Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!

09
Mai22

eroticism-gefd0cf5f3_1920.jpg
Ora viva! 🫶

À semelhança do que acontece no cinema, na internet e na literatura, o sexo é um assunto que jamais se esgota aqui neste blog. Best reader de primeira categoria, as estatísticas disparam quando escrevo sobre ele. Eu como não sou parva nem nada que se pareça, faço questão de dar à minha audiência aquilo que mais lhe agrada. Só não pode ser sempre, que outros temas são dignos da atenção desta tua solteira favorita.

Tudo isso para dizer que esta crónica dá continuidade ao assunto do post anterior, Sexo: já ouviste falar da regra dos 90 dias?, visando esclarecer de uma vez por todas a diferença entre fazer amor e fazer sexo, algo que, muitas vezes, não é tão evidente para a maioria dos comuns mortais. Pudera! No final das contas, o ato é exatamente o mesmo, embora a intenção não o seja. Baralhada? Já desconstruo!

Tanto fazer amor como fazer sexo implica a comunhão física entre dois corpos, reféns de uma libido ativa, faminta e por vezes irrefreável. Se é assim, então qual será a diferença entre uma coisa e outra? Ninguém melhor do que uma especialista em sexo e relacionamentos para responder a esta questão.

Em declarações à plataforma de bem-estar mindbodygreen, a coach Myisha Battle explica que 'fazer amor' é outra forma de dizer 'fazer sexo', embora, por norma, esteja implícito que se refere a um tipo de relação sexual mais íntimo, romântico ou até mesmo espiritual. Em contraste, 'fazer sexo' é percecionado como mais prático ou menos conectado emocionalmente. 
 
Para o caso da Myisha não ter sido explícita o suficiente, traduzo: 'fazer sexo' é mais primitivo, carnal ou biológico; motivo pelo qual muitos optam por não proferir a palavra sexo, por considerá-la demasiado vulgar. "Hoje em dia, a expressão 'fazer amor' costuma ser usada entre comunidades mais religiosas, espirituais ou tradicionais", explica a especialista.
 
De todo modo, a diferença entre as duas expressões é subjetiva, já que ambas podem envolver exatamente os mesmos atos, sensações, comportamentos e conexões sexuais. O grande factor diferencial está na intenção por detrás das relações íntimas: 'fazer amor' é usar o sexo para expressar sentimentos de amor romântico. 'Fazer sexo' é usar o sexo para dar vazão à libido.
 
Discriminação à parte, o que importa reter é que "fazê-lo" é bom, e pronto. Oh se é! Beijo no ombro e até quarta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

woman-gb09d61fb3_1920.jpg
Ora viva! 🫶

Hoje quero falar-te de uma das mais contundentes regras de relacionamento do Steve Harvey, popularizada no seu best seller Act like a lady, think like a man. Antes disso, farei uma breve descrição da minha estória de amor com esse livro. Conheci-o há dez anos, durante um biscate na Feira do Livro de Lisboa. Quem mo apresentou - ofereceu, para ser mais exata - foi uma das feirantes, como recompensa pela minha "amorabilidade" para com a sua pessoa.

Mal comecei a folhear as suas páginas, fui acometida por uma identificação e uma devoção que nenhuma outra obra de autoajuda foi capaz de fazer. Um autêntico manual de sobrevivência das relações amorosas, a obra é de um sucesso tal que foi adaptada ao cinema, tendo já duas sequelas, se não me engano.

Acredito que, muito provavelmente, foi por causa dele que nunca mais consegui engatar um relacionamento sério. Afinal, nos dias que correm, quantos homens aceitam esperar meses e meses para receber o jackpotQuiçá por conhecer a fundo esta epidemia do sexo imediato, a autora da página Artes Familia fez uma belíssima reflexão sobre o porquê de não ser recomendável "dar o corpo ao manifesto" logo no início de um relacionamento amoroso. 

Mulherada, cansadas de tentativas fracassadas com homens?

O segredo está na regra dos 90 dias! 90 dias sem intimidade sexual, os primeiros 3 meses ao se conhecerem. Porquê?! Passo a explicar:

1° - Os homens só criam laços sentimentais a partir dos 3 meses de relacionamento. As vezes leva até 6 meses. Antes disso é o período de teste. Podem dizer o que quiserem, mas não há sentimentos envolvidos, só interesse sexual, físico...

2° - Os 90 dias servem para veres melhor quem é a pessoa e se realmente gostas dela. Porque a animação inicial passa, as hormonas acalmam um pouco e já começas a vê-la de forma mais real. Ninguém é ator profissional como um psicopata para fingir ser o que não é por tanto tempo, por isso os sinais vermelhos começam a aparecer rapidinho, e podes ver se essa pessoa serve para ti. Não aceites menos do que mereces só porque não queres estar sozinha. Não engulas coisas que não te agradam por medo de ficar sozinha.

3° - Se o homem só quer sexo, vai desistir pelo caminho. No início, eles mandam mensagem e telefonam todos os dias, normalmente após uma a duas semanas começam a esfriar. Principalmente se já houve sexo. Se ele só quer diversão não vai ter interesse em investir e isso começas a ver rápido.

4° - Nos primeiros 90 dias, conheçam-se, façam coisas juntos, conversem bastante. Fica atenta aos detalhes, ao comportamento, etc. Se ele estiver mesmo interessado, vai adorar te descobrir. E vai respeitar o teu tempo e não vai te pressionar para fazerem sexo.

5° - Os homens pensam que são espertos, mas na verdade somos nós que damos munição para o ataque. Quando logo de cara falamos como queremos ser tratadas, o que gostamos ou não, e das coisas que não apreciamos nos homens, etc, eles começam desde o início a adaptar-se à informação e a agir de acordo com os dados que passamos. Eles não fazem esforço para nos conhecer nem para descobrir como agradar porque já demos a papinha toda feita. Falam coisas que queremos ouvir, de repente gostam das mesmas coisas que nós, etc etc.... Mas isso é só táctica de ataque. Depois já sabemos, do nada mudam, o interesse passou, conseguiram o que queriam. Passam à próxima vítima.

6° - O teu corpo e a tua intimidade devem ser entregues a quem realmente vai valorizá-las. Ou acabas tendo vários parceiros e nada sério.

7° - Curte estar sozinha, ama a tua companhia, descobre-te, vive a vida ... Não sejas daquelas desesperadas que à primeira palavra bonita caí na rede do indivíduo.

8° Os homens são caçadores, portanto só dão valor ao que conseguem conquistando com esforço. Na maioria.... É assim

Assino em baixo de tudo o que ela escreveu, tanto que fiz questão de partilhar contigo, na expectativa de te fazer ver que, não obstante a banalidade com que o sexo é encarado nos dias de hoje, só deves entregar o teu prémio se, e quando, realmente quiseres.

Beijo no ombro e bom fim de semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)

26
Jan22

Sexo sacia, amor nutre

por Sara Sarowsky

love-g544e60987_1920.jpg
Viva!

Esta crónica assenta num texto da página Kritica Kriolu?, a qual tem por hábito partilhar diversos conteúdos alinhados com a essência deste blog. Gostei particularmente de um publicado na manhã de ontem, por deixar bem claro que existe uma linha que separa o sexo do amor, dois conceitos muitas vezes percecionados como sinónimos, quando na verdade não são. Não mesmo, ainda que estejam intimamente ligados.

Adequado a todo e qualquer ser humano que, numa relação amorosa, insiste em investir apenas no seu papel de provedor de orgasmo, achando que com isso garante o afeto das pessoas com as quais se envolve sentimentalmente, a reflexão abaixo citada deixa bem claro que sexo é uma coisa e que amor é outra bem diferente. O primeiro é capaz de sustentar uma relação até à página vinte; depois disso, se não houver algo mais sólido, acaba por se dissipar na sua própria efemeridade.

Sexo é muito bom, mas estão enganados se acham que mulher vive exclusivamente disso.
Mulheres valorizam a cordialidade de um abraço, a gentileza de um cuidado.
Mulheres gostam de ser levadas a lugares diferentes, que inspirem e sejam inesquecíveis.
Mulheres gostam de ser lembradas numa terça qualquer com uma mega surpresa ou numa quinta pela manhã com um botão de rosa roubado.
Mulheres gostam de ser surpreendidas com declarações singelas, como "lembrei de você", "estou com saudades", "quero te ver".
Uma relação é feita de cumplicidade, companheirismo, amor e dedicação, o resto é consequência.
Se a única coisa que você tem a oferecer para uma mulher é o sexo, desfruta do momento, pois ela vai-te "aproveitar" até perceber que o que você tem para oferecer qualquer homem dispõe.
Você só precisa torcer para ela não perceber que merece mais do que isso. O dia que isso acontecer, perdeu!

Independentemente da tua orientação sexual, se és pessoa para te reveres nesta descrição, fica a saber que o teu papel na vida daqueles com quem te envolves será sempre o de prestador de serviço, e jamais de parceiro efetivo. Para o caso de não ter sido explícita o suficiente, troco por míudos: sexo sacia (o corpo), mas é o amor que nutre (o coração). Quem avisa amigo é!

Beijo no ombro e até sexta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

24
Jan22

woman-g09342bca6_1920.jpg
Ora viva! ✌️ 

O post de hoje é uma repescagem de uma publicação de 2018, através da qual dei a conhecer as dez versões que a sexualidade humana pode assumir. Acredito que de lá para cá - quatro anos - mais versões terão surgido, já que a se trata de uma temática dinâmica, criativa e muitas vezes bizara, como poderás constatar pelo texto em baixo.

Qualquer mortal com uma fissura na mente – por mais pequena que seja – não pode deixar de reconhecer que há muito que a homossexualidade e a bissexualidade deixaram de ser as únicas alternativas à heterossexualidade. Nos dias que correm existem tendências sexuais para todos os gostos e preferências.

Com esta crónica pretendo fazer um apanhado das mais em voga, num total de 10, elencadas pelo psicólogo espanhol Arturo Torres:

1. Heterossexualidade
É a orientação sexual definida exclusivamente pela atração entre pessoas de sexo oposto. É a mais comum.
 
2. Homossexualidade
Carateriza-se pela atração sexual por pessoas do mesmo sexo. Popularmente, identificam-se os homens homossexuais como gays e as mulheres como lésbicas.
 
3. Bissexualidade
Pauta-se pela atração sexual por pessoas de ambos os sexos, mas não necessariamente com a mesma frequência ou intensidade.
 
4. Panssexualidade
Refere-se à atração sexual por pessoas, independentemente do seu sexo biológico ou identidade de género. A diferença entre esta orientação e a bissexualidade é que, neste caso, a atração sexual vai-se experienciando através das categorias de género, enquanto que na panssexualidade tal não acontece.
 
5. Demissexualidade
Esta versão descreve-se como o desenvolvimento da atração sexual apenas nos casos em que se terá estabelecido previamente um forte vínculo emocional ou afetivo.
 
6. Lithssexualidade
Indivíduos com este tipo de orientação sexual sentem atração por outras pessoas, mas não sentem necessidade de serem correspondidos.
 
7. Autossexualidade
Aqui a atração é unidirecional, ou seja por si mesmo, sem que isso seja sinónimo de narcisismo. Pode entender-se como uma forma de alimentar o afeto ou o amor próprio.
 
8. Antrossexualidade
Este conceito aplica-se àqueles que experimentam a sexualidade sem saber em que categoria identificar-se e/ou sem sentir necessidade de classificar-se em nenhuma delas.
 
9. Polissexualidade
Considera-se polissexual quem sente atração por vários grupos de pessoas com identidades de géneros concretos. Segundo o critério utilizado para o classificar, pode entender-se que a polissexualidade se confunde com outras orientações sexuais como, por exemplo, a panssexualidade.
 
10. Assexualidade
Esta orientação serve para nomear a ausência de atração sexual. Muitas vezes, considera-se que não faz parte da diversidade de orientações sexuais, ao ser mesmo a sua negação.
 
Este post mostra-nos o quão insensato é catalogar a orientação sexual humana, visto que esta vem-se revelando cada vez mais complexa e cheia de nuances.
 
Dou por concluída a escrita de hoje, não sem antes partilhar os resultados do teste à minha orientação sexual. À luz destas tipologias que acabei de citar, não restam dúvidas de que a minha sexualidade é fruto da tríade: heterossexualidade, demissexualidade e autossexualidade. De ora em diante, sempre que for necessário defini-la, direi que sou heterodemiautossexual. Impactante, não?
 
E tu, single mine, em que categoria inseres a tua sexualidade?

Autoria e outros dados (tags, etc)

eroticism-gb5ccbbd5d_1920.pngViva! 👋

Uma publicação do Notícias ao Minuto, datado de 27 de dezembro de 2020, dá conta do seguinte: ter múltiplos parceiros sexuais representa consideráveis riscos, tanto para o corpo quanto para a cabeça e o coração. E quem o diz não é o jornalista que assina a matéria, mas antes a ciência, a mãe de todas as sabedorias. 

Achando o tema a cara deste blog, eis-me aqui a partilhá-lo contigo, não só para reforçar a minha posição em relação ao "dar o corpo ao manifesto a custo zero", prática da qual sou assumidamente avessa, como para alertar-te para as consequências de uma prática cada vez mais disseminada na nossa sociedade, a qual faz questão de nos fazer crer que sucesso sexual equivale a sucesso social.

Vários estudos apontam que a popularidade sexual - chamemos-lhe assim - pode ser prejudicial tanto para a saúde física como para a mental. De acordo com a referida publicação, que cita o site Nueva Mujer, ter vários parceiros sexuais não só aumenta o risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis (como VIH, clamídia ou sífilis), como pode estar relacionado a outras patologias, nomeadamente cancro ou depressão.

No que toca às consequências físicas de andar a pinocar a torto e a direito, um estudo divulgado na revista médica BMJ Sexual & Reproductive Health, menciona que há um risco 91% maior de cancro em mulheres que tiveram 10 ou mais parceiros sexuais, comparativamente àquelas que tiveram relações íntimas com menos pessoas. Relativamente aos homens, aqueles que afirmaram ter 10 ou mais parceiros registaram uma probabilidade 69% mais elevada de desenvolver algum tipo de tumor. 

Quanto ao impacto na saúde mental e emocional, a Dunedin School of Medicine apurou, através da realização de um ensaio clínico, uma relação com transtornos depressivos e de ansiedade, sobretudo na população feminina, sendo que lidar com essas doenças mentais aumenta consequentemente o risco de uso de substâncias.

Adicionalmente, os investigadores salientaram que ter parceiros em 'demasia' pode levar a dificuldades na formação de vínculos afetivos, sem falar que fazer sexo frequentemente está igualmente associado a uma maior chance de fumar e de consumir álcool em excesso.


Se os celebitários sexualmente abstémios não têm a vida facilitada, parece que os outros também não. Na dúvida, entre "dar" por demais ou "dar" por de menos, que venha a tesão e escolha.

Beijo no ombro e até sexta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

nude-g754b1ea83_1920.jpg
Viva! 👋

Lembras-te de no último post ter referido que ainda não tinha decidido que tema iria abordar hoje? Nem de propósito, ontem, um amigo partilhou comigo um artigo da Men's Health, datado de 28 de outubro, que dá conhecimento de algo que a maioria de nós adora na intimidade sexual. És capaz de adivinhar qual é a coisa, qual é ela que 70% das mulheres adora na hora do bem bom?

De acordo com a empresa de brinquedos sexuais Lovehoney, as palmadas traseiras parecem ser uma aposta ganha na hora de proporcionar prazer sexual. Com base numa pesquisa a mais de 4.500 pessoas sobre as suas posições e fantasias favoritas, esta descobriu que, durante o sexo, 70 por cento das mulheres e 61 por cento dos homens estão ligados por este ato que pode estimular as terminações nervosas na vagina.

A ti gajo que estás a ler isto (sim, tu mesmo), preciso lembrar-te que informação é poder? Neste caso concreto, informação é prazer, por isso toca a por em prática mais esta dica da tua solteira favorita. Na tua próxima performance sexual, lembra-te que estaladas na parte inferior das nádegas pode levar a tua parceira à estratosfera. Escuso dizer que tal prática só se justifica se ela se mostrar receptiva e responsiva. Por isso, convém perguntar antes de avançares, não vá a coisa correr mal.

Por hoje é tudo. Conto voltar amanhã, excecionalmente, para falar-te do poderoso portal energético que vai acontecer neste 11 de 11, que é também o Dia dos Solteiros. Até lá, fica com aquele abraço amigo de sempre!

Autoria e outros dados (tags, etc)

passion-5120131_1920.jpgViva! 👋

Em reação ao post anterior, um seguidor questionou-me nestes termos: "antes de falar de sexo - com ou sem sentimento - convém falar do que nos leva a ter relações sexuais, pois só assim se pode entender os motivos por detrás de tal modalidade amorosa que tanto despreza."

Pertinente tal ponto de vista, não? Também achei, daí que tenha andado a cirandar pela net à procura de conteúdos elucidativos a respeito. Como tal, eis-me aqui, numa escapadinha rápida aos afazeres laborais, para dar conhecimento da justificação científica por detrás da vontade de fazer sexo.

Nem de propósito, a edição online da revista Activa, aonde vou consumir muito do conteúdo que aqui partilho (sobretudo os relacionados com a sexualidade), publicou esta manhã um artigo através do qual fica patente que, basicamente, os humanos têm relações íntimas por 237 razões, sendo que 25 das dominantes são comuns a ambos os géneros.

Acredites ou não, um estudo publicado na revista científica Archives of Sexual Behavior atesta que 'sexar' tem mais a ver com luxúria no corpo do que com amor no coração. "Os resultados refutaram muitos estereótipos de género (…) que os homens só querem sexo pelo prazer físico e as mulheres querem-no pelo amor. Não foi isso que averiguei nas minhas descobertas", disse Cindy Meston, professora de Psicologia Clínica na Universidade do Texas e coautora do estudo, em declarações à CBS News.

Meston e um colega, David Buss, começaram por questionar 444 indíviduos, de ambos os sexos, com idades entre os 17 e os 52 anos, com vista à elaboração de uma lista com as razões distintas pelas quais as pessoas fazem sexo. Atingido esse objetivo, os investigadores pediram a 1.549 estudantes universitários para classificarem os motivos, numa escala de um a cinco, sobre como estes se aplicavam às suas experiências. Eis as conclusões apuradas:

Top 10 dos homens
- Sentia-me atraído pela pessoa;
- Sabe bem;
- Queria sentir prazer físico;
- É divertido;
- Queria mostrar o meu afeto à outra pessoa;
- Sentia-me excitado sexualmente e queria o alívio;
- Estava excitado;
- Queria expressar o meu amor pela pessoa;
- Queria atingir um orgasmo;
- Queria dar prazer à minha parceira.

Top 10 das mulheres
- Sentia-me atraída pela pessoa;
- Queria sentir prazer físico;
- Sabe bem;
- Queria mostrar o meu afeto à outra pessoa;
- Queria expressar o meu amor pela pessoa;
- Sentia-me excitada sexualmente e queria o alívio;
- Estava excitada;
- É divertido;
- Apercebi-me de que estava apaixonada;
- Deixei-me levar pelo calor do momento.

Single mine, por esta não esperava, confesso. Queres ver que passei a vida toda convencida de que as motivações que levam homens e mulheres a darem o corpo ao manifesto eram divergentes quando na verdade não são. Vivendo e aprendendo, como se diz à boca pequena.

Por hoje é tudo, estarei de volta na quarta-feira para mais um papo de gajas. Beijo no embro e foco na felicidade!

Autoria e outros dados (tags, etc)

22
Out21

people-2588172_1920.jpgOra viva! ✌️ 

Hoje chego mais tarde do que o habitual, e a justificação é a de sempre: muito trabalho, não obstante ser sexta-feira. Para compensar-te, porque sei que aprecias por demais temas picantes, trouxe um sobre o qual não me canso de falar: sexo sem envolvimento emocional, ou dar o corpo ao manifesto a custo zero, na gíria desta solteira aqui.

Sexo significa coisas diferentes para pessoas diferentes. Para algumas, é uma experiência essencialmente emocional, resumida pela denominação "fazer amor". Para outras, é uma atividade puramente carnal, traduzida pela expressão "f*der". Intenta, pois, esta crónica saber se é possível uma relação baseada apenas na libido, ou seja, sem qualquer envolvimento emocional.

Por experiência própria sei que (teoricamente) é possível, mas que na prática a coisa não é assim tão linear. Comigo não resulta, motivo pelo qual não sou adepta de tal modalidade de relacionamento amoroso. Sobre isso, a sexóloga Leigh Norén explica que as emoções são sistemas que têm diferentes funções, sendo que uma delas é motivar-nos a fazer certas coisas. No que toca à vida íntima, para termos vontade de 'sexar', precisamos de sentir a "emoção" do desejo sexual. "Sem esta emoção, o sexo não acontece (pelo menos não de uma forma prazerosa, que deve ser o objetivo", sublinha a especialista.

Na prática, isto significa que sexo sem sentimento é pura utopia. Já sexo sem compromisso... Mesmo que não queiramos, haverá sempre algum sentimento envolvido. "Sentimos raiva, medo, talvez preocupação, vergonha e culpa. As nossas emoções são uma parte de nós que não podemos descartar", conclui a especialista.

Uma vez exposta toda a verdade sobre sexo sem sentimento, é chegada a hora de retomar os meus compromissos profissionais, que esta noite pretendo dar uma esticadinha até um clube para ouvir um pouco de música, dar um pé de dança e respirar aquela atmosferazinha de antigamente, quando saía para a "naiti" todo santo fim de semana, no matter what.

See you!

Autoria e outros dados (tags, etc)

breasts-1008881_960_720.jpegViva! ✌️ 

Conforme prometido no post anterior, eis-me aqui para te contar as últimas da minha vida amorosa, a qual não conhece trégua nem folga, não obstante continuar mais desemparelhada do que nunca. Como tal, está na hora de falarmos de gajos, mais concretamente sobre a sua - cada vez mais flagrante, e frustrante - inaptidão para abordar ou cortejar uma mulher solteira.

Na base desta premissa está, uma vez mais, a minha experiência pessoal, repleta de episódios deprimentes, sendo que as últimas mais não são do que a continuação da saga "mec" francês, de quem já te falei em mais do que uma ocasião. Abro aqui um parêntesis para confidenciar que estou cada vez mais convicta de que o meu estado civil cumpre um propósito maior do que apenas falta de sorte no amor. Provavelmente, haverá qualquer coisa que o universo determinou para a minha pessoa, com a qual não estou a conseguir atinar.

Enfim... vamos lá às últimas novidades de tipos que me abordam na expectativa de conseguirem benesses sexuais a custo zero, ou seja, sem qualquer investimento emocional. De compromisso nem vale a pena piar, já que se trata de assunto tabu nos dias que correm, em que as relações baseiam-se essencialmente na libido, na superficialidade e na descartabilidade. 

Há coisa de 4 semanas, recebi uma mensagem de um desconhecido, contendo um singelo emoji sorridente. Como tenho por norma responder a todos aqueles que entram em contacto comigo (pelo menos até saber qual a deles), lá respondi com um simpático "olá", após o qual a conversa desenrolou descontraída e despretensiosa. Pelo menos, assim pensava eu... Como não estava para perder tempo, até porque encontrava-me a "turismar" em Sintra, e escaldada de "entradas masculinas de pé em riste", fui logo perguntando o que tinha ele para contar, numa forma sutil de dizer: "O que queres de mim?"

O fulano, treinador de futebol (do Sporting, vê lá tu!), respondeu que tinha ficado curioso em relação à minha pessoa. Segundo ele, eu parecia "educada, inteligente, sensível, com energia forte... e com imenso sexappeal. Demasiadas coisas boas para deixar um homem indiferente". "Fica difícil", rematou ele. Nem bem a troca de mensagens tinha começado a cativar-me, já ele dizia: "queroooo, está a deixar-me com imensa vontade de... tudo, de explorar tudo". Quando questionado sobre o que significava tal coisa, saiu-se com esta: "Já me tocou, já me deixou cheio de vontade".

Antevendo o rumo da conversa, fiz questão de lhe perguntar se estava com intenções sexuais a meu respeito, ao que ele respondeu nestes termos: "Uma mulher interessante como tu pareces ser, suscita sempre interesses vários, sendo que essa parte não seria exceção, calculo...", ao qual contraargumento nestes termos: "Estou a ver... é que estou traumatizada com homens que me abordam única e exclusivamente nesse sentido. Fazem-me sentir um pedaço de carne". Aconselha-me ele a olhar para a questão de uma forma positiva, como "sinal de como era interessante e bonita".

Ainda meio iludida sobre as reais intenções do fulano, bem apessoado, detentor de uma escrita exemplar (entenda-se, sem calinadas na gramática) e com um sentido de humor apurado, lá continuei a dar-lhe tempo de antena, torcendo intimamente para que manifestasse alguma predisposição para uma abertura sentimental. O meu castelo de cartas ruiu por completo, quando a seguir ele pergunta-me, sem pudor, se eu gostava de sexo. Aí já não houve margens para dúvidas de que andava ele à procura de uma "despeja-c*lhões", como costumo chamar às mulheres que só servem para os homens irem "aliviar-se".

Todo o encanto por ele - um tipão, de acordo com as imagens que vi no seu perfil - esfumou-se naquele instante, ao ponto da conversa ter ficado suspensa. Quatro dias depois, em reação a uma story minha, volta o fulano à carga, através do envio de um novo emoji, desta vez com os olhos em coração. Querendo acreditar que a abordagem estivesse mais lapidada, lá lhe dei conversa, perguntando como estava, ao que ele responde, ultrapassada a conversa da praxe, que tinha ficado com "vontade de mim".

Numa última oportunidade para se mostrar digno das minhas melhores expectativas, questionei-o sobre como tinha chegado a mim, ao que ele respondeu: "Honestamente não me recordo". Não convencida de que estivesse a dizer a verdade, atirei-lhe com um: "pela tua abordagem, diria que foi via Tinder", ao qual ele não refutou. Perdida toda a esperança, não me restou outra saída que não fosse esta: "Como o meu tempo é precioso, e acredito que o teu ainda mais, convém eu deixar claro que não estou disponível para qualquer tipo de envolvimento sexual. E não me estou a fazer de difícil, apenas descarto essa possibilidade. Por isso escusas de perder o teu tempo comigo. Lamento estar a ser crua e dura, mas a sinceridade é sempre o melhor caminho."

Perante o emoji de tristeza com que reagiu, rematei que haveria de ficar bem e que o que não falta são mulheres disponíveis para tal. Respondeu que não estava com ninguém e que era exigente. Perante a minha irredutibilidade, não obstante ter reconhecido que o tinha achado um homem muito interessante e que "se fosse há uns tempos atrás, até cogitaria a hipótese, mas que nesta fase só casando", o dito cujo eclipsou-se para nunca mais dar sinal de vida.

Nem bem tinha digerido este episódio, eis que levo com mais duas sequelas desta novela, desta feita protagonizadas por um norueguês e um francês, cujas intenções acabaram por conduzir ao mesmo desfecho: sexo a custo zero. Dado que todas as abordagens foram perpetradas através do Instagram, por parte de perfis que sequer acompanham o meu trabalho como blogger, pergunto-me como chegaram eles até mim? Acredito que devem pesquisar pelas hashtags single e sex e que o meu perfil deve aparecer logo nos primeiros resultados. Só pode!

Diz a minha spiritual coach que tal se deve, provavelmente, à energia que tenho estado a emanar, ou seja, que por estar a vibrar na energia do sexo, atraio esse tipo de predadores sexuais, chamemos-lhe assim. Logo eu que há mais de década que não sei o que é isso de "vibrar na energia do sexo". Por sua vez, diz a minha psicoterapeuta que devo tratar esses "tarados" com amor, ou seja, dar-lhes amor a ver se retribuem com amor. Diz a minha consciência que os mande todos à merda, que à borla mais nenhum filho da p*ta me volta a comer. É que não mesmo!

Mais tenho eu para desabafar, mas, dada a extensão do texto, vai ter que ficar para outra oportunidade. Despeço-me com aquele abraço amigo e um até sexta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

08
Fev21

boudoir-4669606_1920.jpgOra viva!

Em complemento ao tema abordado na live de sábado, 'Sexo sem amor ou amor sem sexo', e porque trata-se de um assunto que não se esgota, sem falar que nunca é demais lembrar, para hoje proponho analisarmos as vantagens da atividade sexual na saúde humana. É consensual que o sexo reúne a simpatia de (quase) todos, assim como é que, quando praticado com gosto e regularidade, traduz-se em inúmeros benefícios, cientificamente reconhecidos, os quais passo a citar:

Queima calorias
O sexo pode não ser tão eficaz quanto outras formas de exercício físico, mas certamente queima calorias. Um estudo da Universidade de Montreal garante que durante uma sessão de 30 minutos, os homens queimam uma média de 101 calorias, enquanto as mulheres 69.

Aumenta o sistema imunitário
Outro estudo, que reuniu uma série de estudantes que fizeram sexo pelo menos uma vez por semana, confirmou que estes tinham níveis mais altos de um anticorpo vital para combater as doenças. De facto, os níveis eram 30% mais altos do que naqueles que não tinham sexo algum.

Previne problemas cardíacos
De acordo com o National Health Service, qualquer atividade que exercite o coração é bom e isso inclui sexo. Mas os benefícios dependem de quão rigoroso se é ao praticar. Em média, o pico da frequência cardíaca durante o ato sexual é quase o mesmo que subir um lance de escadas.

Diminui o stress
Ainda que em qualquer das suas variantes ajude as pessoas a relaxar, uma pesquisa provou que o sexo com penetração ajuda as pessoas a lidar melhor com os níveis de stress.

Reduz o risco de cancro da próstata
As ejaculações frequentes parecem estar ligadas a uma diminuição do risco de cancro de próstata, garante um outro estudo.

Aumenta a sensação de bem-estar
De acordo com um estudo junto de três mil americanos, com idades entre 57 e 85 anos, as pessoas que faziam sexo classificaram sua saúde geral mais alta do que aquelas em abstinência sexual.

Reduz o risco de uma úlcera
Um casamento feliz pode influenciar, em homens, a redução do risco de angina (doença cardíaca) e úlceras no estômago, revela uma pesquisa.

Reduz a pressão arterial
Um estudo de 2003 apurou que os amantes de abraços, provavelmente, terão pressão arterial mais baixa e que casais que se abraçam e seguram as mãos acusam menos o stress.

Melhora a qualidade do sono
Através da libertação de oxitocina, que ajuda a que fiquemos mais sonolentos, o sexo tem um efeito positivo na qualidade do sono, algo fundamental ao bem-estar humano.

Faz com que os homens estejam mais contectados com as suas emoções
Uma pesquisa do Centro Médico da Universidade de Groningen registou um aumento do fluxo sanguíneo para a ínsula - uma área que está ligada ao processamento de emoções, dor e calor.

Ajuda a melhorar a memória
O sexo pode melhorar o desempenho humano em testes de memória a curto prazo, de acordo com um estudo de 2018.

Ajuda a reduzir os níveis de ansiedade
O sexo diminui o fluxo sanguíneo para a amígdala, a área do cérebro ligada a distúrbios de ansiedade.

O sexo liberta substâncias que aliviam a dor
Durante o sexo, as endorfinas - analgésicos naturais do corpo - inundam o corpo e o cérebro, aliviando qualquer tipo de desconforto. Para algumas pessoas, pode mesmo curar uma dor de cabeça.

Os benefícios do sexo não se esgotam na prevenção de doenças, menos ainda no prazer físico. Estes são capazes de melhorar substancialmente a nossa saúde e, por consequência, influenciar o nosso dia-a-dia de forma positiva. Motivo pelo qual o sexo seja remédio santo para todos os males, isento de receita e sem efeitos secundários indesejados.

Que o sexo seja presença constante na nossa vida e que nos livre de todas as doenças são os meus desejos. 
Aquele abraço amigo só nosso!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D