Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!


15
Nov21

woman-gca35cc740_1920.jpg
Viva! ✌️ 

O fim de semana teve o sabor de tempos idos, onde a paródia - música, dança, convívio e palhaçada - governava com maioria absoluta. A sabura (diversão) arrancou ainda na quinta-feira, com um concerto de música brasileira no adro da igreja de Santos-o-Velho. No dia seguinte, foi a vez de assistir ao concerto dos 25 anos de carreira da minha conterrânea Lura, que soube levar o Coliseu dos Recreios ao delírio, numa performance digna de uma diva.


Após o espetáculo, já o dia tinha trocado e com o estômago a refilar, dei comigo a visitar - pela primeira vez - o icónico Galeto para um prego no pão tardio (ou devo dizer, matutino), tal como nos tempos da faculdade. Uma vez saciada a fome, ainda houve tempo e genica para uma ida até ao B.Leza para aquele pezinho de dança que tão bem faz à alma.

A noite de sexta-feira foi de tal ordem intensa, que não fui capaz de reunir energia suficiente para ir ao ginásio, o meu ritual sagrado de todo sábado. Por isso, acabei no sofá a treinar para a maratona de filmes, naquela que é uma das minhas modalidades favoritas quando se trata de lazer. O grand finale do fim de semana deu-se ontem com o espetáculo de outra conterrânea, a Nancy Vieira, criola de voz doce, sorriso franco e coração generoso, que encantou os presentes no Museu do Oriente com uma atuação fenomenal.

Circunstâncias à parte, socializar é deveras importante para o bem-estar psíquico e emocional do ser humano. Estar com amigos, rever conhecidos e/ou travar conhecimento com estranhos é uma ótima forma de sentirmos que fazemos parte de um todo, que pertencemos a algo. Nestas últimas semanas, tive mais vida social do que nos últimos anos e nem posso imputar a totalidade da culpa à pandemia, pois antes dela chegar já a minha vida social andava em coma induzido. 

Neste mês do meu aniversário tem abundado motivos para celebrar. Posso dizer que se trata de um auspicioso indício do que será a entrada nos 4.4., o qual marcará o início de um novo ciclo na minha existência. Meu bem, espero que esta partilha te ajude a ver, com olhos de ver, que não precisamos de muito para ser feliz. Pré-disposição, boa vontade e companhia certa costumam ser quanto baste.

Despeço-me com o lembrete de que felicidade é um estado de espírito que devemos cultivar todo o santo dia, sob pena de não desfrutarmos do melhor da vida. 
Aquele abraço amigo e até quarta!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D