Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!

30221722_2094061863967366_9027031025712103424_n.jp

Viva!

 

Qual é a pergunta qual é ela que todos os solteiros temem ouvir? Como é evidente, "Porque não tens ninguém?". De entre todas as respostas – espontâneas, evasivas, resmungonas ou depressivas – esta é aquela que não me lembro de alguma vez ter ouvido sair da boca de um mortal: "É porque como nunca saio de casa, estou à espera que o amor me venha bater à porta!".

 

A experiência pessoal permite-me afirmar que dificilmente existe uma única explicação para o facto de se estar desemparelhado. É facto que um determinado momento e um determinado acontecimento ditaram o dia, o mês e o ano em que a pessoa se autoconsciencializa solteiro. Depois disso, vários argumentos são descaradamente evocados para justificar e/ou reforçar o não estar num relacionamento: preferência por atuações a solo, aversão e/ou medo de compromissos, cara metade esquiva ou, pura e simplesmente, falta de sorte.

 

Independentemente do motivo por detrás da solteirice nossa de cada dia, a auto sabotagem, ainda que na maioria das vezes perpetrada de forma inconsciente, é responsável por uma siginificativa percentagem de corações solitários que andam a vaguear pelos calabouços do amor.

 

De acordo com a psicóloga Melanie Schilling, "minamos e bloqueamos de forma ativa as oportunidades que impliquem qualquer tipo de interação social ou que possam levar a conhecer possíveis parceiros. Ao adotarmos essa postura, transmitimos a mensagem de não estamos interessados numa relação".

 

Como é que fazemos isso? Atribuindo a responsabilidade da nossa situação amorosa a fatores externos – por exemplo, 'está muito frio, começo a sair mais e a ir a encontros quando o inverno acabar' ou 'não há homens de jeito' –, quando na verdade só estamos com medo.

 

"Frequentemente quando já sofremos no passado tornamo-nos demasiado protetores de nós próprios. E tememos sentir intimidade e vulnerabilidade com alguém. Porém, há uma diferença entre ser razoavelmente cético e boicotar a própria felicidade", esclarece a psicóloga.

 

No parecer desta inspetora da mente, muitos dos que inconscientemente sabotam as suas hipóteses de encontrar o amor, 'agarram-se' a três tipos de noções negativas: acerca deles próprios ('estou melhor sozinho'), acerca dos homens/mulheres em geral ('provavelmente vão trair-me') e acerca dos relacionamentos ('não tenho tempo para uma relação').

 

Perante este quadro, o diagnóstico é irrefutável: não estamos preparados para namorar se cultivamos um desses três pensamentos. Ups!

 

O poço de verdade na qual estas ideias saciam a sua empiricidade é tal que não me resta outra opção que não seja fazer mea culpa e encetar uma análise isenta de "achismos" sobre os reais motivos porque continuo solteira. Agora vejo que muitos de nós cometemos o pecado de não saber reconhecer que estar desemparelhado deve-se, acima de tudo, às nossas próprias atitudes e ao nosso modo de estar na vida.

 

E com esta retiro-me de costas, não vá a verdade dos factos seguir-me ecrã fora. Até à próxima, single mine.

Autoria e outros dados (tags, etc)

20
Mai18

Queres f**** comigo?

por LegoLuna

32512079_2137615606255385_5213909895832666112_n.jp

Viva!

 

Ainda que sob pena de ultrapassar a linha que separa o erótico do pornográfico, arrisco-me a partilhar contigo o olhar do Marcos Bulhões sobre as relações nos tempos atuais. Em respeito para com a boa digestão virtual e para com o alinhamento editorial deste blog, o termo f**** será alvo de uma pequena censura, os tais asteriscos. Quanto à imagem, após hora e meia de indecisão, lá acabei por escolher a mesma que o autor usou na publicação original.

 

Sexo casual 
é o novo modelo de relacionamento.
Uma mensagem,
Um olhar,
Algumas palavras e pronto!
O sexo ganhou um novo pseudónimo:
o aclamado "foda".
Então prepara o preservativo
que a noite vai ser de prazer.
Mas a preservação não é só 
por uma gravidez inesperada ou uma DST,
também nos preservamos 
do compromisso,
do apego,
das cobranças
e sobretudo do AMOR.
É mais fácil tirar a roupa do que o sorriso.
Tocar corpo do que o coração.
Preferimos alguém pra comer numa noite,
a alguém que fique para comer connosco no café da manhã.
Estamos tão fragilizados com compromisso
que matamos o prazer enquanto a carência nos enterra.
Houve um tempo em que as pessoas 
faziam amor, e eram felizes.
Mas hoje, elas f****!!!
E talvez por isso exista pouca gente feliz
e tanta gente f*****.

 

A primeira ilação que se pode tirar do acima exposto é que os sentimentos mais profundos parecem já não interessar assim tanto, ao passo que os mais efémeros e superficiais parecem alastrar-se tal e qual um derrame de crude em pleno oceano.

 

Claro que cada um sabe o que é melhor para si, assim como cada qual faz o uso que lhe convém do livre arbítrio. Eu não me identifico de todo com este tipo de relações, como, aliás, não me canso de aqui repetir. Na verdade, um dos grandes motivos porque continuo solteira é precisamente o facto de partilhar do ponto de vista do Marcos.

 

Quando é uma mulher a abordar esta questão ela sujeita-se a levar com rótulos do tipo romântica, ingénua ou sentimental. Mas quando é um gajo a por o dedo no cancro das relações modernas: a primazia do físico em detrimento do emocional, o assunto assume outras nuances.

 

É, single mine, quem tem a sorte de ter um amor com letras maísculas que o conserve bem, porque para aqueles que não o têm, só mesmo recorrerendo ao Tom Cruise para completar a missão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

28336057_10215815601010015_7025216461346928767_o.j

Viva!

 

Escolhi para hoje um texto do Pedro Caballero Serodio, focado na azáfama da vida contemporânea, mais precisamente na "catrefada" de coisas que a sociedade nos recomenda (quando não impõe) como politicamente corretas e/ou saudáveis.

 

Dizem que todos os dias temos que comer uma maçã para o ferro e uma banana para o potássio. Também uma laranja para a vitamina C, meio melão para melhorar a digestão e uma chávena de chá verde sem açúcar para prevenir a diabetes.
 
Todos os dias temos que beber dois litros de água (sim, e logo a seguir mijá-los, que leva quase o dobro do tempo que os levei a beber). Todos os dias temos que tomar um Activia ou um iogurte para ter 'L.Cassei Imunitas', que ninguém sabe exactamente que merda é, mas parece que se não ingeres um milhão e meio todos os dias começas a ver toda a gente com uma grande diarreia ou presos dos intestinos.
 
Cada dia uma aspirina, para prevenir os enfartes, mais um copo de vinho tinto, para a mesma coisa. E outro de vinho branco, para o sistema nervoso. E um de cerveja, que já não me lembro para que era... Se os tomares todos juntos, mesmo que te dê um derrame cerebral ali mesmo, não te preocupes, pois o mais certo é que nem dês conta disso.
 
Todos os dias tens que comer fibras. Muita, muitíssima fibra, até que sejas capaz de cagar uma camisola bem grossa! Tens que fazer quatro a seis refeições diárias leves, sem te esqueceres de mastigar cem vezes cada garfada.
 
Ora, fazendo um pequeno cálculo, apenas a comer vão-se assim de repente umas cinco horitas. Ah, depois de cada refeição deves escovar bem os dentes, ou seja: depois do Activia e da fibra, os dentes. Depois da maçã, os dentes. Depois da banana, os dentes e assim, enquanto tiveres dentes sem nunca te esqueceres de passar o fio dental massajador das gengivas e bochechar com PLAX...
 
Melhor! Amplifica a casa de banho e põe a aparelhagem de música lá, porque entre a água, a fibra e os dentes vais passar horas, quase metade do dia ali dentro. Equipa-o também com jornais e revistas para te pores a par do que se passa enquanto sentado na sanita.
 
Temos que dormir oito horas e trabalhar outras oito, mais as cinco que usamos a comer, faz vinte e uma. Restam três horas, sempre que não surja algum imprevisto. Segundo as estatísticas, vemos três horas de televisão diárias. Bem, já não podes porque todos os dias devemos caminhar pelo menos uma meia hora (dado por experiência: ao fim de 15 minutos é melhor regressar, senão andas mas é uma hora!).
 
E há que cuidar das amizades porque são como uma planta: temos que as regar diariamente. E quando vais de férias também, suponho, senão as plantas morrem nas férias. Para além disso há que estar bem informado e ler pelo menos um dos jornais diários e outro de uma revista séria para comparar a informação. Ah! E temos que ter sexo todos os dias, mas sem cair na rotina: temos que ser inovadores, criativos, renovar a sedução. Claro!
 
Isso leva o seu tempo. E já nem estamos a falar do sexo tântrico! (A respeito disso, relembro: depois de cada refeição temos que escovar os dentes!).
 
Também temos que arranjar tempo para a maquilhagem, a depilação/fazer a barba, varrer a casa, lavar a roupa, lavar os pratos e já nem digo, os que têm gatos, cães, pássaros e uma catrefada de filhos...
 
No total, a mim dá-me umas 29 horas diárias. Isto se nunca parares! A única possibilidade que me ocorre é fazer várias destas coisas ao mesmo tempo: por exemplo, tomas duche com água fria e com a boca aberta, e assim bebes logo os dois litros de água de uma vez. Enquanto sais do banho com a escova de dentes na boca, vais fazendo o amor, o sexo tântrico, parado junto ao teu mais que tudo, que de passagem vê TV e te vai contando o que se passa, enquanto varres a casa.
 
Sobrou-te uma mão livre? Não, não penses nisso! Telefona aos teus amigos e aos teus pais! Bebe o vinho (que depois de telefonares aos teus pais vai fazer-te falta!). O iogurte com a maçã pode dar-te o teu par, enquanto ele come a banana com a Activia. No dia seguinte troquem! E menos mal que já crescemos, porque senão tínhamos que engolir mais umas cerelacs e um Danoninho Extra Cálcio todos os santos dias. Úuuuf! Mas se te restam 2 minutos, reenvia isto aos teus amigos (que temos que regar como as plantas) enquanto comes uma colherzinha de Muesli ou Al-Bran, que faz muito bem...
 
E agora vou deixar-te porque entre o iogurte, o meio melão, o primeiro litro de água e a terceira refeição do dia já não faço a mínima ideia o que é que estou a fazer porque preciso urgentemente de uma casa de banho.
Ah, vou aproveitar e levo comigo a escova de dentes...
 
Depois do que acabei de postar, vou repensar alguns dos conteúdos deste texto nos quais me revi. Oh se vou! Até à proxima adulto contemporâneo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

32542329_1772234216148035_3734665911471177728_n.jp

Viva!

 

Olha só quem voltou ao teu convívio. Antes que comeces com cobranças, deixa-me dizer-te que sinto muito por cada um destes 10 dias que fiquei longe de ti. Tanto aconteceu desde o último artigo, que vou ter que ir relatando os acontecimentos aos poucos, sob pena deste artigo ultrapassar as quatro laudas.

 

Como te dei conhecimento através do Instagram, na quinta-feira passada voei até Barcelona para uma escapadela de quatros dias. A minha excitação era indescritível, não só por ir viajar (coisa que amo fazer), mas sobretudo porque estava prestes a realizar um sonho de há muito: conhecer uma das cidades que ano entra ano sai constava da minha wish list.

 

À chegada ao aeroporto de El Prat, recebo um telefonema de Lisboa a perguntar se estaria disponível para voltar para o trabalho dos meus sonhos (aquele que tinha perdido há dois anos por causa da implicância de uma fulana que achou que eu era demasiado vistosa para a instituição em causa). Como o voo de regresso estava marcado para domingo à noite e eles tinham grande precisão dos  meus préstimos, comprometi-me a "picar o ponto" na segunda, logo às nove da manhã.

 

Descaradamente mais esfusiante do que antes, desfrutei de três dias de puro deleite, a namorar a cidade, a absorver tudo o que me chegava aos olhos, a conviver com pessoas de diferentes nacionalidades, a praticar o portunhol, a descobrir recantos, segredos e estórias da Catalunha, a dançar na rua às tantas da noite, a subir e a descer encostas, a visitar exposições de arte; ou seja, a turismar.

 

Até que... a lua de mel dá lugar à lua de fel. A passagem do paraíso para o inferno dá-se por uma questão de minutos. Devido a um atraso de meia hora, em parte justificado pelo escaldante Barcelona-Real Madrid desse dia, que deixou os transportes a rebentar pelas costuras, eis que perco o voo que me traria de volta para casa. Com a cidade mais apinhada do que o costume (à custa dos blaugrana), os voos para Lisboa estavam todos lotados, motivo pelo qual só consegui um novo para dali a dois dias.

 

Entre procurar alojamento à última da hora, voltar ao estilo de vida estudantil – em que se dorme no sofá de alguma alma caridosa, lava-se roupa numa lavandaria, come-se pão com cuspo ao pequeno-almoço e otras cositas más – lá consegui aterrar na Alfacilândia na terça de manhã, mesmo a tempo de apanhar o Carris Express para o (novo) trabalho, com 36 horas de sono em cima (16 delas sem uma higiene pessoal digna desse nome), longas horas de jejum (forçado) e com a minha tralha a descoberto, já que na volta a minha mochila (comprada na véspera) foi inutilizada pelo pessoal de handling.

 

Enfim... foi uma aventura e tanto. Pena eu não ter tempo nem disposição para te contar os detalhes mais sórdidos. Estou a cair para o lado de tanto sono e cansaço. Desde que cheguei de viagem, tenho trabalhado das nove da manhã às tantas da noite, hoje inclusive.

 

Conto voltar à rotina já amanhã. Ainda bem, porque sinto-me à beira de uma estafa. Na última semana dormi pouco, comi mal, trabalhei em contrarrelógio e não escrevi uma única frase. Preciso mesmo retomar as aulas de código, as crónicas do Ainda Solteira, o social media manager da missão diplomática, o convívio com a minha tribo, as tarefas domésticas, as idas ao supermercado, e por aí fora. Preciso respirar, relaxar, meditar e vegetar, nem que seja por umas horitas.

 

Até lá, deixo-te com aquele abraço amigo e desejos de uma semana abençoada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

02
Mai18

31732091_841174659419052_6821896529914101760_n.jpg

Viva!

 

O quinto mês do ano traz previsões que tanto têm de curiosas como auspiciosas. Eu que estou toda sintonizada no lado espiritual da vida, só tenho a agradecer à nossa guru do bem, a Isabel Soares dos Santos, e dizer a maio que estou pronta para receber tudo que ele me quiser trazer, que lhe ficarei grata na mesma. Eis o que nos reserva o mês da mãe e das noivas.

 

Durante todo o mês deverás trabalhar o poder da tua mente, principalmente aprender a conseguir desligar os pensamentos que te perturbam. A todo o momento surgem pensamentos negativos, pensamentos derrotistas ou apenas confusões mentais.... Depois de os últimos meses terem sido muito intensos energeticamente, o mês de maio pede para parares e relaxares, mas se não conseguires desligar a tua mente de todas as preocupações, vais acabar por não conseguir de todo relaxar.

 

Cada vez mais deves apostar em práticas de relaxamento como a meditação, o yoga ou o tai-chi, ou até mesmo algum exercício físico mais intenso. Quando a mente não está treinada para desligar sozinha, então o melhor a fazer é cansar o corpo, de modo que a mente acabe por sucumbir ao cansaço.

 

Olhando bem para a mulher na imagem, é percetível que, apesar de os últimos meses terem sido desgastantes e de todas as vozes que teimam em fazer-se presente, ela transmite serenidade. O corpo está em posição de meditação representando relaxamento, os ombros direitos representando segurança e a face a esboçar um leve sorriso representando tranquilidade.

 

Por isso, a pensar em todas as vozes que não gostamos de ouvir e em todos os nossos medos interiores que muitas vezes nos bloqueiam, deves trabalhar para encontrar a tua paz interior. Saber viver em harmonia e paz constantes é o principal caminho para conseguires tudo o que desejas na vida.

 

Desejos de um mês muito feliz!

Abraço de Luz,
Isabel 💗

Autoria e outros dados (tags, etc)

02
Mai18

16835804_2033923133314573_119891061360932200_o.jpg

Viva!

 

Ando sumida, não porque não queira estar contigo, mas porque ando numa azáfama tal que pouco tempo e inspiração me tem sobrado para tal. Como te disse há umas semanitas, no sábado passado fui ao tal workshop de reprogramação mental.

 

Há tanto para contar que, até conseguir tempo para despejar tudo, vou resumir essa experiência numa só palavra: transformador. Mesmo! A todos os níveis e de tal modo profundo que (apenas) quatro dias depois tenho a possibilidade de realizar uma das minhas viagens de sonho. De modo totalmente inesperado, como se, de facto, o universo começasse a trazer até mim tudo o que esteve na calha durante tanto tempo.

 

Vou estar fora uns dias, mas para a semana estarei de volta com mais novidades e estórias incríveis para contar. Até lá fica com aquele abraço amigo e votos de um fantástico fim de semana. 

 

P.S. - Para saberes onde estarei nos próximos dias fica atenta ao Instagram que vou tratar de postar lá umas fotos giras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

635520.png.jpg

Viva!

 

Queres desencalhar? Se sim, só tens que experimentar este menu de degustação, composto por dicas à moda da Trea, marinadas em cinco questões e temperada com um caso concreto. Para sobremesa, sorrisos constantes. Garanto-te que esta receita para arranjar namorado é de comer e lamber os beiços. Pronta para o que aí vem? Bora!

 

matchmaker Trea Tijmens, citada pela swissinfo, é categórica na hora de dizer que para começar a namorar é preciso antes fazer uma limpeza interna, uma faxina de dentro para fora. Aliado a este conselho, a formadora de casais explica que o seu trabalho consiste em preparar mulheres holisticamente, por forma a que consigam criar oportunidades para um novo relacionamento.

 

"Quero que as minhas clientes consigam reconhecer oportunidades e que sejam capazes de agir perante esses momentos. Oportunidades acontecem no nosso dia a dia, no comboio, no supermercado, no autocarro, nos bares. Só que muitas pessoas nem reconhecem", enfatiza, reconhecendo que trabalha preparando a mente dos clientes para lidar com situações de engate.

 

Mas para isso é imperativo sair da zona de conforto. Para quem tem filhos, o conselho é que a pessoa se envolva nas atividades escolares. É preciso tomar atitudes para aumentar a rede de contatos, como por exemplo matricular-se num curso ou inscrever-se num ginásio.

 

Esta profissional que se dedica a juntar corações solitários aconselha seus clientes a limparem a mente de ideias negativas, com frases que minam a autoconfiança, como "Os bons já foram fisgados", "Eu não mereço um gajo bom" ou "Por que esta pessoa se interessaria por mim?".

 

Outra lição que Trea faz questão de passar é sobre o sorriso. "Sorria, faça do mundo um lugar mais humano. Eu garanto que vai ajudar a atrair um relacionamento", diz. E dá como exemplo o caso de uma das suas clientes, que reclamava que ninguém falava com ela, mas que após seguir o seu conselho, foi abordada por um homem interessante.

 

Outro conselho valioso, principalmente para os bem-sucedidos profissionalmente. "Muita gente acha que aquela pessoa está muito feliz sozinha e que não procura ninguém. Além disso, não vão querer se intrometer ou tocar no assunto, já que é privado. Dessa maneira, aconselho que o assunto seja inserido durante o almoço ou até mesmo durante o café no escritório, mas sempre de maneira sutil: "Diga que está em busca de uma pessoa para formar uma família, ou de um relacionamento estável, sem conotação de desespero ou desânimo", explica.

 

Para rematar, a love coach sugere algumas perguntas que devem estar bem esclarecidas na mente de quem procura o amor, sob pena de ver fracassadas todas as estratégias anteriores:

 

Você está emocionalmente pronto?
É imperativo responder se o ex realmente ficou no passado. Isto porque o futuro relacionamento não quer ouvir falar de relações passadas.

 

Namorar é uma prioridade?
É preciso se fazer disponível para um relacionamento, investir tempo e esforço.

 

O quão feliz é com a sua pessoa?
Só você é responsável por sua felicidade. Pessoas felizes são ótimas em se ter por perto e isso ajuda na busca de um relacionamento. É importante sentir-se bem (emocional e fisicamente) e segura.

 

Tem uma mentalidade positiva?
Seja otimista e aberta a conhecer outras pessoas solteiras. É preciso manter o espírito de querer descobrir coisas boas nos outros, como também em si mesmo.

 

Costuma sorrir para os outros?
Mantenha o sorriso no semblante sempre.

 

Agora diz-me a que te soube esta crónica gourmet?

Autoria e outros dados (tags, etc)

naom_5ad4e4ffc2986.jpg

Viva!

 

Farta de levar com palpites alheios, mudei o discurso em relação ao meu estatuto amoroso-sexual. Antes, quando questionada porque não tenho ninguém, apelava a uma série de argumentos, todos eles lógicos e politicamente corretos, contudo facilmente refutáveis pelas mentes mais persistentes, e inconvenientes, diga-se de passagem. Quase sempre, familiares mais velhos e amigos próximos que se sentem no direito de dissecar a minha vida amorosa.

 

Nessas ocasiões, os meus argumentos – quando ficar calada ou desconversar não era opção – não fugiam muito ao repertório da praxe: porque acreditava num amor maior; porque não queria acabar largada e com filho(s) para criar sozinha (como a esmagadora maioria das mulheres que conheço); porque não era um bom momento; porque o amor não era prioridade; porque ainda estava traumatizada com a última relação; porque não queria estar com alguém só por estar; porque tinha medo de me entregar novamente e sair magoada; porque tinha deixado de acreditar no amor; porque gostava de ser leve, livre e solta; porque estava habituada à solteirice; porque não queria levar com os cornos; porque isto; porque aquilo; porque aqueleoutro.

 

E assim tem sido a minha vida de desemparelhada nos últimos anos. Aliás, foi precisamente esse cenário que despoletou a criação do Ainda Solteira. Com o blog ao menos teria um espaço onde poderia assumir a minha solteirice sem sentir que estava a desonrar as convenções sociais. Agora, ao atingir as quatro décadas de vida, estou-me lixando ainda mais para a opinião alheia, inclusive daqueles a quem devo algum respeito e satisfação, como os parentes mais próximos.

 

O chorrilho de contra argumentos com que costumo levar a seguir é digna de registo, de tão inabaláveis que são: porque o meu prazo de validade para procriar vai-se esgotando no passar dos anos; porque mulher sem homem é como sapato sem meia; porque é um desperdício alguém com tantos predicados estar sozinha; porque todas conseguem; porque os meus irmãos mais novos já cumpriram o seu papel na sociedade; porque quando ficar velha não terei ninguém para cuidade de mim; porque "os outros" podem pensar que tenho uma relação clandestina (com algum homem casado ou, pior ainda, com outro alguém do mesmo sexo); e por aí fora.

 

Por mais que se tente, não há volta a dar à coisa: volta e meia, leva-se com este tipo de cenas. E a não ser que sejamos estúpidos ou indelicados, convém ser criativo nas justificações. Ainda ontem, assisti a mais um episódio da saga Porque Estás Solteira. Só que aí saiu-me uma resposta que até eu tive que tirar (mentalmente) o chapéu à minha adorável pessoa. Ei-la: "A esta altura do campeonato, ter um homem na minha vida depende unica e exclusivamente da beleza dele. Se a beleza for física, como e vou à minha vida. Se a beleza for monetária, como e faço a minha vida". Havias de ver a cara da fulana. Até eu tive uma nesguinha de pena dela.

 

Perante o meu despudor em assumir-me como uma libertina assanhada ou uma mercenária descarada (dependendo para que lado pendia a beleza do macho alfa), a minha situação amorosa deixou de ser tema do seu interesse. Ficou claro que para ela, pior do que eu estar sem par, é conviver com a ideia de que a pessoa ao seu lado (neste caso, eu) deixou-se corromper pela libido ou pelo materialismo.

 

Por ter constatado que a minha resposta acertou na muche, fica lacrado que, a partir desta data, esta solteira aqui só quer saber de homens com muita beleza. Fica a saber quem não tem um físico espetacular ou uma conta bancária recheada que nem vale a pena estar a nutrir pretensões para com a minha pessoa, pois não terá a mínima chance. Agora já não há cá essa estória de amor. Dos homens eu só quero a beleza. E tenho dito!

 

E com esta me despeço com um até à próxima!

Autoria e outros dados (tags, etc)

28424903_10215791447286187_5688895341270984887_o.j

Viva!

 

Uma publicação da GQ veio lançar uma nova luz sobre o conceito feminino de sexy quando o assunto é o corpo masculino. Por não me rever minimamente na ordem de importância dessas preferências, daqui para a frente passarei a adotar um discurso na terceira pessoa do plural ("elas"). Comprometo-me a, no final da crónica, partilhar contigo a minha própria versão da tabela classificativa (que ainda não sabes qual é, mas que passarei a explicar tout de suite).

 

Retomando o fio à meada, é facto assente que o chamado "six-pack" é uma parte da anatomia masculina amplamente cobiçada pelas portadoras de estrogénio e descaradamente invejada pelos detentores de testosterona que não desfrutam dessa graça viril. Tanto assim é que muitos homens dão o suor, sangue e lágrimas para obterem um abdómen esculpido. Outros, e são cada vez mais, optam por recorrer a intervenções estéticas como forma de obterem a tão almejada barriga de tanquinho.

 

Independentemente da taxa de esforço indexada a uns abdominais definidos, trata-se de um investimento com retorno nunca abaixo dos 100 porcento. Mudando o discurso para a primeira pessoa do singluar, digo que um "six-pack" é meio caminho andado para o clímax. Se vier acompanhado do tal V (que eu batizei de vale da perdição), é satisfação garantida na certa; se é que me faço entender.

 

Favoritismo pessoal à parte, um estudo recente da revista americana GQ conseguiu que as discípulas de Vénus classificassem, por ordem de preferência, as partes do corpo masculino que mais apreciavam. Eis o resultado:

 

8. Peito
Apenas 2% das inquiridas destacou o peito como a zona que mais atração desperta. Aos humanóides que andam por aí a ostentar orgulhosamente uma espécie de camião TIR da cintura para cima fica o recado: esta é parte da vossa anatomia que reuniu menor preferência. Portanto, deixem-se dos anabolizantes e dessas cenas proteícas e continuem a ler que este artigo ainda tem muito a dizer.

 

7. Pernas
Só 5% das mulheres reconheceram as pernas como a parte mais sexy do corpo de um homem. Isto é um fluorescente cartão vermelho aos caramelos lá do ginásio cujas pernas mais parecem uma pata de bisonte de tão musculadas que são. A não ser que pretendam tornar-se o CR8, foquem as vossas energias noutras partes, que o mulherio agradece.

 

6. Rabo
A crença de que só os homens são chegados nuns glúteos bem definidos é um mito que urge ser relegado ao seu lugar na história. Nós também apreciamos (e como!) um bom derrière. A prova disso é que 7% das mulheres a consideram a parte do corpo deles que mais lhes agrada. Por isso, toca a incluir exercícios específicos para essa zona no vosso plano de treinos. Agacha, agacha, agacha...

 

5. Abdómen
Para meu espanto, os abdominais emparelhados de que eu sou uma adepta fanática só reuniu a preferência de 9% das entrevistadas. Ainda que no modesto 5º lugar, parece-me que investir nessa região inferior do tronco continua a ser uma aposta ganha. Nem que seja por uma questão de saúde, já que a gordura ao redor da cintura está associada a riscos acrescidos de uma série de doenças. Just in case, continuem a dar no duro, que mal não há de fazer.

 

4 . V
O corte V é aquela coisa magnífica, estrategicamente aninhada entre o abdómen e a pélvis, e apenas visível quando se goza de uma excelente forma física. Obter tão distinta certificação exige treinos intensivos, alimentação rigorosa e uma genética de primeira. Pena que só 15% das norte-americanas o tenha achado sexy. Tenho sérias dúvidas de que elas soubessem de facto o que seria um V. Inseridas numa das populações mais obesas do mundo, as coitadas não devem ter tido o previlégio de um encontro imediato de primeiro grau com algum exemplar todo talhado no V.

 

3. Costas
18% das mulheres admitiram não resistir a umas costas largas, considerado-o um atributo físico altamente sensual. Para quem sempre apostou no treino de costas, eis a merecida recompensa. Para quem nunca deu tanta importância à coisa, é hora de remadas, elevações e pesos mortos. Oh se é!

 

2. Ombros
A segunda surpresa do estudo: os ombros conseguiram a medalha de prata. Quase 19% da amostra considerou que estes eram a parte mais sexy no físico deles. Opinião da qual discordo veementemente. Desde quando os ombros são mais sensuais do que o V ou o "six-pack"? Só na América mesmo.

 

1. Bíceps
A parte da anatomia masculina que reuniu maior preferência foram os braços, com uma em cada quatro mulheres (24%) a admitirem não lhes resistir. Apesar de reconhecer o valor de uns bíceps tonificados, volto a protestar contra. Mas estas gajas têm o quê na cabeça, fast-food? Só pode!

 

Agora que já te dei a conhecer a lista deles, eis a minha: 4, 5, 8, 6, 3, 7, 2 e 1. Ilustrando: V, six-pack, peito, rabo, costas, pernas, ombros e bíceps. Como podes contastar a preferência das mulheres este lado do Atlântico – sim, porque fiz questão de levar a cabo o meu próprio estudo, desta vez com uma amostra mais representativa da realidade com a qual me identifico – são completamente diferentes. Enfim...

 

Até e um ótimo fim de semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)

23316629_10214838934833971_8485026778328444166_n.j

Viva!

 

Era minha intenção escrever-te sobre o amor – não um amor qualquer mas um amor maior – só que aconteceu algo que me fez mudar a direção desta crónica. Algo que me permito partilhar contigo, como forma de trazer a debate mais um episódio de seguidores que pressupõem que lá porque tenho um blog chamado Ainda Solteira, sou uma desesperada à mercê de qualquer macho que se digne considerar-me uma opção à altura do nome.

 

Salvaguardando os pormenores mais pessoais (não que o fulano em si seja merecedor de tal consideração, mas tão somente pela postura minha de não expor intimidades alheias), convém fazer-te uma pequena contextualização de mais este lamentável episódio na minha vida de blogger.

 

Antes de ontem, a propósito do artigo Ser sexy é isto, um leitor enviou-me uma mensagem por email, que em nada fazia prever o desfecho que daqui a pouco vais ficar a saber. Na maior inocência, respondi-lhe com a agradabilidade da praxe, tendo inclusive elogiado a sua forma de se expressar. Ao que parece, o senhor encarou esta minha reação como uma luz verde para avançar, sem atentar-se aos sinais de cedência de passagem e stop (não ia perder esta oportunidade de te mostrar o quão aplicada ando em matéria de código da estrada). Às onze e tal da noite de ontem, manda-me um novo email, que me deixou de tal forma encucada que achei por bem não respoder. Não satisfeito com o meu desprezo digital, a pessoa em questão bombordeia-me com um novo email, em estilo caderno do Expresso de tão extenso, desta vez às 05:01 da manhã (sim, leste bem), a dizer coisas que nem vale a pena estar para aqui a replicar, mas que pela minha resposta – sim, porque desta vez não podia deixar de lhe responder – vais acabar por perceber. É precisamente o conteúdo da minha resposta que passo a transcrever:

 

Bom dia,

Não era minha intenção responder ao seu email de ontem, mas dado que enviou outro – ainda mais perturbador – vejo-me impelida a reagir, mais não seja para esclarecer alguns pontos, que me parece que sejam a causa do equívoco percetível nos seus dois emails.

Não sei o que leu, nem o quanto leu do meu blog, razão pela qual vejo-me impelida a dizer-lhe que, lá pela minha escrita incidir muito sobre o amor, isso não quer dizer que ande à procura dele de lanterna na mão.

Com isso quero dizer que não estou desesperada à procura de um macho, muito menos um que me parece um tanto ou quanto perturbado, permita que lhe diga.

A meu ver, três motivos levam uma pessoa a escrever a um desconhecido às cinco da manhã: um amor shakesperiano, uma alma atormentada ou carência em demasia. Dado que a primeira opção não se cogita, já que não me conhece de lado nenhum para nutrir todo esse sentimento, só me resta considerar as opções B e C. E nenhuma delas abona a seu favor, digo-lhe já!

Pelo que partilhou, tem passado por momentos complicados, o que me faz pensar que um amor poderia ajudar-lhe a ver a vida com mais cor.

Estou certa?

Todos queremos amor, tenha-se ou não a honestidade de reconhecer isso, e eu não sou exceção. Só que não quero um amor qualquer, um amor vindo de um completo estranho que, por se sentir carente e a ultrapassar uma fase difícil na vida, vê nessa minha disponibilidade um convite à entrada dele na minha vida.

Não senhor!

Eu quero um amor maior. E coincidentemente, a crónica de hoje é precisamente sobre isso. Só que estou a repensar o tema, não vá o (...) achar que estou a escrever para si, como aconteceu com a publicação anterior.

Não, não mencionei o meu nome no post como um recado para si. Portanto, é infundada e até presunçosa essa sua suposição.

Um comentário seu num post meu não lhe confere importância suficiente para que eu direcione a minha escrita para a sua pessoa.

Quando lhe disse que "acabou de ser sexy" estava a ser simpática, ao mesmo tempo que fazia conexão com o post que originou a troca de mensagens. Apenas isso, sem nenhuma outra intenção. Não foi nenhuma manifestação de interesse, muito menos uma declaração de amor.
Parece que esta minha atitude teve outra leitura da sua parte. O que lamento.

Apesar da sua forma tocante de descrever o que lhe vai na cabeça, no coração e na alma, e abordar temas convergentes com a linha editorial do meu blog, o seu discurso é descoordenado, como se estivesse demasiado ansioso para conseguir transmitir tudo o que deseja e tivesse medo de esquecer algo pelo caminho. A vida me ensinou que a ansiedade nunca é boa aliada.

Mesmo depois de uma segunda leitura, há coisas que me continuam a passar ao lado, por mais que tente entender, o que reforça a minha ideia de que a sua alma está atormentada. Quem sabe, dormir mais horas não lhe amenize isso. Ainda que corra o risco de parecer inconveniente, atrevo-me a dizer-lhe que pouco sono pode ser a causa desse seu estado de espírito.

Referir-se a si mesmo como "branquela" pôs-me a pensar sobre o motivo que o levaria a desconsiderar-se tanto ao ponto de usar uma palavra tão infeliz, com uma conotação claramente pejorativa. Que eu me lembre nunca usei este termo nas minhas escritas, mesmo nas ocasiões em que me referi às diferenças raciais.
Para mim "branquela" é o mesmo que "preto", termos racistas com as quais não me identifico de todo.

O que quer dizer com "sobretudo porque é uma situação repentina e poderá, de alguma forma, ir de encontro ao que pretendes. Curiosamente ou não também é o que gostava para mim." E com "Sei bem o que quero e não aturo merdas de ninguém. Não me interessa quem for nem quantos forem e se alguém acabar mal garanto que não vou ser eu"?

Mesmo sem entender patavina destas duas passagens, ao lê-las só consegui pensar. "Creepy".

Depois, diz coisas deveras pertinentes, bonitas até, com os quais me identifico, para voltar a perder-se nesse seu pensamento incoerente. Como por exemplo: "Agora, afirmar que sempre vens ao meu pensamento o meu corpo inunda-se por um je ne sais quois de plaisir, isso é realmente amor".

Tenho por regra ser o mais agradável possível com os meus seguidores/leitores, tentando arranjar tempo e disposição para lhes endereçar uma palavra amiga sempre que necessário.

Contudo, há limites que faço questão de não ultrapassar.

E mensagens como a sua é uma dessas coisas que me fazem recuar logo dois passos e dar por encerrado o contacto sem mais delongas.

Na expectativa de que não se sinta ofendido com tudo o que lhe escrevi, desejo-lhe tudo de bom e espero que encontre esse amor que acabou de descrever.

Fique bem.

 

A resposta dele? Insultos velados, acusando-me de não ser verdadeira, de ser uma ignorante que não deve saber quem é Sócrates (o filósofo, não o político) e por aí fora. A minha contraresposta? Um desprezo ainda mais ensurdecedor!

 

Tem dias que a vida desta ainda solteira não é pera doce. Volta e meia, levo com cada caramelo. E ainda admiram porque permaneço desemparelhada. Noite feliz e até à próxima!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D