Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!


28
Jan22

girl-g42f870fbe_1920.jpg
Viva! ✌️ 

Nesta última sexta-feira do primeiro mês do ano 2022 quero falar-te de um dos maiores flagelos da atualidade no que toca a relacionamentos amorosos: a violência. Para tal, inspirei-me na socióloga, ativista social, mentora do projeto Mon na Roda e da página Sem.tabus, Miriam Medina, que reuniu no livro Se causa dor, não é amor relatos de jovens que viveram um relacionamento abusivo.

Através de uma recolha que fez em todo o arquipélago de Cabo Verde, enquanto ministrava palestras sobre violência no namoro nas escolas secundárias, tendo tido a oportunidade de falar com mais de três mil jovens, Medina reteve uma dúzia de histórias, contadas na primeira pessoa, para dar corpo a um livro, que, nas palavras da própria, "pretende chamar a atenção da sociedade para essa problemática que está a afetar a sociedade cabo-verdiana".

Dado que este não é um fenómeno exclusivo à sociedade cabo-verdiana, pelo contrário, eis-me aqui a abordá-lo, com o intuito de proceder à sua exposição e consequente desmistificação. Porque é preciso falar, é preciso relatar, é preciso denunciar, é preciso educar, é preciso socializar, é preciso alertar, é preciso fazer algo. Caso contrário, estaremos a ser coniventes com algo que compromete claramente o bem-estar físico, emocional e psicológico de toda uma geração.

A violência é um comportamento inerente à condição humana e existe deste que o mundo é mundo. A violência na relação - ou doméstica como é comumente conhecida – é disso reflexo. Só que, nos dias de hoje, assume um protagonismo inédito e mediático, mais não seja porque os meios de denúncia e apoio à vítima são cada vez mais diversos e consistentes.

É ingénuo pensar que a violência baseada no género acontece apenas entre os adultos. Ela é também visível no seio dos jovens, com forte probabilidade de continuar na vida adulta, caso estes não consigam por termo a esses relacionamentos abusivos. Por estar bem ciente dessa realidade, Miriam Medina defende que é necessário ensinar os jovens a dizer "não", a valorizarem-se e a terem em conta que o amor é para ser vivido a dois e de forma saudável.

Após tomar conhecimento de tantas histórias, que considerou "graves", a autora assume que a violência no namoro é uma questão de saúde pública. Daí que lança um apelo às famílias no sentido de estarem mais presentes na vida dos jovens. A batalha contra este flagelo social só será possível quando a família, a sociedade e a escola se unirem numa frente única, considera Miriam.

Porque é que os miúdos, com uma vida inteira pela frente, submetem-se a este tipo de relacionamento abusivo, eis a pergunta que não nos cansamos de fazer. A explicação está numa "carência muito grande", que já vem do núcleo familiar, e estes, muitas vezes, para chamarem atenção acabam por se submeterem a um relacionamento abusivo, porque em dado momento vão ter o carinho que não encontram na família.

Meu bem, onde há amor, não há dor, não pode haver. Amor é para fazer feliz, não para causar sofrimento. Se causa dor, não é amor! Ponto final parágrafo travessão. E isso vale para miúdos e para graúdos, para Cabo Verde e para o resto do mundo.

Aquele abraço amigo de bom fim de semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D