Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!


thought-catalog-23KdVfc395A-unsplash.jpg
Ora viva! ✌️

Na expectativa de que tenhas desfrutado de um ótimo fim de semana, quero propor-te uma reflexão sobre a quem beneficia mais a felicidade, o solteiro ou o casado. Eu sei que estou sempre a bater na mesma tecla, mas, enquanto desencardidora de mentes e ativista pela causa solteirice, não insistir é um luxo a que não posso dar-me. É como se diz, "água mole em pedra dura tanto bate até que fura"...

O mote para escrever sobre esta temática surgiu no sábado, ao longo da gravação do Ainda Solteiros. Durante a conversa com os meus convidados, o tema acabava sempre por vir à baila, não fosse o propósito do podcast refutar a ideia jurássica, porém, ainda vigente, de que solteirice rima com infelicidade.

O que pensam os meus convidados desta questão ficarás a conhecer ao longo dos próximos episódios, com um novo a ir para o ar já amanhã. Por ora, cumpre esta crónica o dever de te fornecer os elementos necessários para tirares as tuas próprias ilações e decidir, com base em estudos científicos, se ser solteiro é sinónimo de liberdade ou se estar casado é sinónimo de felicidade, sem esquecer que esta última depende de inúmeros factores, os quais podem ser atingidos estando solteiro ou não. 

Há estudos que indicam que o casamento aumenta a probabilidade de sobreviver a um AVC e diminuiu o risco de o voltar a sofrer, além de reduzir também os níveis de stress. Em contrapartida, o celibato apresenta uma série de benefícios tanto para a saúde física como para a mental.

Vejamos, pois, algumas delas. Segundo Bella DePaulo, psicoterapeuta norte-amerciana a quem citei nos posts "Solteirona", a palavra que mais estigmatiza a mulher solteira e Solteiros: o poder dos números, os celibatários tendem a ter relações sociais mais fortes. Portanto, duplamente equivocado está quem pensa que solteirice é sinónimo de solidão. Ainda esta manhã partilhei nas minhas redes sociais o post Sozinhos sim, solitários nunca, que ilustra exatamente isso. 

"Ser solteiro aumenta as interações sociais tanto dos homens como das mulheres" garantem as investigadoras norte-americanas Natalia Sarkisian e Naomi Gerstel, num estudo de 2015, que visou descobrir se ser solteiro ou casado influenciava as relações com a família, vizinhos e amigos.

E sabemos bem que as amizades ocupam o pódio na lista de coisas essenciais para se ser feliz. Pessoas que mantém contacto com 10 ou mais indivíduos são significativamente mais felizes do que as que não o fazem, indica um estudo publicado no British Medical Journal.

Por outro lado, os solteiros tendem a ter mais tempo para se dedicarem a si próprios. Um questionário feito a mais de 13 mil pessoas, com idades entre os 18 e os 64 anos, permitiu concluir que aqueles que nunca casaram praticavam exercício físico mais vezes por semana do que os casados ou divorciados.

Os que não estão em relacionamentos tendem igualmente a aproveitar da melhor forma o tempo que passam sozinhos. "Estar sozinho pode ser essencial para nos conhecermos melhor a nós próprios", refere Amy Morin, psicoterapeuta que acredita que passar tempo sozinho pode ajudar-nos a ser mais produtivos e a ter níveis mais elevados de criatividade e intimidade.

Como pudeste ler, benefícios de ser solteiro há, e de que maneira. Contudo, estar num relacionamento apresenta vantagens que os solteiros não usufruem. Os casados são felizes à sua maneira, e podem ser bem mais do que os solteiros se souberem encontrar a fórmula certa. Afinal, "a felicidade só é real, quando partilhada".

Podemos dizer que os solteiros são mais felizes do que os casados? Podemos! Mas não seria uma verdade absoluta, já que a felicidade é um estado de espírito que depende da nossa personalidade, da personalidade do outro e, sobretudo, da forma como encontramos o equilíbrio na relação. O facto é que nem a solteirice nem o emparelhamento trazem qualquer garantia de felicidade.

Por hoje é tudo. Regressarei amanhã, com mais um episódio do podcast, o primeiro em que vou conversar com um solteiro. Hasta!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D