Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


12651135_785360621596841_2091123779593047719_n.jpg

Viva!

 

Daqui a pouco vou uma festinha de aniversário. Trata-se da comemoração do segundo ano de vida da princesa Isabella, a benjamim do clã Santos, cujos laços de crioulidade, afeto e vizinhança dele faz uma espécie de família minha em segundo grau.

 

Salvo um caso ou outro, a presença de não procriadoras em eventos desta natureza constuma ser um tanto ou quanto constrangedora, para não dizer ingrata. Isto porque nestes eventos 90% de tudo o que acontece gira em torno da maternidade. As que, tal como eu, não podem falar na primeira pessoa acabam por se sentirem desintegradaa, às vezes umas autênticas alienígenas no meio de todas aquelas progenitoras babadas e rebentos mimados.

 

A antever o que me espera nas próximas horas, gostaria de partilhar contigo um texto da Catarina Fonseca sobre o drama social das mulheres que não têm filhos. Espreita só.

 

"Fui acordada dos meus sonhos pré-férias pela fúria de uma amiga. O que é que se passa? Ela estava mesmo exaltada: "Passa-se esta mania agora de que quem é solteiro e não tem filhos não precisa de programar a vida e fica para trás em tudo, pá! PKP!"

 

Fiquei a pensar que ela tinha razão: atualmente, parece que ter filhos é a única razão de viver.

 

Falei com outras amigas que não são mães e todas confirmaram: se não tens filhos, ninguém respeita o teu tempo. És uma egoísta. Não podes sair mais cedo nunca (para quê?), não podes marcar férias em agosto (porque quem tem miúdos precisa mais), não há nenhuma razão para não trabalhares até mais tarde ou ao fim de semana (afinal, não tens ninguém em casa a quem precises de ir aquecer douraditos ou dar banho ou obrigar a fazer os TPCs) e, basicamente, não tens vida que valha a pena ter em conta.

 

Mais do que isso, diz a Leonor, não tens família! "Porque em Portugal 'família' são só filhos. E se não tens filhos, qual é o teu papel na sociedade? És uma inútil, um peso, uma invisibilidade."

 

Claro que quem tem filhos queixa-se do contrário: de ser preterida em cargos de trabalho, e de muitas vezes os chefes não serem nada sensíveis à necessidade de levar os miúdos ao médico, ir à festa da escola ou sair mais cedo porque eles deram uma queda manhosa e é preciso levá-los ao hospital (e já se sabe que a quantidade de pais homens que assume estas tarefas continua mínima).

 

Mas desses males fala-se muito. É o famoso 'conciliar a maternidade com a profissão'. Fala-se pouco é de quem não tem 'nada' para 'conciliar' e portanto, acha o mundo, deve estar disponível para ser explorada até à 5ª casa.

 

Por acaso vou ser sincera: no sítio onde trabalho isso nunca me aconteceu. Nunca ninguém pôs em causa que eu quisesse férias em agosto ou que precisasse de sair mais cedo quando fosse mesmo mesmo preciso. Mas vejo isso acontecer diariamente, com outras mulheres e de várias maneiras: é aquele discurso do 'não tens filhos, sabes lá o que é estar cansada' ou 'não tens filhos, podes ir ao ginásio à vontade, que sorte’. As pessoas querem tudo nesta vida. Quer dizer, não tenho a alegria de ter filhos, e além disso, também não devia ter a alegria de ir ao ginásio ou ao cinema ou onde me apetecesse. Ou lá por não ter filhos não tenho também o direito de estar cansada sem entrar numa competição infantilóide de 'eu estou mais cansada do que tu'. Como se não houvesse infinitas maneiras de estar cansada, de amar alguém, de ter uma vida.

 

Depois há aquela tirada que está agora muito na moda: 'Até ter filhos, eu não sabia o que era amar'. Bolas, minha senhora, que vida triste e vazia que a senhora teve até ter filhos… A humanidade em geral e as mulheres em particular estavam bem arranjadas se só soubessem o que era o verdadeiro amor depois de terem filhos…

 

Escusado será dizer que mesmo para as nossas mães quem não tem filhos continuará eternamente com cinco anos. Enfim, quem tem filhos também, mas é ligeiramente mais respeitado, principalmente os homens. Não é que sejam mais respeitados intrínsecamente, mas como têm uma 'arma' que nós nunca teremos - as crianças - também têm infinitamente mais poder sobre avós e sogros.

 

Isto já para não falar em casos mais graves de heranças e desavenças: não tens filhos? Então para que é que precisas de dinheiro? Para que é que precisas de uma casa decente? Podes muito bem viver num moquifo. Para que é que precisas de uma parte igual à da tua irmã, afinal ela tem crianças e tu não.

 

Então e se me apetecer estoirar o meu dinheiro todo em sucessivas voltas ao mundo? Se quiser abrir uma escola no Zimbabué, não posso? Se quiser passar o resto dos meus dias no Reids enfrascada em champanhe, não posso? Além disso, como não tenho filhos também é normal que fique mais desamparada na velhice e precise de mais apoio, ou não?

 

Enfim. Como dizia a minha avó, cada um tem a sua cruz. Mas já ia sendo tempo de respeitarmos as pessoas pelo que elas são, e não por aquilo que têm. Incluindo os filhos."

 

É, solteira minha, o drama nosso da solteirice é um tema que nunca se esgota. Bom fim de semana, que eu vou é encher o bucho na festa infantil. Afinal, nestas ocasiões o que me salva são os carbohidratos!

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Imagem de perfil

De Margarida a 11.02.2018 às 13:23

Aproveita lá essa festinha! Afinal as crianças continuam a ser os melhores do Mundo e precisam de gente bem resolvida em quem se inspirar. Tenham elas filhos ou não :)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D