Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


naom_5ad4e4ffc2986.jpg

Viva!

 

Farta de levar com palpites alheios, mudei o discurso em relação ao meu estatuto amoroso-sexual. Antes, quando questionada porque não tenho ninguém, apelava a uma série de argumentos, todos eles lógicos e politicamente corretos, contudo facilmente refutáveis pelas mentes mais persistentes, e inconvenientes, diga-se de passagem. Quase sempre, familiares mais velhos e amigos próximos que se sentem no direito de dissecar a minha vida amorosa.

 

Nessas ocasiões, os meus argumentos – quando ficar calada ou desconversar não era opção – não fugiam muito ao repertório da praxe: porque acreditava num amor maior; porque não queria acabar largada e com filho(s) para criar sozinha (como a esmagadora maioria das mulheres que conheço); porque não era um bom momento; porque o amor não era prioridade; porque ainda estava traumatizada com a última relação; porque não queria estar com alguém só por estar; porque tinha medo de me entregar novamente e sair magoada; porque tinha deixado de acreditar no amor; porque gostava de ser leve, livre e solta; porque estava habituada à solteirice; porque não queria levar com os cornos; porque isto; porque aquilo; porque aqueleoutro.

 

E assim tem sido a minha vida de desemparelhada nos últimos anos. Aliás, foi precisamente esse cenário que despoletou a criação do Ainda Solteira. Com o blog ao menos teria um espaço onde poderia assumir a minha solteirice sem sentir que estava a desonrar as convenções sociais. Agora, ao atingir as quatro décadas de vida, estou-me lixando ainda mais para a opinião alheia, inclusive daqueles a quem devo algum respeito e satisfação, como os parentes mais próximos.

 

O chorrilho de contra argumentos com que costumo levar a seguir é digna de registo, de tão inabaláveis que são: porque o meu prazo de validade para procriar vai-se esgotando no passar dos anos; porque mulher sem homem é como sapato sem meia; porque é um desperdício alguém com tantos predicados estar sozinha; porque todas conseguem; porque os meus irmãos mais novos já cumpriram o seu papel na sociedade; porque quando ficar velha não terei ninguém para cuidade de mim; porque "os outros" podem pensar que tenho uma relação clandestina (com algum homem casado ou, pior ainda, com outro alguém do mesmo sexo); e por aí fora.

 

Por mais que se tente, não há volta a dar à coisa: volta e meia, leva-se com este tipo de cenas. E a não ser que sejamos estúpidos ou indelicados, convém ser criativo nas justificações. Ainda ontem, assisti a mais um episódio da saga Porque Estás Solteira. Só que aí saiu-me uma resposta que até eu tive que tirar (mentalmente) o chapéu à minha adorável pessoa. Ei-la: "A esta altura do campeonato, ter um homem na minha vida depende unica e exclusivamente da beleza dele. Se a beleza for física, como e vou à minha vida. Se a beleza for monetária, como e faço a minha vida". Havias de ver a cara da fulana. Até eu tive uma nesguinha de pena dela.

 

Perante o meu despudor em assumir-me como uma libertina assanhada ou uma mercenária descarada (dependendo para que lado pendia a beleza do macho alfa), a minha situação amorosa deixou de ser tema do seu interesse. Ficou claro que para ela, pior do que eu estar sem par, é conviver com a ideia de que a pessoa ao seu lado (neste caso, eu) deixou-se corromper pela libido ou pelo materialismo.

 

Por ter constatado que a minha resposta acertou na muche, fica lacrado que, a partir desta data, esta solteira aqui só quer saber de homens com muita beleza. Fica a saber quem não tem um físico espetacular ou uma conta bancária recheada que nem vale a pena estar a nutrir pretensões para com a minha pessoa, pois não terá a mínima chance. Agora já não há cá essa estória de amor. Dos homens eu só quero a beleza. E tenho dito!

 

E com esta me despeço com um até à próxima!

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De eurico a 24.04.2018 às 01:34

ATÉ QUE ENFIM!!!
Desculpa lá, estava a ver que não acordavas!!!
E por que não ter tudo?
É querer o impossível?
Nã!!
As mentes inúteis e decadentes é que não conseguem ver que o possível está SIMPLESMENTE ao lado do impossível.
É só um passinho apenas!!!
Muitos parabéns!!!
Imagem de perfil

De C.S. a 24.04.2018 às 08:07

Não compreendo porque razão os outros acham que sabem sempre o que é melhor para a nossa vida do que nós próprios...
O que importa é que te sintas bem.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D