Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida, na casa dos 30, que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


les-series-tele-qui-font-grandir-lamitie---despera

Há uns tempos atrás li um artigo que dizia que a ciência tinha comprovado que as pessoas com mais amigos são mais resistentes às amarguras da vida. Lembro que na altura até achei a tese interessante, mas não lhe dei grande importância. Hoje, a propósito da conversa com uma colega sobre o valor da amizade, fui resgatar o dito artigo, que agora partilho contigo.

 

Uma investigação publicada no jornal Scientific Reports assegura que as pessoas com círculos de amigos mais extensos são mais tolerantes à dor. A explicação para tal parece estar no cérebro e na libertação de endorfinas, químicos naturais que aniquilam a dor e que são produzidos pelo corpo humano, sendo igualmente responsáveis pela sensação de bem-estar e conforto.

 

"Numa dose equivalente, as endorfinas são mais potentes do que a própria morfina", explica Katerina Johnson, aluna de doutoramento na Universidade de Oxford e coautora deste estudo que se debruça sobre as redes interpessoais e os seus efeitos nos limites da dor. "O comportamento social e as ligações a outros indivíduos são realmente importantes para a nossa sobrevivência, seja estar com os nossos pais ou filhos, ajudar os outros ou ajudar alguém a defender-se", exemplifica Johnson.

 

A ter interpretado bem esta teoria, redes de amizades mais abrangentes estão associadas a uma maior tolerância à dor. Agora a pergunta que não quer calar: por onde andava a minha rede de amizades quando andei a deambular pelas tortuosas, obscuras, amargas e solitárias ruas da depressão há uns anos atrás?

 

Lembrei-me! Fui eu que os afastei porque não suportava a ideia de me virem tão acabada, tão pequena, tão desesperançosa. Achava que se presenciassem a minha dor iriam ver-me como alguém fraco e merecedor de pena. Erro gravíssimo, pois hoje tenho a certeza de que o meu fardo teria sido bem mais leve se o tivesse partilhado em vez de guardar tudo cá dentro só para mim.

 

Fica a dica: nós somos um ser social, por isso não devemos isolar-nos, muito menos quando a nossa alma padece e o nosso coração sangra. Não é à toa que se costuma dizer: "alegria partilhada, alegria a dobrar. Tristeza partilhada, meia tristeza!"

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Imagem de perfil

De Us4all a 24.05.2016 às 13:57

muito bem dito, os amigos (família incluída) são a nossa melhor e maior rede e o melhor anti depressivo ;)


us4all.blogs.sapo.pt
http://facebook.com/us4all/

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D