Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

selfie-gd197f3461_1920.jpg
Ora viva! ✌️ 

Aproximamo-nos a passos largos do Dia dos Namorados, uma das alturas do ano mais ingratas para os solteiros. Veneração ou aversão à parte, o facto é que o 14 de fevereiro a todos toca, mais não seja porque, um pouco por toda a parte, somos bombardeados com campanhas que enaltecem o culto do amor au pair.

A internet revolucionou – e de que maneira – a dinâmica dos relacionamentos amorosos, proporcionando oportunidades jamais possíveis de outra forma. Através dela, milhões de corações navegam em busca do amor. Conhecer alguém online é pera doce, não tem que saber. Conseguir com que isso resulte em algo mais, já é outra cantiga.

Para além de tempo, paciência, persistência, muito estômago e um otimismo à prova de fogo, a procura do amor - no real ou no virtual - pode tornar-se uma aventura mais prazerosa e bem-sucedida se tivermos em consideração estas cinco dicas do terapeuta familiar Shana B. Diskant:

1. Sê honesta contigo mesma
O que procuras realmente neste momento?

2. Estabelece os teus pontos inegociáveis
De certeza que tens traços de personalidade do pretendente dos quais não abres mão.

3. Marca o primeiro encontro rapidamente
Não desperdices tanta energia a trocar mensagens.

4, Planeia o que vais partilhar sobre ti
É importante seres honesta com o potencial parceiro.

5. Sê bondosa contigo mesma
É natural sentires frustração por não encontrares ninguém interessante.

Agora que a tua compincha aqui já cumpriu o seu papel de te por a par das melhores práticas amorosas, é hora dela ir ao banho que o dia já vai praticamente a meio e muito ainda há a fazer. Comer, por exemplo.

Beijo no ombro e até sexta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

15
Dez21

woman-g33cbe1226_1920.jpg
Ora viva! 👋

Nos últimos dias, a sociedade cabo-verdiana tem testemunhado a uma inquietante onda de homicídios, com a violência patente em cada um deles. Para além do estupro, e consequente assassinato, de uma menina de 13 anos, cujo corpo foi barbaramente largado num sítio ermo da ilha do Sal, registaram-se ainda dois crimes passionais: uma mulher que matou o companheiro à facada (também na ilha do Sal) e um homem que matou a tiro a companheira (na ilha de Santiago).

Quem me conhece minimamente sabe que não sou apologista de dar tempo de antena a acontecimentos nefastos ao bem-estar mental e emocional. A realidade é suficientemente dura para estar a dar protagonismo ao seu lado perverso. Contudo, volta e meia, abro uma exceção para falar de casos que me tocam particularmente, tamanha a sua relevância para a harmonia social, sobretudo quando põe em xeque a problemática do género.

É à luz desta contextualização que eis-me aqui a partilhar este poderoso desabafo da escritora e ativista social Natacha Magalhães, a propósito dos episódios acima mencionados.

Ontem uma mulher assassinou o marido com uma faca. Hoje um homem (agente policial) mata a esposa com tiros.

Vejo comentários do tipo "até quando?", "quantas mais terão que perder a vida?", "nossa sociedade está doente".

Não. Paremos com isso! Nem toda a sociedade está doente. Não somos todos assim.

O que se passa, nesses casos, é que pessoas estão em relações sem sentido, com medo de ficarem sozinhas ou para darem uma satisfação à sociedade, que aprova mulheres e homens casados (ainda que mal casados) do que solteiros e felizes. Há muita pressa, pouca paciência, muita irracionalidade. E é o que se vê. Quantas/os se submetem a relações infelizes, onde o parceiro não tem nada a ver com a parceira e vice-versa, mas o casal só lá permanece apenas porque um ou ambos não conseguem viver sós? Quantos estão em relações baseadas no sexo e não na amizade, cumplicidade e respeito? Quantas mulheres e homens precisam aprender a amar e respeitar a sua própria pessoa, ao ponto de sair da relação tóxica ou quando as coisas chegam a um ponto que claramente há sinais de desgraça eminente?

O que há nessa sociedade é muita falta de amor, incluindo amor-próprio. Muita falta de cuidar da alma, de cultivar a fé e os valores.

Há autoridade capaz de resolver isso? Não! Essa é a nossa responsabilidade, enquanto pais e educadores. Lá em casa, ensinar as meninas e os meninos a autoestima e auto-respeito, a respeitar o outro, a gerir emoções, a aceitar opiniões contrárias.

Mais amor. Amor-próprio. Amor ao próximo.

Despeço-me com aquele abraço amigo e votos de Boas Festas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

12
Nov21

3D8974DE-8670-4517-A7BB-91D0E4FDCE87.jpeg
Viva! 👋

De uma conversa com uma amiga de uma amiga surgiu a inspiração para esta crónica. Ontem, durante um papo de gajas, sobre gajos, veio à baila o termo 'Tinderella', que admito nunca antes ter ouvido. De acordo com a sua autora, uma brasileira que se assume - sem pudor nem bazófia - frequentadora assídua do Tinder, 'Tinderellas' são as mulheres que andam pela aplicação à procura de amor, mesmo sabendo que aquilo "é uma porcaria" (palavras da própria, com as quais concordo plenamente).

Para a Larissa (assim se chama ela), não devemos desistir do amor e se a alternativa viável é o Tinder que seja então o Tinder. Não é novidade para ti que eu também sou consumidora deste produto, ainda que com uma regularidade cada vez mais esporádica. Não gosto, nunca gostei e não me vejo a vir a gostar do Tinder. Tudo ali é demasiado hardcore para uma romântica da velha guarda como eu. 

Sentimentalismo à parte, o facto é que volta e meia lá dou uma espreitadela, apenas para limpar as vistas (ou não). 
Por exemplo, há pouco recebi a notificação de uma nova correspondência. Não resistindo à curiosidade, e já que estava a fazer tempo para arranjar as unhas, lá acedi à app, mas como o match não enviou mensagem, fui à minha vida.

Para mim, a parte pior deste tipo de "interação amorosa" prende-se com o facto de os pretendentes não tomarem a iniciativa de meter conversa e quando o fazem esta resume-se a monossílabos ou diálogos tão espaçados no tempo que a dinâmica da conversa, e o interesse, acaba por esvair-se no vazio da superficialidade do próprio conceito. Não há paciência!

Como não sou apreciadora de fast foda, não sinto que esteja a perder grande coisa. Já instalei e desinstalei a aplicação tantas vezes que mais vale deixá-la estar e encará-la como mero instrumento de pesquisa para o blog. Porque sentimento real e verdadeiro não estou a ver-me a encontrá-lo nessa aplicação, ainda que tenha conhecimento de umas quantas estórias que começaram por lá e tiveram um final feliz.

Na busca pelo amor, entre o real e o virtual, fico-me pelo primeiro. Nada como ver com os próprios olhos, ouvir a voz, sorrir, tocar, cheirar... Antes de terminar esta reflexão, quero confessar que estou de olho num rapaz lá do ginásio. Again! Ao menos, desta vez consegui reunir coragem suficiente para passar do "olá, tudo bem" da praxe e enceter uma conversação com algum conteúdo. Até tomei a iniciativa de o seguir no Instagram, vê lá tu. On va voir qu'est-ce que va se passer à l'avenir (vamos ver o que vai acontecer no futuro).

Beijo na vida e alegria nos próximos dias, que para a semana cá estarei para mais um papo amigo. Au revoir!

Autoria e outros dados (tags, etc)

couple-1779066_1920.jpgOra viva! ✌️ 

Porque existe vida para lá da solteirice, e porque convém lembrar que nem todos os meus leitores/seguidores são desemparelhados, hoje proponho falarmos de fatores que contribuem para que um relacionamento seja saudável, logo desejável. 

De acordo com o psicólogo Dr. Gary W. Lewandowski Jr., "embora resolver problemas seja uma forma de melhorar uma relação a longo prazo, é igualmente importante refletir sobre as boas qualidades de um parceiro e os aspetos positivos da relação". Num artigo para o Psychology Today, este perito em relações amorosas revela os principais pontos fortes de um relacionamento, que muitas vezes passam despercebidos, mas que devem ser trabalhados, em nome de uma relação feliz.


Meu bem, caso estejas numa relação ou em vias de estar, toma nota dos 10 alicerces de uma parceria amorosa que tendem a ser subestimados.

1. Podem ser genuínos
Cada um mostra o 'verdadeiro eu', sem ter medo de ser julgado.

2. São melhores amigos
Em muitos sentidos, o parceiro é o melhor amigo e vice-versa.

3. Sentem-se confortáveis e próximos
Não existem muros emocionais entre o casal, o qual aprendeu a confiar e a ter intimidade emocional, tornando os parceiros ainda mais próximos.

4. São mais parecidos do que diferentes
É claro que existem diferenças, mas, além desses pequenos contrastes, são parecidos em muitos aspetos.

5. Sentem que são uma equipa
Usar muito as palavras "nós" e "nosso" mostra que há um forte sentido de proximidade cognitiva, ou identidade compartilhada, no relacionamento.

6. A tua cara-metade torna-te uma pessoa melhor
Juntos, procuram experiências novas e interessantes que contribuam para um sentimento de autodesenvolvimento.

7. Partilham o poder
Geralmente, partilham a tomada de decisões, o poder e a influência no relacionamento.

8. São bons um para o outro
Estudos sugerem que, quando os parceiros têm personalidades agradáveis e emocionalmente estáveis, tendem a estar mais satisfeitos com a relação.

9. Existe confiança mútua
Ou seja, há a certeza de que a outra pessoa tem sempre os nossos melhores interesses em mente e estará ao nosso lado quando precisarmos dela.

10. Não têm problemas sérios
Não existem sinais de alerta como, por exemplo, desrespeito, infidelidades, ciúmes e violência (física e emocional).

Agora que já te pus a par das boas práticas amorosas, vou deixar-te, que muito trabalho tenho eu pela frente. Conta comigo na quarta para mais uma crónica amiga. Até lá, fica com aquele abraço de sempre!

Autoria e outros dados (tags, etc)

romance-4052807_1920.jpgOra viva! ✌️ 

Porque o amor pode acontecer a qualquer momento, mas sobretudo porque não desejo que passes por aquilo que eu contei na última live, trouxe-te uma lista com as questões-chaves que deves abordar num primeiro encontro, sob pena de acabares por ser tratada como uma mera "despeja-colhões", como foi o meu caso.

Estas perguntas, citadas pelo Psychology Today, foram elaboradas por Arthur Aron, psicólogo e investigador norte-americano, na intenção de ajudar as pessoas a conhecerem-se bem e rapidamente. Single mine, anota aí o que tens que perguntar (e responder) no teu próximo first date:

1. Se pudesses convidar qualquer pessoa, no mundo, para jantar em tua casa, quem escolherias?
2. Gostavas de ser famoso? De que forma?
3. Costumas ensaiar o que vais dizer, antes de fazeres um telefonema? Porquê?
4. Como seria um dia perfeito para ti?
5. Quando foi a última vez que cantaste sozinho? E para outra pessoa?
6. Se pudesses viver até aos 90 anos e reter ou a mente ou o corpo de uma pessoa de 30 anos, durante os últimos 60 anos da tua vida, qual escolherias?
7. Tens alguma suspeita de como irás morrer?
8. Nomeia três aspetos que tu e eu parecemos ter em comum.
9. O que é que, na tua vida, te faz sentir mais grato?
10. Se pudesses mudar alguma coisa na forma como foste criado, o que seria?
11. Em quatro minutos, diz-me a tua história de vida, com o máximo de detalhes possível.
12. Se amanhã pudesses acordar e ter ganho uma qualidade ou capacidade, o que seria?
13. Se uma bola de cristal pudesse dizer-te a verdade sobre ti, a tua vida, o futuro ou qualquer outra coisa, o que gostarias de saber?
14. Existe algo que sonhas fazer há muito tempo? Por que não o fizeste (ainda)?
15. Qual é o teu maior sucesso na vida?
16. O que é que mais valorizas numa amizade?
17. Qual é a tua memória mais querida?
18. Qual é a tua pior memória?
19. Se descobrisses que ias morrer no espaço de um ano, mudarias alguma coisa na forma como vives agora? Porquê?
20. O que é que a amizade significa para ti?
21. Qual é o papel do amor e da afetividade na tua vida?
22. Partilha cinco características positivas que consideras que eu possuo.
23. Quão próxima e calorosa é a tua família? Consideras que a tua infância foi mais feliz do que a da maioria das outras pessoas?
24. Como é o relacionamento com a tua mãe?
25. Faz três declarações verdadeiras, como se estivesses a falar com outra pessoa sobre nós os dois. Por exemplo, "ambos sentimos que…"
26. Termina a seguinte frase: "Gostava de ter alguém com quem pudesse partilhar …"
27. Se nos tornássemos amigos próximos, o que é que eu deveria saber sobre ti?
28. Diz ao teu potencial parceiro aquilo que mais gostas nele. Deve ser algo que normalmente não dirias a alguém que acabaste de conhecer.
29. Partilha um momento embaraçoso da tua vida.
30. Quando foi a última vez que choraste à frente de outra pessoa? E sozinho?
31. Diz algo que gostas na outra pessoa.
32. Para ti, há algum assunto com o qual não devamos brincar/gozar? O quê?
33. Se morresses hoje, sem possibilidade de comunicar com outras pessoas, o que mais lamentarias não ter dito a alguém? Por que é que ainda não lhes disseste?
34. A tua casa incendeia-se. Depois de salvares os teus entes queridos e animais de estimação, ainda tens tempo para voltares e salvar um item qualquer. O que seria? Porquê?
35. De todas as pessoas da tua família, qual delas cuja morte seria mais marcante para ti? Porquê?
36. Partilha um problema pessoal e pede conselhos à outra pessoa sobre como podes lidar com isso. Pede-lhe que te diga como é que pareces estar a sentir em relação ao problema.

Confesso que achei a lista demasiado extensa e algumas perguntas un tanto ou quanto invasivas, mas se quem entende do assunto considera que estas são capazes de ajudar um casal a apaixonar-se, quem sou eu para contestar? Afinal, de acordo com este investigador na área da psicologia social, "o que queremos do amor é sermos conhecidos, sermos vistos, sermos compreendidos".

Por isso, antes do teu próximo primeiro encontro com um pretendente, consulta a lista, escolhe as questões com as quais te identificas, responde a ti mesma e prepara-te para as colocares ao outro. Boa sorte e que o amor esteja contigo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Jul21

Saturday Single Spot (1).jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

eye-3339668_1920.jpgViva! 👋

A infidelidade - ou traição, se assim preferires - é, e sempre foi, um dos principais problemas das relações amorosas, sejam elas sacramentadas ou não. Existem vários tipos de traição, ainda que ela seja commumente associada ao sexo fora da relação.

Para hoje proponho então analisarmos os cinco tipos de traição que mais comprometem a felicidade conjugal:

Emocional
Este tipo de traição dá-se quando um dos parceiros partilha com outra(s) pessoas(s) detalhes da vida privada do casal ou quando cultiva sentimentos por outra pessoa, ainda que sem passar dos pensamentos aos atos.

Financeira
Mentir ou ocultar informações relativas à situação financeira configura traição, pois revela que se quebrou a confiança do parceiro, do qual se esconde o estado das finanças. De acordo com a experi|encia da terapeuta de casal, Isabel Soares dos Santos, é o tipo de traição mais difícil de perdoar.

Sexual
A mais banal de todas, em que um dos parceiros, ou até ambos, tiveram ou têm intimidade sexual com uma terceira pessoa. Há quem defenda que a traição emocional é mais grave do que a sexual, por implicar apenas desejo físico e não sentimentos.

Virtual
Este tipo de traição dá-se quando um dos parceiros procura “companhia” virtual, com a qual pode nunca chegar a ter contacto físico. O sexting (troca de mensagem de teor sexual) assume aqui um papel relevante, tendo sido o tipo de traição que mais cresceu com a pandemia, se acordo com esta reportagem da RTP.

Mental
Neste tipo de traição uma das partes está sempre a pensar que consegue algo melhor, um parceiro mais bonito, mais ousado, mais próspero e por aí adiante. A insatisfação com o relacionamento atual faz com que alimente a ideia de que sairá dela mal consiga algo melhor.

Que os casais tentam força para viverem afastados destes cinco inimigos, intrinsicamente ligados aos cinco tipos de traição acima descritos: a luxúria, a raiva, a avareza, o apego e o egoísmo, e que sejam felizes em todas as estações da vida.

Um beijo, um abraço e um sorriso!

Autoria e outros dados (tags, etc)

30
Jun21

goose-3265356_1920.jpgOra viva! ✌️ 

Já que estamos sintonizados na frequência do amor, nada mais plausível do que dar continuidade ao assunto, cuja primeira emissão foi para o ar esta segunda-feira com a live do Love for You Match dedicado ao tema traição. Na sequência disso, a outra mentora deste serviço de consultoria amorosa, a Isabel Soares dos Santos, levou ontem a cabo uma outra live, desta vez dedicada ao tema 'Voltar a acreditar no amor'. Para hoje proponho então falarmos de atitudes que minam as relações, ao ponto de acabar por destruí-las. 

Nenhum relacionamento é perfeito, disso estamos todos cientes. Contudo, existem umas quantas atitudes que, quando praticadas de forma reiterada, funcionam como uma sentença de morte da harmonia do casal. Nesse sentido, o psicólogo John Gottman, especialista em uniões, identifica quatro fatores como sendo aqueles que mais influenciam o (in)sucesso de uma relação. São eles:

Criticismo
Questionar frequentemente o caráter e a postura do outro fomenta um clima de animosidade entre o casal, o que se traduz em constantes discussões e acusações de parte a parte.

Desprezo 
Não há felicidade conjugal que consiga resistir por muito tempo à arrogância ou à indiferença. Este tipo de postura faz com que o outro se sinta desprezado, logo desvalorizado enquanto pessoa e enquanto parceiro.

Postura defensiva 
Está na defensiva quem evita constantemente as responsabilidades que uma relação amorosa implica. A falta de empenho de um dos envolvidos é apontada como um dos grandes causadores da ruptura do casal.

Ambiguidade 
Quando um dos parceiros recusa comprometer-se com assuntos inerentes a uma vida a dois, como, por exemplo, conta conjunta, crédito habitação, eventos familiares ou até mesmo apresentar aos amigos.

Importa salientar que é a frequência com que estes fatores se manifestam que determina o fracasso de uma relação, ou seja, quanto mais rotineiras pior para o casal. Para quem está numa dinâmica a dois este post deve ser encarado com uma chamada de atenção no sentido de evitar estes comportamentos e, caso existam, trabalhá-los de modo a (re)estabelecer a harmonia do casal.

Um beijo, um abraço e um sorriso!

Autoria e outros dados (tags, etc)

18
Jun21

background-2062206_1920.jpgViva! 💖

Parece que os meus seguidores (finalmente) decidiram-se a dar uma oportunidade ao amor. Após um mutismo ensurdecedor, eis que acordaram para a minha oferta de consultoria sentimental gratuita. Como num passe de mágica, começam a chover pedidos de ajuda, os quais vou materializando nos tais anúncios sentimentais que aqui tenho publicado.

Será efeito do verão, do desconfinamento ou tão simplesmente da solidão? Seja lá qual for o motivo por detrás deste despertar da consciência amorosa, o facto é que estou contente por ver que os corações solitários resolveram confiar em mim, ao ponto de saírem da sua zona de conforto. É como disse lá atrás: o amor só precisa de coração e os solteiros de uma oportunidade. E essa oportunidade, por ora, são os anúncios sentimentais.


Caso também andes à procura de amor, e estejas disposta a fazer algo nesse sentido, toma nota de que continuo disponível para dar-te uma mão amiga. Pode ser que não dê em nada, mas e se der? Pensa nisso!

Aquele abraço amigo e bom fim de semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)

09
Jun21

Merecemos amar e ser amados

por Sara Sarowsky

couple-560783_1280.jpgViva! ✌️ 

Conforme adiantado no post anterior, cá estou eu para dar-te conhecimento da minha última crónica no Balai Cabo Verde, desta feita dedicada ao amor, tema que nunca se esgota, tamanha a sua importância na nossa vida. Espero que gostes!

Hoje quero falar de amor. Não desse de que se ouve falar por tudo e por nada, instantâneo e efémero, mas daquele maior, verdadeiro o suficiente para durar toda uma vida. Para grande desconsolo meu, tenho que reconhecer que vivemos tempos que promovem relações efémeras, despoletadas num clique, dissolvidas num instante...

Nos dias de hoje, mais fácil do que entrar num relacionamento amoroso é dela sair. Fala-se de amor ao primeiro olhar e vira se lhe as costas ao primeiro desgosto. A culpa - se é que a podemos imputar a algo, ao invés de a alguém - parece residir na infinidade de alternativas disponíveis, em que, por cada parceiro que fica pelo caminho, abre-se uma dezena delas. E as aplicações de encontro, pensadas para solucionar um problema, mas acabando por criar outro ainda mais alarmante, parecem ter um papel incontornável na agudização deste cenário.

Perante a imensidão de opções que elas oferecem, poucos são os dispostos a apostar seriamente no romance. Como tal, esforçar-se para conhecer verdadeiramente alguém, investir numa relação, trabalhar a dinâmica do casal, não desistir à primeira dificuldade, batalhar pela felicidade a dois e aceitar que o amor demanda sacrifícios não é para todos. Daí que considere que esse amor maior que há pouco descrevi seja o novo el dorado da contemporaneidade; dele ouve-se falar o tempo todo e até se acredita que existe, mas somente uns poucos o conhecem realmente.

Ao longo destes seis anos de dedicação à solteirice, em momento algum conheci quem assuma não querer ser amado. Independente da dimensão da nossa veia romântica, estamos todos cientes de que amor faz toda a diferença. Desejo primeiro e último de qualquer humano, é ele que dá sentido à sua existência, que o faz querer ser melhor a cada dia, que dignifica o divino que nele habita. A questão é que nem todos são suficientemente corajosos para enfrentar a sua força, a sua dimensão, a sua grandiosidade. Contudo, quem for capaz de superar a turbulência de emoções que ele acarreta e se permitir ser vulnerável, facilmente chegará à conclusão de que não há sensação mais apaziguadora, mais compensadora, mais libertadora.

Amor verdadeiro é mais do que sexo escaldante, beijos apaixonados ou declarações inflamadas nas redes sociais. É partilhar sonhos, respeitar o outro acima de tudo, fazer da lealdade o maior aliado, abraçar um projeto a dois, ser genuinamente compreendido pelo outro, ter um verdadeiro amigo para conversar e um companheiro para ajudar a enfrentar as provas e as turbulências da vida. Amar e ser amado é a maior aventura da vida.

E todos nós merecemos experienciar um amor assim, nem que seja por uma única vez. Resta saber o que estamos dispostos a fazer por isso. Por estar ciente do enorme desafio que está a ser encontrar esse tipo de amor, coloco à disposição de qualquer pessoa que ainda mantém viva a chama da esperança os meus préstimos de consultora sentimental,. Para tal, basta entrar em contacto comigo, que tudo farei para ajudar. Que o amor esteja connosco e que a esperança esteja com todos os corações solitários.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D