Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


19247902_10213555915039278_3932023268625110623_n.j

Ora viva!

 

Tempo limitado mais inspiração escassa é igual a crónica reciclada, desta feita de uma reflexão minha, datada de há exatamente dois anos, sobre o que é essencial, não aos olhos, mas sim ao coração.

 

"O essencial é invisível aos olhos, e só se vê bem com o coração!" Uma das frases mais conhecidas de Antoine de Saint-Exupery e talvez, a mais verdadeira. O melhor de um amor, de uma viagem, de um encontro ou de um presente não é o que se transmite aos outros, mas o quanto nos toca o coração.

 

Amores não se tornam mais verdadeiros quando atestados em contratos; viagens não são mais incríveis pela quantidade de fotos que foram tiradas; amizades não são mais honestas quando os envolvidos falam todos os dias.

 

O essencial é sentirmos e, ao sentirmos, sabemos.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D