Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida, na casa dos 30, que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


04
Jan16

pretty-woman-face-hd.jpg

 

Ano novo vida nova, não é o que se costuma dizer? Mas de que adianta desejar uma vida nova se não formos capazes de deixar para trás tudo aquilo que não contribui para a nossa felicidade?

 

O post de hoje debruça-se sobre o perdão e o seu benefício para a nossa saúde física, mental e espiritual. Alimentar rancor, vingança ou ódio é o pior que podemos fazer a nós próprios. Perdoar, diz a ciência, faz-nos mais felizes e torna-nos mais saudáveis. Afinal, isso não é tudo o que queremos?

 

O perdão, tradicionalmente estudado pela filosofia e um dos tópicos prediletos da teologia, há muito que saltou também para o campo da psicologia e da ciência, sendo que esta última defende que perdoar é o melhor remédio.

 

A forma mais objetiva de definir perdão é como um processo mental que elimina ressentimentos ou rancores em relação a outra pessoa ou a nós próprios. Mas talvez a mais poética seja esta que Fred Luskin, o diretor do Stanford University Forgiveness Project propõe: perdoar é a experiência de poder estar em paz, independentemente do que aconteceu na nossa vida há cinco minutos ou há cinco anos. Perdoar não é esquecer, é viver tranquilamente com o que não se esquecerá. "Tal como é estudado na psicologia, é um ato de amor e compaixão para com alguém cujo procedimento nos magoou, mas também uma forma de nos libertarmos de sentimentos de vingança e ressentimento, que geram emoções negativas", considera a psicóloga Catarina Rivero.

 

Camarada de luta, companheira de dramas e aliada das batalhas diárias em busca da felicidade, proponho que neste novo ano façamos do perdão uma das nossas grandes prioridades. Perdoemos. Não o façamos pelos outros (o merecimento destes é o que menos importa a esta altura do campeonato), mas sim por nós: pela nossa saúde, pela nossa alma, pelo nosso coração, pela nossa paz de espírito, pela nossa confiança na humanidade. Por tudo. Por nada.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D