Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


26
Jul16

A Lei dos Opostos

por LegoLuna

13096014_10154295786899258_5229996396553170259_n.j

Vamos falar de opostos? Como nota de contextualização invoco a Terceira Lei de Newton, que considera que todas as forças vêm aos pares, ou seja, toda a ação tem uma reação de igual intensidade no sentido contrário.

 

De acordo com um artigo do InsiderPro, não é possível ter "o melhor dos tempos" sem ter o "pior dos tempos" (numa alusão à cálebre frase do Charles Dickens). Isto é, para reconhecer o bom, há que conhecer o mau. Para saber o que é a saúde, há que experimentar a doença. Para se ser feliz, tem de se saber o que é ser infeliz. Sem escuridão, não haveria luz.

 

Sem opostos e sem contrastes, não teríamos sequer a hipótese de escolher. Sim, podemos escolher amar verdadeiramente sabendo o preço do sofrimento. Podemos escolher crescer, sabendo o que custam as dificuldades e os desafios. Podemos escolher o aperfeiçoamento sabendo que exige disciplina e humildade. Quanto maior a dificuldade, maior o crescimento, essa é que é essa.

 

Tal como Seth Godin explica em A Fraude de Ícaro: somos ensinados ao longo da vida a viver a meio gás. A ficarmo-nos pelo mediano. Ensinaram-nos que se voarmos demasiado alto, como Ícaro, as nossas asas derreterão e a queda será terrível. Optamos então por viver uma vida segura e conveniente. Mas isso não traz crescimento. Não é assim que se encontra amor. Não é assim que se encontra arte. Não é assim que se vive. Quanto mais violenta a dificuldade, mais intenso o crescimento. Madeira boa não cresce facilmente.

 

Acredito piamente que são os desafios inerentes à vida que tornam possível crescer e prosperar e que sem estes não haveria nada para ultrapassar. A vida seria insossa, sem graça, sem emoção, sem adrenalina. Se queremos mesmo criar algo impressionante, temos que estar dispostos a falhar e a ficar vulneráveis.

 

A palavra de ordem é não termos medo de ser ousados. Não se costuma dizer que a nossa felicidade começa quando saímos da nossa zona de conforto?

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro Lopes a 26.07.2016 às 13:52

"a nossa felicidade começa quando saímos da nossa zona de conforto"

Faz-me recordar um desafio que lhe tinha proposto, acerca do rapaz do ginásio! :)
Imagem de perfil

De LegoLuna a 26.07.2016 às 14:21

Oh Pedro, sabes que foi precisamente isso que me passou pela cabeça quando escrevi a frase. Pensei: "Que se lixe, mais vale levares logo com um não do que permanecer nesta angústia".

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D