Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas, contos e confissões de uma solteira gira e bem resolvida que não cumpriu o papel para o qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar pulos de alegria? Provavelmente, nem uma coisa nem outra!


15540744_1430644106975815_550668755564984672_o.jpgOra viva!

A vida é uma grande bênção! Esta é para mim a mais absoluta das verdades. E diz isso uma criatura que nunca conheceu vida fácil, pelo contrário, aquela para quem a vida sempre foi mais madrasta do que mãe. Mesmo nos momentos mais críticos, em que, no auge do desespero e da desesperança, desejei abrir mão da própria existência, nunca deixei de acreditar nisso.

Vocação para suicídio não tenho, disso estou certa. Se tivesse, não estaria cá. Por diversas vezes cogitei a hipótese de por termo à vida, assumo. Contudo, despendia tanto tempo a analisar detalhadamente os prós e contras de cada uma das alternativas, que no fim chegava à conclusão que não havia uma única que não fosse excessivamente dolorosa, dramática ou de difícil execução.

Com isso, quero dizer que abrir voluntariamente mão da vida é uma empreitada que assumo ser incapaz de levar a cabo, por vários motivos: desistir é coisa de cobarde (algo que não sou de todo); a logística é demasiado complexa; desencadeia sofrimento alheio; o pós-morte é uma incógnita que pode-se revelar pior do que a realidade.

Milha a milha, légua a légua, braçada a braçada, fôlego a fôlego, vou dobrando o cabo das tormentas rumo ao cabo da boa esperança, tal qual Bartolomeu Dias. E apesar de os dramas-meus-de-todos-os-dias não me darem tréguas; tenho canalizado as minhas melhores energias no sentido de mudar (definitivamente) o chip, focando-me o mais possível no lado B (leia-se Bom) da vida, em vez do M (leia-se mau), como tenho feito a maior parte da minha existência.

A minha filosofia hoje em dia consiste neste raciocínio: "posso fazer algo para mudar determinada situação?". Se sim, mãos à obra; se não, então não quero saber. Aceito o que não depende de mim e sigo adiante. Parafraseando a letra de uma canção de que gosto bastante, "ando devagar porque já tive pressa e levo esse sorriso porque já chorei demais. Hoje me sinto mais forte, mais feliz, quem sabe, só levo a certeza de que muito pouco ou nada sei".

Com muita pena minha, constato que tantas pessoas teimam em encarar a vida, não como uma benção, mas sim como uma maldição, um sacrifício, uma penitência. A vida é, na verdade, uma grande aprendizagem, a qual só depende de nós torná-la extraordinária. Cumpri-la mais não é do compreender a marcha e seguir em frente, um dia de cada vez e dando sempre o melhor de nós.

De acordo com a filosofia do desenvolvimento pessoal, algo no qual tenho estado a investir, somos nós que transformamos a nossa vida num calvário, isso por não sabermos aceitar a aprendizagem e por continuarmos agarrados ao ego: "porquê eu?" ou "porque é que tenho que passar por isto?"

Não existe uma fórmula mágica para a felicidade, até porque cada indivíduo é um ser único, complexo e portador do livre arbítrio. A meu ver, aceitar que existe uma ordem superior regida por uma lógica perfeita (ainda que a maior parte das vezes não a compreendamos); que há coisas que, pura e simplesmente, não dependem de nós (como o comportamento alheio, por exemplo); que a vida é uma dádiva a qual devemos honrar; que a existência só faz sentido se for para estar em harmonia com o que nos rodeia; que, independentemente da raça, religião, crença ou filosofia de vida, todos nós merecemos ser felizes, já é meio caminho andado.

Despeço-me com este conselho amigo: aceita a benção da vida e faz de ti uma pessoa mais feliz e realizada. Desejo-te um fim de semana tão radiante como o sol que se faz lá fora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

2017pperosporto06.pngOra viva!

Eis-me de volta ao teu convívio, desta feita com um artigo sobre uns tantos truques simples (mas científicos) para te tornares instantaneamente mais atraente. É certo e sabido que somos atraídos por pessoas bonitas. É igualmente facto assente que, ainda que de forma inconsciente, associamos a beleza (física) a uma boa genética e a algum cuidado em preservar/potenciar os atributos com que se nasceu.
 
Mas e quando a mãe natureza não foi generosa para connosco? Resignar, lamentar, descabelar ou correr atrás do prejuízo? No que à genética diz respeito, não há muito a fazer, a não ser que se tenha dinheiro, coragem e disposição para ir ao bisturi. Contudo, há várias técnicas, explicadas pela dona ciência, que ajudam a tornar alguém mais atraente, como estas seis, compiladas pelo Business Insider:
 
1. Andar em bando
Um estudo publicado no Psychological Science concluiu que somos mais atraentes quando estamos com os nossos amigos do que sozinhos. O fenómeno explica-se com o facto de o cérebro humano ter tendência para avaliar o conjunto de rostos das pessoas num grupo em vez de as ver em separado, o que beneficia as que têm características físicas consideradas menos atraentes.
 
2. Permanecer em cena até ao cair do pano
Investigadores da Universidade de Virginia concluíram, em 1979, que quanto menos tempo houver para interagir mais os indivíduos do sexo oposto parecem atraentes. Outro estudo mais recente, de 2010, confirmou que os frequentadores dos bares, solteiros, viam os outros como "significativamente mais atraentes" à hora de fecho.
 
3. Sorrir mais
Investigações publicadas na Neuropsychologia e no PLoS One revelaram que a zona do cérebro ativada quando recebemos uma recompensa é a mesma do que quando vemos um rosto bonito. Esta resposta ainda se acentuava mais com expressões faciais sorridentes.
 
4. Usar vermelho
Várias experiências com o cunho da Universidade de Rochester corroboram o "efeito vermelho". Ou seja, tanto elas como eles demonstraram preferência por quem envergava vermelho.
 
5. Dar atenção ao tom de voz
A forma como falamos tem um papel fundamental na atração que exercemos sobre os outros. Investigadores da College London concluíram que os homens preferem vozes que indicam um tamanho de corpo mais pequeno – como um tom mais agudo –, enquanto as mulheres sentem-se mais atraídas por homens com uma voz mais profunda.
 
6. Apostar no sentido de humor
Ambos os géneros preferem ter uma relação com quem tenha "um bom sentido de humor", como constatou um estudo da Westfield State College, embora cada género valorize o humor de forma diferente: enquanto as mulheres se sentem atraídas por homens que as façam rir, os homens preferem mulheres que lhes achem graça.
 
É caso para dizer que, em matéria de beleza, a genética pode até ter uma frase a dizer, mas a última palavra será sempre tua. Ponto final!

Autoria e outros dados (tags, etc)

03
Abr17

Previsão energética de abril

por Sara Sarowsky

17759943_657431111126742_1451257410964341904_n.jpg

Ora viva!

 

Já saíram as previsões energéticas para este mês, um precioso contributo da minha guru do bem e conselheira espiritual deste blog, Isabel Soares dos Santos, que generosamente acedeu a que partilhasse com os ainda solteiros os seus conhecimentos. Que abril seja para ti generoso e inspirador, é o que te desejo.

 

"Durante todo o mês de abril, a palavra de ordem será COMPROMISSO. Compromisso connosco próprios, com a nossa verdade, com os nossos objectivos de vida, mas acima de tudo, compromisso com a nossa essência.

Cada vez mais vivemos na energia da Luz Divina, do Amor Incondicional e da Verdade. Por isso, continuares a viver na mentira só te vai fazer infeliz, frustrado e doente. A maioria das pessoas ainda vive na mentira e a única razão disso acontecer é o MEDO. Medo de não ser suficientemente bom, medo de perder um emprego, medo de terminar uma relação, medo da solidão, medo, medo e mais medo... Pois é, a boa notícia é que o medo faz parte da energia da noite, cada vez mais existem pessoas despertas que arriscam, que põem o medo de lado, que vão à luta e que se tornam enormes nas suas vidas.

A energia do mês de abril vem lembrar-te de que tens muito valor, de que não te deves esconder atrás do medo e deves, de uma vez por todas, assumir a tua Essência e vivê-la na prática. De nada vale saberes qual a tua Essência e o que vieste cá fazer nesta vida, se não a pões em prática...

Deixa o medo de lado e arrisca mais. Se tens receio de arriscar arranja alguém que puxe por ti, que te ajude a trazer à luz do dia a tua melhor versão.

Todas as pessoas deviam ter um COACH, nem que fosse apenas numa determinada fase da vida! Arranja um COACH e vais ver a tua vida a mudar consideravelmente!

Desejos de um abril muito feliz!

Abraço de Luz,
Isabel 💗"

Autoria e outros dados (tags, etc)

03
Abr17

15676197_1453025124737713_1743480504648548258_o.jpOra viva!

Nos últimos tempos, quem sabe por estar a decorrer o meu processo de candidatura ao clube dos "entas", o que mais tenho ouvido é que a vida começa aos 40; isso porque, na opinião daqueles que partilham dessa visão, é nessa década que se atinge o auge da realização pessoal, sexual, profissional, familiar e emocional.

Até vivenciar por mim mesma, não posso atestar a veracidade desta teoria. O que posso fazer é depositar as minhas melhores expectativas para que, de facto, esta se confirme. Não sou de me lamentar, antes pelo contrário, mas a verdade é que não posso dizer que os trinta tenham sido generosos para com a minha pessoa, sob nenhum aspeto. Pelo contrário, foi a década mais difícil de toda a minha existência.

A propósito disso, a crónica de hoje consiste numa série de experiências, partilhadas por quem já atingiu essa idade, as quais toda mulher "deve" ou pode ter experimentado após quatro décadas de vida neste planeta.

São elas:

1. Um beijo tão poderoso que continuamente a faça lembrar da palavra "paixão".
2. Um homem que realmente soube amar.
3. Uma compreensão do histórico médico familiar que permita que tome as medidas apropriadas para preservar o seu bem-estar.
4. Saber confrontar um amigo ou alguém próximo sem perder o autocontrolo.
5. Aconselhar uma criança sobre compaixão.
6. Um lugar "seu" (onde possa permanecer em silêncio, confortável com os seus pensamentos).
7. Saber cozinhar decentemente, pelo menos, um prato.
8. Ter, pelo menos, um bom amigo que a faça rir …
9. E pelo menos, um amigo que, sem julgar, a chame à razão.
10. Algo muito caro que comprou, não por impulso, mas porque realmente mereceu.
11. Um sonho ou uma visão de si mesma tão extraordinária que realmente a assustou.
12. Uma experiência passada apaixonante que contará com prazer nos seus últimos anos.
13. A perceção de que a velhice é inevitável, e que deve ter uma maneira de financiá-la.
14. Uma cicatriz emocional que a fez sofrer, mas fortaleceu a sua personalidade.
15. Uma roupa tão adorável que vestiria descaradamente na frente de qualquer pessoa, a qualquer momento.
16. Uma atividade de rotina apenas para si.
17. Saber que os seus pais cometeram erros, mas muitas vezes fizeram o melhor que podiam, com o que tinham.
18. Memórias que a façam estremecer.
19. Um diário ou registro pessoal de seus pensamentos e sentimentos mais profundos.
20. Um amigo para quem possa ligar a qualquer momento.
21. Algum objeto que lhe traga um trago de sentimentalismo.
22. Saber o que considera, ou não, aceitável em qualquer relacionamento.
23. Um segredo bem guardado, que imediatamente provoque um sorriso.
24. Uma mulher mais velha na sua vida, que possui características que deseje imitar.
25. Um senso de espiritualidade (leia-se: não religiosidade) que nutre e ensina.
26. Uma canção ou peça musical que a defina.
27. Ou a faça querer cantar com toda a alma.
28. Uma lista de "tarefas pendentes" (que pode ou não ser completa).
29. Um propósito maior que a faça sair da cama, mesmo nos dias mais difíceis.
30. Uma compreensão completa de quem é como mulher - e implicações potenciais deste conhecimento.
31. Ter algo que ninguém lhe possa tirar, independentemente das circunstâncias.
32. Um álbum de fotos, de memórias amadas.
33. Perder alguém tão profundamente amado que vai deixar para sempre um vazio na sua alma e um buraco no seu coração.
34. Ter a capacidade de dizer "Não" sem qualquer explicação adicional.
35. Aceitar a pessoa que vê ao espelho, com imperfeições e tudo.
36. Qualquer passatempo ou interesse no qual se possa perder por horas.
37. Um cabelo grisalho ou dois, ou uma parte do seu corpo que provavelmente nunca irá aperfeiçoar.
38. Um parceiro romântico que, mesmo que as coisas não tenham funcionado, libertava o seu "lado selvagem".
39. Um pouco de dinheiro guardado, ou recursos suficientes em caso de emergência.
40. Perceber que os 40 anos de idade não a tornam "velha". Há muito o que viver!
 
É com esta listagem em mente e o coração repleto das melhores expectativas que pretendo tornar-me na mulher de 40, que Roberto Carlos tão bem soube cantar. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Melhor Blog 2020 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2019 Sexo e Diário Íntimo


Melhor Blog 2018 Sexualidade





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D