo o que precisamos é de uma mu­dança de pers­petiva para percebermos que a vida pode ser emoci­o­nante e vi­vida ao li­mite em qual­quer idade.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D