Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida, na casa dos 30, que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!

01
Jun17

18767867_684975275038992_7379537415542154441_n.jpg

Já saíram as previsões energéticas para este mês. Relembro que estas são fruto do valioso contributo da minha guru do bem, Isabel Soares dos Santos, que, mensalmente, tem partilhado connosco um pouco da sua sabedoria.

 

"Durante este mês é bastante provável que um sentimento de dever cumprido se faça sentir, dando azo a quererem recostar e descansar.

Com a chegada do verão, vai apetecer aproveitar mais o bom tempo, ficar na esplanada, aproveitar a vida de forma relaxada. Devem aproveitar para descansar ao máximo, mas quando o descanso começa a tornar-se em preguiça, isso será um sinal de alerta.

Em junho, muitos sentirão que já se esforçaram tanto nos últimos meses e que é chegado o tempo de aproveitarem a vida como desejam. E está tudo bem, mas devem ter em atenção que ficarem demasiado tempo "encostados à bananeira" não vos irá levar muito longe. Por isso, aproveitem este mês para descansar mas continuem ativos, não deixem que esse descanso se torne em preguiça.

Recuperem energia para iniciarem em breve o segundo semestre do ano que será desafiante, mas com muitas conquistas para quem se esforçou o suficiente para tal.

Desejos de um junho muito feliz!"
Abraço de Luz,
Isabel

Autoria e outros dados (tags, etc)

2017pperosporto12.png

Ora viva!

 
Convicções e preferências à parte, é dado empírico que o sexo é um elemento sine qua non para a condição humana. Imensuráveis, incontestáveis porque não assumir, são os benefícios desta prática que estimula a produção de hormonas associadas ao prazer, à felicidade e ao bem-estar, sem esquecer a preservação da espécie, a mais impactante de todas.
 
Precisamente por ser tão bom, a sua não prática repercute-se, sob os mais diversos aspetos, na nossa disposição em geral. Por saber muito bem o que isso é, o artigo de hoje debruça-se sobre algumas das consequências da falta de sexo, elencadas pelo Vida Ativa, página da qual sou leitora assídua:
 
Stress e compulsividade
A falta de atividade sexual pode aumentar os níveis de stress no corpo, assim como os picos de hipertensão. Além disso pode traduzir-se em reações mais extremas, como roer as unhas, morder os lábios ou comer compulsivamente. 
 
Insegurança, ansiedade e depressão
Apesar de não ser uma consequência taxativa, é algo que pode acontecer com frequência. Isto porque a prática sexual ajuda a melhorar a autoestima de um indivíduo, na medida em que faz com que este se sinta desejado, atraente e com as necessidades (básicas) satisfeitas. 
 
Redução da libido
Apesar da relatividade da condição humana (com isso quero relembrar que tudo varia de pessoa para pessoa), a falta de sexo reduz a produção das hormonas que estimulam o desejo sexual, o que faz com que, quando não há prática, a vontade para momentos íntimos pode ser cada vez menor.
 
Saúde cardiovascular
Relacionados com o aumento do stress, os problemas cardiovasculares são outra das consequências da ausência de atividade sexual. As pessoas que não a praticam de forma regular apresentam picos mais elevados de pressão arterial, em resposta a momentos de elevado stress. Achas que é à toa que o sexo é apontado como o mais completo – e, já agora, prazeiroso – exercício físico?
 
Disfunção erétil
Tal como a prática regular de exercício físico contribui para manter uma boa resistência física, também a prática regular de sexo contribui para conservar a potência sexual. Em virtude disso, a sua falta pode propiciar a disfunção erétil.
 
Dores menstruais
Este é um dos impactos associados ao género feminino, visto que fazer sexo com frequência estimula a libertação de uma maior quantidade de estrogénio, uma hormona que vai ajudar a reduzir as dores menstruais.
 
Músculos vaginais
Outra consequência exclusiva das mulheres, dado que os músculos da vagina podem deixar de responder tão bem à excitação e à penetração, tendo maior dificuldade em relaxar nesses momentos.
 
Pouco sono
Não, não é um mito que se dorme mais e melhor após o coito. A explicação é tão simples quanto isso: a atividade sexual ajuda a libertar oxitocina, uma hormona que contribui para um sono mais tranquilo e reconfortante.
 
Se dúvidas houvesse quanto ao papel (fundamental) do sexo no conforto físico, emocional e psíquico do ser humano, estas acabam de ser dissipadas. Dado que solteirice não tem que implicar necessariamente abstinência sexual, toca a "sexar", que da vida só se leva o que se viveu. Nada mais!

Autoria e outros dados (tags, etc)

vicio.jpg

Ora viva!

 

Depois de um fim de semana absolutamente escaldante (literal e figurativamente falando), a semana aqui no Ainda Solteira arranca com uma crónica sobre o fascínio humano pelo perigo, mais concretamente pelo que se sabe que faz mal.

 

Inspirada pelo artigo Porque É que Gostamos Tanto do Que Nos Faz Tão Mal?, sob a chancela da Elle, começo por reconhecer que já não me revejo nesses comportamentos autodestrutivos, se assim o posso chamar. É à maturidade, à experiência de vida e, sobretudo, à memória que devo essa sensatez para manter longe tudo que não me seja benéfico.

 

Não penses que já não cometi "pecados", mesmo sabendo que ia pagar caro por eles. Oh se já, em relação a relacionamentos então…. Só que cheguei a um ponto existencial em que faço questão de aprender com os erros, ou seja, fico-me pela primeira vez; às vezes até arrisco uma segunda, só para reforçar a primeira conclusão.

 

De acordo com a citada revista, não é de hoje que os estudiosos tentam perceber a razão que nos leva a desejar – algo ou alguém – mesmo sabendo, a priori, que as consequências dessa escolha poderão não ser positivas. Ao que tudo indica é na necessidade de obtenção de um prazer que vale pelo momento único em que é sentido, independentemente do que pode vir a acontecer, que pode residir a resposta a esta questão. Há um dito popular na minha terra que resume perfeitamente isso: "Depois da diversão, a morte não é nada".

 

Não conseguir resistir a alimentos que engordam ou mutilam a saúde; envolver-se com pessoas com o mesmo padrão de comportamento e que, invariavelmente, resultam em deceções ou incorrer ou reincidir em hábitos que podem colocar a integridade física em risco são apenas alguns exemplos capazes de ilustrar o acima exposto.

 

Quanto a possíveis explicações, as primeiras teorias culparam a dopamina, a fonte de prazer responsável por nos levar a gestos imponderados. Contudo, estudos posteriores concluíram que as sensações agradáveis não dependem diretamente desta hormona, uma vez que essa substância é igualmente libertada em momentos de medo e stress.

 

Ou seja, por si só, a dopamina não produz bem-estar nem conduz diretamente à busca descontrolada do prazer. O que ela provoca, isso sim, é a vontade de ter prazer, pelo que foca a nossa atenção na obtenção real desse prazer. Porém, não cabe a ela a responsabilidade por atos de insensatez, já que, quando o seu alerta é ativado, os mecanismos de aprendizagem e memória ficam mais apurados. É o sistema de defesa a entrar em ação.

 

Como uma droga, a dopamina desperta-nos, intensifica as vivências, estimula os sentidos. Mas, quando as coisas correm mal, ela também está presente e "grita" para não repetirmos a experiência. A ser assim, voltamos à questão inicial: o que nos leva a gostar tanto do que nos faz mal? De acordo a Elle, esta deve-se à submissão do nosso lado racional aos nossos instintos. Uma vez à mercê dos nossos desejos, é nessas alturas que cometemos os mais graves erros.

 

Em situações extremas, a procura obstinada do prazer pode conduzir-nos ao vício, seja ele em substâncias, pessoas ou situações. E aqui a situação já é grave ao ponto de só restar uma solução: pedir ajuda, antes que seja tarde.

Autoria e outros dados (tags, etc)

14424709_1316762865030607_4141519821641473532_o.jp

Ora viva!

 

O homem (o ser) é uma criatura de hábitos, disso estou certa. Do que não estou assim tão certa é do quanto estes beneficiam ou condicionam a nossa vida. A propósito disso, garante o site Mind Body Green que algumas dessas práticas rotineiras devem ser abandonadas já, porquanto podem estar a contribuir para a nossa má saúde.

 

A primeira delas é o mau stress, aquele que nos deixa com os nervos em frangalhos, incapazes de ter uma respiração consciente ou de manter a concentração. Esse tipo de tensão é incapacitante, já que faz com que o cortisol, uma hormona nada amiga do nosso bem-estar físico, emocional e psíquico, se adone do nosso organismo.

 

A fome emocional é outro hábito a ser banido da nossa vida, o mais rápido possível, não só porque pesa na balança como também na carteira. Comer à toa, ainda que muitas vezes de forma inconsistente, é uma prática associada ao stress. Se bem que ingerir porcarias seja uma rotina comum a tantos mortais.

 

Outro mau hábito a perder tem a ver com dormir pouco, menos do que o recomendado, uma tendência cada vez mais gritante, já que as tentações para se permanecer acordado são mais que muitas e chegam de toda a parte. A boa qualidade do sono é fundamental para a saúde e para o bem-estar em geral.

 

O desleixo para com a higiene oral após as refeições não é só um mau hábito higiénico, como pode ser dos que mais contribui para a má saúde.

 

Outro mau hábito a ser eliminado do nosso dia a dia, talvez o mais difícil de todos, é o sedentarismo, muito por culpa da dinâmica profissional que nos leva a passar horas e horas sentados.

 

Meu bem, como bem sabes, todos nós temos um ou outro hábito que repetimos diariamente e que já fazem parte da nossa forma de estar na vida. Se os teus pequenos momentos rotineiros (beber água após acordar ou dedicar os últimos momentos do banho à água fria, por exemplo) contribuem para o teu bem-estar, maravilha. Caso contrário, preciso dizer-te o que fazer? Penso que não, já que ninguém melhor do que tu para saber o que te faz bem (ou não).

Autoria e outros dados (tags, etc)

15540744_1430644106975815_550668755564984672_o.jpg

Ora viva!

 

A vida é uma grande bênção! Esta é para mim a mais absoluta das verdades. E diz isso uma criatura que nunca conheceu vida fácil, pelo contrário, aquela para quem a vida sempre foi mais madrasta do que mãe. Mesmo nos momentos mais críticos, em que, no auge do desespero e da desesperança, desejei abrir mão da própria existência, nunca deixei de acreditar nisso.

 

Vocação para suicídio não tenho, disso estou certa. Se tivesse, não estaria cá. Por diversas vezes cogitei a hipótese de por termo à vida, assumo. Contudo, despendia tanto tempo a analisar detalhadamente os prós e contras de cada uma das alternativas, que no fim chegava à conclusão que não havia uma única que não fosse excessivamente dolorosa, dramática ou de difícil execução.

 

Com isso, quero dizer que abrir voluntariamente mão da vida é uma empreitada que assumo ser incapaz de levar a cabo, por vários motivos: desistir é coisa de cobarde (algo que não sou de todo); a logística é demasiado complexa; desencadeia sofrimento alheio; o pós-morte é uma incógnita que pode-se revelar pior do que a realidade.

 

Milha a milha, légua a légua, braçada a braçada, fôlego a fôlego, vou dobrando o cabo das tormentas rumo ao cabo da boa esperança, tal qual Bartolomeu Dias. E apesar de os dramas-meus-de-todos-os-dias não me darem tréguas; tenho canalizado as minhas melhores energias no sentido de mudar (definitivamente) o chip, focando-me o mais possível no lado B (leia-se Bom) da vida, em vez do M (leia-se mau), como tenho feito a maior parte da minha existência.

 

A minha filosofia hoje em dia consiste neste raciocínio: "posso fazer algo para mudar determinada situação?". Se sim, mãos à obra; se não, então não quero saber. Aceito o que não depende de mim e sigo adiante. Parafraseando a letra de uma canção de que gosto bastante, "ando devagar porque já tive pressa e levo esse sorriso porque já chorei demais. Hoje me sinto mais forte, mais feliz, quem sabe, só levo a certeza de que muito pouco ou nada sei".

 

Com muita pena minha, constato que tantas pessoas teimam em encarar a vida, não como uma benção, mas sim como uma maldição, um sacrifício, uma penitência. A vida é, na verdade, uma grande aprendizagem, a qual só depende de nós torná-la extraordinária. Cumpri-la mais não é do compreender a marcha e seguir em frente, um dia de cada vez e dando sempre o melhor de nós.

 

De acordo com a filosofia do desenvolvimento pessoal, algo no qual tenho estado a investir, somos nós que transformamos a nossa vida num calvário, isso por não sabermos aceitar a aprendizagem e por continuarmos agarrados ao ego: "porquê eu?" ou "porque é que tenho que passar por isto?"

 

Não existe uma fórmula mágica para a felicidade, até porque cada indivíduo é um ser único, complexo e portador do livre arbítrio. A meu ver, aceitar que existe uma ordem superior regida por uma lógica perfeita (ainda que a maior parte das vezes não a compreendamos); que há coisas que, pura e simplesmente, não dependem de nós (como o comportamento alheio, por exemplo); que a vida é uma dádiva a qual devemos honrar; que a existência só faz sentido se for para estar em harmonia com o que nos rodeia; que, independentemente da raça, religião, crença ou filosofia de vida, todos nós merecemos ser felizes, já é meio caminho andado.

 

Despeço-me com este conselho amigo: aceita a benção da vida e faz de ti uma pessoa mais feliz e realizada. Desejo-te um fim de semana tão radiante como o sol que se faz lá fora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

03
Abr17

17759943_657431111126742_1451257410964341904_n.jpg

Ora viva!

 

Já saíram as previsões energéticas para este mês, um precioso contributo da minha guru do bem e conselheira espiritual deste blog, Isabel Soares dos Santos, que generosamente acedeu a que partilhasse com os ainda solteiros os seus conhecimentos. Que abril seja para ti generoso e inspirador, é o que te desejo.

 

"Durante todo o mês de abril, a palavra de ordem será COMPROMISSO. Compromisso connosco próprios, com a nossa verdade, com os nossos objectivos de vida, mas acima de tudo, compromisso com a nossa essência.

Cada vez mais vivemos na energia da Luz Divina, do Amor Incondicional e da Verdade. Por isso, continuares a viver na mentira só te vai fazer infeliz, frustrado e doente. A maioria das pessoas ainda vive na mentira e a única razão disso acontecer é o MEDO. Medo de não ser suficientemente bom, medo de perder um emprego, medo de terminar uma relação, medo da solidão, medo, medo e mais medo... Pois é, a boa notícia é que o medo faz parte da energia da noite, cada vez mais existem pessoas despertas que arriscam, que põem o medo de lado, que vão à luta e que se tornam enormes nas suas vidas.

A energia do mês de abril vem lembrar-te de que tens muito valor, de que não te deves esconder atrás do medo e deves, de uma vez por todas, assumir a tua Essência e vivê-la na prática. De nada vale saberes qual a tua Essência e o que vieste cá fazer nesta vida, se não a pões em prática...

Deixa o medo de lado e arrisca mais. Se tens receio de arriscar arranja alguém que puxe por ti, que te ajude a trazer à luz do dia a tua melhor versão.

Todas as pessoas deviam ter um COACH, nem que fosse apenas numa determinada fase da vida! Arranja um COACH e vais ver a tua vida a mudar consideravelmente!

Desejos de um abril muito feliz!

Abraço de Luz,
Isabel 💗"

Autoria e outros dados (tags, etc)

21
Mar17

Ora viva!

 

Hoje só há tempo para te dedicar esta inspiradora melodia da Elida Almeida, uma das vozes revelação da terra da morabeza – a minha – e que tem granjeado admirações um pouco por todo o mundo.

 

Não só pela bela voz da intérprete, mas essencialmente pela narrativa de uma vida difícil, esta melodia tem sido, nos últimos tempos, o meu mantra, já que, não obstante todos os "altos e baixos, cheia de pontos e fracassos, cheia de perdas e vitórias", ela sabe que vai conseguir.

 

Em tradução livre, o conteúdo dá qualquer coisa como isso:
"Esta é a minha vida
Esta é a minha estória
Este é o meu mundo
Que eu posso escrever
Num pedaço de papel
E que posso abreviar em menos de um minuto
É assim que é a minha vida
É assim a minha estória
Cheia de altos e baixos
Cheia de pontos e fracassos
Cheia de perdas e vitórias
Mesmo assim não me desespero
Não não não
Não não não
Porque sei que vou superar
No que eu quero, eu insisto
Em quem eu quero, eu persisto
Eu não desisto, porque sei que vou conseguir
Eu sei que vou conseguir
Eu sei que vou conseguir
Eu sei que vou conseguir


Esta é a minha vida
Esta é a minha estória
Pequenina, que cabe num pedaço de papel
Por vezes doce, por vezes amarga
Por vezes bem, por vezes mal
É assim a minha vida
Por vezes preto, por vezes branco
Por vezes a rir, por vezes a chorar
É assim a minha estória
Mas, mundo, eu já cá estou
Tenho que me desenrascar
Até lá chegar
Mas, mundo, eu já cá estou
Tenho que me desenrascar
Até lá chegar
Porque sei que vou conseguir
Sei que vou conseguir
Sei que vou conseguir
Sei que vou conseguir"

 

E conseguiu, pois é atualmente considerada uma das melhores vozes de Cabo Verde, inclusive nomeada para os RFi Awards. Deixa-te embalar pelos doces acordes desta música e acredita que também vais conseguir. Sei que sim!

Autoria e outros dados (tags, etc)

alergia-alimentar.jpg

As alergias, ah estas indesejáveis inquilinas que se instalaram no meu organismo, sem contrato e sem caução, com a clara intenção de por cá se deixarem estar por tempo indeterminado, não dando mostras de pagar um cêntimo de renda. É sobre um certo tipo delas - as intolerâncias alimentares - que hoje escrevo, pois quisera eu, aquando dos primeiros sintomas, ter encontrado quem comigo partilhasse os seus dramas alimentares.

 

Vamos lá então falar sobre alguns sinais que o nosso corpo dá, com o claro propósito de nos alertar de que alguma coisa o está a incomodar. Pelo que tenho vindo a aprender sobre o assunto, as intolerâncias alimentares podem surgir do nada, de um momento para o outro e sem qualquer razão aparente. Há quem tenha nascido com elas e há quem (como eu) as desenvolva no decurso da vida.

 

Por intolerância alimentar (igualmente conhecida como alergia tardia, hipersensibilidade alimentar ou alergia tipo III) entende-se reações não tóxicas, as quais podem ser causadas por alimentos reconhecidos como estranhos pelo organismo, levando a reações mediadas.

 

Esta sensibilidade, a um ou vários alimentos, pode manifestar-se até 72 horas depois deste(s) ingeridos. Dado que os seus sintomas não acontecem de forma imediata, como os da alergia, pode levar desde alguns minutos até dias para aparecerem, o que dificilmente leva a uma associação de causa-efeito.

 

Qualquer pessoa pode desenvolver intolerância a qualquer alimento, principalmente se o mesmo for consumido em grandes quantidades e ao longo de muitos anos. Uma alimentação repetida e pobre poderá resultar em intolerâncias alimentares.

 

Segundo a médica naturopata e especialista em problemas de pele, Nigma Talib, autora do livro Reverse the Signs of Aging, as reações que provocam a intolerância alimentar podem não ser imediatas e drásticas, mas contudo afetar, pouco a pouco, a tua saúde, inclusive a envelhecer-te descaradamente.

 

Vejamos então alguns dos mais comuns sinais de intolerância alimentar:

Na pele: borbulhas, olheiras, dermatite, rosto inchado, pigmentação, envelhecimento precoce, papos nos olhos, eczema.

No sistema digestivo: inchaço e dores abdominais, obstipação, diarreia, flatulência.

Na saúde em geral: tosse, dores de cabeça, comichão nos olhos e boca, dores nas articulações, falta de energia, enxaquecas, mudanças de humor, dificuldade em concentrar-se, nariz entupido ou a pingar, espirros, aumento de peso.

 

Se desconfias que tens alguma intolerância, a primeira coisa a fazer é encetar um registo escrito de tudo aquilo que comes (inclusive condimentos e especiarias) e bebes. Sobretudo, novos itens que adicionaste à tua dieta alimentar. É a maneira mais fácil de detetares padrões e descobrires o que te anda a provocar o mal-estar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

o-GET-OLD-facebook.jpg

Estes dias tenho dado de cara com tanto texto interessante e pertinente para este nosso espaço, que nem vejo necessidade de dar largas à minha imaginação e criatividade, (oficiosamente) em modo férias. Voltando ao assunto do post de hoje, digo-te que se trata de uma crónica da psicóloga Ana Alexandra Carvalheira, publicada na revista Visão, que nos convida a uma reflexão sobre os efeitos do passar dos anos no corpo feminino.

 

"O verão apenas começou e estou cansada de tantas advertências e pressões para conseguir um corpo magro, tonificado, e jovem. São receitas de refeições light, prescrições de chás e alimentos com funções detox, adelgaçante ou diurética, anúncios de cremes e óleos, tratamentos que engolem adipócitos, procedimentos que fazem desaparecer celulite, modalidades de exercícios físicos para todas as agendas, dos trinta minutos diários aos cinco para os mais ocupados. Tudo a favor de um determinado modelo de beleza que é ditado socialmente. E nesse modelo dominante o padrão de beleza está associado à idade jovem, ao vigor e à forma física. É um modelo extraordinariamente exigente sobretudo para a mulher, mas também já para o homem. É um modelo que exclui, despreza e expulsa totalmente um corpo a envelhecer.

 

Passados quarenta anos de enormes transformações na sociedade, continua a ser verdade a afirmação de Susan Sontag:

"Um homem, inclusive um homem feio, mantém-se sexualmente elegível até ter uma idade avançada. É um parceiro aceitável para uma mulher jovem e atraente. As mulheres tornam-se inelegíveis numa idade muito mais jovem. Assim, para a maior parte das mulheres o envelhecimento constitui um humilhante processo de desqualificação sexual" (Susan Sontag, 1975)

 

Querem-se corpos magros e jovens, e não praticar exercício físico é quase um sinal de debilidade de personalidade. Proliferam as campanhas "anti-aging" (odeio o nome), em que os cremes lifting para senhoras a partir dos 50 anos são publicitados por mulheres de 30. Na minha opinião, a luta desenfreada não deve ser contra o processo natural e vital que é o envelhecimento, mas sim contra a deserotização do corpo a envelhecer. Aqui, declaro a minha defesa do erotismo no envelhecimento e da possibilidade livre da atração entre pessoas que procuram o prazer independentemente da idade. Aqui me declaro contra as brigadas anti-aging que negam o envelhecimento e prometem juventudes eternas (que grande chatice…!).

 

Estou contra a tirania e escravatura do corpo tonificado e jovem. Uma ditadura que é transversal a todas as idades, que não afeta só as mulheres na segunda metade da vida. E a anorexia nas miúdas de 17 anos? E os rapazes de 16 a fazerem depilação definitiva? E a elevadíssima frequência de cirurgia estética mamária em miúdas no final da adolescência, em países como a Itália? Afirmo-me contra as imposições sociais sobre padrões de beleza e de atração que desconsideram e anulam a diversidade. E ainda mais contra aquela coisa abominável que é a subjugação ao que os outros pensam, ao que os outros vão dizer. Isto sim, uma falta de liberdade que nos impede de crescer.

 

Sou a favor do exercício físico, sim, ao longo de toda a vida. Dedicar tempo e trabalho ao cuidado do corpo e a favor da saúde e do bem estar, sempre. Também sou a favor da cirurgia estética e outros procedimentos que visam ajudar a pessoa a sentir-se mais atraente, sim, mas sem cairmos nas redes da tirania. Que seja sempre uma escolha livre, que vem de dentro, e não em resultado de malditas pressões externas para cumprir requisitos e exigências impostas socialmente que tantas vezes acarretam culpas e frustrações. Os problemas de autoimagem são altamente perturbadores da vivência sexual, sobretudo nas mulheres. Não gostar do próprio corpo, ter uma imagem negativa dele, não se sentir atraente, é um dos fatores que mais afeta o desejo sexual, a excitação, e a satisfação sexual. Digamos que a dificuldade com a autoimagem é um veneno para o prazer sexual.

 

Não ouço falar sobre a aceitação do processo de envelhecimento. De como pode ser importante ficar cara a cara com as rugas, com a perda da elasticidade da pele, dos músculos, dos tendões, entre outras coisas que se perdem. O que aqui defendo é a aceitação do envelhecimento com respetivos danos e perdas, numa atitude positiva que encara este período da vida como mais um momento desenvolvimental como todos os anteriores, em que se pode explorar as mais-valias e desfrutar e tirar partido dessa sabedoria que vem da experiência da vida longa. E sim, encontrar estratégias para minimizar as perdas e praticar atividade física adequada, que traga gozo e prazer. E que seja uma escolha livre e no sentido da saúde e do bem estar. Não por obrigação ou por sucumbir às malditas pressões sociais e ao inferno dos outros, do que eles dizem e do que eles pensam. E isto quanto mais cedo melhor! Não pensem que é tarefa dos velhos e comecem já.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

17
Jun16

lonely-girl-wide.jpg

No outro dia, Pedro Lopes, seguidor deste nosso espaço, reagia assim ao post Ser solteira não faz de nós menos: "Penso que a grande maioria das pessoas confunde o conceito de solteiro(a) com o facto de uma pessoa estar só.O que nem sempre coincide, pelo senso comum, uma pessoa quando está solteira (sem estar em nenhuma relação estável) tem uma vida social muito mais ativa, sai mais vezes, faz mais atividades, relaciona-se com diferentes pessoas, faz muito mais aquilo que lhe apetece sem o condicionalismo do "outro" junto a nós...".

 

De facto, é comum as pessoas associarem o estado de solteirice com solidão, mas nós sabemos que não é nada disso, pelo contrário! Vejamos o que diz a ciência sobre isso. De acordo com John T. Cacioppo, autor de Loneliness, diversos estudos internacionais apontam no sentido de que uma em cada três pessoas sente-se sozinha. O número é alto e o assunto tabu, o que o torna difícil de ser admitido e combatido. Então, o que se pode fazer?

 

Para o terapeuta comportamental Ghoeber Morales, em primeiro lugar, é preciso saber viver bem e feliz sozinho, sem depender ou depositar a felicidade em outra pessoa. "Grosso modo, podemos pensar em duas visões diferentes de formas de se relacionar: uma visão complementar e outra suplementar", sugere, explicando que a primeira está relacionada ao ideal romântico da cultura ocidental. "A ideia é a da 'metade da laranja', em que uma pessoa só se completará e será plenamente feliz quando encontrar alguém para ocupar esse vazio".

 

Já pela visão suplementar, o indivíduo sente-se bem consigo mesmo, independente da presença de um parceiro. "Nesse caso, a felicidade não é depositada no outro, mas a companhia de um alguém especial pode fazer com que a pessoa se sinta mais feliz", resume. Para Morales, é possível aprender a relacionar-se consigo mesmo. O especialista recomenda que, inicialmente, sejam escolhidas atividades que proporcionam prazer sem precisar de companhia, como ir ao cinema sozinho para ver um filme.

 

"São pequenos passos que aumentam as probabilidades de não se sentir tão isolado e começar a gostar de se estar consigo mesmo. Afinal, encontrar prazer na sua própria companhia pode ser um desafio", avisa. Indica, ainda, que procuremos mudar os hábitos aos poucos. Passar umas horas sozinhos num sábado, por exemplo, tem menos risco de nos provocar frustração do que uma viagem que dura uma semana inteira.

 

Eu como nasci sozinha e sozinha hei de morrer, convivo muito bem com a ausência de companhia. Claro que, como ser social que somos, aprecio bastante conviver (com algumas pessoas, pelo menos). Na ausência destas, a minha própria pessoa é-me suficiente para estar feliz. E a sensação que tenho é que, quanto mais o tempo passa, mais vou preferindo a minha companhia à dos outros.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D