Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!


617011_436488216389315_142272784_o.jpg

Viva!

 

Com um fim de semana extenuante nas costas, que soube a tudo menos a descanso – já que laborei o dia todo de sábado e no domingo estive na homenagem fúnebre à minha avó – eis-me aqui com uma crónica inspirada numa expressão que ouvi há dias da boca de uma formadora de ética e deontologia profissional: "É a nossa vontade que muda o acaso!"

 

Desde que a ouvi que esta frase não para de me ecoar na mente, razão pela qual desafio-te a refletir comigo sobre o seu real significado. Citando uma das (muitas) definições do dicionário de língua portuguesa, por acaso entende-se "o conjunto de factos sem causa aparente que determinam um acontecimento"; o que me leva a deduzir que este será alheio à nossa vontade, algo sobre o qual exercemos pouco ou nenhum controlo.

 

Ora, a ser assim, o destino (teoria com a qual me identifico em género, número e grau) será o mentor de todos os acasos, o responsável pela sequência de casualidades que, se não determinam, condicionam flagrantemente a nossa vivência. A ser assim, eis a pergunta que não posso calar: em que medida é que a nossa vontade poderá alterar o que é suposto não sermos capazes de controlar? Penso que seja altura de chamar à conversa o mestre livre-arbítrio, o responsável pela última palavra na nossa vontade.

 

Nesta grande produção cinematográfica que entendo ser a existência humana, ao destino atribuo o papel de argumentista, a quem cabe a (ingrata) missão de escrever a estória da nossa vida, adaptando as experiências, vivências, expectativas, vontades e personalidades de cada personagem às exigências dos demais envolvidos. Ao livre arbítrio associo o papel de realizador, a quem cabe a (hercúlea) responsabilidade de coordenar com êxito a atuação de cada um, por forma a assegurar a harmoniosa gestão de todos os cenários e todos os elementos. À dupla sensibilidade & bom senso outorgo o papel de produtor, a quem confio a (árdua) tarefa de garantir o bom funcionamento de toda a dinâmica social, com o menor drama possível e com a eficiência desejável para que todos os intervenientes possam conduzir a produção à realidade tangível.

 

E a cada um de nós mortais qual o papel que nos caberá? Protagonistas, adjuvantes, coadjuvantes, antagonistas ou meros figurantes? Penso que a resposta seja o resultado da soma das partes a dividir pelo número de intérpretes, vezes número de vezes que interagimos. Para quem não está muito à vontade com a ciência do cálculo, traduzo para a ciência do conhecimento: a resposta está à mercê dessa tal "nossa vontade" capaz de mudar o acaso. Esclarecida ou ainda mais baralhada do que antes?

 

Seja lá qual for a tua resposta, gostaria sinceramente de saber o que tens a dizer sobre o assunto. No aguardo da tua reação, termino com aquele abraço amigo de sempre e desejos de uma semana maravilhosa.

 

Até já!

Autoria e outros dados (tags, etc)


8 comentários

Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 21.01.2019 às 14:40

Minha linda, complicaste que era simples! Mas sim, a nossa vontade é que determina e muda os acontecimentos ou acasos, mas só aqueles que conseguimos controlar! Gostei imenso desta tua complexa reflexão. Ajuda-nos a reflectir!
Imagem de perfil

De Sara Sarowsky a 21.01.2019 às 15:30

E com esta - "... a nossa vontade é que determina e muda os acontecimentos ou acasos, mas só aqueles que conseguimos controlar!" - é que deste um nó de marinheiro na minha mente que se já estava complicada agora entalou de vez. Ah ah ah. Obrigada pelo teu achega
Perfil Facebook

De Manuel de Marques a 21.01.2019 às 17:11

Olá Luna!

As minhas sentidas condolências pela tua avó..., que Deus a Guarde em Paz!!!

DESTINO: ...cumprimento inexorável da Vida, queiras ou não queiras..., maleita mortal adquirida à nascença e transmitida por via Sexual!
Ou:
..., Realizas Só, aquilo em que Acreditas, e jamais conseguirás tudo em que Acreditas..., «Ninguém tenta o Impossível, se não Acreditar numa coisa Superior»..., DESTINO?!?

No entanto aprecio superiormente esta do Haruki Murakami:


«A TEMPESTADE DO DESTINO»

Por vezes o destino é como uma pequena tempestade de areia que não pára de mudar de direcção. Tu mudas de rumo, mas a tempestade de areia vai atrás de ti. Voltas a mudar de direcção, mas a tempestade persegue-te, seguindo no teu encalço. Isto acontece uma vez e outra e outra, como uma espécie de dança maldita com a morte ao amanhecer. Porquê? Porque esta tempestade não é uma coisa que tenha surgido do nada, sem nada que ver contigo. Esta tempestade és tu. Algo que está dentro de ti. Por isso, só te resta deixares-te levar, mergulhar na tempestade, fechando os olhos e tapando os ouvidos para não deixar entrar a areia e, passo a passo, atravessá-la de uma ponta a outra. Aqui não há lugar para o sol nem para a lua; a orientação e a noção de tempo são coisas que não fazem sentido. Existe apenas areia branca e fina, como ossos pulverizados, a rodopiar em direcção ao céu. É uma tempestade de areia assim que deves imaginar.
(...) E não há maneira de escapar à violência da tempestade, a essa tempestade metafísica, simbólica. Não te iludas: por mais metafísica e simbólica que seja, rasgar-te-á a carne como mil navalhas de barba. O sangue de muita gente correrá, e o teu juntamente com ele. Um sangue vermelho, quente. Ficarás com as mãos cheias de sangue, do teu sangue e do sangue dos outros.
E quando a tempestade tiver passado, mal te lembrarás de ter conseguido atravessá-la, de ter conseguido sobreviver. Nem sequer terás a certeza de a tormenta ter realmente chegado ao fim. Mas uma coisa é certa. Quando saíres da tempestade já não serás a mesma pessoa. Só assim as tempestades fazem sentido.

(Haruki Murakami, in 'Kafka à Beira-Mar')


NOTA: ..., estás enigmática e Belíssima (na foto junta)...,

https://youtu.be/6ZAOtUozLPw
Sem imagem de perfil

De Urso a 21.01.2019 às 22:23

Ora aqui está algo sobre o qual não co sigo ter uma opinião formada muitos sso os que defendem que a vida depende apenas de nós e do que fazemos com ela outros tantos acreditam em destino qual dos lados estará certo? Estarão ambos certos? Difícil responder
Imagem de perfil

De Sara Sarowsky a 22.01.2019 às 09:27

A questão é complexa e exige muita reflexão.
Sem imagem de perfil

De Eurico a 21.01.2019 às 23:29

Sem tentar ser muito pouco polémico, o que é meu apanágio, cá vai disto:
-Depois de apanhar-mos uma carraspana de caixão à cova;
-Depois de apanhar-mos uma valente carga de porrada;
-Depois de apanhar-mos uma tareia no ginásio; por exemplo.
É que, só passando por experiências que nos “amassam o corpinho” é que temos a oportunidade de tentar perceber o real sentido da vida ou melhor da ilusão.
Olhai a expressão: LIFE IS A BITCH!!
Quando nos dói o corpinho descobrimos o zombie que havia em nós.
Humildemente sugiro: despoizz de uma reflexão no aconchego do sofá, experimentaizz outra, a seguir a 1hora em pé, sempre no mesmo sítio.
Veraizz que as conclusõezz não são as mesmazz.
Obrigadozz!!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D