Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


COELHODAPASCOA.jpg

Viva!

 

Acontecimentos excecionais justificam posts excecionais, daí que te escreva, excecionalmente, num dia de domingo. Muito tem-me acontecido nos últimos dias; e é precisamente esse muito, ou pelo menos parte dele, que faço questão de partilhar contigo, tamanho o seu impacto na minha vida, e neste blog, por certo.

 

Mudei! Mudei de casa, mudei de telefone, mudei de sentimento, mudei de vida, ao fim e ao cabo. Conheces aquela canção que é o génerico de uma série do canal 1, Bem-vindos a Beirais, se não me engano? Ela é uma fiel narrativa do estado de espírito que me tem assolado nos últimos tempos e que, volta e meia, aqui deixei transparecer. Algumas dessas batalhas que tenho vindo a travar culminam agora numa retumbante vitória, que, confesso, jamais pensei ser possível a esta altura da beligerância.

 

Mas a vida é assim mesmo: uma vezes mãe, outras madrasta e, por vezes, fada-madrinha. Para gaúdio meu, por estes dias ela resolveu vestir a terceira farda. Num passe de mágica, de modo inesperado, generoso e caprichoso até, ela tudo mudou, trazendo uma merecida e aclamada lufada de esperança à minha vida.

 

No último post, contei-te que estava de bagagem aviada para uma nova residência, mudança essa que se concretizou na manhã deste sábado. Entre incontáveis descidas de um 4º andar (sem elevador) e subidas para um 6º andar (com elevador), lá se fez a transição de código postal sem uma única baixa a registar. Acreditas que, mesmo sem caixas nem papel de jornal à volta, não se partiu uma só peça de louça? Sucesso absoluto, da exclusiva responsabilidade do corpo de intervenção que esteve envolvido em toda operação.

 

Sentada na cama – sequer me lembro da última vez que escrevi nestas circuntâncias – no conforto da minha suite master, a inspiração corre-me solta pelos neurónios. Pudera. Além de uma monumental varanda com vista para tudo e mais alguma coisa (diz quem aqui vive há muito que nos dias desanuviados é possível ver a olho nu a Serra da Arábida, vê lá tu!), este meu reino da Graceland é limitado à direta pelas terras do Marquês do Pombal e à esquerda pelas do Duque de Saldanha. É caso para se dizer: bendita sou eu entre a nobreza alfacinha.

 

Ainda que destituída de telefone e internet e cansada até à medula, não poderia sentir-me mais realizada. Na verdade, não me vem à memória a última vez que me senti assim, tão bem, tão em paz. Assim que me habituar ao barulho deste trânsito frenético e incessante, que não dá tréguas nem mesmo ao fim de semana, serei uma mulher ainda mais realizada.

 

Quem comigo convive sabe que há muito acalentava o desejo – que muitas vezes chegou a soar como uma fantasia, de tão inalcansável que parecia – de morar sozinha, ou pelo menos partilhar espaço somente com a Natalie, a minha companheira de casa, lutas, sonhos, projetos e, mais importante que tudo, filosofia de convivência habitacional.

 

Desde os tempos de estudante que venho partilhando casa. Já tive colegas de raças, nacionalidades, credos, formações e educações bem distintas. Aos 20 anos encarava a coisa como uma aventura. Aos 30, uma força das circunstâncias.  Aos 40, uma fatalidade, que estava a dar comigo em doida. Ainda que no último ano e meio não tenha havido dança de cama no Dona Estefânia 7, a verdade é que achava cada vez menos piada ao ter que partilhar o meu espaço com forasteiros, cuja presença me era imposta por um dos elementos.

 

Para além de me ver obrigada a abrir mão da minha privacidade, da minha rotina e do meu sossego, ou seja, da minha paz de espírito, a presença de pessoas estranhas à casa implicava a esta pobre criatura trabalho a dobrar. Ainda que sob acusação de excesso de asseio (quero lá saber, antes isso do que ser porca), uma habitação limpinha e organizada é algo do qual nunca consegui abrir mão. Por trabalhar em casa, é nela que passo a maior parte do meu dia, em primeira instância, e da minha vida, em última. Diz-me lá se é um absurdo tão grande que faça questão que esse espaço esteja sempre impecável?

 

Xiiiiiii, a crónica já vai no parágrafo 7 – eu disse que a inspiração corria solta, não disse – e tanto mais há para dizer. Queria falar de como esta mudança calhou numa altura deveras auspiciosa, já que a Páscoa (a celebração mais importante para a comunidade católica) está associada à ressureição, que é com quem diz à vida depois da morte. Exatamente o que esta mudança representa para mim. E para a Natalie, acredito.

 

Pelos vistos, vai ter que ficar para a próxima, assim como para a próxima vai ficar a imagem da vista da minha varanda. Agora vou aí ao vizinho ver se lhe consigo cravar 10 minutos de internet, tempo suficiente para te fazer chegar este post.

 

Despeço-me com um abraço mais amigo do que o costume e desejos de que a tua Páscoa seja tão abençoada quanto esta nova fase que ora se inicia para esta ainda solteira que tanto bem que quer.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D