Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


o-GET-OLD-facebook.jpg

Estes dias tenho dado de cara com tanto texto interessante e pertinente para este nosso espaço, que nem vejo necessidade de dar largas à minha imaginação e criatividade, (oficiosamente) em modo férias. Voltando ao assunto do post de hoje, digo-te que se trata de uma crónica da psicóloga Ana Alexandra Carvalheira, publicada na revista Visão, que nos convida a uma reflexão sobre os efeitos do passar dos anos no corpo feminino.

 

"O verão apenas começou e estou cansada de tantas advertências e pressões para conseguir um corpo magro, tonificado, e jovem. São receitas de refeições light, prescrições de chás e alimentos com funções detox, adelgaçante ou diurética, anúncios de cremes e óleos, tratamentos que engolem adipócitos, procedimentos que fazem desaparecer celulite, modalidades de exercícios físicos para todas as agendas, dos trinta minutos diários aos cinco para os mais ocupados. Tudo a favor de um determinado modelo de beleza que é ditado socialmente. E nesse modelo dominante o padrão de beleza está associado à idade jovem, ao vigor e à forma física. É um modelo extraordinariamente exigente sobretudo para a mulher, mas também já para o homem. É um modelo que exclui, despreza e expulsa totalmente um corpo a envelhecer.

 

Passados quarenta anos de enormes transformações na sociedade, continua a ser verdade a afirmação de Susan Sontag:

"Um homem, inclusive um homem feio, mantém-se sexualmente elegível até ter uma idade avançada. É um parceiro aceitável para uma mulher jovem e atraente. As mulheres tornam-se inelegíveis numa idade muito mais jovem. Assim, para a maior parte das mulheres o envelhecimento constitui um humilhante processo de desqualificação sexual" (Susan Sontag, 1975)

 

Querem-se corpos magros e jovens, e não praticar exercício físico é quase um sinal de debilidade de personalidade. Proliferam as campanhas "anti-aging" (odeio o nome), em que os cremes lifting para senhoras a partir dos 50 anos são publicitados por mulheres de 30. Na minha opinião, a luta desenfreada não deve ser contra o processo natural e vital que é o envelhecimento, mas sim contra a deserotização do corpo a envelhecer. Aqui, declaro a minha defesa do erotismo no envelhecimento e da possibilidade livre da atração entre pessoas que procuram o prazer independentemente da idade. Aqui me declaro contra as brigadas anti-aging que negam o envelhecimento e prometem juventudes eternas (que grande chatice…!).

 

Estou contra a tirania e escravatura do corpo tonificado e jovem. Uma ditadura que é transversal a todas as idades, que não afeta só as mulheres na segunda metade da vida. E a anorexia nas miúdas de 17 anos? E os rapazes de 16 a fazerem depilação definitiva? E a elevadíssima frequência de cirurgia estética mamária em miúdas no final da adolescência, em países como a Itália? Afirmo-me contra as imposições sociais sobre padrões de beleza e de atração que desconsideram e anulam a diversidade. E ainda mais contra aquela coisa abominável que é a subjugação ao que os outros pensam, ao que os outros vão dizer. Isto sim, uma falta de liberdade que nos impede de crescer.

 

Sou a favor do exercício físico, sim, ao longo de toda a vida. Dedicar tempo e trabalho ao cuidado do corpo e a favor da saúde e do bem estar, sempre. Também sou a favor da cirurgia estética e outros procedimentos que visam ajudar a pessoa a sentir-se mais atraente, sim, mas sem cairmos nas redes da tirania. Que seja sempre uma escolha livre, que vem de dentro, e não em resultado de malditas pressões externas para cumprir requisitos e exigências impostas socialmente que tantas vezes acarretam culpas e frustrações. Os problemas de autoimagem são altamente perturbadores da vivência sexual, sobretudo nas mulheres. Não gostar do próprio corpo, ter uma imagem negativa dele, não se sentir atraente, é um dos fatores que mais afeta o desejo sexual, a excitação, e a satisfação sexual. Digamos que a dificuldade com a autoimagem é um veneno para o prazer sexual.

 

Não ouço falar sobre a aceitação do processo de envelhecimento. De como pode ser importante ficar cara a cara com as rugas, com a perda da elasticidade da pele, dos músculos, dos tendões, entre outras coisas que se perdem. O que aqui defendo é a aceitação do envelhecimento com respetivos danos e perdas, numa atitude positiva que encara este período da vida como mais um momento desenvolvimental como todos os anteriores, em que se pode explorar as mais-valias e desfrutar e tirar partido dessa sabedoria que vem da experiência da vida longa. E sim, encontrar estratégias para minimizar as perdas e praticar atividade física adequada, que traga gozo e prazer. E que seja uma escolha livre e no sentido da saúde e do bem estar. Não por obrigação ou por sucumbir às malditas pressões sociais e ao inferno dos outros, do que eles dizem e do que eles pensam. E isto quanto mais cedo melhor! Não pensem que é tarefa dos velhos e comecem já.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D