Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


23316629_10214838934833971_8485026778328444166_n.j

Viva!

 

Era minha intenção escrever-te sobre o amor – não um amor qualquer mas um amor maior – só que aconteceu algo que me fez mudar a direção desta crónica. Algo que me permito partilhar contigo, como forma de trazer a debate mais um episódio de seguidores que pressupõem que lá porque tenho um blog chamado Ainda Solteira, sou uma desesperada à mercê de qualquer macho que se digne considerar-me uma opção à altura do nome.

 

Salvaguardando os pormenores mais pessoais (não que o fulano em si seja merecedor de tal consideração, mas tão somente pela postura minha de não expor intimidades alheias), convém fazer-te uma pequena contextualização de mais este lamentável episódio na minha vida de blogger.

 

Antes de ontem, a propósito do artigo Ser sexy é isto, um leitor enviou-me uma mensagem por email, que em nada fazia prever o desfecho que daqui a pouco vais ficar a saber. Na maior inocência, respondi-lhe com a agradabilidade da praxe, tendo inclusive elogiado a sua forma de se expressar. Ao que parece, o senhor encarou esta minha reação como uma luz verde para avançar, sem atentar-se aos sinais de cedência de passagem e stop (não ia perder esta oportunidade de te mostrar o quão aplicada ando em matéria de código da estrada). Às onze e tal da noite de ontem, manda-me um novo email, que me deixou de tal forma encucada que achei por bem não respoder. Não satisfeito com o meu desprezo digital, a pessoa em questão bombordeia-me com um novo email, em estilo caderno do Expresso de tão extenso, desta vez às 05:01 da manhã (sim, leste bem), a dizer coisas que nem vale a pena estar para aqui a replicar, mas que pela minha resposta – sim, porque desta vez não podia deixar de lhe responder – vais acabar por perceber. É precisamente o conteúdo da minha resposta que passo a transcrever:

 

Bom dia,

Não era minha intenção responder ao seu email de ontem, mas dado que enviou outro – ainda mais perturbador – vejo-me impelida a reagir, mais não seja para esclarecer alguns pontos, que me parece que sejam a causa do equívoco percetível nos seus dois emails.

Não sei o que leu, nem o quanto leu do meu blog, razão pela qual vejo-me impelida a dizer-lhe que, lá pela minha escrita incidir muito sobre o amor, isso não quer dizer que ande à procura dele de lanterna na mão.

Com isso quero dizer que não estou desesperada à procura de um macho, muito menos um que me parece um tanto ou quanto perturbado, permita que lhe diga.

A meu ver, três motivos levam uma pessoa a escrever a um desconhecido às cinco da manhã: um amor shakesperiano, uma alma atormentada ou carência em demasia. Dado que a primeira opção não se cogita, já que não me conhece de lado nenhum para nutrir todo esse sentimento, só me resta considerar as opções B e C. E nenhuma delas abona a seu favor, digo-lhe já!

Pelo que partilhou, tem passado por momentos complicados, o que me faz pensar que um amor poderia ajudar-lhe a ver a vida com mais cor.

Estou certa?

Todos queremos amor, tenha-se ou não a honestidade de reconhecer isso, e eu não sou exceção. Só que não quero um amor qualquer, um amor vindo de um completo estranho que, por se sentir carente e a ultrapassar uma fase difícil na vida, vê nessa minha disponibilidade um convite à entrada dele na minha vida.

Não senhor!

Eu quero um amor maior. E coincidentemente, a crónica de hoje é precisamente sobre isso. Só que estou a repensar o tema, não vá o (...) achar que estou a escrever para si, como aconteceu com a publicação anterior.

Não, não mencionei o meu nome no post como um recado para si. Portanto, é infundada e até presunçosa essa sua suposição.

Um comentário seu num post meu não lhe confere importância suficiente para que eu direcione a minha escrita para a sua pessoa.

Quando lhe disse que "acabou de ser sexy" estava a ser simpática, ao mesmo tempo que fazia conexão com o post que originou a troca de mensagens. Apenas isso, sem nenhuma outra intenção. Não foi nenhuma manifestação de interesse, muito menos uma declaração de amor.
Parece que esta minha atitude teve outra leitura da sua parte. O que lamento.

Apesar da sua forma tocante de descrever o que lhe vai na cabeça, no coração e na alma, e abordar temas convergentes com a linha editorial do meu blog, o seu discurso é descoordenado, como se estivesse demasiado ansioso para conseguir transmitir tudo o que deseja e tivesse medo de esquecer algo pelo caminho. A vida me ensinou que a ansiedade nunca é boa aliada.

Mesmo depois de uma segunda leitura, há coisas que me continuam a passar ao lado, por mais que tente entender, o que reforça a minha ideia de que a sua alma está atormentada. Quem sabe, dormir mais horas não lhe amenize isso. Ainda que corra o risco de parecer inconveniente, atrevo-me a dizer-lhe que pouco sono pode ser a causa desse seu estado de espírito.

Referir-se a si mesmo como "branquela" pôs-me a pensar sobre o motivo que o levaria a desconsiderar-se tanto ao ponto de usar uma palavra tão infeliz, com uma conotação claramente pejorativa. Que eu me lembre nunca usei este termo nas minhas escritas, mesmo nas ocasiões em que me referi às diferenças raciais.
Para mim "branquela" é o mesmo que "preto", termos racistas com as quais não me identifico de todo.

O que quer dizer com "sobretudo porque é uma situação repentina e poderá, de alguma forma, ir de encontro ao que pretendes. Curiosamente ou não também é o que gostava para mim." E com "Sei bem o que quero e não aturo merdas de ninguém. Não me interessa quem for nem quantos forem e se alguém acabar mal garanto que não vou ser eu"?

Mesmo sem entender patavina destas duas passagens, ao lê-las só consegui pensar. "Creepy".

Depois, diz coisas deveras pertinentes, bonitas até, com os quais me identifico, para voltar a perder-se nesse seu pensamento incoerente. Como por exemplo: "Agora, afirmar que sempre vens ao meu pensamento o meu corpo inunda-se por um je ne sais quois de plaisir, isso é realmente amor".

Tenho por regra ser o mais agradável possível com os meus seguidores/leitores, tentando arranjar tempo e disposição para lhes endereçar uma palavra amiga sempre que necessário.

Contudo, há limites que faço questão de não ultrapassar.

E mensagens como a sua é uma dessas coisas que me fazem recuar logo dois passos e dar por encerrado o contacto sem mais delongas.

Na expectativa de que não se sinta ofendido com tudo o que lhe escrevi, desejo-lhe tudo de bom e espero que encontre esse amor que acabou de descrever.

Fique bem.

 

A resposta dele? Insultos velados, acusando-me de não ser verdadeira, de ser uma ignorante que não deve saber quem é Sócrates (o filósofo, não o político) e por aí fora. A minha contraresposta? Um desprezo ainda mais ensurdecedor!

 

Tem dias que a vida desta ainda solteira não é pera doce. Volta e meia, levo com cada caramelo. E ainda admiram porque permaneço desemparelhada. Noite feliz e até à próxima!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D