Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!


26
Jan19

Licença de namoro. Vai uma?

por Sara Sarowsky

5pz77xqe1jxf8fzyi1n0p481a.jpg

Viva!

 

As primeiras linhas desta crónica tinham como alvo aqueles a quem batizei de “amigos acessórios”, uma categoria de camaradas que enfeitam a nossa vida que é uma beleza, dando-nos a falsa sensação de são pau para toda a obra. Sabes aqueles amigos que ficam sempre bem nas fotos de grupo, que nos bombardeiam com juras de amizade eterna nas redes sociais, que estão sempre disponíveis para a paródia, mas que na hora do aperto simplesmente viram fumaça?

 

É precisamente deles que te queria falar hoje. Só que aí vi uma notícia que considerei bem mais atinada com este sábado soalheiro que se faz na capital tuga: licença de namoro.

 

Segundo o jornal South China Morning Post, algumas empresas do país mais populoso do mundo estão a conceder uma dispensa especial às trabalhadoras do sexo feminino em idade reprodutiva, de modo que passem a ter (mais) tempo para "confraternizarem" (digamos assim) com o sexo oposto.

 

Aquilo que eles chamam de "licença de namoro” ou "licença amorosa" na teoria serve para as mandarinas desemparelhadas terem mais tempo para encontrarem o amor. Contudo, na prática esta oferta, aparentemente generosa, serve o flagrante propósito de garantir que as celibatárias tratem de cumprir o papel para o qual a família e a sociedade as formatou: garantir a preservação da espécie.

 

Num país em que desemparelhadas são descaradamente estigmatizadas – as com mais de 20 anos são frequentemente associadas ao termo pejorativo "sheng nu" (mulheres que sobram) – a solteirice é uma realidade cada vez mais corriqueira, à medida que mais mulheres decidem se investir nas carreiras ou optam por permanecer solteiras, pelo simples facto de não estarem dispostas a contentar-se com o primeiro par de calças que lhes acene com um anel.

 

Só que as pressões para que se casem e procriem não esmorecem. Pelo contrário! O governo já se assumiu seriamente inquieto com o envelhecimento da população e a consequente redução da força laboral.

 

Pelo que se conseguiu apurar, a tal licença de namoro até foi bem acolhida entre o seu público-alvo. Pudera, quem não aceitaria de bom grado mais days-off? Só que elas já não são assim tão tapadas para não se aperceberem que tudo não passa de (mais) um esforço para as pressionar, em especial as mais instruídas, a constituir família.

 

Será que este incentivo ao amor vai render os frutos desejados por aqueles que a promovem? Só o tempo o dirá. Convém é ter em atenção que nós as mulheres (inclusive, as chinesas) temos cada vez menos pressa em casar ou ter filhos.

 

Beijo no ombro e aproveita este sábado para tirares a tua licença amorosa. Quem sabe…

Autoria e outros dados (tags, etc)


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Cappuccino a 26.01.2019 às 16:21

Só mesmo na China:-)
Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 26.01.2019 às 16:44

Pena que eu já não esteja contemplada para a "licença amorosa", já não posso ter filhos, já contribuí com 3. Mas, acho que vou fazer de conta que posso....
Imagem de perfil

De Sara Sarowsky a 26.01.2019 às 18:33

E já faz muito
Sem imagem de perfil

De Urso a 26.01.2019 às 17:29

Sob ponto de vista das necessidades de rejuvenescimento da população eu precebo a medida porque de facto os países desenvolvidos e o mundo em geral está a envelhecer e isso é de facto perigoso para todos nós, no entanto e não obstante esta realidade forçar uma mulher ou um ho em a casar ou ter uma relação amorosa ou até a ter filhos para serem aceites não resolve os problemas pode até criar outros problemas
Sem imagem de perfil

De Eurico a 27.01.2019 às 11:24

Depois do comentário divertido que fiz no insta, agora apetece-me redigir um sério.
Por vezes o feitiço volta-se contra o feiticeiro.
Aquelas crianças que foram mortas antes de serem concebidas, as outras que foram assassinadas sem serem gente efetiva porque estavam a tomar forma e as últimas que apesar de serem de carne e osso como qualquer um de nós, não tiveram melhor destino.
Todas as vidas ceifadas, sem qualquer pudor ou complacência simplesmente porque não haveria comer e beber para elas num futuro que ainda não era presente, já estão a fazer falta.
Não só vão ser lamentadas como serão desejadas.
Conclusão: Temos que pensar antes de agirmos porque "nunca se sabe o que a maré pode trazer".
Imagem de perfil

De Sara Sarowsky a 27.01.2019 às 12:10

Excelente análise da questão da natalidade naquele país, onde até apenas uns ânimos reinava a política do filho único, de preferência varão.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D