Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!


21
Nov18

IMG_6970.JPGViva!

Só agora – passados três dias – decidi pronunciar-me publicamente sobre o acidente na estrada nacional 255, que liga Borba a Vila Viçosa, no Alentejo. Dois motivos me impediram de fazê-lo antes: consternação e alívio. Confusa? Já explico, mas antes deixa-me contextualizar o assunto.

Para quem não está inteiramente a par, partilho um pequeno excerto de uma notícia a propósito: "Esta segunda-feira, 19 de novembro, pelas 15h45, houve um aluimento de um troço da Nacional 255, que provocou a queda de dois veículos civis para dentro de uma pedreira com 50 metros de profundidade e o deslocamento de uma retroescavadora com o maquinista e auxiliar."

A esta altura da leitura deves estar a perguntar o que é que o c* tem a ver com as calças. Ora acontece que há apenas três semanas estive precisamente naquela zona, tendo transitado por aquela mesma estrada (quatro vezes, para ser mais precisa), tendo inclusive visitado aquela pedreira.

A propósito de uma visita técnica à zona dos mármores, a 27 de outubro, lembro-me (como se fosse ontem) do grupo passar por aquela estrada, num autocarro de 34 lugares, e da engenheira responsável ter comentado sobre a perigosidade da via, dizendo com todas as letras que aquela estava para ruir a qualquer momento e que seria preciso acontecer uma desgraça para que alguém tomasse uma providência. Lembro-me, inclusive, do motorista ter perguntado, meio a brincar meio a "trelicar", se iríamos despencar por ali abaixo, após o qual um dos geólogos que nos acompanhava (que agora foi chamado à baila para dar o seu parecer sobre uma fatalidade por ele anunciada faz tempo) responder que ainda ia demorar algum tempo até tal suceder. Mal sabia o engenheiro que esse "algum tempo" resumia-se a uns míseros 18 dias.

Imagina tu qual não foi o meu espanto – e choque – ao tomar conhecimento que o pior tinha realmente acontecido. Nem queria acreditar, e as pessoas que estiveram comigo nesse dia ficaram tão ou mais atordoadas com a notícia. Genuinamente abalados pela tragédia e profundamente sentidos com as vidas humanas ceifadas, o sentimento de alívio que nos assola é inebriante; infinitamente mais forte que a nossa comoção pela dor alheia.

É nestas horas que constatamos o quão maquiavélica pode ser a vida, com a alegria de uns a representar a tristeza de outros. O nosso alívio por não ter sido connosco é inversamente proporcional à dor daqueles que perderam os seus entes queridos.

Fiquei de tal forma abalada que a imagem daquela estrada não me sai da cabeça, por mais que tente. Revejo-a vezes e vezes na tentativa de me consciencializar da sorte que tivemos por aquilo ter acontecido esta segunda-feira e não há três sábados atrás. Desta foi por pouco!

Até à próxima, altura em que conto trazer-te uma crónica bem mais descontraída!

Autoria e outros dados (tags, etc)


59 comentários

Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 22.11.2018 às 08:14

As imagens aéreas que temos visto na televisão são surreais, mesmo imaginando a estrada antes da tragédia. Há muito tempo que não passo por ali, mas, pergunto-me se, quem usava aquela estrada, tinha, efectivamente, noção daqueles abismos.
Imagem de perfil

De Sara Sarowsky a 22.11.2018 às 10:55

Penso que nem mesmo quem estava por dentro da eminência do perigo poderia imaginar que, de facto, fosse acontecer e num horizonte tão próximo. Nós os humanos temos aquele otimismo imprudente de pensar que as coisas más só acontecem aos outros. Obrigada pelo teu comentário.
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 22.11.2018 às 11:14

Obrigada a ti. Nem consigo imaginar o que descreves.
Imagem de perfil

De Os bloggers a 22.11.2018 às 18:32

Nós passámos naquela estrada em Maio durante uma escapadinha que fizemos pelo zona e nem nos apercebemos daqueles buracos
Acho que para quem não conhecia a zona e ia guiado pelo GPS, que era o nosso caso, ia sempre por ali e em carro ligeiro aqueles buracos não eram perceptíveis
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 22.11.2018 às 21:27

É o que me parece. As imagens continuam a arrepiar -me. Acredito que muitas das pessoas que lá passavam, não tinham a real dimensão daqueles abismos. É inacreditável como falam tão grosseiramente quem tem a obrigação de zelar pela nossa segurança...
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 22.11.2018 às 21:28

Era “falha tão grosseiramente quem tem...”
Imagem de perfil

De Sara Sarowsky a 23.11.2018 às 09:31

Nem mais, infelizmente assim é.
Imagem de perfil

De Sara Sarowsky a 23.11.2018 às 09:30

Pelos vistos, os nossos destinos em algum momento se cruzaram com aquela estrada.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D