Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida, na casa dos 30, que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


depressão12.jpg

Ora viva!
Talvez encorajado pelo artigo da passada sexta-feira, um seguidor entrou em contacto comigo em busca de um conselho amigo para o dilema de amor que o aflige. Dado considerar que se trata de um assunto deveras delicado, e mediante o seu consentimento, decidi partilhar contigo esta responsabilidade. Só para te contextualizar, TS é um jovem de 26 anos que foi traído e enganado pela namorada, não obstante ter perdoado o primeiro deslize dela. Da minha parte, e agora da tua, este seguidor procura uma luz para o seu dilema: insistir ou desistir de vez. O texto é um bocado extenso, mas vale a pena perderes alguns minutos, afinal é por uma boa causa.

 

"Vivemos longe. Mas isso nunca foi problema. Infelizmente eu tenho um problema de saúde que se está a resolver, mas ainda assim é algo menos bom, a famosa doença da moda: o cancro.

A nossa relação sempre foi boa, sempre estivemos juntos, conforme dava. E sendo ela uma mulher sem "papas na língua" sempre estive seguro da nossa relação. Antes de a iniciarmos falamos imenso sobre esta distância. Acontece que, fui internado num fim de semana, em abril, devido ao cancro, senti-me mal e tive de ficar internado duas noites e três dias. Com os nervos e a situação, e como a minha família na altura pouco sabia desta relação, ninguém entrou em contacto com ela. Mal eu pude, liguei e expliquei. Ela, como seria de esperar, estava fula e eu entendi que deveria dar espaço e tentar um entendimento mais tarde.

Entretanto, ela não me procurou e no fim de semana a seguir fiz-me a caminho e fui tentar resolver a situação, a qual não ficou resolvida. Ela terminou comigo. 

Ficamos dois meses e meio, mais ou menos, separados. Eu concentrei-me nos meus filhos (adotei duas crianças) e no meu trabalho para ultrapassar...

E a verdade é que estava a conseguir. Claro que nesse espaço de tempo mantivemos o contacto, confesso que no início, talvez na primeira semana, não mais, seria eu a puxar conversa, porque independentemente de tudo sempre me preocupei com ela, mas como era tratado com desdém resolvi parar e focar no que realmente importa. Dentro desse tempo ela ligou vezes sem conta criando discussões, ciúmes... A coisa mais confusa, que no final de cada discussão, jogava-me a cara que nada tínhamos.

Estivemos um tempo sem falar desde aí. Sei que ela andava cheia de trabalho, eu também. Até que, em julho, ela resolve falar comigo. Ligou-me a chorar, fiquei preocupado, acalmei-a, e ela contou-me que devido a exames de rotina no ginecologista, ele alertou que futuramente para engravidar seria preciso ajuda médica. Eu sabia, e sei, o quanto ela deseja ser mãe. Estive do lado dela, como amigo. Mas, mais uma vez, ela afastou-me.

Até que voltou de vez, dizendo que não sabe estar sem mim. Reatamos tudo novamente. Fui lá uns dias, poucos porque ela não tinha praticamente tempo nenhum, mas fui os que podia e até os que não podia. Em setembro, ela conseguiu uns dias, pelo que tivemos uma espécie de lua de mel, dez dias perfeitos. E num dia, em outubro, ela lembrou-se de me bloquear qualquer acesso a ela. Dois dias depois, liga-me e diz a chorar: "Tomei uma decisão na minha vida. Não quero que me procures mais. Por favor, não tornes mais difícil do que já é".

Confesso que sou um completo maricas, mas engoli o meu choro e disse-lhe que gostava de entender de onde veio aquela decisão, mas que respeitava. Dois dias depois, ligou-me, pediu desculpa e disse que se tinha envolvido (apenas beijos) com alguém. Disse-lhe que, com a distância, era normal, que esqueceríamos tudo.

Quinze dias depois, ao chegar a casa vindo de uma sessão de quimio, reparei que tinha 80 e tal chamadas dela. Não lhe liguei logo por estar com os meus filhos, mas enviei-lhe mensagem a perguntar o que se passava. Ela dizia que queria falar comigo e tinha de ser em chamada, ao que eu respondi: "Se me vais deixar, deixa estar assim, não quero ouvir" e ela respondeu: "Também passa por isso mas não é só".

Foi aí que me disse novamente a chorar: "Eu não sei como te dizer isto mas..." E eu completei: "Tens outra pessoa", ao que ela concorda e chora, chorava tanto que não conseguia falar. Disse-lhe que sabia quem era e ela confirmou. Foi numa sexta-feira...

Os dias seguintes foram dias sem ar para mim, falávamos, eu queria ir ter com ela para falar e resolver pessoalmente, mas ela não queria, queria estar só, e pensar. Mas mantinha sempre o telefone em chamada para mim. Terça-feira disse-me que pensou e que queria seguir a vida dela sem mim, falou com o outro, e optou não ficar com ninguém. E eu respeitei. Estava à espera de não ficar com ela. 

Ela liga-me no dia a seguir, em modo privado por saber que não atenderia se ligasse com número identificado, e diz-me (e ainda hoje diz ) que não conseguia estar sem mim, que por mais que tente não consegue, que me ama demais para não me ter na vida dela.

E desde então temos estado razoavelmente bem. Estivemos uma semana juntos, que foi como mel, até que, no último fim de semana não pude ir lá a cima porque o meu filho teve um pequeno acidente e eu não o podia deixar e nem ele fazer uma grande viagem. Nessa noite, ao telefone com ela vejo as fotos de quinta-feira que me enviou, e sem querer, no facebook o rapaz com quem ela andava/anda, aparece me como sugestão de amigo, e reparei na fotografia. Abri, tinha duas fotografias, uma no carro que reconheci ser dela, e outra, no mesmo local onde ela tirou a foto que me enviou. Não acredito em coincidências. E tenho a certeza de que as fotografias foram tiradas juntos.

Sei que falta presença, e nessa presença que falta, é lógico que poderá faltar o sexo, o que, confesso-te, que ela nunca se queixou disso, nós até sexo por telefone fazemos . 

Talvez ela se complete por ele estar mais perto que eu. Mas assim não precisa de mim. Se precisa... Não sei como.

Eu amo-a. Mas confesso que desta vez dói muito mais, e não sei como falar com ela. Ela não se pode enervar, devido a um princípio de depressão, e eu sei que mesmo que fale com calma ela vai se enervar."

 

Bem, é este o (intrincado) caso do TS. Pelo que (já) me conheces, estás mesmo a imaginar qual a resposta que mal consigo segurar, mas antes disso, gostaria de saber a tua. Vamos juntos ajudá-lo a arrumar de vez este assunto? Conto contigo e o TS também.

Autoria e outros dados (tags, etc)


13 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro Lopes a 05.12.2016 às 13:25

Siga em frente TS (há mais peixe no mar)!
Que ganda novela da TVI que para ai vai!
Tenta concentrar-te em ficares melhor de saúde, viveres e aproveitares todos os momentos com os teus filhos e começa a viver uma vida de solteiro, que é melhor que a vida de "filme" que estás a viver pela descrição feita.

Abraço
Imagem de perfil

De LegoLuna a 05.12.2016 às 14:22

Pedro, o teu conselho vai ipsis verbis de encontro ao meu. Já somos dois a bater na mesma tecla, quem sabe não surte efeito. Obrigada pela tua participação neste fórum sentimental.
Imagem de perfil

De Charneca em flor a 05.12.2016 às 19:51

Já passei por uma situação semelhante. Separámo-nos e reatámos várias vezes. Por estupidez, e cegueira sentimental, casei com a pessoa em questão porque estivemos alguns anos em que tudo parecia correr às mil maravilhas. Obviamente, que voltou a acontecer e ainda com mais gravidade. Não digo que não se deva perdoar mas perdoar eternamente não leva a lado nenhum. Ou melhor, leva sempre a mais sofrimento.
Segue o conselho do comentador anterior que está cheio de razão.
Imagem de perfil

De LegoLuna a 05.12.2016 às 21:06

Charneca, nunca passei por algo assim tão dramático, mas sei, por experiência própria, que relações assim é só uma questão de tempo. O meu conselho para ele é este:
"Quanto a mim és um exemplo de força, coragem e superação.
Não conheço ninguém que, com apenas 26 anos, tenha adotado duas crianças.
Eu também gostaria de adotar.
Acredito que quem sobrevive a uma doença como a tua é capaz de sobreviver a qualquer coisa, inclusive um desgosto amoroso.
Cá para mim é mais do que claro que esta mulher não sabe o que quer. Quem ama verdadeiramente não trai. Ponto final. Não há distância, falta de atenção ou infortúnio que mude isso.
Acho que ela, talvez devido à depressão, oscila entre dois pólos.
Mesmo que inconscientemente, ela brinca com os teus sentimentos.
Parece que ela, numa espécie de jogo doentio, precisa de ti e do teu sentimento por ela para alimentar o ego.
Para ela és alguém que está sempre disponível, com quem ela pode sempre contar e que lhe aceita, atura e perdoa tu.
Perdoa-me dizer-te isto, mas ela usa-te.
Esquece-a, cuida de ti, põe-te bom, toma conta dos teus filhos, ama-te, valoriza-te, pois ninguém o vai fazer por ti.
És demasiado jovem, demasiado sensível para te contentares com uma pessoa assim, com uma relação assim.
Enquanto não cortares definivamente qualquer tipo de contacto com ela, vais estar a alimentar algo que não te faz feliz, nem a ela.
A tua prioridade neste momento deves ser tu e não ela, e não esta relação doentia e moribunda.
Toma coragem e apaga-a da tua vida. De vez.
Faz isso e vais ver que ficarás bem melhor e disponível para encontrar um novo amor.
Confia em ti. Acredita em ti. Cuida de ti.
Aquele abraço amigo,
Ainda Solteira"
Imagem de perfil

De LegoLuna a 05.12.2016 às 21:40

Não resisti e mandei-lhe este e-mail:
"Ora viva Tiago!
Começando pelo fim, tenho a dizer-te que a foto que me enviaste diz tudo. Tudo que precisas para superares o que estás a passar.
Basta olhares para ela para veres que é aí que reside o teu grande, verdadeiro e eterno amor.
E é lá que deves buscar a força para ultrapassares este desgosto.
Não podemos controlar o que nos acontece, mas podemos - e devemos - controlar a forma como a ela reagimos.
Com isso quero dizer que não podes controlar as atitudes dela, mas podes - e deves - controlar a tua.
Não sei se já te deste conta mas o teu caso, publicado hoje, já suscitou duas reações, fora a minha,a qual dei-te conhecimento ontem.
E todas elas apontam numa única direção: larga de mão esse amor que não te faz feliz, esquece essa mulher.
Pode custar admitir, mas esse amor não te faz feliz. nunca fez.
Ninguém é feliz por causa de 10 dias de lua de mel perfeitos e mais uns quantos de mel.
No teu testemunho, ela nunca, em momento algum, deslocou-se para ir ter contigo.
Tu que estás combalido por causa de uma doença grave. Tu que tens a teu cargo duas crianças.E ainda assim sempre foste tu que foste ter com ela. O amor não pode ser unidirecional nem subserviente, em que só um dá e o outro apenas recebe.
Pensa.
O expectável não seria ela a deslocar-se - ela tem carro, ainda por cima - mesmo que por apenas umas horas só para te dar um abraço amigo, uma palavra de conforto, levando consigo o teu prato favorito ou a aquela sobremesa que tanto adoras. Só para tomar conta dos meninos, apenas para teres um momento de paz (ambos sabemos que as crianças são adoráveis, mas requerem atenção constante e absorvem muito uma pessoa).
Isso é que é AMOR.
Alguém atravessar o país de uma ponta à outra, gastar tudo o que tem na deslocação, levar consigo um mimo, chegar para mimar, acarinhar, aconchegar, confortar e cuidar.
Essa é a minha ideia de amor.
Ao longo do teu desabafo, em momento algum, assumes que ela tenha feito nada parecido.
Sabendo-te doente, em vez de te poupar, ela só fazia cenas, discussões, dramas, cobranças e exigências.
Sempre ela ela ela. Nunca tu.
Pelo que percebi, a única pessoa que sempre cedeu foste tu, ela em momento algum.
Se o meu homem, aquele que amo demais e sem o qual não posso viver, como ela própria assume, estivesse a travessar um momento delicado como o teu, largaria tudo, viajaria do Alasca ao Brasil, se preciso fosse ficaria sem dormir noites e noites só para estar ao lado dele. Gastaria todas as minhas poupanças em viagens só para ir vê-lo, nem que fosse por umas horas. Para lhe dar amor, para lhe transmitir força, fé e coragem. Para lhe dizer o quanto o amava, o quanto podia contar comigo, o quanto torcia pela sua recuperação, o quanto acreditava que tudo iria dar certo no fim. Tiraria uma hora para tomar conta dos filhos, só para ele poder ter um momento apenas seu. Cozinharia tudo que ele gostasse, o acompanharia às sessões de quimio que pudesse. Dormiria agarradinha a ele e o aconchegaria no meu peito até ele adormecer. Dar-lhe o melhor sexo da sua vida, apenas para lhe dar mais motivo para querer viver e fintar a doença. Quem vai querer morrer quando se tem um sexo assim?
Isso é que é AMOR.
Em vez de te poupar ela só te desgastou, stressou,traiu, enganou e agoniou.
É isso que queres para a tua vida? Acreditas mesmo que se voltarem as coisas serão diferentes? É esta a tua ideia de amor? Não achas que mereces mais e melhor? Se voltarem, que garantias tens de que não te volta a trair, mentir e enganar? Achas mesmo que ela vai mudar?
Pensa nisso, pega nas respostas, dá-as ao teu coração e escuta o que ele te diz: vale ou não a pena?
Pelo amor a ti mesmo, não queiras tão pouco da vida, não esperes tão pouco do amor nem te contentes com meia felicidade.
Aquele abraço amigo,
Ainda Solteira"
Sem imagem de perfil

De Fiquemos pelo anonimato a 06.12.2016 às 09:35

Antes de tecer qualquer comentário, é importante ouvir o outro interveniente.
“Julgar” uma pessoa sem saber se, a historia de ambas partes, cruzam, é ser irracional.
Dica: é necessário um post com a história dela
Imagem de perfil

De LegoLuna a 06.12.2016 às 10:50

Bem visto! Será que ela alinha?
Sem imagem de perfil

De Fiquemos pelo anonimato a 06.12.2016 às 11:50

O não é garantido. Não custa nada solicitar ao TS se tem interesse em, indicar o contacto da outra pessoa para que conte a história à AINDA SOLTEIRA e se dá autorização em disponibilizar a mesma
Sem imagem de perfil

De Pedro Lopes a 06.12.2016 às 11:14

Claro que há sempre duas versões da mesma história, e por regra a "verdade" encontra-se algures a meio caminho dessas duas versões.

Mas se a pessoa se sente usado e sente que do outro não há correspondência ao amor carinho que ele revela, tá a perder o seu tempo e forças em algo que não é correspondido a exceção de "luas de mel de férias" e a quem é que as coisas não correm sobre as nuvens quando se está nesses períodos.

É óbvio que nada que os outros digam o vai mudar de atitude, se ele próprio não conseguir analisar a situação em que se encontra de forma racional.
Imagem de perfil

De LegoLuna a 06.12.2016 às 11:22

Pedro, sabes que geralmente concordo contigo, mas eesta vez vou discordar. Para mim, toda a história tem três versões e não duas: a minha, a tua e aquela que realmente aconteceu. Eh eh eh, não pude resistir.
Sem imagem de perfil

De Pedro Lopes a 06.12.2016 às 11:49

Se reparar concordou com o que eu disse.
Apenas lhe chamou 3ª versão enquanto que eu não lhe atribuo uma designação em concreto "...a "verdade" encontra-se algures a meio caminho ..."

Por este falso reparo fica em divida de 1 café.
Sem imagem de perfil

De Fiquemos pelo anonimato a 06.12.2016 às 12:02

Respondendo aos 3 comentários,
Não existe 3 historias ou pontos de vistas.
Existe, sim, 2 histórias e do cruzamento das duas existe um resultado final, ou vulgo veredicto.
A 3º história existe se houver um cúmplice, neste caso, poderia ser a versão do homem com que ela traiu.

“Mas se a pessoa se sente usado e sente que do outro não há correspondência ao amor carinho que ele revela, tá a perder o seu tempo e forças em algo que não é correspondido a exceção de "luas de mel de férias" e a quem é que as coisas não correm sobre as nuvens quando se está nesses períodos.”

Não vou tecer nenhum comentário pois não sei a versão da outra parte

Referente a esta citação
“É óbvio que nada que os outros digam o vai mudar de atitude, se ele próprio não conseguir analisar a situação em que se encontra de forma racional.”

Concordo, não muda, mas uma palavras ou mesmo um abre olhos, poderá ser suficiente para ajudar a sair desta situação e encontrar o caminho certo. Por vezes, as pessoas estão enclausuradas nos seus problemas e não conseguem recuperar o que o passado roubou.
Imagem de perfil

De LegoLuna a 06.12.2016 às 12:57

Combinado!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D