Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas e confissões de uma rapariga gira e bem resolvida, na casa dos 30, que (ainda) não cumpriu o papel para a qual foi formatada: casar e procriar. Caso para cortar os pulsos ou dar graças? Talvez nem uma coisa nem outra!


aab3cac1e.jpg

O artigo de hoje inspira-se em Jenny Marchal e nas suas dicas para aproveitarmos melhor os nossos 30 anos. Na opinião desta colaboradora do Lifehack, a partir dos 40 a retrospetiva torna-se uma coisa maravilhosa, já que se trata do momento em que pode-se olhar para trás e ver que foram precisamente os anos de juventude que fizeram com que a pessoa se tornasse naquilo que é.

 

Os 20 foram os anos que contribuíram para que descobríssemos o nosso lugar no mundo. É essencialmente a época da diversão. A família e a sociedade formatam-nos para acreditarmos que é aos 30 que as coisas começam a ganhar forma: encontramos a pessoa na qual nos devemos tornar e estabelecemo-nos na sociedade através das nossas carreiras, filhos e casamento.

 

Quer estejas prestes a entrar nos 30 ou, como eu, a caminhares a passos largos para os 40, a palavra de ordem é aprender com aqueles que sabem, através destas seis máximas:

1. Para de te preocupares com o facto de a tua vida não ser o que esperavas

Na ju­ven­tude acre­di­tamos que os nossos 30 serão a al­tura em que já te­remos per­ce­bido tudo. Te­remos a carreira, o ca­sa­mento, o bebé e tudo o mais que isso isso. Mas a vida nem sempre corre como planeado. A década do inta é uma al­tura que traz grande pressão so­cial para se ter todas estas coisas, pelo que, se (ainda) não as tivermos, tendemos a passar por uma sen­sação de fra­casso. Os "de­veres" - trabalho, casa, filhos, poupanças e por aí adiante - tendem a blo­quear-nos e a deixar-nos frustradas. Se for este o teu caso, então fica a saber que não estás so­zinha. O meu conselho é que não percas o teu tempo a pensar no que ainda não fizeste e que apenas desfrutes da vida. As coisas, a acontecerem, chegarão na al­tura certa.

 

2. Passa menos tempo a trabalhar

Durante esta década, a tendência é estarmos muito fo­cados na car­reira, uma vez que levam-nos a acreditar que, para sermos felizes e bem-sucedidos na vida, de­vemos tra­ba­lhar bas­tante e cro­no­me­trar essas horas. Muitas vezes passamos mais tempo dedicados ao tra­balho do que propriamente a viver. Se te revês nesta descrição, fica a saber que é altura de começares a per­ceber que os mo­mentos pre­ci­osos com aqueles de quem gostas são muito mais im­por­tantes do que estares sen­tada no es­cri­tório a ganhar di­nheiro.

 

3. Arrisca mais

A pressão que sen­timos quando tempos 30 anos faz com que nos tor­nemos excessivamente cau­te­losos em relação à tomada de de­ci­sões. Uma das re­fle­xões comum a quem já passou pela década é a de não se ter vivido um pouco mais. Viaja pelo mundo, corre atrás do em­prego dos teus sonhos ou faz bungee jum­ping! O que importa é não teres medo de abraçar novas e emocionantes opor­tu­ni­dades. Lá porque tens 30 anos, não significa que não possas fazer o que te apetece e faz feliz.

 

4. Investe mais tempo a cuidar de ti

Os há­bitos anti exercício e de má ali­men­tação que ten­demos a adotar quando somos mais novos po­derão persistir até aos 40, al­tura em que se torna mais di­fí­cil abrir mão delas. Além de termos que correr atrás do prejuízo, o nosso metabolismo releva-se bastante mais lento e a energia dos 20 uma saudosa lembrança. De modo a evitares isso, mais vale investires desde já numa ati­tude po­si­tiva, que en­volva exer­cício e ali­men­tação sau­dável. Acredita que o teu corpo agradecerá quando en­trares nos 40.

 

5. Passa mais tempo com os teus pais

Ten­demos a achar que os nossos pais es­tarão con­nosco para sempre, mas, assim que entramos nos 40, apercebemo-nos que os nossos pais estão a ficar (realmente) velhos. Nestas alturas, é comum sen­tirmos que de­víamos ter pas­sado mais tempo com eles e que talvez não tenhamos muito mais tempo para desfrutarmos da companhia deles. Dar um sim­ples pas­seio irá tornar-se mais di­fícil quando se tor­narem frágeis, por isso arranja mais tempo para con­versas, férias e ati­vi­dades que possam fazer em con­junto.

 

6. Para de pensar que estás velha

Chegar aos 30 po­derá ser um choque, já que co­meçamos a acre­ditar que en­tramos definitivamente na ve­lhice. Por sentirmos que éstamos a ficar "velhos", começamos a limitar-nos, para não dizer boicotar-nos. Bom, não é nada disso! A vida não mudou de forma tão sig­ni­fi­ca­tiva desde os nossos 20, pelo que ainda somos jovem. É hora de sairmos para a vida e agarrar as opor­tu­ni­dades com que nos deparamos. A men­ta­li­dade é poderosa, pelo que tudo o que precisamos é de uma mu­dança de pers­petiva para percebermos que a vida pode ser emoci­o­nante e vi­vida ao li­mite em qual­quer idade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

11743008_10206151863028926_8775364282228775591_n.j

Acabo de ler que a ciência acredita que o cérebro dos génios funciona de forma diferente, fazendo com que, ao contrário do que se passa com a maioria dos mortais, a socialização possa trazer infelicidade.
 
Um estudo, publicado recentemente na revista científica British Journal of Psychology, sugere que quanto maior a necessidade de socialização de uma pessoa muito inteligente, menos satisfeita esta ficará com a vida. Este facto é atestado pelos resultados obtidos pelos psicólogos evolucionistas Satoshi Kanazawa, da London School of Economics, e Norman Li, da Universidade de Administração de Singapura, que garantem que os génios são mais solitários. Que novidade!
 
Estes investigadores acreditam que, por causa da herança ancestral, nos dias que correm, a maioria das pessoas assume sentir-se mais feliz quando convive com amigos e familiares, especialmente no caso de quem vive em lugares com menor densidade demográfica.
 
Contudo, este estudo prova que esta lógica não se aplica a pessoas com uma inteligência acima da média. No caso dos que possuem com QI muito alto, quanto mais precisam de socializar, a sua satisfação com a vida tende a ser menor.
 
"O efeito da densidade populacional na satisfação com a vida era mais de duas vezes maior para os indivíduos de baixo QI do que para os indivíduos com QI mais alto. E os indivíduos mais inteligentes eram, na verdade, menos satisfeitos com a vida se socializavam com os seus amigos com mais frequência", escreveram os autores.
 
Não sou nenhum génio, mas para mim esta não é nenhuma nova. Afinal, quanto mais inteligentes nós formos, maior a nossa capacidade de discernimento, exigência, excelência e realização. Ou seja, ao sabermos exatamente o que queremos e o que nos faz feliz, mais difícil torna-se contentarmo-nos com menos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

29
Mar16

12813962_970476916361781_4176904472337543211_n.jpg

O artigo de hoje aborda o drama do regresso ao status quo de solteira. Acredito que, em algum momento da tua vida, passaste por tal situação. Acredito também que, na altura, soube-te bem contar com o apoio "daquela" amiga. Aquela que se recusou a desistir de ti. Aquela que, que, por mais que dissesses que estavas bem e que precisavas de um tempinho só para ti, não permitiu que te deixasses levar pela depressão pós-separação. Aquela que nunca se cansou de puxar por ti, incentivando-te a dar a volta à situação com classe, dignidade e confiança. Estou certa?

 

Depois algum tempo no outro lado da barricada, é normal que te sintas um pouco perdida na hora de voltar a estar sozinha. Sei por experiência própria o quão doloroso é um rompimento, especialmente se estiveram envolvidos sentimentos sinceros e verdadeiros. Lamentos à parte, nada mais natural que queiras refazer a tua vida. E o primeiro passo para que tal aconteça é voltares a fazer uma vida de solteira (de preferência saudável). A pensar nisso, a Cosmo Brasil reuniu algumas dicas para voltares num instante a ser uma solteira super feliz.

 

1. Sê tu mesma

Se não gostarem, não há problema estamos no século XXI – ninguém é obrigado a nada. Depois de algum tempo com a mesma pessoa é normal que percas o jeito para flertar e para estar à vontade com outro homem, mas isso não implica abrires mão da tua essência.

 

2. Experimenta sexo ocasional

Pode parecer estranho ao início estar com outra pessoa – primeiro estranha-se, depois entranha-se -, mas pode ser uma oportunidade para te aventurares num mundo diferente. Quem sabe não descobres pontos de prazer que nunca pensaste ter.

 

3. Define bem o que realmente procuras num homem

Óbvio que isso irá aumentar as tuas expectativas, mas pensa naquilo que não gostavas no teu ex e se queres voltar a ter mais do mesmo. Não tenhas medo de ficar sozinha, leva o tempo que precisares até encontrares o tal.

 

4. Investe em ti

Sai sozinha para jantar, beber um copo ou ir de férias. És a tua melhor companhia. Desfruta das coisas que mais gostas sem ter de agradar a ninguém. Experimenta.

 

Se por algum infortúnio da vida estejas a passar por semelhante situação, atenta-te a estas dicas e faz do teu novo estado civil uma coisa boa, em vez de ficares a amargar a dor. Ser solteira pode não ser a melhor coisa do mundo, reconheço, mas também não é o fim do mundo. Muito pelo contrário! Tem inúmeras vantagens, pelo que só tens é que te concentrar no lado bom da coisa e deixar o passado aonde ele pertence: lá atrás.

Autoria e outros dados (tags, etc)

12705193_10208635324067579_8913128443409180189_n.j

Como se fossem precisos estudos científicos para atestar aquilo que qualquer pessoa com um par de neurónios funcionais é capaz de concluir por conta própria, mas aqui vai.

 

De acordo com um artigo do Observador, publicado por estes dias, ser sexy vai para além da roupa, do olhar e de um batom vermelho. Há outras formas de cativar quem está à nossa volta e que a ciência tem vindo a confirmar.

 

Seja ou não um cliché, a verdade é que a beleza nunca será suficiente para tornar uma pessoa irresistível. De pouco ou nada serve a uma pessoa ser muito bonita se não souber falar, não for interessante ou não tiver um tema de conversa. Ou seja, se não tiver conteúdo de pouco vale a embalagem, por mais atrativa que esta seja.

 

A Time juntou algumas coisas que tornam uma pessoa realmente sexy e que não implicam usar micro calções. Estas são as três mais importantes, que, não obstante serem do conhecimento geral, muitas vezes são esquecidas.

 

1. O sentido de humor é sexy

É um clássico. Toda a gente gosta de rir e é um dom saber fazer os outros darem gargalhadas. Estudos recentes mostram que embora homens e mulheres digam que apreciam o sentido de humor num potencial parceiro, não se estão a referir ao mesmo. As mulheres gostam de homens que as façam rir e os homens gostam de mulheres que riam das suas piadas.

 

2. A personalidade é sexy

Um defeito nunca vem só, e o mesmo se pode dizer de uma qualidade. Segundo estudos realizados com pessoas de várias culturas, mais propriamente de dez regiões do mundo, as pessoas agradáveis e conscientes são melhores maridos, mulheres e pais, já as que são desagradáveis e inconscientes têm mais parceiros sexuais - ou seja, exibem níveis mais altos de promiscuidade -, e têm tendência para a infidelidade.

 

3. O que nos despertam é sexy

Vários estudos têm mostrado que nós não nos apaixonamos por uma pessoa, mas sim pela forma como nos sentimos quando estamos com ela ("amo o que sou quando contigo estou", diz-te alguma coisa?). E isto demonstra-se através do conceito de 'contágio emocional': somos péssimos a explicar o que nos faz sentir de determinada maneira, mas ótimos a fazer associações. Sentir-se animado ou estimulado está muito relacionado com as pessoas que nos rodeiam, mesmo que as pessoas não sejam a causa direta desse estado de espírito. Claro que há outros fatores que tornam uma pessoa sexy, como ter temas de conversa, ter à vontade para partilhar a sua vida ou sentir que se é desejado.

 

A revista norte-americana até vai mais longe e escreve que o amor à primeira vista também é sexy e que para acontecer connosco só temos que acreditar que ele existe. Claro que tudo vai depender do conceito que cada um tem da palavra, mas estas dicas permitem, pelo menos, ter um ponto de partida por onde começar.

 

Se eu for levar ao pé da letra este artigo, serei obrigada a assumir perante ti que sou a mais sexy das criaturas. Sendo assim, porque continuo "atracada"? Ahhhh… Lembrei-me! Porque sou exigente, picuinhas e solteira por vocação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

25
Mar16

Feliz Páscoa

por LegoLuna

coelho-pascoa-09cf332d60686a2a2cd7c6f130f82c731456

Páscoa é momento de passagem, de mudança, de transformação. De recomeço e de esperança renovada. Uma santa e feliz Páscoa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

12495149_1176178195740864_1466579131887271478_n.jp

12439300_1176178062407544_5982224063087914874_n.jp

12107044_1176178959074121_109367228895400661_n.jpg

11937436_1176178972407453_2611032003579037082_n.jp

10409566_1176178812407469_4482943034277684320_n.jp

10398462_1176178569074160_6428441063919399646_n.jp

1610017_1176178682407482_1063007475992595811_n.jpg

941326_1176178872407463_8934360586983492223_n.jpg

 

12063824_1176178182407532_912069373429948822_n.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

23
Mar16

naom_56effc1228975.jpg

 

Parece que afinal as meias, geralmente consideradas um atentado estético ao ato sexual, podem ser autênticas aliadas na hora do prazer master.

 

Pelo menos é esta a convicção de Inés Picornell Darder, especialista em neurofisiologia, que contou ao El País que dormir com meias que permitam aquecer e manter a temperatura corporal não só é saudável, como até é recomendável.

 

Isto, porque segundo um estudo da Universidade de Groningen, na Holanda, ter meias calçadas durante as relações sexuais "facilita a ambos a chegada ao orgasmo". O autor deste estudo, Gert Holstege, comprovou que 80% dos casais tinham meias calçadas durante o clímax, comparativamente aos restantes que preferiram permanecer descalços.

 

Cristina Callao, psicóloga especializada em sexologia, concorda: "quando a temperatura dos nossos pés é suficientemente quente e confortável, mantemos a autorregulação do nosso corpo e, deste modo, o sangue irriga de forma direta o clitóris e os genitais masculinos."

 

Com que então, nós mulheres temos andado este tempo todo a implicar com as pobres das peúgas, rotulando-as de corta-tesão, quando na verdade elas até podem contribuir para a nossa felicidade. A ser assim…, deixai estar as coitadas no lugar onde elas melhor servem. Escusado será dizer que é essencial escolher-se umas confortáveis (que não apertem) e limpas (nunca as mesmas que se usou durante o dia). Convém também lavar bem os pés antes de calçar aquelas com que se vai dormir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

22
Mar16

5F_HedyLamarr.jpg

 

Neste mês da mulher convém pararmos um momento para pensar como seria o mundo sem algumas das invenções, frutos do engenho e da criatividade de mulheres brilhantes. De acordo com o Insider Pro estas são algumas delas:

 

1. Cerveja

Na ver­dade até hoje não se sabe exa­ta­mente quem in­ventou a cer­veja, mas se­gundo a his­to­ri­a­dora Jane Peyton, a pre­pa­ração de cerveja coube às mu­lheres durante mi­lhares de anos. Em 2010, o Te­le­graph pu­blicou um ar­tigo que dizia: "Na Meso­po­tâmia e na Suméria, há cerca de 7 mil anos atrás, as ha­bi­li­dades das mulheres eram tão im­por­tantes que eram as únicas que ti­nham per­missão para fa­bricar cer­veja e gerir tabernas."

 

2. Saco de papel (com o fundo quadrado)

Mar­garet Knight não in­ventou o saco de papel, mas foi a pri­meira a notar que os sacos de papel co­muns, mais pa­re­cidos com en­ve­lopes, não eram muito prá­ticos. Assim, em 1870, criou a pri­meira má­quina que cor­tava e co­lava fundos qua­drados aos sacos de papel. Antes de Knight con­se­guir pa­ten­tear a sua má­quina, o de­sign da mesma foi rou­bado por Charles Annan, que afirmou que ne­nhuma mu­lher poderia in­ventar um me­ca­nismo tão com­plexo. Knight intentou um processo ju­di­cial contra o mesmo e provou que o pro­tó­tipo era da sua autoria. Em 1871 Mar­garet ga­nhou a pa­tente.

 

3. Máquina de lavar louça

Em 1886, Jo­sephine Co­ch­rane, dama da alta so­ci­e­dade, an­dava in­dig­nada com a quan­ti­dade de porcelana par­tida pelas suas cri­adas. Foi assim que surgiu a pri­meira má­quina de lavar louça.

 

4. Escada de incêndio
A pri­meira saída de emer­gência através de uma es­cada foi pa­tenteada por Anna Connelly, em 1897. Nos anos 1990, o mo­delo de Con­nelly passou a in­te­grar os obri­ga­tó­rios có­digos de se­gu­rança dos edi­fí­cios em muitos es­tados dos EUA.

 

5. Monópolio

Este popular jogo, ori­gi­nal­mente de­sig­nado The Lan­dlord's Game, foi in­ven­tado por Eli­za­beth Magie, ins­pi­rada pela opor­tu­ni­dade de "mostrar os efeitos trá­gicos da apro­pri­ação de terras".

 

6. Limpa para-brisas

Em 1903, Mary An­derson notou que os con­du­tores pa­ravam muitas vezes para limpar o gelo do para-brisas. Então, in­ventou o pri­meiro limpa para-brisas, que consistia num braço com uma bor­racha em todo o seu compri­mento que po­deria ser ati­vado sem que o con­dutor saísse do carro. An­derson so­li­citou uma pa­tente em 1904 e con­seguiu-a em 1905.

 

7. Biscoito com pepitas de chocolate

Em 1930, Ruth Wa­ke­field, proprietária de um pe­queno hotel, tinha o há­bito de pre­parar bis­coitos para os hóspedes. Um dia, viu que não tinha mais cho­co­late der­re­tido e como es­tava com pressa, partiu pedaços de cho­colate Nestlé, pen­sando que o cho­co­late iria der­reter no forno. Mas não foi isso que acon­teceu.

 

8. A primeira casa com painéis solares

Maria Telkes tra­ba­lhava no Ins­ti­tuto de Tec­no­logia de Mas­sa­chu­setts (MIT) num pro­jeto de pes­quisa na área da energia solar. Nos anos 1940, em co­la­bo­ração com a ar­qui­teta Ele­anor Ray­mond, ela­borou o pro­jeto da primeira casa aque­cida com pai­néis so­lares.

 

9. Software de computador

Nos anos 50 do século passado, Grace Hopper, ci­en­tista da com­putação, in­ventou o COBOL, o pri­meiro software de com­pu­tador fácil de uti­lizar. Em 1969, Hopper re­cebeu o pri­meiro prémio 'Homem da Ci­ência da Com­pu­tação do Ano'.

 

10. Kevlar

O tra­balho de Stephanie Kwolek na em­presa Du­Pont, em pes­quisa de com­postos quí­micos, levou-a a in­ventar o Ke­vlar - ma­te­rial uti­li­zado em co­letes à prova de bala e que também se usa para pro­duzir esquis, pneus radiais, calços de travão, etc. Kwolek patenteou a sua in­venção em 1966.

 

11. Isolamento de células estaminais

Ann Tsu­ka­moto é uma das duas pes­soas que ob­teve uma pa­tente para o pro­cesso de iso­la­mento de cé­lulas es­ta­mi­nais do corpo humano. O seu tra­balho levou a avanços na área da pes­quisa ao redor do fun­ci­o­na­mento da cor­rente san­guínea dos pa­ci­entes com cancro, o que po­derá con­tri­buir para a des­co­berta de um tratamento.

 

Depois disto, só me resta dizer: e viva elas!

Autoria e outros dados (tags, etc)

21
Mar16

shutterstock_160131242-636x370.jpg

 
De acordo com o Volta ao Mundo, viajar torna-nos mais atraentes aos olhos dos outros. Para sustentar esta teoria a revista apresenta seis razões:
 
1. Mais bondade
Por, não poucas vezes, se deparam com realidades bastante diferentes, muitas delas dramáticas até, ou então por sentirem-se mais vulneráveis devido ao facto de estarem fora do seu ambiente familiar, os viajantes costumam demonstrar maior preocupação com o próximo e maior interesse em ajudar, E uma pessoa boa é sempre vista com melhores olhos do que um qualquer insensível que só quer saber de si.
 
2. Inveja branca
A meio de uma conversa, nada como largar algumas bombas como "amor e uma cabana nas ilhas Virgens" ou "aventura nos Himalaias" para chamar à atenção e assumir o comando da conversa. A inveja, quando boa, pode ser um poderoso afrodisíaco...e despertar admiração.
 
3. Bronze fora de época
Em pleno inverno, regressar ao trabalho com aquele ar de recém-chegado dos trópicos dá sempre nas vistas e azo a elogios inesperados. E tema para muita conversa.
 
4. Histórias interessantes para contar
Seja de locais únicos, de momentos inesquecíveis, de peripécias mirabolantes ou de aventuras fascinantes. A verdade é que toda a gente gosta de ouvir uma boa história. Desde que bem contada, sem exageros e gabarolices.
 
5. Novos idiomas
Ou, pelo menos, algumas palavras que podem servir de isco para uma conversa mais proveitosa. Um elogio em francês ou em italiano faz milagres num serão entre amigos e conhecidos.
 
6. Mais felicidade
Ser feliz faz bem à pele, está cientificamente comprovado. Se a pele está boa, o aspeto exterior será com certeza mais agradável para os outros.
 
Vontade de fazer já a mala e partir à conquista do mundo? Não és a única, acredita! Se pudesse passaria o tempo todo à descoberta de novos países, novas culturas, novas gentes, novos amores, novas estórias, novas experiências, novos tudo. Não é por acaso que sou sagitariana.

Autoria e outros dados (tags, etc)

19
Mar16

aa9bdc5e4.jpg

 

Quando a alma, o espírito e a mente estão em paz, o corpo é principal torna-se o principal beneficiado, uma vez que também ele conhecerá a paz. Por não existir separação no nosso ser, já que está tudo interligado, quanto mais meditação mais união e equilíbrio.

 

Atualmente muito se tem falado sobre o Mindfulness - aliás já aqui publiquei um artigo sobre isso - um conceito muito em voga, que mais não é do que a tomada de consciência do presente em que nos encontramos, sejam nas ações, pensamentos, emoções, gestos, intenções, etc.

 

Neste contexto, a meditação apura os nossos sentidos, principalmente a intuição, e ajuda-nos a ter mais foco e atenção ao que sentimos, pensamos e fazemos. Assim sendo, o ganho maior da meditação não é o de controlar os pensamentos, mas apenas deixá-los fluir, ao compasso do ritmo natural da respiração.

 

Meditar é para a mente o que o yoga é para o corpo. Pode ser feito diariamente, nem que por apenas cinco minutos (ao deitar ou ao acordar são os momentos ideais). Esse tempo pode parecer pouco, mas fará toda a diferença na nossa vida, acredita. Com a prática, os hábitos pouco saudáveis vão desaparecendo para darem lugar a escolhas e atitudes saudáveis. Como tudo na vida, é só uma questão de tempo, prática e dedicação.

 

O essencial nesta técnica é deixar a mente fluir, sem grandes preocupações sobre a melhor forma de o fazer. Os especialistas defendem que o importante é aquietar o corpo, regular a respiração, seguir a cadência respiratória e deixar a mente levitar.

 

Já que a meditação aguça os sentidos e ajuda a ter maior consciência em relação aos sentimentos, pensamentos e atitudes, porque não experimentar? Há muito que ando desejosa de fazer isso, pelo que é desta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/3



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D