Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida, na casa dos 30, que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!

14589605_1332361883470705_1361123245145265501_o.jp

Ora viva!

 

Penso já ter, por mais do que uma vez até, ter-te confidenciado que não sou parente chegada da D. Religião, não obstante ter sido criada, até aos 20 anos, no seio da Igreja Católica. Feliz ou infelizmente, a verdade é que no meu espírito não reconheço um único cromossoma associado à crença.

 

Com ou sem fé, teria que ser uma criatura no mínimo desnaturada para não reconhecer o lado B dos ensinamentos católicos, sobretudo no que toca à solidariedade, tolerância, amor e respeito ao próximo, só para citar os mais flagrantes.

 

Ainda adolescente, tive o privilégio de conhecer João Paulo II, aquando da sua visita às ilhas da morabeza, no longínquo ano de 1990. Talvez por isso, e à sua postura ímpar, nutra por ele um afeto especial, que vai muito além da mera admiração.

 

Ora esse sentimento, que misteriosamente se esfumou no reinado do Ratzinger (deixo ao teu critério os motivos para tal), voltou a ser resgatado pelo atual big boss da Santa Sé, pessoa humilde, dedicada e muito inspiradora, que este ano, à luz da homilia da sexta-feira paixão, dedicou aos fiéis estas palavras, que me tocaram de um modo tão profundo que não posso deixar de partilhar contigo:

 

"Você pode ter defeitos, ser ansioso, e viver alguma vez irritado, mas não esqueça que a sua vida é a maior empresa do mundo. Só você pode impedir que vá em declínio. Muitos lhe apreciam, lhe admiram e o amam. 

 

Gostaria que lembrasse que ser feliz não é ter um céu sem tempestade, uma estrada sem acidentes, trabalho sem cansaço, relações sem deceções. Ser feliz é encontrar a força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor na discórdia. 

 

Ser feliz não é só apreciar o sorriso, mas também refletir sobre a tristeza. Não é só celebrar os sucessos, mas aprender lições dos fracassos. Não é só sentir-se feliz com os aplausos, mas ser feliz no anonimato.

 

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver a vida, apesar de todos os desafios, incompreensões, períodos de crise. Ser feliz não é uma fatalidade do destino, mas uma conquista para aqueles que conseguem viajar para dentro de si mesmo.


Ser feliz é parar de sentir-se vítima dos problemas e se tornar autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas conseguir achar um oásis no fundo da nossa alma. É agradecer a Deus por cada manhã, pelo milagre da vida.

 

Ser feliz, não é ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si. É ter coragem para ouvir um "não". É sentir-se seguro ao receber uma crítica, mesmo que injusta. É beijar os filhos, mimar os pais, viver momentos poéticos com os amigos, mesmo quando nos magoam.


Ser feliz é deixar viver a criatura que vive em cada um de nós, livre, alegre e simples. É ter maturidade para poder dizer: "errei". É ter a coragem de dizer:"perdão". É ter a sensibilidade para dizer: "eu preciso de você". É ter a capacidade de dizer: "amo-te".


Que a tua vida se torne um jardim de oportunidades para ser feliz... Que nas suas primaveras seja amante da alegria. Que nos seus invernos seja amante da sabedoria. E que quando errar, recomece tudo do início. Pois somente assim será apaixonado pela vida. Descobrirá que ser feliz não é ter uma vida perfeita. Mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância. Utilizar as perdas para treinar a paciência. Usar os erros para esculpir a serenidade. Utilizar a dor para lapidar o prazer. Utilizar os obstáculos para abrir janelas de inteligência. Nunca desista.... Nunca renuncie às pessoas que lhes ama. Nunca renuncie à felicidade, pois a vida é um espetáculo incrível".

 

Depois do que acabaste de ler, diz-me lá se este senhor não é das criaturas com maior espiritualidade que o Vaticano já viu circular pelas suas ruas. Que o espírito da Páscoa e as palavras do papa Francisco estejam sempre contigo. Amém!

Autoria e outros dados (tags, etc)

29
Nov15

a-woman-laying-in-the-sun.jpg

 

 

É só uma questão de horas até que eu entre, definitiva e irremediavelmente, no meu 38º aniversário. A caminhada para os 40 faz-se agora em contrarrelógio, para mal dos meus pecados. Não penses que me sinto deprimida com isso. Longe disso. Já que o calendário não nos pede licença para seguir em diante, mais vale encararmos mais um ano biológico como uma nova oportunidade para tocarmos a nossa vida, lutarmos pelos nossos sonhos e tornarmo-nos melhores seres humanos.

 

À semelhança de muitos mortais, por estes dias ando mais reflexiva, introspetiva mesmo, a matutar sobre o ano que agora finda, sobre o outro que está à porta, mas sobretudo sobre a (eminente, porém inevitável) aterragem na casa dos "entas", um marco importantíssimo na vida de qualquer pessoa (penso eu de que… como costuma dizer o bom e velho Pinto da Costa – sou portista fazer o quê?).

 

E uma das coisas nas quais tenho pensado bastante nestes dias é em Deus, melhor dizendo, na minha (não) relação com Ele, de quem nunca me senti filha, mas que me faz tanta falta como se de um verdadeiro pai se tratasse.

 

A propósito disso, convém eu recuar umas semanas atrás, até um episódio passado na paragem do 774 das Amoreiras. Estava eu sentada, com uns quantos sacos de compras aos meus pés, que era dia de providenciar o abastecimento da despensa e do frigorífico, quando se abeiram da minha pessoa duas beatas – aquelas que andam pelas ruas com folhetos da Bíblia na mão, a abordar os incautos e a tentar "recrutá-los" para a sua causa (que sabemos bem que não é apenas religiosa).

 

As ditas senhoras vendo em mim um alvo fácil, também pudera com aquela minha cara de paisagem, digna de uma órfã de companhia humana (nenhuma vivalma por perto), musical (o maldito do ipod sem bateria) e digital (o meu smartphone de smart pouco tem). Após o "boa tarde" da praxe (educado, há que admitir), entram a matar: "Quem é que a menina acha que manda no mundo? Deus ou os homens?"

 

Com a paciência a perigar, mas atenta à consideração que todos aqueles que estão a tentar garantir o seu ganha-pão merecem, penso logo numa frase educada, porém letal, para dar por encerrada a abordagem. Só que aquele bicho que habita em mim e que me faz ter (quase) sempre uma resposta na ponta da língua, aliado ao facto de na minha profissão não responder é sinal de incompetência, sai-me esta: "Acho que o mundo é de Deus, mas quem manda nele são os homens!"

 

É precisamente a partir deste ponto que quero incidir este post. Quem é para mim Deus, quem sou eu para Ele e o que representamos na vida um do outro.

 

Para tua informação eu não poderia ser mais católica apostólica romana. Inputs religiosos foi o que nunca faltou durante a minha vida: fui batizada logo às primeiras semanas de vida, fui à catequese, fiz a primeira comunhão, crismei, fiz leitura na missa, assisti a ordenação de padres e até fui ver o papa João Paulo II quando visitou o arquipélago da morabeza, a minha terra encantada.

 

Como podes ver formação mais cristã não poderia ter tido. A minha família, de ambos os lados, não poderia ser mais religiosa. Costumo dizer, meio a brincar meio a sério, que a minha avó (pelo lado de mãe), no dia em que for liberado o sacerdócio às mulheres, ela será com toda a certeza a primeira a ser ordenada, tamanha a sua devoção à Santa Igreja.

 

Tendo em conta o acima exposto, o expetável seria eu ter uma ligação natural e inata com o divino. Mas o facto é que não sinto nenhuma conexão com o Todo-Poderoso e com o Seu staff. Na verdade nunca senti, ainda que, por tantas vezes, tenha forçado a coisa.

 

Sou a ovelha negra da família porque não vou à Igreja, mas sobretudo porque não digo ámen a todos os ensinamentos e mandamentos da Santa Sé. Os restantes membros da minha prole assumem uma fé em Nosso Senhor à prova de tudo. Como cristãos exemplares que são vão à missa, possuem um terço, rezam antes de se deitarem, andam com pagelas de santos na carteira, mandam rezar missa, fazem promessas, pagam promessas, visitam santuários, e no seu dia-a-dia invocam o nome d’Ele sem qualquer pudor. Contam com a sua graça nas horas de aperto, confiam na sua proteção nos instantes de aflição e agradecem a sua bênção nos momentos de glória.

 

Nem imaginas como os invejo. Tomara eu conseguir acreditar nessa figura omnipotente e omnipresente, bem como na sua infinita sapiência e eterna misericórdia. Sinto falta de algo assim na minha vida. Mesmo! Essa presença espiritual, transcendental, metafísica, divina, que a tanta gente dá alento, faz acreditar no impossível, desafiar o inimaginável e superar o impensável.

 

Talvez por ser portadora de um espírito demasiado inquiridor, de uma inquietice acutilante; talvez por não ter sido programada para reagir ao modo "fé"; talvez por ser uma filha desnaturada ou quiçá por ter como pai um Deus menor e ausente.

 

Agora diz-me o que deve fazer uma pessoa completamente alheia à fé, mas que carrega consigo um vazio na alma que só o espiritual consegue preencher?

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D