Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas, contos e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


people-1230872_960_720.jpg

Viva!

A amizade é um assunto que nunca se esgota. Não sei se alguma vez paraste para pensar como seria a tua existência sem os teus amigos. Eu já, e só de pensar sinto um aperto no peito e um frio na alma.

Uma das coisas que mais acuso nesta vida de forasteira é estar longe dos meus (verdadeiros) amigos, aqueles com quem partilho laços afetivos inquebrantáveis; a minha referência naquilo que sou e, sobretudo, naquilo que aspiro vir a ser.

Sempre fui uma pessoa sociável, não obstante muito reservada num primeiro momento. Era do tipo que chegava num sítio e gastava a primeira meia hora só a cumprimentar quem lá estivesse. Houve, inclusive, uma fase da minha vida em que me orgulhava descaradamente de ser uma das raparigas mais populares do meio. Isso fazia-me sentir importante, apreciada, cobiçada e invejada. Pura ingenuidade! Com o passar dos anos fui-me apercebendo que ser popular passa antes pela qualidade das amizades e muito pouco pela quantidade delas.

Dessa profusão de amizades, nos dias de hoje só sobraram pouco mais de uma dúzia de amigos na verdadeira aceção da palavra: pessoas sinceras e leais com as quais posso, de facto e de direito, contar, sobretudo nos momentos menos bons. Por este, aquele ou aqueleoutro motivo, ao longo dos anos as tais dezenas de amizades foram caindo por terra, as máscaras arrancadas, as verdadeiras faces reveladas e a fealdade dos sentimentos emergida.

A uma frequência acelerada e de uma forma impiedosa, a vida foi-me mostrando que o facto de uma pessoa se dizer tua amiga não quer dizer necessariamente que o seja. Pelo contrário! Lembras-te da estória da pshyco da minha ex-senhoria de que te falei no post Stalkers: cuidado que eles andam aí e quando menos esperares...? Aquele foi tão somente um dos últimos coices desferidos por pseudoamigos; ainda ontem fiquei a saber que um outro a quem ajudei a conseguir trabalho na mesma instituição onde eu presto serviços está a fazer por ficar com o meu lugar. Com amigos assim há matéria para "cronicar" o resto da vida...

É justamente a esse tipo de humanos que eu chamo de amigos acessórios, perfeitamente dispensáveis, mas necessários quando precisamos enfeitar a nossa vida social. Já houve uma altura em que, no auge da desilusão, os bani completamente da minha convivência. Houve outras em que, no pico da solidão, prefiri tê-los por perto a não ter ninguém. Hoje, mais sábia, menos ingénua e muito mais calculista, prefiro tê-los por perto quando me convém e mandá-los à merda quando não. Por algum motivo se diz: "Mantém os amigos perto e os inimigos ainda mais!"

Hoje em dia me dou com quem quero, quando quero e nos termos que eu definir. Não tenho qualquer escrúplulo em reclamar a presença tipo de amigos se isso for do meu interesse, nem que seja uma simples noitada ou um favor. Quando não me servirem para coisa nenhuma reduzo-os à sua insignificância. 

Carregada de razão está aquela máxima de que "há amigos e amigos". Os amigos acessórios são perfeitamente dispensáveis, mas necessários quando, à falta de coisa melhor, queremos enfeitar a nossa vida. No fundo, são uma espécie de bobos da corte a quem confiamos a missão de nos entreter quando estamos aborrecidos, deprimidos ou carentes.

Até breve!

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Imagem de perfil

De Urso a 19.02.2019 às 10:41

Infelizmente é o que há mais por aí amigos acessórios são una praga cada vez maior porque cada vez as pessoas ligam menos aos sentimentos e valorizam-se mebos uns aos outros, eu sei o que é viver sem amigos aliás um dos meus males é esse mesmo a minha solidão não se faz apenas da ausência da mulher que amo faz se das pessoas que passaram na minha vida e optaram por não ficar ou que estão longe e cujo o contacto é escasso porque têem casa família filhos, esse vazio dói porque é a prexepcso de que não temos ninguém verdadeiramente amigo ainda asim a esses amigos de ocasião chamo conhecidos a quem não dou confiança para maus amigos vale mdis nenhuns,
Imagem de perfil

De LegoLuna a 19.02.2019 às 10:48

Infelizmente, assim é...
Imagem de perfil

De Urso a 19.02.2019 às 10:50

Temos de ir be er um cafezinho a ver se trsndpomos esta nossa convivência para uma boa amizade não sei se concordas mas acho que as relações constroem-se cara a cara
Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 19.02.2019 às 12:08

Minha linda, o que existe mais são esses amigos acessórios, que "enfeitam a nossa vida social". Também passei por isso tudo, tinha uma vida social intensa com muita gente à volta, mas contava pelos dedos aqueles em que podia confiar. Hoje, mais seletiva, já não faço fretes, nem sinto a necessidade de andar com tantos acessórios, estou mais light, e só tenho aqueles que me interessa, e acrescentam muito à minha. vida. Adorei, ma vez mais, a tua escrita. Beijinhos
Imagem de perfil

De LegoLuna a 19.02.2019 às 14:08

Querida Luísa (penso já ter legitimidade para tratá-la de forma mais íntima). De um jeito telegráfico, conseguiste resumir a crónica, à luz da tua experiência pessoal. Só por isso já te tenho afeição. Obrigada.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Blog do Ano




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog