Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que ainda não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!


16
Out20

image.aspx.jpg
Viva!

Era intenção desta publicação dar-te conhecimento do ranking mundial dos melhores (e piores) amantes. Contudo, a possível obrigatoriedade da instalação da aplicação Stayaway Covid, cuja proposta foi ontem entregue na Assembleia da República, com vista à sua aprovação, é-me de tal forma preocupante que resolvi, à última da hora, mudar o teor do seu conteúdo.

Estamos todos conscientes de que esta pandemia não está para brincadeiras e que, se mais e melhor não for feito, ela poderá assumir proporções catastróficas. Estamos igualmente cientes de que a hora de agir é agora, sob pena de se perder o controlo da situação. Estamos ainda cônscios de que tempos duros exigem medidas duras, medidas que raramente reúnem consenso geral.

Às autoridades competentes - no caso de Portugal, ao executivo liderado por António Costa, de quem sou simpatizante assumida - cabe o (ingrato) papel de decidir, determinar, gerir, controlar e, em última instância, fiscalizar e punir. Até agora nunca vi motivos para grandes celeumas, por mais que me possam custar algumas das medidas impostas, como o uso da máscara, por exemplo.

Bem diferente é a atual postura governamental de impor a obrigatoriedade da instalação da Stayaway Covid, uma aplicação para telemóvel, um objeto pessoal e intransmissível, adquirido com recursos próprios, sem qualquer comparticipação, ou dedução, de fundos públicos. Caro primeiro-ministro português, é com todo o respeito que lhe digo que essa sua intenção é autoritária, arbitrária e atentatória ao estado de direito democrático do qual tanto nos orgulhamos. Não queira esbater a linha que o separa de um estado de direito autoritário, peço-lhe. Já a história provou, por diversas vezes, que a governação pela ditadura nunca é boa ideia. Não há pandemia, por mais exigente que o seu combate possa ser, que justifique tal coisa.

Ainda que os 10,28 milhões de residentes em território português acedessem a instalar a dita app, acredita o governo que é desta forma que vai conseguir controlar ou interromper as cadeias de transmissão do novo coronavírus? A não ser que tenha sido identificada uma nova forma de contágio, é sabido que este transmite-se através do contacto humano direto e não do contacto virtual. Ter a Stayaway Covid instalada não é garantia de nada, até porque ela só é útil se estiver permanentemente ligada, ou seja, conectada à internet. Garante o governo que todos terão acesso à internet móvel, de modo a manter a aplicação sempre on? Garante o governo que todos manterão o telemóvel ligado o tempo todo, em todo o lado? Garante o governo que os aparelhos terão memória suficiente para a sua instalação? Garante o governo que o saber que se esteve próximo de alguém infetado não vai comprometer o estado psíquico-emocional dos portugueses, por si só bastante fragilizado pela própria pandemia?

Estas são apenas algumas das questões de caráter prático que convém serem ponderadas, a par das relacionadas com a sua implementação e fiscalização no terreno, assumidamente difícil para todos os stakeholders. As de foro jurídicas vou deixar para quem entende do assunto. Ainda que o direito não seja a minha área de formação e atuação, tenho conhecimento suficiente para acreditar que esta é uma medida que atenta contra a liberdade individual, salvaguadada pela Constituição portuguesa. Com esta proposta, o governo deixa claro que, desde que assim o entenda, a vontade pública deve prevalecer sobre a vontade privada. O que me leva a questionar até que ponto o interesse coletivo deverá impor-se ao interesse individual. Sem falar que se estaria a abrir um precendente que, no futuro, poderá revelar-se perigoso, tanto do ponto de vista da constitucionalidade como da privacidade.

Por hoje é tudo; voltarei na segunda com o tal artigo sobre os melhores provedores de orgasmo espalhados por esse mundo fora. Até lá, deixo-te com aquele abraço amigo e a recomendação de Staycool, Stayhappy e Stayway Covid (apenas por vontade própria e não por imposição legal).

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Imagem de perfil

De Ana a 17.10.2020 às 18:43

Olá....para mim a obrigatoriedade desta app é só estupido...
Imagem de perfil

De LegoLuna a 17.10.2020 às 19:07

Estupido é favor 😉
Imagem de perfil

De Lost a 18.10.2020 às 13:16

É uma aplicação que tem pouca utilidade.
A ideia até podia ser boa, mas na prática não é como idealizam.. O que torna estúpido, quererem que seja obrigatória.

Vou aguardar por esse artigo de segunda...
Imagem de perfil

De LegoLuna a 18.10.2020 às 13:31

Ui... olha a pressão 😊
Conta com isso, que falar fresco é bem mais prazeroso do que falar de política que raia a ditadura 😉

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.