Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


Black-Girl-With-Afro.jpg

 Ora viva!

 

Sem concentração para criar algo original (tenho um rendez-vous daqui a pouco com um pretendente), foi na minha biblioteca digital, a pasta onde guardo os artigos de que mais gosto, que descobri o tópico para a crónica de hoje.

 

A razão pela qual a sua vida ainda não é a que pretende, publicado há já uns meses pela InsiderPro e com o qual me identifiquei plenamente, é o artigo do qual me inspirei. A minha expectativa é que também te identifiques e que te ponha a (re)pensar o (real) papel que tens dado ao medo na tua vida.

 

"Quantas te sentiste impedido de agir? Em quantas é que te deixaste ficar calado? Quantas vezes mudaste de opinião antes de decidir fosse o que fosse? E em quantas hesitaste antes de abordar alguém? Quantas vezes optaste por guardar, em vez de dizer, coisas importantes? Provavelmente muitas. Porém, a verdadeira questão é: de todas essas situações, quantas vezes é que te arrependeste e sentiste mal a posteriori por não teres tido coragem suficiente de te manifestares e arregaçar as mangas? Aposto que em todas. Porquê essa paralisia?", assim começa o dito artigo.

 

Parece que o medo é a chave do mistério, a resposta a todas estas questões, o verdadeiro motivo que nos impede de mudar, de avançar para a vida que sempre desejamos. Sim, medo! Medo da rejeição. Medo da crítica. Medo de ser sincero. Medo de dizer a verdade. Medo de terminar relações. Medo de sair da zona de conforto. Medo de chamar a atenção. Medo de deixar um emprego que odeia. Medo de começar um negócio. Medo de se expressar abertamente. Medo de convidar a pessoa de quem gosta para sair. Medo de assumir responsabilidades. Medo de estar errado. Medo de parecer frágil.

 

É por causa deste maldito sentimento que duvidamos de nós próprios, já que acreditamos não ter o conhecimento ou as competências necessárias ao sucesso. Desistimos face aos nossos medos e sabotamo-nos a nós próprios antes mesmo de começarmos. Naturalmente, tornamo-nos o nosso pior inimigo.

 

O medo faz o ser humano contentar-se com o mediano, o medíocre. Não é à toa que esta citação do Les Brown dá tanto que pensar: "Muitos não vivem o seu sonho por estarem demasiado ocupados a viver o seu medo". Apesar de inerente à condição humana, o medo não tem que estar inerente às tuas ações. Conseguir ultrapassá-lo, ou pelo menos fintá-lo, é mais do que caminho andado para conseguires viver uma vida genuinamente feliz, e seres valorizada por aquilo que és.

 

Um novo ano, por excelência época de resoluções e ruturas com práticas antigas que não contribuem em nada para a nossa felicidade, está aí à porta. Logo é a altura ideal para nos desafiarmos e nos aventurarmos para lá das fronteiras da nossa zona de conforto. Afinal, diz-se que é lá que a magia acontece e onde nos sentimos genuinamente realizados.

 

Portanto, o desafio que lanço a ti, mas essencialmente a mim, é que neste 2017 tenhamos mais coragem; abracemos melhor a mudança; ajamos com mais convicção; dediquemo-nos de corpo e alma a algo que nos apaixona; cantemos mais; dancemos como se não houvesse amanhã; despertemos a nossa veia de escritor; resgatemos a criança adormecida que há em nós; ou seja, sejamos capazes de viver mais e recear menos.

 

Estás comigo nessa, meu bem? Espero que sim, pois eu não tenho nenhuma intenção de me contentar com o mais ou menos e tão pouco com o medíocre. Vou correr atrás dos meus sonhos, nem que para isso tenha que desafiar a mim mesma. Mal não faz, logo só poderá valer a pena.

Autoria e outros dados (tags, etc)


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Fiquemos pelo anonimato a 28.12.2016 às 21:26

Vai colocar em prática estas dicas no rendez vous de hoje?
Imagem de perfil

De LegoLuna a 28.12.2016 às 22:34

Por acaso até pus, pelo menos algumas. Que culpa tenho se a química e a física recusaram-se a colaborar?
Sem imagem de perfil

De Fiquemos pelo anonimato a 28.12.2016 às 23:15

Respondo com uma frase que costumo utilizar comigo mesmo
"O amor não se escolhe simplesmente acontece"
Imagem de perfil

De LegoLuna a 28.12.2016 às 23:46

Hum... Interessante essa tua filosofia. Dá que pensar. Já tenho desculpa para a insónia de logo mais.
Imagem de perfil

De LegoLuna a 28.12.2016 às 23:51

Para tua informação, não ando propriamente à procura de amor, mas sim de outra coisa começada com P.
Sem imagem de perfil

De Fiquemos pelo anonimato a 29.12.2016 às 11:02

Mas o P. complementa o amor e vice-versa.

Sem querer entrar na esfera pessoal, se aparecer o amor no teu caminho, tu dizias não?

No meu caso é por dias, tenho dias que apetece gozar a vida, tenho outros dias em que apetece assentar-me amorosamente.
Imagem de perfil

De LegoLuna a 30.12.2016 às 13:58

Dependo do amor, anónimo. Não quero um amor qualquer e o amor que quero já não creio que seja possível, Quanto a assentar não preciso, pois já estou assente, bem assente na minha solteirice. Gostava era de voltar a sentir as benditas "borboletas no estômago".

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D