Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!


hands-1222866_1920.jpgOra viva!

Contigo partilho hoje a segunda parte do conto A humanidade, a imunidade e a impunidade, cuja narração iniciei na passada quarta-feira, completa hoje uma semana.

Há muito que andava a chocar algo, pressentia a humanidade. Um espirro aqui, um sintoma ali, uma dorzinha acolá... Uma virose, consolava-se. E assim foi adiando o inevitável, até ao início do ano 2020, altura em que a sua imunidade colapsou, sucumbindo a um novo coronavírus chamado SARS-CoV-2.

Coisinha de nada, pensou na altura, um mal-estar passageiro que logo logo passaria, como tantas outras de que padeceu... Só que d
esta vez aquilo que a princípio pensou tratar-se de uma mera gripe sazonal foi-se revelando cada vez mais fatal, cada vez mais letal, cada vez mais mortal.. com consequências jamais vistos, ou previstos.

O que não viu, ou não quis ver, acabou por atingi-la de forma avassaladora.
Demasiado ocupada a viver, a conviver, a experimentar, a explorar, a inventar, a inovar, a ousar... descurou o seu bem mais precioso: a saúde. Constantemente atarefada, nunca encontrara tempo para abrandar e prestar atenção aos sinais de alerta: o cansaço cada vez mais incapacitante, a pele cada vez mais baça, a boca seca, os olhos vidrados, a enxaqueca constante, o stress, a ansiedade, a depressão... 

Há muito que vivia cada dia como se fosse o último... Quando tomou consciência de que poderia, de facto, ser o seu último dia entrou em histeria total... No dia em que perdeu a imunidade, a humanidade descobriu o (real) significado da impunidade. Claro ficou que a sua intemporalidade foi-se esvaíndo na futilidade... Que de tanto levar uma vida frenética, desregrada e inconsequente, a sua imunidade foi baixando até deixá-la vulnerável ao mais temível dos inimigos: aquele que não se vê, não se ouve, não se cheira, não se toca, não se sente...

Nesse momento, prometeu a si mesma que mudaria de atitude, que passaria a comportar-se melhor, que se aproximaria dos vizinhos, que seria mais solidária, que mimaria os idosos, que passaria mais tempo com os entes queridos, que trabalharia menos, que desfrutaria com consciência, que respeitaria mais o ambiente, que cuidaria melhor da sua imunidade... Em suma, que olharia mais por si e pelos outros...

Foi preciso ficar privada do seu estilo de vida, jamais questionado até então, para a humanidade se consciencializar de coisas desconhecidas ou apenas relegadas a laivos de memória: que o setor terciário é essencial, que os idosos importam, que a solidariedade conforta, que a saúde é fundamental, que a imunidade não é inexpugnável e que a impunidade cedo ou tarde acaba.

Finalmente, assumiu que unida resiste e que dividida sucumbe...

Conseguirá ela debelar a doença e curar-se? Caso sim, ficará com sequelas? Dar lhe á o universo uma nova oportunidade para ser e agir diferente? Se sim, saberá aproveitá-la para ser mais e melhor? Os próximos tempos o dirão!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D