Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


15540744_1430644106975815_550668755564984672_o.jpg

Ora viva!

 

A vida é uma grande bênção! Esta é para mim a mais absoluta das verdades. E diz isso uma criatura que nunca conheceu vida fácil, pelo contrário, aquela para quem a vida sempre foi mais madrasta do que mãe. Mesmo nos momentos mais críticos, em que, no auge do desespero e da desesperança, desejei abrir mão da própria existência, nunca deixei de acreditar nisso.

 

Vocação para suicídio não tenho, disso estou certa. Se tivesse, não estaria cá. Por diversas vezes cogitei a hipótese de por termo à vida, assumo. Contudo, despendia tanto tempo a analisar detalhadamente os prós e contras de cada uma das alternativas, que no fim chegava à conclusão que não havia uma única que não fosse excessivamente dolorosa, dramática ou de difícil execução.

 

Com isso, quero dizer que abrir voluntariamente mão da vida é uma empreitada que assumo ser incapaz de levar a cabo, por vários motivos: desistir é coisa de cobarde (algo que não sou de todo); a logística é demasiado complexa; desencadeia sofrimento alheio; o pós-morte é uma incógnita que pode-se revelar pior do que a realidade.

 

Milha a milha, légua a légua, braçada a braçada, fôlego a fôlego, vou dobrando o cabo das tormentas rumo ao cabo da boa esperança, tal qual Bartolomeu Dias. E apesar de os dramas-meus-de-todos-os-dias não me darem tréguas; tenho canalizado as minhas melhores energias no sentido de mudar (definitivamente) o chip, focando-me o mais possível no lado B (leia-se Bom) da vida, em vez do M (leia-se mau), como tenho feito a maior parte da minha existência.

 

A minha filosofia hoje em dia consiste neste raciocínio: "posso fazer algo para mudar determinada situação?". Se sim, mãos à obra; se não, então não quero saber. Aceito o que não depende de mim e sigo adiante. Parafraseando a letra de uma canção de que gosto bastante, "ando devagar porque já tive pressa e levo esse sorriso porque já chorei demais. Hoje me sinto mais forte, mais feliz, quem sabe, só levo a certeza de que muito pouco ou nada sei".

 

Com muita pena minha, constato que tantas pessoas teimam em encarar a vida, não como uma benção, mas sim como uma maldição, um sacrifício, uma penitência. A vida é, na verdade, uma grande aprendizagem, a qual só depende de nós torná-la extraordinária. Cumpri-la mais não é do compreender a marcha e seguir em frente, um dia de cada vez e dando sempre o melhor de nós.

 

De acordo com a filosofia do desenvolvimento pessoal, algo no qual tenho estado a investir, somos nós que transformamos a nossa vida num calvário, isso por não sabermos aceitar a aprendizagem e por continuarmos agarrados ao ego: "porquê eu?" ou "porque é que tenho que passar por isto?"

 

Não existe uma fórmula mágica para a felicidade, até porque cada indivíduo é um ser único, complexo e portador do livre arbítrio. A meu ver, aceitar que existe uma ordem superior regida por uma lógica perfeita (ainda que a maior parte das vezes não a compreendamos); que há coisas que, pura e simplesmente, não dependem de nós (como o comportamento alheio, por exemplo); que a vida é uma dádiva a qual devemos honrar; que a existência só faz sentido se for para estar em harmonia com o que nos rodeia; que, independentemente da raça, religião, crença ou filosofia de vida, todos nós merecemos ser felizes, já é meio caminho andado.

 

Despeço-me com este conselho amigo: aceita a benção da vida e faz de ti uma pessoa mais feliz e realizada. Desejo-te um fim de semana tão radiante como o sol que se faz lá fora.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D